Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Febre recidivante

(Tick Fever; Recurrent Fever; Famine Fever)

Por

Larry M. Bush

, MD, FACP, Charles E. Schmidt College of Medicine, Florida Atlantic University

Última revisão/alteração completa nov 2020| Última modificação do conteúdo nov 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A febre recidivante é uma infecção causada por determinadas espécies de Borrelia, que são bactérias em forma de espiral chamadas espiroquetas (veja a figura Como as bactérias tomam forma).

  • As pessoas são infectadas quando são picadas por um carrapato infectado ou entram em contato com um piolho infectado.

  • As pessoas têm calafrios súbitos, seguidos de febre alta, fortes dores de cabeça, vômito, dor nos músculos e nas articulações e, às vezes, uma erupção cutânea.

  • Os sintomas desaparecem e depois retornam (recidiva) diversas vezes.

  • A identificação da bactéria em uma amostra de sangue confirma o diagnóstico.

  • Em geral os antibióticos são eficazes.

Várias espécies da bactéria Borrelia causam febre recidivante. Uma espécie diferente de Borrelia causa a doença de Lyme.

A febre recidivante é transmitida por carrapatos de corpo mole, carrapatos de corpo duro e piolhos do corpo.

As mulheres grávidas com febre recidivante podem transmitir Borrelia para o feto ou podem sofrer um aborto. Embora rara, a Borrelia também pode ser transmitida durante uma transfusão de sangue.

Febre recidivante causada por carrapatos (febre recidivante transmitida por carrapatos)

Um carrapato de corpo mole se infecta ao se alimentar de sangue de roedores (como esquilos e tâmias) que transportam uma espécie da bactéria Borrelia. O carrapato transmite a bactéria para uma pessoa ao mordê-la.

A febre recidivante transmitida por carrapatos de corpo mole ocorre nas Américas, na África, na Ásia e na Europa. Nos Estados Unidos, a doença ocorre principalmente nos estados do Oeste, principalmente entre maio e setembro. As pessoas que dormem em uma cabana infestada de roedores nas montanhas têm mais chance de serem mordidas por carrapatos infectados. No entanto, como os carrapatos se alimentam à noite e não permanecem agarrados ao corpo por muito tempo, muitas vezes as pessoas não se lembram de uma mordida de carrapato. As pessoas que exploram cavernas (espeleologia) também estão em risco de infecção.

Você sabia que...

Carrapatos moles diferem dos duros (como carrapato de cachorro e de veado) das seguintes formas:

  • Os carrapatos moles ficam grudados por pouco tempo, geralmente menos de uma hora.

  • Carrapatos moles não esperam por sua presa na grama alta ou em arbustos. Em vez disso, eles vivem em buracos de roedores, se alimentando do roedor, conforme necessário, enquanto este dorme.

Os carrapatos de corpo duro que transmitem a febre recidivante são os mesmos carrapatos que transmitem a doença de Lyme. Assim, a febre recidivante causada por carrapatos de corpo duro ocorre nos mesmos locais em que a doença de Lyme ocorre nos Estados Unidos – nordeste e parte superior do centro-oeste. Os carrapatos se infectam ao se alimentar do sangue de roedores (como o rato de patas brancas) que transportam uma espécie de bactéria Borrelia. O carrapato transmite a bactéria para uma pessoa ao mordê-la.

As pessoas que vivem em regiões florestais ou que caminham pela grama alta ou por regiões florestais são mais propensas a serem mordidas por carrapatos infectados.

Febre recidivante causada por piolhos (febre recidivante transmitida por piolhos)

A febre recidivante transmitida por piolhos é transmitida por piolhos do corpo infectados. O piolho se infecta quando se alimenta de um hospedeiro humano que esteja infectado por uma espécie de Borrelia. O piolho transmite as bactérias para outra pessoa quando é esmagado. As bactérias Borrelia são então liberadas na superfície da pele da pessoa. Uma vez liberadas, as bactérias podem entrar no corpo da pessoa, geralmente através de uma mordida ou pele rompida. Os piolhos que não foram esmagados não transmitem a infecção.

Esta febre é rara nos Estados Unidos e ocorre principalmente nos planaltos da África Central e Oriental e nos Andes da América do Sul. A febre recidivante transmitida por piolhos também ocorreu na Europa em refugiados provenientes da África. Esta febre tende a ocorrer em epidemias, principalmente nas regiões afetadas por guerra, e em campos de refugiados. A infestação por piolhos é geralmente evidente.

Sintomas

As pessoas com febre recidivante têm calafrios súbitos, seguidos de febre alta, fortes dores de cabeça, vômito e dor nos músculos e nas articulações. Pode haver formação de uma crosta (escara) espessa, negra e crostosa no local da mordida de carrapato. Algumas pessoas apresentam uma erupção cutânea avermelhada no tronco e nos membros, além de olhos vermelhos. Algumas pessoas passam a ter alucinações.

Após vários dias, a febre cessa repentinamente e a pessoa se sente melhor. Porém, a febre e geralmente os outros sintomas vão e voltam (reincidem) em intervalos de cerca de uma semana por até trinta episódios. Os episódios se tornam progressivamente menos graves, e finalmente as pessoas se recuperam à medida que desenvolvem imunidade à doença.

Mais tarde na doença, outros sintomas podem se manifestar. Eles incluem icterícia (uma descoloração amarelada da pele e da área branca dos olhos), aumento do fígado e baço, inflamação do tecido cardíaco (miocardite) e insuficiência cardíaca. Esses sintomas são mais comuns entre pessoas com febre recidivante transmitida por piolhos.

Os olhos, o cérebro e a medula espinhal podem ser infectados. Por exemplo, pode surgir meningite. Esses problemas são mais comuns entre pessoas com febre recidivante transmitida por carrapatos.

Diagnóstico

  • Exame de uma amostra de sangue

Os médicos suspeitam de febre recidivante se as pessoas tiverem febres recorrentes, sobretudo se informarem que pernoitaram em uma caverna ou cabana nas montanhas.

Para diagnosticar a febre recidivante, os médicos coletam uma amostra de sangue e a examinam em um microscópio para investigar se há bactérias Borrelia. A medição de anticorpos contra a bactéria Borrelia, que causa febre recidivante, pode ajudar. Os médicos medem os anticorpos logo depois que a infecção é diagnosticada e novamente semanas após as pessoas terem se recuperado.

Às vezes são realizados testes de reação em cadeia da polimerase (PCR), que detectam o material genético da bactéria.

Prognóstico

A maioria das pessoas se recupera, mas algumas morrem. A morte é mais provável em gestantes muito jovens, idosos, pessoas subnutridas ou debilitadas e pessoas infectadas durante uma epidemia de febre recidivante transmitida por piolhos.

Para a febre recidivante transmitida por piolhos, a morte ocorre em 10% a 40% das pessoas não tratadas e em 2% a 5% das pessoas tratadas.

Para febre recidivante transmitida por carrapatos, o prognóstico é melhor. A morte ocorre em menos de 10% das pessoas não tratadas e em menos de 2% das pessoas tratadas.

Tratamento

  • Antibióticos

Antibióticos como tetraciclina, doxiciclina ou eritromicina são geralmente eficazes.

Dentro de duas horas após a primeira dose do antibiótico, pode ocorrer uma reação desconfortável chamada reação de Jarisch-Herxheimer, causando suor, calafrios com tremores, febre e queda da pressão arterial. Para reduzir a gravidade desta reação, os médicos podem administrar acetaminofeno às pessoas antes e depois da primeira dose do antibiótico. Esta reação não é uma reação alérgica ao antibiótico.

Se as pessoas estiverem desidratadas ou apresentarem desequilíbrios eletrolíticos devido a vômitos, elas recebem líquidos por via intravenosa. O paracetamol pode aliviar as cefaleias e a proclorperazina pode aliviar a náusea e os vômitos.

Mais informações

O seguinte é um recurso em inglês que pode ser útil. Vale ressaltar que O MANUAL não é responsável pelo conteúdo desse recurso.

Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC): Febre recidivante: Informações sobre a febre recidivante, incluindo links para informações sobre a transmissão e os sintomas

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
PRINCIPAIS