honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Cefaleia por excesso de medicação para cefaleia

Por

Stephen D. Silberstein

, MD, Sidney Kimmel Medical College at Thomas Jefferson University

Última revisão/alteração completa mai 2020| Última modificação do conteúdo mai 2020
Clique aqui para a versão para profissionais

Uma cefaleia por excesso de medicação para cefaleia (rebote) ocorre quando as pessoas que tomam muitos medicamentos para cefaleia apresentam uma cefaleia por mais de 15 dias por mês, por mais de três meses.

  • A cefaleia por excesso de medicação para cefaleia geralmente se desenvolve em pessoas que têm enxaqueca ou cefaleia tensional.

  • O tipo de cefaleia varia de pessoa para pessoa.

  • Os médicos diagnosticam cefaleia por excesso de medicação para cefaleia com base na frequência com que as pessoas tomam medicamentos para cefaleia e apresentam o quadro.

  • Os médicos tratam essas cefaleias interrompendo o medicamento para cefaleia, prescrevendo um tipo diferente de medicamento para controlar os sintomas causados pela interrupção do medicamento e, muitas vezes, prescrevendo medicamentos para tratar o distúrbio de cefaleia original

A cefaleia por excesso de medicação para cefaleia ocorre em 1% a 2% da população geral. Ela é mais comum em mulheres do que em homens.

A maioria das pessoas com esse tipo de cefaleia está tomando medicamentos para enxaqueca ou cefaleia tensional. Elas tomam o medicamento em quantidade ou frequência excessiva, geralmente porque o medicamento não está sendo eficaz no alívio da dor.

Causas

As causas mais comuns de cefaleia por excesso de medicação para cefaleia são o uso excessivo de:

  • Opioides

  • Analgésicos que contêm butalbital (um barbitúrico)

  • Aspirina ou paracetamol tomados com cafeína

No entanto, o uso excessivo de outros anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), de ergotamina e de triptanos (usados para tratar cefaleias em salvas e enxaquecas) também pode causar esse distúrbio.

A causa da cefaleia por excesso de medicação para cefaleia é pouco compreendida. No entanto, pessoas com esse tipo de cefaleia podem ter um sistema nervoso excessivamente sensível. Ou seja, as células nervosas no cérebro que desencadeiam a dor são muito facilmente estimuladas.

A dependência de substâncias é mais comum entre pessoas com cefaleia por excesso de medicação. Elas também podem ter uma predisposição genética para desenvolver a cefaleia por excesso de medicação para cefaleia.

Sintomas

As cefaleias por excesso de medicação para cefaleia ocorrem diariamente ou quase diariamente e estão frequentemente presentes logo que as pessoas acordam. A localização e o tipo de dor variam de pessoa para pessoa. As pessoas também podem se sentir nauseadas, ficar irritáveis e ter dificuldade de concentração.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

Os médicos baseiam o diagnóstico de cefaleia por excesso de medicação na frequência com que as pessoas que estão tomando medicamentos para cefaleia regularmente têm cefaleias e com que frequência elas tomam os medicamentos para cefaleia.

A cefaleia por excesso de medicação para cefaleia é diagnosticada quando há presença de todos os eventos a seguir:

  • A cefaleia ocorre mais de 15 dias por mês em pessoas que têm um distúrbio de cefaleia.

  • As pessoas estão tomando regularmente excesso de um ou mais medicamentos para aliviar as cefaleias e têm feito isso há mais de três meses.

  • Nenhum outro distúrbio de cefaleia explica melhor os sintomas.

Quantos dias por mês de utilização de um medicamento indica uso excessivo depende do medicamento:

  • 10 dias ou mais por mês de ergotamina, triptanos, opioides ou uma combinação de medicamentos para cefaleia

  • 15 dias ou mais por mês de paracetamol, aspirina ou outro anti-inflamatório não esteroide (AINE)

Raramente, é feita tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM) para excluir outros distúrbios.

Prognóstico

Com tratamento, a dor desaparece (sofre remissão) em cerca de 50% das pessoas após 10 anos. As pessoas com enxaqueca tendem a apresentar um quadro melhor do que aquelas com cefaleia do tipo tensional.

As pessoas que têm menos dias de cefaleia por mês depois de 1 ano de tratamento tendem a permanecer em remissão por mais tempo.

Tratamento

  • Aconselhamento para evitar o uso excessivo

  • Retirada do medicamento para cefaleia usado em excesso

  • Uso de um tipo diferente de medicamento para cefaleia para controlar os sintomas de abstinência que ocorrem após a interrupção do medicamento

  • Medicamentos para prevenir a cefaleia original (geralmente, uma enxaqueca)

  • Se necessário, outros medicamentos para ajudar a prevenir os sintomas de abstinência

As pessoas são aconselhadas a evitar a utilização dos medicamentos usados em excesso anteriormente. Elas também são instruídas e encorajadas a adotar hábitos de estilo de vida saudáveis.

Normalmente, o medicamento usado em excesso é interrompido abruptamente. No entanto, em pessoas que estão tomando doses elevadas de opioides, barbitúricos ou benzodiazepínicos, a quantidade do medicamento usado em excesso é reduzida gradualmente, ao longo de duas a quatro semanas. A interrupção desses medicamentos de forma mais brusca pode causar sintomas como náusea, inquietação, ansiedade e sono de má qualidade. Interromper qualquer tipo de analgésico pode fazer com que as cefaleias ocorram com mais frequência, durem mais tempo e se tornem mais intensas. Os sintomas, após a interrupção de um medicamento, podem durar poucos dias ou até quatro semanas.

Um fármaco de resgate é usado para tratar cefaleias que ocorrem depois de interromper o medicamento usado em excesso. Um tipo diferente de medicamento para cefaleia é usado, se possível. Os médicos limitam o uso de fármacos de resgate a menos de duas vezes por semana, se possível.

O tratamento farmacológico preventivo para a cefaleia original é iniciado antes ou depois que o medicamento usado em excesso for suspenso.

Se for pouco provável que os tratamentos farmacológicos de resgate e preventivos serão eficazes no alívio dos sintomas, outros medicamentos (chamados medicamentos de transição ou transposição) podem ser administrados. Os medicamentos de transição (consulte a tabela Alguns medicamentos usados para tratar enxaquecas) incluem

  • Um corticosteroide

  • Di-hidroergotamina

  • Proclorperazina e difenidramina

  • Clonidina (para aliviar os sintomas de abstinência quando o medicamento de uso excessivo tiver sido um opioide)

  • Fenobarbital (usado para prevenir convulsões de abstinência quando o medicamento de uso excessivo tiver sido um barbitúrico)

Depois que o distúrbio por uso excessivo de medicamentos tiver sido tratado, as pessoas são instruídas a limitar o uso de todos os medicamentos usados para interromper (suprimir) cefaleias, como segue:

  • Para AINEs, limitar a menos de seis dias por mês

  • Para triptanos, ergotamina, ou combinações de medicamentos para cefaleia, limitar a menos de quatro dias por mês

Os medicamentos utilizados para prevenir cefaleias devem ser mantidos conforme prescrito.

Médicos incentivam as pessoas a manter um diário das cefaleias. Nele, as pessoas escrevem o número e a distribuição dos ataques, possíveis acionadores e as suas respostas aos tratamentos. Com essas informações, os desencadeadores podem ser identificados e eliminados sempre que possível. Então, as pessoas podem participar dos tratamentos para evitarem os desencadeadores, e os médicos podem planejar melhor e ajustar o tratamento.

O biofeedback e outras técnicas cognitivas (como treino de relaxamento, hipnose e controle de estresse) podem ajudar as pessoas a controlar, reduzir ou suportar a dor, pela alteração do centro da sua atenção. O biofeedback permite que as pessoas controlem a dor.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS