Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Asma em crianças

Por

Rajeev Bhatia

, MD, Phoenix Children's Hospital

Última revisão/alteração completa set 2018| Última modificação do conteúdo set 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A asma é um distúrbio pulmonar inflamatório recorrente no qual certos estímulos (fatores desencadeantes) inflamam as vias respiratórias e fazem com que elas se estreitem temporariamente, o que resulta em dificuldades para respirar.

  • Os fatores desencadeantes da asma incluem infecções virais, fumaça, perfumes, pólen, mofo e ácaros.

  • Sibilos, tosse, falta de ar, aperto no peito e dificuldade para respirar são sintomas da asma.

  • O diagnóstico toma por base os episódios repetidos de sibilos da criança, um histórico familiar de asma e, algumas vezes, os resultados de exames que medem o funcionamento dos pulmões.

  • Muitas crianças que apresentam sibilos na infância não terão asma quando forem mais velhas.

  • Em geral, é possível prevenir os sintomas da asma ao se evitar os fatores desencadeantes.

  • O tratamento inclui broncodilatadores e corticosteroides inalados.

(Consulte também Asma em adultos.)

Embora a asma possa se desenvolver em qualquer idade, ela começa mais frequentemente na infância, especialmente nos primeiros cinco anos de vida. Algumas crianças continuam a sofrer de asma quando atingem a idade adulta. Em outras crianças, a asma se resolve. Às vezes, há crianças que os médicos pensavam ter asma, mas na verdade, tinham outro distúrbio que causou sintomas similares ( Sibilos em bebês e crianças pequenas).

A asma é uma das doenças crônicas da infância mais comuns, afetando mais de seis milhões de crianças nos Estados Unidos. Ela ocorre mais frequentemente em meninos antes da puberdade e em meninas após a puberdade. A asma se tornou muito mais comum em décadas recentes. Os médicos não sabem ao certo porque isso acontece. Mais de 8,5% das crianças nos Estados Unidos foram diagnosticadas com asma, o que representa um aumento de 100% nas últimas décadas. A taxa sobe para 25% a 40% entre algumas populações de crianças urbanas. A asma é uma das principais causas de hospitalização de crianças e é o principal quadro clínico crônico causador de absenteísmo escolar.

A maioria das crianças com asma é capaz de participar das atividades normais da infância, exceto durante as crises. Um número menor de crianças tem asma moderada ou grave e precisa tomar medicamentos preventivos diariamente para poderem praticar esportes e brincar normalmente.

Desencadeadores da asma

Por razões desconhecidas, as crianças com asma respondem a determinados estímulos (fatores desencadeantes) de forma diferente das crianças sem a doença. As crianças com asma podem ter certos genes que as tornam mais suscetíveis a reagirem a certos fatores desencadeantes. A maioria das crianças com asma também têm pais e irmãos ou outros parentes com asma, o que é evidência de que os genes são relevantes na asma.

Existem muitos fatores desencadeantes potenciais e a maioria das crianças responde apenas a alguns deles. No entanto, em algumas crianças, não é possível identificar os fatores desencadeantes específicos das crises.

Todos os fatores desencadeantes resultam em uma resposta semelhante. Certas células das vias respiratórias liberam substâncias químicas. Estas substâncias

  • Causa inflamação e inchaço das vias aéreas

  • Estimula a contração das células musculares nas paredes das vias aéreas

  • Aumenta a produção de muco nas vias aéreas

Cada uma dessas respostas contribui para um estreitamento repentino das vias respiratórias (crise de asma). Na maioria das crianças, as vias respiratórias voltam ao normal entre as crises de asma. A estimulação repetida por essas substâncias químicas aumenta a produção de muco nas vias respiratórias, provoca a liberação das células que revestem as referidas vias e a hipertrofia das células musculares das suas paredes.

Tabela
icon

Fatores desencadeantes comuns da asma

Fatores desencadeantes

Exemplos

Alérgenos

Poeira ou ácaros, bolores, pólen ambiental, pelos de animais, fezes de baratas e penas

Exercício

Particularmente exercício em ar frio ou seco

Substâncias irritantes

Tabagismo e tabagismo passivo, perfumes, fumaça da queima de madeira, produtos de limpeza, velas aromáticas, poluição atmosférica ambiental, odores fortes e vapores irritantes

Infecções respiratórias virais*

Infecção pelo vírus sincicial respiratório, rinovírus, vírus da parainfluenza

Outros

Emoções (como ansiedade, raiva e animação), aspirina ou outros anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) e refluxo gastroesofágico

*As infecções virais são os fatores desencadeantes mais comuns em crianças.

Fatores de risco da asma

Os médicos não compreendem completamente o motivo pelo qual algumas crianças desenvolvem asma; contudo, numerosos fatores de risco são reconhecidos:

  • Infecções virais

  • Fatores hereditários e pré-natais

  • Exposição a alérgenos

Uma criança com pai ou mãe com asma tem 25% de chance de desenvolver asma. Caso ambos os pais tenham asma, o risco aumenta para 50%. Crianças cuja mãe fumou durante a gravidez podem ter maior probabilidade de desenvolver asma. A asma também foi associada a outros fatores relacionados à mãe, como idade precoce ao se tornar mãe, má nutrição e falta de amamentação. Prematuridade e baixo peso de nascimento também são fatores de risco.

Nos Estados Unidos, as crianças de ambientes urbanos têm maior propensão a desenvolver asma, especialmente se pertencerem a grupos socioeconomicamente desfavorecidos. Ainda que isso não seja completamente compreendido, acredita-se que condições de pobreza, maior exposição potencial a fatores desencadeantes e menos acesso a serviços de saúde contribuam para a incidência mais elevada de asma nesses grupos. Embora a asma afete um percentual mais elevado de crianças negras do que brancas, o papel de aspectos genéticos da raça na incidência crescente de asma é controverso, uma vez que crianças negras também têm maior probabilidade de viverem em áreas urbanas.

As crianças que são expostas desde cedo a concentrações elevadas de certos alérgenos, como ácaros ou fezes de baratas, têm maior probabilidade de desenvolver asma. Contudo, os médicos observaram que a asma é mais comum em crianças nos países desenvolvidos. As crianças nesses países tendem a viver em ambientes muito limpos e higiênicos e são expostos a menos doenças infecciosas do que crianças que vivem em países menos desenvolvidos. Assim, os médicos acreditam ser possível que a exposição a certas substâncias e infecções durante a infância possa de fato ajudar o sistema imunológico das crianças a aprender a não reagir excessivamente aos fatores desencadeantes.

A maioria das crianças que estão tendo uma crise de asma e 90% das crianças que foram hospitalizadas por asma têm uma infecção viral (normalmente rinovírus ou o resfriado comum). As crianças com bronquiolite desde cedo têm, com frequência, sibilos com infecções virais posteriores. Os sibilos podem ser interpretados, inicialmente, como asma; no entanto, essas crianças não são mais propensas do que outras a sofrer de asma durante a adolescência.

A dieta pode ser um fator de risco. Crianças que não consomem uma quantidade suficiente de vitaminas C e E e ácidos graxos ômega 3 ou que são obesas correm o risco de ter asma.

Sintomas

Como as vias respiratórias se estreitam durante uma crise de asma, a criança manifesta dificuldade para respirar e tosse, que costumam estar acompanhadas por sibilos. Sibilos são um ruído agudo que se ouve quando a criança expira.

No entanto, nem todas as crises de asma provocam sibilos. Especialmente em crianças bem pequenas, a asma branda pode resultar somente em tosse. Algumas crianças mais velhas com asma leve tendem a tossir somente ao se exercitar ou quando expostas a ar frio. Além disso, crianças com crises de asma muito graves podem não apresentar sibilos, visto que o fluxo de ar é pequeno demais para provocar ruídos.

Numa crise grave, a respiração se torna visivelmente difícil, os sibilos geralmente se tornam mais altos, a criança respira mais rapidamente e com maior esforço e as costelas ficam salientes quando a criança inspira. Em crises muito intensas, a criança luta para respirar e se senta inclinando-se para frente. A pele fica suada e pálida ou azulada. As crianças com crises intensas frequentes apresentam, por vezes, retardo do crescimento, embora seu crescimento seja normalmente similar ao de outras crianças quando chegam à idade adulta.

Diagnóstico

  • Sibilos e histórico familiar de asma ou alergias

  • Às vezes testes para determinar alergias

  • Às vezes, exames de função pulmonar

Um médico suspeita de asma em crianças que têm repetidos episódios de sibilos, em particular quando se sabe que familiares sofrem de asma ou alergias. Radiografias do tórax são raramente necessárias para o diagnóstico da asma em crianças. Normalmente, radiografias só são feitas se os médicos acreditarem que os sintomas da criança podem ser causados por outra doença, como pneumonia. Às vezes, os médicos fazem testes de alergia para ajudar a determinar possíveis fatores desencadeantes.

Nas crianças com episódios frequentes de sibilos, é possível fazer exames quanto à presença de outros distúrbios, como fibrose cística ou refluxo gastroesofágico. Às vezes, as crianças mais velhas fazem exames que são usados para medir o funcionamento de seus pulmões (exames de função pulmonar). Na maioria das crianças com asma, a função pulmonar é normal entre as crises.

As crianças mais velhas ou os adolescentes que têm asma conhecida utilizam, com frequência, um medidor de pico de fluxo (um pequeno dispositivo manual que registra a rapidez com que a pessoa consegue expirar o ar), para medir o grau de estreitamento das vias respiratórias. Este dispositivo pode ser usado em casa. Os médicos e pais podem usar essas medições para avaliar o quadro da criança durante uma crise ou entre crises. Radiografias não são feitas durante uma crise em crianças que se sabe ter asma a menos que os médicos suspeitem de outro distúrbio, tal como pneumonia ou pulmão colapsado.

Você sabia que...

  • Um grão de poeira pode conter 40.000 ácaros, que são importantes fatores desencadeantes da asma.

Prognóstico

A asma de muitas crianças desaparece quando elas crescem. Contudo, até uma em cada quatro crianças continua a ter crises de asma ou os sintomas da asma se resolvem, mas acabam voltando (chamado de recaída) quando as crianças ficam mais velhas. As crianças com asma grave têm mais probabilidade de ter asma quando forem adultos. Outros fatores de risco para a persistência e a recaída incluem ser do sexo feminino, tabagismo, desenvolvimento da asma em idade jovem e sensibilidade a ácaros.

Embora a asma cause um número significativo de mortes por ano, a maior parte desses casos é passível de prevenção por meio de tratamento. Assim, o prognóstico é bom para as crianças que têm acesso a tratamento e que conseguem seguir seu plano terapêutico.

Prevenção

Não se sabe ainda como prevenir o desenvolvimento da asma em uma criança com histórico familiar de asma. Contudo, uma vez que há evidência de que as crianças com mães que fumaram na gravidez têm mais probabilidade de ter asma, as mulheres grávidas não devem fumar, particularmente se elas tiverem um histórico familiar de asma.

Por outro lado, existem muitas coisas que podem ser feitas para prevenir os sintomas ou crises de asma em crianças que têm asma.

As crises de asma podem, muitas vezes, ser prevenidas ao se evitar ou tentar controlar os fatores desencadeantes das crises na criança. Os seguintes devem ser removidos do quarto de crianças que têm alergias:

  • Travesseiros de pena

  • Tapetes e carpete

  • Cortinas

  • Móveis estofados

  • Bichos de pelúcia

  • Animais de estimação

  • Outras possíveis fontes de ácaros e alérgenos

Outras maneiras de reduzir os alérgenos incluem

  • Usar travesseiros de fibra sintética e cobertas impermeáveis

  • Lavar os lençóis, fronhas e cobertores com água quente

  • Usar desumidificador no porão e em outras áreas que recebem pouca ventilação e são úmidas, para reduzir o mofo

  • Usar vapor para limpar a casa para reduzir ácaros e alérgenos

  • Limpar a casa e fazer dedetização para eliminar exposição a baratas

  • Não fumar cigarros em casa

O tabagismo passivo com frequência piora os sintomas de crianças com asma. Assim, é importante eliminar o tabagismo, pelo menos, de áreas frequentadas pela criança.

Outros fatores desencadeantes, como odores fortes, vapores irritantes, temperaturas baixas e alta umidade devem também ser evitados ou controlados quando possível.

Uma vez que exercícios são tão importantes para o desenvolvimento das crianças, os médicos em geral as encorajam a praticar atividade física, se exercitar e usar um medicamento contra a asma antes de se exercitar, se necessário.

Vacinas para alergia (imunoterapia)

Se não se puder evitar determinado alérgeno, um médico pode tentar insensibilizar a criança utilizando vacinas para alergia, embora os benefícios dessas injeções não sejam totalmente conhecidos no caso da asma.

As vacinas para alergia costumam ser mais eficazes em crianças que em adultos. Em geral, as vacinas são interrompidas se não houver uma melhora significativa nos sintomas da asma após 24 meses. Se houver uma melhora nos sintomas, as vacinas devem continuar a ser administradas por, no mínimo, mais três anos. Contudo, a duração ideal do tratamento ainda é desconhecida.

Tratamento

  • No caso de crises agudas, broncodilatadores e, às vezes, corticosteroides

  • No caso de asma crônica, corticosteroides inalados (às vezes combinados com broncodilatadores) e, possivelmente, modificadores dos leucotrienos e/ou cromolina

O tratamento é dado para resolver crises súbitas (agudas) e algumas vezes para prevenir as crises.

As crianças que sofrem crises leves ou pouco frequentes em geral tomam medicamentos somente durante as crises. As crianças com crises mais frequentes ou mais graves também precisam tomar medicamentos mesmo quando não estão tendo crises. São utilizados diferentes medicamentos de acordo com a frequência e a gravidade das crises. As crianças com crises pouco frequentes e não muito graves usam em geral uma dose baixa de corticosteroides inalados ou modificadores dos leucotrienos (montelucaste ou zafirlucaste) todos os dias para ajudar a prevenir crises. Esses medicamentos reduzem a inflamação bloqueando a liberação de substâncias químicas que inflamam as vias respiratórias.

Crises agudas

O tratamento de uma crise aguda de asma consiste em

  • Abrir as vias respiratórias (broncodilatação)

  • Interromper a inflamação

Existem vários medicamentos inaláveis que dilatam as vias respiratórias (broncodilatadores – consulte Tratando crises de asma). São típicos exemplos o albuterol e o ipratrópio. Os médicos não recomendam o uso de broncodilatadores de ação prolongada, como salmeterol e formoterol, como único tratamento das crianças.

As crianças e os adolescentes devem usar um inalador dosimetrado com um espaçador ou uma câmara de expansão ( Como utilizar um inalador de dose controlada). O espaçador otimiza a administração do medicamento aos pulmões e minimiza a chance de ocorrerem efeitos colaterais.

Os bebês e crianças muito pequenas podem às vezes usar um inalador e um espaçador caso uma máscara infantil esteja afixada.

As crianças que não puderem usar inaladores podem receber os medicamentos inalados em casa através de uma máscara ligada a um nebulizador (um pequeno dispositivo que, utilizando ar comprimido, cria uma neblina do medicamento). Os inaladores e nebulizadores são igualmente eficazes em administrar os medicamentos, mas a maioria dos pais acredita que o inalador e espaçador é muito mais eficiente e fácil de ser usado.

O albuterol também pode ser administrado por via oral, embora essa via seja menos eficaz e possa causar mais efeitos colaterais do que a inalação e, geralmente, só é usada em bebês jovens demais para usar um inalador. As crianças com crises moderadamente graves também podem receber corticosteroides por via oral ou injetável.

As crianças com episódios muito graves são tratadas em um hospital, com broncodilatadores administrados por nebulizador ou inalador pelo menos a cada 20 minutos, inicialmente. Ocasionalmente, os médicos usam injeções de epinefrina ou terbutalina (broncodilatadores) em crianças com crises muito graves, caso os medicamentos inalados não sejam eficazes. Em geral, os médicos administram corticosteroides por via intravenosa às crianças com crises graves.

Asma crônica

O tratamento da asma crônica inclui

  • Usar corticosteroides inalatórios todos os dias e talvez tomar outros medicamentos que controlam a inflamação

  • Usar um inalador antes de praticar exercícios

Bebês e crianças com menos de cinco anos de idade que precisam de tratamento mais de duas vezes por semana, que têm asma mais persistente, ou aqueles sob risco de apresentar crises frequentes ou mais graves devem receber tratamento anti-inflamatório diário com corticosteroides inalados. Essas crianças podem também receber outro medicamento, como um modificador dos leucotrienos (montelucaste ou zafirlucaste), um broncodilatador de ação prolongada (sempre misturado com um corticosteroide inalado em um inalador combinado) ou cromolina. A dose dos medicamentos é aumentada ou diminuída com o tempo para se alcançar um controle ideal dos sintomas de asma da criança e para prevenir crises graves. Se esses medicamentos não evitarem as crises graves, as crianças podem necessitar tomar corticosteroides por via oral. As crianças com mais de cinco anos de idade e adolescentes com asma podem ser tratadas de maneira similar aos adultos (consulte Tratando crises de asma).

As crianças que apresentam crises durante exercícios em geral inalam uma dose de um broncodilatador antes de se exercitarem.

As crianças cuja asma é desencadeada por aspirina ou outros medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) devem evitar seu uso. Contudo, essa reação é muito incomum em crianças.

Visto que a asma é um distúrbio de longa duração e com grande variedade de tratamentos, os médicos precisam trabalhar com os pais e com as crianças para garantir que eles compreendem o distúrbio da melhor maneira possível. Os adolescentes e crianças mais novas amadurecidas devem participar do desenvolvimento dos planos de tratamento da sua própria doença e estabelecer suas próprias metas de terapia de maneira a aumentar a aderência ao tratamento. Os pais e as crianças devem aprender a determinar a intensidade de uma crise, quando utilizar os medicamentos e um medidor de pico de fluxo, quando chamar um médico e quando ir ao hospital.

Os pais e médicos devem informar os enfermeiros da escola, profissionais de saúde da criança e outros sobre o distúrbio da criança e os medicamentos sendo usados. Algumas crianças podem ser autorizadas a usar inaladores na escola conforme necessário, e outras precisam ser supervisionadas pelo enfermeiro da escola.

Como utilizar um inalador de dose controlada

  • Agite o inalador após remover a tampa e instale o espaçador.

  • Expire durante um ou dois segundos.

  • Coloque o inalador diretamente na boca ou a dois ou cinco centímetros de distância e comece a inspirar lentamente, como ao tomar uma sopa quente.

  • Quando começar a inspirar, pressione a parte superior do inalador.

  • Inspire lentamente até que seus pulmões estejam cheios. (Isso deve levar cerca de cinco ou seis segundos.)

  • Segure a respiração por 10 segundos (ou enquanto você puder).

  • Expire e, se uma segunda dose for necessária, repita o procedimento depois de um minuto.

Como utilizar um inalador de dose controlada
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como tirar a temperatura de um bebê ou de uma criança
Vídeo
Como tirar a temperatura de um bebê ou de uma criança
Modelos 3D
Visualizar tudo
Fibrose cística pulmonar
Modelo 3D
Fibrose cística pulmonar

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS