Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Dermatite seborreica

Por

Mercedes E. Gonzalez

, MD,

  • Clinical Assistant Professor of Dermatology
  • University of Miami Miller School of Medicine
  • Clinical Assistant Professor of Dermatology
  • Florida International University Herbert Wertheim College of Medicine
  • Medical Director
  • Pediatric Dermatology of Miami

Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

A dermatite seborreica é uma inflamação da pele em regiões com alta densidade de glândulas sebáceas (p. ex., face, couro cabeludo, tronco superior). A causa é desconhecida, mas espécies Malassezia, uma levedura cutânea normal, desempenham algum papel. A DS ocorre com maior frequência em pacientes com HIV e em naqueles com certas doenças neurológicas. A DS causa prurido ocasional, caspa e descamação gordurosa amarelada ao redor da linha de implantação dos cabelos e na face. O diagnóstico é clínico. O tratamento é feito com alcatrão ou outros xampus medicinais e corticoides tópicos e antifúngicos.

(Ver também Definição da dermatite.)

Apesar do nome, a composição e o fluxo de sebo, em geral, é normal. A patogênese da dermatite seborreica não é bem definida, mas sua atividade foi relacionada à quantidade de leveduras Malassezia presentes na pele. A dermatite seborreica ocorre mais frequentemente em crianças, geralmente nos primeiros 3 meses de vida, e em pessoas com 30 a 70 anos. A incidência e gravidade da doença parecem ser afetadas por fatores genéticos ou emocionais, estresse físico ou clima (em geral piora no frio). A DS pode preceder ou se associar à psoríase (seborreia). A DS é mais comum e mais grave em pacientes com doença neurológica (especialmente doença de Parkinson) ou HIV/aids. Muito raramente, a dermatite se generaliza.

Sinais e sintomas

Os sintomas de dermatite seborreica se desenvolvem gradualmente, e a dermatite geralmente só é aparante como flocos secos (caspa) ou descamação difusa, seca ou oleosa do couro cabeludo (caspa) com prurido variável. Em casos graves, surgem pápulas amarelo-avermelhadas descamativas ao longo da implantação dos cabelos, atrás das orelhas, no meato auditivo externo, sobrancelhas, axilas, na região da base nasal, sulcos nasolabiais e região esternal. Podem se desenvolver blefarite marginal com crostas amareladas secas e irritação conjuntival. A DS não causa queda de cabelos.

Recém-nascidos podem desenvolver DS com lesão crostosa espessa e amarelada no couro cabeludo (crosta láctea); fissuras e descamação amarelada atrás das orelhas; pápulas avermelhadas na face e exantema refratária na região das fraldas. Crianças com mais idade e adultos podem desenvolver espessas placas descamativas no couro cabeludo, com 1 a 2 cm de diâmetro.

Manifestações da dermatite seborreica

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

O diagnóstico de dermatite seborreica é feito pelo quadro clínico.

Dermatite seborreica pode às vezes ser difícil de distinguir de outras doenças como psoríase, dermatite atópica, dermatite de contato, tinha e rosácea.

Tratamento

  • Terapia tópica com antifúngicos, corticosteroides e inibidores de calcineurina

Adultos e crianças maiores

Em adultos com envolvimento do couro cabeludo, deve-se usar piritionato de zinco, ácidos salicílico e sulfúrico, sulfeto de selênio, cetoconazol (2% e 1%) ou xampu de alcatrão (de venda livre) diariamente ou em dias alternados até a caspa ser controlada e, então, 2 vezes por semana. Loções de corticoide (p. ex., solução de fluocinolona acetonida a 0,01%, loção de triancinolona acetonida a 0,025%) podem ser friccionadas no couro cabeludo ou em outras áreas pilosas duas vezes ao dia, até o controle da descamação e do eritema.

Para a dermatite seborreica das regiões retroauriculares, sulcos nasolabiais, margens palpebrais e base do nariz, utilizam-se cremes de hidrocortisona a 1 a 2,5%, 2 ou 3 vezes ao dia, diminuindo para uma vez ao dia, quando a doença estiver sob controle; o creme de hidrocortisona é o corticoide menos agressivo para a face, pois os fluoratos produzem efeitos adversos (p. ex., telangiectasia, atrofia, dermatite perioral). Em alguns pacientes, creme de cetoconazol a 2% ou outros imidazóis tópicos aplicados vezes ao dia por 1 a 2 semanas induzem a remissão que dura meses. Imidazol ou hidrocortisona podem ser utilizados como terapia de primeira linha; se necessário, eles podem ser usados simultaneamente. Inibidores de calcineurina (pimecrolimus e tacrolimus) também são eficazes, particularmente quando o uso a longo prazo é necessário. Na seborreia das bordas palpebrais, com um cotonete aplica-se uma diluição de 1 parte de xampu infantil e 9 partes de água.

Recém-nascidos e crianças

Em neonatos, usa-se xampu para lactentes diariamente, e pode-se utilizar 1 a 2,5% de creme de hidrocortisona ou óleo a 0,01% de fluocinolona 1 a 2 vezes ao dia para vermelhidão e descamação no couro cabeludo ou na face. Antifúngicos tópicos, como creme de cetoconazol a 2% ou creme de econazol a 1%, também podem ser úteis nos casos graves. Em lesões espessas no couro cabeludo de lactente ou criança pequena aplica-se óleo mineral, óleo de oliva ou gel ou óleo de corticoide à noite às áreas afetadas e fricção leve na região com uma escova de dentes. O couro cabeludo deve ser tratado com xampu diariamente até que as escamas espessas desapareçam.

Pontos-chave

  • Em adultos, a dermatite seborreica causa caspa e, às vezes, descamação em volta das sobrancelhas, nariz, orelha externa, atrás das orelhas, na axila e no esterno.

  • A dermatite seborreica pode causar lesão com crostas amareladas espessas no couro cabeludo de recém-nascidos ou placas escamosas no couro cabeludo de crianças mais velhas e adultos.

  • Tratamentos podem incluir xampus medicinais e corticoides tópicos.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS