Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Alopecia (perda de cabelos/pelos)

(Calvície)

Por

Wendy S. Levinbook

, MD, Hartford Dermatology Associates

Última revisão/alteração completa out 2019| Última modificação do conteúdo out 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A perda de cabelos/pelos, também chamada de alopecia, pode ocorrer em qualquer parte do corpo. A perda de cabelo que acontece no couro cabeludo, geralmente é chamada de calvície. A perda de cabelo normalmente gera grande preocupação nas pessoas por razões estéticas, mas ela também pode ser sinal de um distúrbio que ataca o organismo (sistêmico).

Os pelos e cabelos crescem em ciclos (consulte também Considerações gerais sobre o crescimento capilar). Cada ciclo consiste em:

  • Uma fase de crescimento longa (anágena) que dura de dois a seis anos

  • Uma fase de transição breve (catágena) que dura três semanas

  • Uma fase de repouso curta (telógena) que dura dois a três meses

No final da fase de repouso, o cabelo cai (fase exógena) e o ciclo começa novamente, conforme cabelo novo começa a crescer no folículo. Geralmente, cerca de 50 a 100 fios de cabelos chegam, todos os dias, ao final da fase de repouso, e caem.

Distúrbios do ciclo de crescimento que levam a perda de cabelos incluem

  • Eflúvio anágeno: interrupção da fase de crescimento, que causa perda de cabelos anágenos

  • Eflúvio telógeno: muito mais do que 100 fios de cabelo entram na fase de repouso por dia

Os médicos em algumas situações classificam a perda de cabelo como focal (confinada a uma parte do couro cabeludo) ou difusa (espalhada). A perda de cabelos também pode ser classificada conforme a existência ou não de cicatrização.

Causas

A causa mais comum de perda de cabelo é

Outras causas comuns de perda de cabelo são

  • Certos distúrbios sistêmicos, como doenças que provocam febre alta, lúpus eritematoso sistêmico (lúpus), distúrbios hormonais e deficiências nutricionais

  • Medicamentos, principalmente a quimioterapia

  • Infecções fúngicas, como a tinha do couro cabeludo (tinea capitis)

  • Estresse físico, como febre alta, cirurgia, uma doença grave, perda de peso repentina ou gravidez (que pode levar ao eflúvio telógeno).

  • Estresse psicológico

  • Lesão (traumatismo)

A lesão nos folículos pilosos tem muitas causas, incluindo:

  • Tricotilomania (hábito de ficar puxando os cabelos normais relacionado a estresses psicológicos)

  • Alopecia de tração, que é a perda de cabelo provocada pela tração contínua como por tranças, coques ou rabos-de-cavalo.

  • Alopecia cicatricial centrífuga central (perda de cabelo com cicatrização do couro cabeludo pode ser causada pelo uso de pentes quentes, relaxantes químicos e extensões de cabelo)

  • Queimaduras e radiação

  • Perda de cabelo induzida por pressão (por exemplo, após uma situação em que a pressão prolongada no couro cabeludo causa danos aos folículos pilosos)

As causas menos comuns incluem anormalidades primárias do eixo piloso (ou seja, a anormalidade se origina no eixo piloso), sarcoidose, envenenamento por metais pesados, radioterapia e doenças de pele raras.

Você sabia que...

  • Cerca de 50 a 100 fios de cabelo caem todos os dias.

Alopecia androgenética

Esse tipo de alopecia pode acabar por afetar até 80% de homens brancos com idade em torno de 70 anos (padrão masculino de perda de cabelo) e cerca de metade de todas as mulheres (padrão feminino de perda de cabelo). O hormônio diidrotestosterona tem um importante papel, juntamente com a hereditariedade. A perda de cabelo pode ter início em qualquer idade, durante ou após a puberdade, até mesmo durante a adolescência ( Perda capilar).

No caso dos homens, a perda de cabelo costuma começar nas têmporas ou na parte superior da cabeça, dirigindo-se à parte de trás. Alguns homens perdem, somente, uma parte do cabelo, mantendo um intervalo da linha do cabelo ou uma pequena parte calva na parte posterior da cabeça. Outros homens, especialmente quando a perda de cabelo começa em idade jovem, perdem todo o cabelo na parte superior da cabeça, mas retêm cabelos na parte lateral e posterior do couro cabeludo. Esse padrão é chamado de padrão masculino de perda de cabelo.

Nas mulheres, a queda de cabelo começa na parte superior da cabeça, tratando-se, geralmente, mais de um afinamento do cabelo do que de uma queda total. A linha do cabelo permanece intacta. Esse padrão é chamado de padrão feminino de perda de cabelo.

Perda capilar

Nos homens, a perda de cabelo tende a começar nas têmporas ou na parte superior da cabeça, dirigindo-se à parte de trás. Esse padrão é chamado de padrão masculino de perda de cabelo.

Em mulheres, a queda de cabelo geralmente começa na parte superior da cabeça. Normalmente, o cabelo afina, em vez de cair completamente, e a linha do cabelo permanece intacta. Esse padrão é chamado de padrão feminino de perda de cabelo.

Perda capilar

Alopecia areata

Na alopecia areata, há uma perda súbita de mechas de cabelo, tipicamente redondas e irregulares. Também pode ocorrer uma perda mais extensa de cabelos da cabeça e de pelos corporais. Acredita-se que este distúrbio seja causado por uma disfunção do sistema imunológico do corpo que faz com que ele ataque os seus próprios tecidos (chamada uma reação autoimune).

Alopecia cicatricial centrífuga central

Alopecia cicatricial centrífuga central é a causa mais comum de alopecia cicatricial em mulheres negras. Os danos ao couro cabeludo, possivelmente resultando de pentes quentes, relaxantes químicos ou extensões de cabelo, em associação à predisposição genética ao dano folicular devido a folículos pilosos anômalos resultam em perda progressiva de cabelo e cicatrização na parte superior e posterior do couro cabeludo.

Lúpus eritematoso cutâneo

No lúpus eritematoso cutâneo, pode haver perda de áreas de cabelo. A perda de cabelo pode ser permanente, se o folículo piloso estiver completamente destruído. O lúpus eritematoso cutâneo pode afetar pessoas que têm ou não lúpus eritematoso sistêmico (LES, ou simplesmente lúpus), um distúrbio no qual anticorpos ou células produzidas pelo corpo atacam os tecidos do próprio corpo (chamado uma doença autoimune). O lúpus eritematoso sistêmico afeta vários órgãos de todo o corpo. No lúpus eritematoso cutâneo, o cabelo tende a cair em mechas.

Desequilíbrio hormonal

Mulheres com quantidades excessivas de hormônios masculinos podem ter perda de cabelos, acne e crescimento de pelos em lugares onde o seu crescimento é mais comum em homens, como o rosto e o tronco (hirsutismo). A causa mais comum do excesso de andrógenos em mulheres é a síndrome do ovário policístico (SOP). A virilização ocorre quando os níveis de andrógenos estão altos o suficiente para causar sinais e sintomas adicionais, como engrossamento da voz, atrofia dos seios, aumento da massa muscular, clitoromegalia e aumento da libido. Raramente, um tumor pode secretar hormônios masculinos, provocando a virilização, ou a virilização pode desenvolver-se em uma mulher que esteja fazendo uso de esteroides anabolizantes para melhorar o desempenho atlético.

Medicamentos: O padrão masculino e feminino de calvície pode ocorrer quando são usados esteroides anabolizantes. Medicamentos para quimioterapia normalmente causam eflúvio anágeno. Outros medicamentos sob receita (por exemplo, medicamentos para tratar hipertensão arterial, acne, distúrbios da tireoide, convulsões ou afinadores de sangue) costumam causar perda de cabelo pelo eflúvio telógeno.

Transtornos alimentares

Os distúrbios nutricionais são uma causa menos comum da queda de cabelo. Os sintomas variam de acordo com o distúrbio nutricional específico:

  • Excesso de vitamina A: erupção cutânea, lábios escamosos e rachados, inchaço acompanhado de dor nos membros, falta de energia, perda de apetite e perda de peso

  • Deficiência de ferro: anemia, exaustão fácil e diminuição na capacidade de praticar exercícios

  • Deficiência de zinco: erupção cutânea, diarreia, infecções frequentes, perda de apetite e má cicatrização de feridas

Estresse físico

Estresse, como febre alta, cirurgia, uma doença grave, perda de peso, ou gravidez, pode aumentar o número de fios de cabelo que entram na fase de repouso, causando o eflúvio telógeno. O cabelo normalmente cai após alguns meses de estresse. Esse tipo de perda capilar tende a ser transitória.

Estresse psicológico

Esses estresses podem causar o hábito de torcer, desfiar ou puxar os cabelos normais (tricotilomania). É um hábito mais frequente em crianças, mas pode ocorrer em adultos. O hábito de puxar os cabelos pode passar despercebido durante muito tempo e tanto os médicos como os pais podem erroneamente acreditar que a queda de cabelo se deve a uma doença, como a alopecia areata, ou a uma infecção fúngica. Estresse psicológico grave e prolongado também pode causar a queda de cabelo por si só (o eflúvio telógeno). Essa perda de cabelo, no entanto, pressupõe estresse crônico grave e não o estresse de rotina da vida diária.

Tinha do couro cabeludo (tinea capitis)

A tinha do couro cabeludo é uma infecção fúngica que é uma causa comum de perda de mechas de cabelo em crianças. A infecção começa como uma placa seca, acompanhada de descamação, que aumenta aos poucos. Os cabelos podem acabar por se romper, normalmente alinhados com a superfície do couro cabeludo, parecendo pontos pretos. Às vezes, os cabelos quebram acima da superfície do couro cabeludo, deixando tufos curtos. A perda de cabelo pode ser permanente, principalmente se o folículo piloso não for tratado.

Alopecia de tração

Esse é o distúrbio de perda de cabelo provocado por tranças, coques, ou rabos-de-cavalo que puxam o cabelo constantemente. A perda capilar ocorre mais frequentemente na linha do cabelo da testa e têmporas.

Avaliação

As seguintes informações podem ajudar as pessoas a decidirem se é necessário procurar um médico para uma avaliação e ajudá-lo a saber o que esperar durante a avaliação.

Sinais de alerta

O que vem a seguir é especialmente preocupante:

  • Sinais de distúrbio sistêmico, incluindo envenenamento

  • O desenvolvimento de características masculinas (virilização) em mulheres, como uma voz mais grossa, pelos em lugares onde o seu crescimento é mais comum em homens (hirsutismo), períodos menstruais irregulares, acne, atrofia dos seios, aumento da massa muscular, clitóris aumentado e aumento da libido (desejo sexual)

Quando procurar um médico

Pessoas que apresentam perda de cabelo e sinais de distúrbio sistêmico devem procurar um médico imediatamente. Mulheres que desenvolveram características masculinas devem ligar para o médico para discutir quando elas devem ser examinadas. As outras pessoas devem procurar um médico quando possível, porém a consulta não é urgente, a não ser que outros sintomas se desenvolvam.

O que o médico faz

Os médicos primeiramente fazem perguntas sobre os sintomas da pessoa e o histórico médico e, em seguida, fazem um exame físico. O que os médicos encontram durante a avaliação do histórico ou exame físico frequentemente sugere a causa da perda de cabelo e os testes que devem ser feitos.

Os médicos questionam sobre a perda de cabelo:

  • Se essa perda começou aos poucos ou subitamente

  • Há quanto tempo ela está acontecendo

  • Se a perda está aumentando

  • Se o cabelo está sendo perdido por toda a cabeça ou em uma área específica

Eles observam outros sintomas, como coceira e descamação. Perguntam sobre o cuidado com os cabelos, inclusive se a pessoas usa tranças, coques e secadores de cabelo e se o cabelo é frequentemente puxado ou torcido.

Os médicos também perguntam se a pessoa foi recentemente exposta a medicamentos, toxinas ou radiação, ou se passou por estresse intenso (como estresse resultante de cirurgia, doença crônica, febre ou estresse psicológico). Pergunta-se à pessoa sobre outras características que possam indicar uma causa, o que inclui perda de peso drástica, práticas dietéticas (inclusive várias dietas restritivas) e comportamento obsessivo-compulsivo. O uso de medicamentos atual e recente é reavaliado. Questiona-se também se algum membro da família teve perda capilar.

Durante o exame físico, os médicos concentram-se no couro cabeludo, observando a distribuição da perda de cabelo, a presença e características de quaisquer anormalidades cutâneas e a presença de cicatriz. Eles medem a largura da parte central do couro cabeludo em diversos pontos ( Perda capilar) e verificam se há anomalias dos eixos pilosos.

Os médicos avaliam a perda capilar em qualquer outra parte do corpo, como sobrancelhas, cílios, braços e pernas. Eles procuram erupções cutâneas que possam estar associadas a certos tipos de alopecia e por sinais de virilização em mulheres, como voz mais grossa, hirsutismo, aumento do clitóris (o órgão feminino menor que corresponde ao pênis) e acne. Eles também examinam a glândula tireoide.

Tabela
icon

Algumas causas e características da perda de cabelo

Causa

Características comuns*

Exames

Perda de cabelo em todo o couro cabeludo

Padrão masculino de perda de cabelo (alopecia androgenética)

Geralmente um histórico familiar

Às vezes, histórico de uso de esteroides anabolizantes

Exame médico

Padrão feminino de perda de cabelo (alopecia androgenética)

Geralmente um histórico familiar

Às vezes, ocorre durante a menopausa

Às vezes, em mulheres com características masculinas (virilização), histórico de uso de esteroides anabolizantes, como a diidrotestosterona, síndrome do ovário policístico ou um tumor que produz hormônios masculinos.

SOP

Exame médico

Às vezes, medição dos hormônios: testosterona, SDHEA, FSH e LH

Medicamentos e toxinas

Histórico de uso de um medicamento específico, como certos medicamentos quimioterápicos, anticoagulantes, retinoides, contraceptivos orais, inibidores da enzima conversora de angiotensina (ECA), betabloqueadores, lítio, medicamentos antitireoidianos, anticonvulsivantes ou altas doses de vitamina A, ou ainda, pela exposição a metais pesados como tálio e arsênico

Exame médico

Às vezes exames de sangue para detectar exposição a toxinas ou metais pesados

Estresse (psicológico ou físico) causando eflúvio telógeno

Estresse psicológico grave

Perda de peso recente, cirurgia, doença grave com febre, ou parto

Exame médico

Em alguns casos, exames de sangue para verificar se há anemia e deficiência de ferro e para avaliar a função tireoidiana

Distúrbios da tireoide

Com hipertireoidismo (glândula tireoide hiperativa), dificuldade de tolerância ao calor, sudorese, perda de peso, olhos salientes, tremores, inquietação e aumento da glândula tireoide (bócio)

Com hipotireoidismo (glândula tireoide hipoativa), dificuldade de tolerância ao frio, ganho de peso, pele áspera e grossa e moleza

Exame médico

Exames de sangue que avaliam a função tireoidiana

Distúrbios nutricionais, como excesso de vitamina A ou deficiência de ferro ou zinco

Sintomas do distúrbio nutricional específico

Exame médico

Em alguns casos são realizados exames de sangue para verificar se há distúrbios nutricionais

Normalmente, perda de mechas de cabelo, mas às vezes queda total dos cabelos (alopecia total); às vezes, queda total de pelos e cabelos (alopecia universal)

Exame médico†

Perda de cabelo em uma área específica do couro cabeludo

Alopecia areata

Áreas circulares de perda de cabelo com fios curtos e quebrados, parecendo pontos de exclamação, ao redor da beira das áreas

Às vezes uma sensação de queimação ou coceira

Às vezes, perda de cabelos das bordas laterais e de trás da cabeça (ofíase) ou perda de cabelos central, permanecendo os cabelos nas margens inferiores do couro cabeludo (sisaifo)

Exame médico†

Lúpus eritematoso cutâneo

Áreas dispersas de perda de cabelo

Às vezes apresenta-se um eritema no couro cabeludo que tende a ser vermelho, elevado e escamoso

Algumas vezes áreas de cicatrizes

Às vezes coceira

Exame médico

Exames de sangue para verificar a presença de lúpus

Biópsia do couro cabeludo

Alopecia cicatricial centrífuga central

Queda de cabelo lentamente progressiva e formação de cicatrizes na parte superior e posterior do couro cabeludo

Possivelmente causada pelo uso de pentes quentes, relaxantes químicos ou extensões de cabelo em pessoas que têm uma predisposição genética para desenvolvem esse distúrbio

Exame médico

Biópsia do couro cabeludo

O líquen planopilar (líquen plano do couro cabeludo) e alopecia fibrosante frontal

Distúrbios relacionados que causam placas dispersas de perda de cabelo e cicatrizes

Alopecia fibrosante frontal é quando a perda de cabelo com formação de cicatriz ocorre predominantemente ao longo do risco do penteado frontal e das sobrancelhas

Exame médico

Biópsia do couro cabeludo

Queimaduras, lesões, ou radiação (por exemplo, pela radioterapia)

Um histórico de queimaduras, radioterapia, ou lesões

Geralmente cicatrizes

Exame médico

Às vezes, outros testes para averiguar a causa

Tinea capitis (tinha do couro cabeludo)

Áreas calvas ocasionalmente com pequenos pontos pretos (devido ao fio de cabelo que se rompeu na superfície do couro cabeludo) ou fios de cabelo rompidos logo acima da superfície do couro cabeludo

Áreas da pele arredondadas e escamosas, que podem estar vermelhas ou inflamadas

Exame médico†

Exame microscópico e/ou cultura dos cabelos arrancados

Alopecia de tração

Tranças, coques, ou rabos-de-cavalo que são deixados por muito tempo ou puxados demasiadamente apertados

Exame médico†

Tricotilomania (compulsão por arrancar o cabelo)

Um padrão de perda de cabelo tipicamente assimétrico, esquisito e irregular

Às vezes considerado um comportamento obsessivo-compulsivo

Afeta quatro vezes mais as mulheres do que os homens

Exame médico†

* As características incluem sintomas e resultados do exame médico. As características mencionadas são típicas, mas nem sempre estão presentes.

† Em casos raros, é realizada uma biópsia do couro cabeludo.

ECA = enzima conversora da angiotensina; SDHEA = sulfato de desidroepiandrosterona; FSH = hormônio folículo-estimulante; LH = hormônio luteinizante; SOP = síndrome do ovário policístico.

Exames

Se a causa for identificada com base no exame realizado pelo médico, os testes são, normalmente, desnecessários. Por exemplo, o padrão masculino ou feminino de perda de cabelo, em geral, não requer testes. Entretanto, se a perda de cabelo ocorrer em um homem jovem sem histórico familiar de perda de cabelo, o médico pode questioná-lo sobre o uso de esteroides anabolizantes e outros medicamentos. No caso de mulheres que apresentam perda de cabelo significativa e que desenvolveram características masculinas, pergunta-se se elas usam medicamentos sob prescrição ou drogas ilícitas e elas passam por exames de sangue para medir os níveis dos hormônios testosterona e sulfato de dehidroepiandrosterona (DHEA-S). Se o exame médico detectar sinais de outras anomalias hormonais ou outra doença grave, podem ser necessários exames de sangue para identificar esses distúrbios (por exemplo, exames para medir os níveis de hormônio luteinizante [LH] e hormônio folículo-estimulante [FSH] podem ser feitos para diagnosticar a síndrome do ovário policístico [SOP]).

O teste de tração ajuda o médico a avaliar a perda de cabelo. Eles puxam suavemente um punhado de cabelo (cerca de 40 fios) em, pelo menos, três áreas diferentes do couro cabeludo. Aí então, o número de fios que caíram a cada puxão é contado e os examinam sob o microscópio para determinar a fase de crescimento em que se encontram. Se mais de 4 a 6 fios que estiverem na fase telógena caírem a cada puxão, o teste de tração é positivo e a pessoa provavelmente tem eflúvio telógeno.

Durante o teste de arranque, os médicos arrancam abruptamente cerca de 50 fios de cabelo individuais (“pela raiz”). Eles examinam ao microscópio as raízes e os eixos dos fios arrancados para avaliar o eixo piloso e determinar a fase de crescimento na qual ele se encontra. Esses resultados ajudam os médicos a definir se a pessoa tem eflúvio telógeno, uma anormalidade primária do eixo piloso, ou algum outro problema.

Podem ser feitas contagens diárias de fios de cabelos para quantificar a perda capilar quando o teste de tração for negativo e não estiver claro se a perda de cabelo é realmente excessiva. Os fios de cabelo perdidos, aqueles coletados ao pentear pela manhã ou durante a lavagem, são colocados em sacos plásticos transparentes, diariamente, por 14 dias. Daí então, o número de fios de cabelo em cada saco é registrado. A perda de mais de 100 fios por dia é anormal, exceto após a lavagem com xampu, quando podem ser perdidos até 250 fios de cabelo. Os fios podem ser trazidos pelo paciente para que sejam examinados por microscópio.

É feita uma biópsia da pele do couro cabeludo se o diagnóstico não estiver claro após um exame médico e outros testes. A biópsia ajuda a determinar se os folículos pilosos estão normais e pode também ajudar a diferenciar a alopecia que provoca cicatrizes, através da destruição do folículo piloso, da alopecia que não tem esse efeito. Se os folículos pilosos estiverem anormais, a biópsia pode indicar as possíveis causas.

Tratamento

  • Tratamento de causas específicas

  • Às vezes, métodos de reposição de cabelos

Causas específicas de queda de cabelo são tratadas, quando possível:

  • Os medicamentos que estiverem provocando a perda de cabelo são trocados ou suspensos.

  • Distúrbios hormonais podem ser tratados com medicamentos ou cirurgia, dependendo da causa.

  • Caso haja a deficiência de ferro ou zinco, suplementos desses minerais podem ser tomados ( Deficiência de ferro e Deficiência de zinco).

  • A ingestão de vitamina A pode ser reduzida em pessoas que têm alopecia causada por excesso de vitamina A.

  • A alopecia areata, o lúpus cutâneo e o líquen planopilar podem, geralmente, ser tratados com corticosteroides ou outros medicamentos aplicados no couro cabeludo ou tomados por via oral.

A alopecia de tração é tratada com a eliminação da tração física ou estresse do couro cabeludo.

A tinha do couro cabeludo é tratada com medicamentos antimicóticos tomados por via oral.

A tricotilomania é difícil de ser tratada, porém a mudança comportamental, o uso de clomipramina ou de algum inibidor seletivo de recaptação de serotonina (como fluoxetina, fluvoxamina, paroxetina, sertralina, escitalopram ou citalopram) pode ser útil.

A queda de cabelo decorrente do estresse físico, como perda de peso recente, cirurgia, doença grave com febre alta ou parto (eflúvio telógeno), geralmente não é tratada, pois tende a resolver-se sem a necessidade de tratamento. A aplicação de minoxidil no couro cabeludo pode ser útil para algumas pessoas.

Pode-se tentar métodos de reposição capilar se o cabelo não crescer novamente por si só, incluindo:

  • Medicamentos para impedir mais queda de cabelo ou para o crescimento de fios novos

  • Transplante capilar

  • Perucas

Medicamentos

O padrão masculino e feminino de perda de cabelo pode, às vezes, ser eficazmente tratado através de medicação.

O minoxidil pode prevenir uma maior perda de cabelo e aumentar o crescimento capilar quando aplicado diretamente no couro cabeludo, duas vezes ao dia. Pode levar de 8 a 12 meses para que o cabelo cresça novamente, e tal fato é perceptível em apenas 30 a 40% das pessoas. O efeito colateral mais comum é a irritação cutânea, como coceira e erupções. Também pode haver aumento dos pelos da face.

A finasterida atua bloqueando os efeitos dos hormônios masculinos sobre os folículos pilosos e pode ser administrada diariamente, por via oral. A finasterida não é usada em mulheres. Em homens, sua eficácia em interromper a perda de cabelo e estimular o seu crescimento geralmente é evidente dentro de 6 a 8 meses de tratamento e aumenta ao longo do tempo, mas pode variar de pessoa a pessoa. A finasterida pode diminuir a libido, aumentar o tamanho dos seios e contribuir para a disfunção erétil. Ela também pode diminuir os níveis do antígeno prostático específico (prostate-specific antigen, PSA). Os pacientes homens devem conversar com seu médico, antes de iniciar o tratamento, sobre como a finasterida pode afetar a triagem de câncer da próstata.

O efeito mais importante, tanto do minoxidil quanto da finasterida, pode ser a prevenção de uma maior queda capilar. Os efeitos duram apenas enquanto se tomarem os medicamentos.

Os moduladores hormonais, como as pílulas anticoncepcionais (contraceptivos orais) ou a espironolactona, podem ser úteis em algumas mulheres, especialmente naquelas que desenvolveram características masculinas.

Transplante capilar

O transplante é uma solução mais permanente. Nesse procedimento, os folículos pilosos são removidos de uma parte do couro cabeludo e transplantados nas áreas que apresentam calvície. Nesta técnica, se transplanta apenas um ou dois fios de cabelo de cada vez. Embora essa técnica demore muito tempo, não exige a extração de grandes frações da pele e permite conferir aos implantes uma orientação, de acordo com a direção do cabelo natural.

Outra opção cirúrgica envolve a remoção de algumas partes calvas da pele do couro cabeludo e o alongamento das partes com cabelo para uma área maior.

Perucas

O melhor tratamento para a perda de cabelo temporária são as perucas, por exemplo, as perdas provocadas pela quimioterapia. Uma pessoa que tenha sido submetida à quimioterapia deve consultar um fabricante de perucas, mesmo antes de iniciar a terapêutica, para que a peruca adequada possa estar pronta quando necessário. Quando o cabelo voltar a crescer, ele pode estar com uma cor e textura diferentes do cabelo original.

Outras opções

A fototerapia com laser é um tratamento alternativo ou adicional para queda de cabelo tanto no padrão masculino quanto feminino (alopecia androgenética), que mostrou promover o crescimento do cabelo. Estão disponíveis dispositivos de venda livre.

Um tratamento mais recente que pode promover o crescimento dos folículos pilosos envolve o uso do próprio plasma (a parte líquida do sangue) e plaquetas (pequenas células sanguíneas que ajudam o sangue a coagular) da pessoa. Acredita-se que as plaquetas contenham substâncias que desencadeiam o crescimento do cabelo. Nesse tratamento, chamado terapia com plasma rico em plaquetas ou terapia PRP, o sangue é coletado da pessoa e processado para remover o plasma rico em plaquetas. O plasma rico em plaquetas é, em seguida, injetado em áreas de calvície e pode estimular o crescimento de novo cabelo.

Algumas pessoas ocultam o afinamento do cabelo usando pós de camuflagem, concealers de queda de cabelo (produtos que contêm fibras, que se ligam ao cabelo existente) e uma forma de tatuagem chamada micropigmentação do couro cabeludo.

Pontos-chave

  • O padrão masculino e feminino de perda de cabelo é o tipo mais comum de perda de cabelo.

  • Os médicos realizam uma busca por distúrbios subjacentes em mulheres que apresentam sinais de virilização.

  • O exame do cabelo no microscópio ou a biópsia do couro cabeludo podem ser solicitados para determinar a razão para a perda de cabelo.

  • Os médicos tratam a causa específica de queda de cabelo quando possível; de outro modo, tratamentos para o padrão masculino e feminino de queda de cabelo incluem medicamentos, reposição de cabelo, fototerapia com laser e injeções de plasma rico em plaquetas.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Acne
Vídeo
Acne
A pele contém muitos folículos pilosos diminutos, ou poros. Cada poro contém um pelo e uma...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Eritema linear
Modelo 3D
Eritema linear

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS