Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Molusco contagioso

Por

James G. H. Dinulos

, MD, Geisel School of Medicine at Dartmouth

Última modificação do conteúdo ago 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Molusco contagioso é caracterizado por conglomerados de pápulas rosadas, em forma de cúpula, lisas, cerosos ou peroladas e umbilicadas com 2 a 5 mm de diâmetro causadas pelo vírus do molusco contagioso, um poxvírus. O diagnóstico baseia-se na aparência clínica. O tratamento visa evitar a disseminação ou remover lesões esteticamente inaceitáveis e pode incluir métodos mecânicos (p. ex., curetagem, criocirurgia) e irritantes tópicos (p. ex., imiquimode, cantaridina, tretinoína).

O molusco contagioso causa comumente uma infecção crônica localizada. A transmissão ocorre por contato direto; a disseminação ocorre por autoinoculação e fomitos (p. ex., toalhas, esponjas de banho) e água de banho. O molusco contagioso é comum em crianças. Adultos adquirem a infecção por contato próximo pele-com-pele com uma pessoa infectada (p. ex., contato sexual, luta livre). Os pacientes com imunossupressão (p. ex., devido a HIV/aids, uso de corticoides ou quimioterapia) podem desenvolver uma infecção mais generalizada.

Sinais e sintomas

Pode surgir em qualquer região da pele, exceto nas palmas e plantas. As lesões consistem em agrupamentos de pápulas rosadas, abobadadas, moles, oleosas ou perláceas e umbilicadas, geralmente com 2 a 5 mm de diâmetro, que são mais observadas na face, no tronco e nas extremidades em crianças e no púbis, pênis ou vulva nos adultos. As lesões podem atingir 10 a 15 mm de diâmetro, caracteristicamente em pacientes infectados por HIV e outras imunodeficiências.

Em geral não são pruriginosas sendo visualizadas somente por coincidência ao exame físico. Todavia, as lesões podem se tornar inflamadas quando o organismo tenta eliminar o vírus.

Manifestações do molusco contagioso

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

O diagnóstico do molusco contagioso baseia-se na aparência clínica; biópsia da pele ou coloração do material extraído da lesão mostra corpos de inclusão característicos, porém esse procedimento só é necessário quando não há certeza diagnóstica.

O diagnóstico diferencial é feito com foliculite, milium e verrugas (lesões < 2 mm) e com xantogranuloma infantil e nevo de Spitz (lesões > 2 mm).

Tratamento

  • Remoção física: curetagem, criocirurgia, laserterapia ou eletrocauterização

  • Irritantes tópicos (p. ex., ácido tricloroacético, cantaridina, tretinoína, tazaroteno, podofilotoxina)

  • Algumas vezes, terapias combinadas

A maioria das lesões regride em 1 a 2 anos, mas podem permanecer por 2 a 3 anos. Indica-se o tratamento do molusco contagioso por motivos cosméticos ou para prevenir a disseminação. As opções incluem curetagem, criocirurgia, laserterapia, eletrocauterização, ácido tricloroacético (solução de 25 a 40%), cantaridina, podofilotoxina (em adultos), tretinoína e tazaroteno. Alguns médicos usam ácido salicílico, mas outros o consideram muito irritante para muitas áreas do corpo onde o molusco ocorre. Há preocupações semelhantes quanto ao uso de hidróxido de potássio (KOH). Em geral, não se recomenda imiquimode (1). Lesões por molusco na borda orbital devem ser removidas por meio de destruição delicada por um profissional de saúde especializado. As lesões podem ser suavemente comprimidas com uma pinça para remover o núcleo central. Tratamentos que causam dor mínima (p. ex., tretinoína, tazaroteno, cantaridina) devem ser usados primeiro, sobretudo em crianças.

Curetagem ou nitrogênio líquido podem ser usados 40 a 60 minutos após a aplicação de um anestésico tópico, como mistura eutética de anestésicos locais (EMLA) ou creme de lidocaína a 4% sob um curativo oclusivo. O creme EMLA é aplicado com cautela devido à sua toxicidade sistêmica, especialmente em crianças. Em adultos, a curetagem é muito eficaz, mas dolorosa se for feita sem anestesia.

A cantaridina é efetiva e segura, mas pode causar bolhas. Aplica-se 1 gota diretamente na lesão. Áreas que o paciente (especialmente crianças) pode esfregar são cobertas com um curativo, pois o contato com os dedos deve ser evitado. A cantaridina não é recomendada para a face ou perto dos olhos, pois a formação de bolhas é imprevisível; se entrar em contato com a córnea causa cicatriz nesta. Se a cantaridina entrar em contato com a córnea, pode causar cicatrização. A cantaridina deve ser lavada com água e sabão em 6 h. Menos de 15 lesões devem ser tratadas em uma sessão, porque pode ocorrer infecção após a aplicação da cantaridina. Os pais devem ser alertados sobre bolhas se seus filhos receberem a prescrição desse fármaco.

Dermatologistas geralmente usam terapias combinadas como nitrogênio líquido ou cantaridina no consultório ou creme de retinoide em casa. Essa forma de tratamento é bem-sucedida após 1 a 2 meses, em alguns pacientes.

As crianças podem continuar frequentando escolas ou creches. No entanto, suas lesões devem ser cobertas para reduzir o risco de disseminação.

Referência sobre o tratamento

  • 1. Katz KA: Dermatologists, imiquimod, and treatment of molluscum contagiosum in children: Righting wrongs. JAMA Dermatol 151(2):125–126, 2015. doi:10.1001/jamadermatol.2014.3335.

Pontos-chave

  • Molusco contagioso, causado por um poxvírus, comumente se espalha por contato direto (p. ex., contato sexual, luta livre), fômites e água do banho.

  • As lesões tendem a incluir aglomerados assintomáticos de pápulas de 2 a 5 mm de diâmetro, rosas, em forma de cúpula, lisas, cerosas ou peroladas e umbilicadas.

  • O diagnóstico baseia-se na aparência clínica.

  • O tratamento é por razões cosméticas ou para prevenir a disseminação.

  • Tratamentos podem incluir métodos destrutivos (p. ex., curetagem, criocirurgia, terapia a laser, eletrocautério) ou irritantes tópicos (p. ex., ácido tricloroacético, cantaridina, tretinoína, tazaroteno e podofilotoxina).

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
How to Drain a Subungual Hematoma
Vídeo
How to Drain a Subungual Hematoma

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS