Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Hiperaldosteronismo

Por

Ashley B. Grossman

, MD, University of Oxford; Fellow, Green-Templeton College

Última revisão/alteração completa ago 2019| Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos

No hiperaldosteronismo, a superprodução de aldosterona causa a retenção de líquidos e o aumento da pressão arterial, fraqueza e, raramente, períodos de paralisia.

  • O hiperaldosteronismo pode ser causado por um tumor na glândula adrenal ou pode ser uma resposta a algumas doenças.

  • Níveis elevados de aldosterona podem provocar hipertensão arterial e níveis baixos de potássio. Níveis baixos de potássio podem provocar fraqueza, formigamento, espasmos musculares e períodos de paralisia temporária.

  • O médico mede os níveis de sódio, potássio e aldosterona no sangue.

  • Às vezes, um tumor é removido ou a pessoa toma medicamentos que bloqueiam a ação da aldosterona.

A aldosterona, um hormônio produzido e secretado pelas glândulas adrenais, emite um sinal que faz com que os rins retenham mais sódio e excretem mais potássio. A produção da aldosterona é parcialmente regulada pelo hormônio corticotrofina (secretada pela hipófise), mas principalmente pelo sistema renina-angiotensina-aldosterona (consulte a figura Regulação da pressão arterial). A renina, uma enzima produzida nos rins, controla a ativação do hormônio angiotensina, que estimula as glândulas adrenais a produzirem aldosterona.

O hiperaldosteronismo pode ser desencadeado por um tumor (normalmente um adenoma não canceroso) na glândula adrenal (um quadro clínico chamado síndrome de Conn ou hiperaldosteronismo primário), embora, às vezes, ambas as glândulas estejam envolvidas e hiperativas. Às vezes, o hiperaldosteronismo é uma resposta a outra coisa (um quadro clínico denominado hiperaldosteronismo secundário), por exemplo, determinadas doenças, como o estreitamento de uma das artérias que chegam aos rins.

Comer grandes quantidades de alcaçuz pode provocar todos os sintomas do hiperaldosteronismo. O alcaçuz contém uma substância química que pode agir como se houvesse um excesso de aldosterona. Contudo, a maioria dos doces comercializados como “alcaçuz” contém pouco ou nenhum alcaçuz.

Sintomas

Níveis elevados de aldosterona podem dar origem a níveis baixos de potássio. Muitas vezes, níveis baixos de potássio não provocam sintomas, mas podem causar fraqueza, formigamento, espasmos musculares e períodos de paralisia temporária. Algumas pessoas ficam extremamente sedentas e urinam com frequência.

Diagnóstico

  • Dosagem dos níveis de sódio, potássio e de hormônios no sangue

  • Exames de imagem das glândulas adrenais

O médico que suspeitar que a pessoa tem hiperaldosteronismo primeiramente examina os níveis de sódio e de potássio no sangue para ver se a concentração de potássio está baixa. No entanto, às vezes, a pessoa com hiperaldosteronismo apresenta um nível normal de potássio.

O médico também mede os níveis de renina e de aldosterona. Se os níveis de aldosterona estiverem elevados, é possível administrar espironolactona ou eplerenona, medicamentos que bloqueiam a ação da aldosterona, para ver se os níveis de sódio e de potássio voltam ao normal. O médico também mede os níveis de renina. Na síndrome de Conn, os níveis de renina também são muito baixos, mas no caso do hiperaldosteronismo secundário, os níveis de renina são elevados.

Quando um excesso de aldosterona estiver sendo produzido, o médico examina as glândulas adrenais em busca de um tumor não canceroso (adenoma). A tomografia computadorizada (TC) ou a imagem por ressonância magnética (RM) pode ser útil, mas às vezes, amostras de sangue de cada uma das glândulas adrenais devem ser examinadas para determinar a origem do hormônio.

Tratamento

  • No caso de tumores das glândulas adrenais, a remoção do tumor

  • Às vezes, medicamentos que bloqueiam a aldosterona

Se for encontrado um tumor, este normalmente pode ser removido cirurgicamente. Quando o tumor é removido, a pressão arterial volta ao normal e outros sintomas desaparecem em cerca de 50 a 70% das vezes.

Se nenhum tumor for encontrado e as duas glândulas estiverem hiperativas, é possível que a remoção parcial das glândulas adrenais não controle a hipertensão arterial, e a remoção completa provocará a doença de Addison, que exige tratamento com corticosteroides pelo resto da vida. Entretanto, a espironolactona ou a eplerenona normalmente conseguem controlar os sintomas, e medicamentos para hipertensão arterial estão facilmente disponíveis (consulte a tabela Medicamentos anti-hipertensivos). Frequentemente, a espironolactona pode causar o aumento das mamas (ginecomastia), a diminuição da libido e disfunção erétil em homens ao bloquear os efeitos da testosterona.

Raramente, ambas as glândulas adrenais precisam ser removidas.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral do sistema endócrino e hormonal
Vídeo
Visão geral do sistema endócrino e hormonal
Modelos 3D
Visualizar tudo
Sistema endócrino masculino
Modelo 3D
Sistema endócrino masculino

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS