Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Vacina contra a COVID-19

Por

Margot L. Savoy

, MD, MPH, Lewis Katz School of Medicine at Temple University

Avaliação/revisão completa jun 2021 | modificado ago 2022
VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE

As vacinas contra a doença por coronavírus de 2019 (COVID-19) conferem proteção contra a COVID-19. COVID-19 COVID-19 A COVID-19 é uma doença respiratória aguda que pode ser grave e é causada por um coronavírus chamado SARS-CoV-2. Os sintomas da COVID-19 variam significativamente. Dois tipos de testes podem... leia mais é a doença causada por uma infecção pelo vírus SARS-CoV-2. Atualmente, há várias vacinas contra a COVID-19 em uso no mundo todo (consulte o Rastreador de vacinas contra a COVID-19). Este tópico inclui somente as vacinas atualmente em uso nos Estados Unidos.

Há duas vacinas de mRNA aprovadas para uso nos Estados Unidos contra a COVID-19:

  • Vacina BNT162b2 contra a COVID-19 (mRNA) (produzida pela Pfizer-BioNTech)

  • Vacina mRNA-1273 contra a COVID-19 (mRNA) (produzida pela Moderna)

Há uma vacina com vetor de adenovírus disponível para uso nos Estados Unidos contra a COVID-19:

  • Vacina Ad26.COV2.S contra a COVID-19 (vetor de adenovírus) (produzida pela Janssen/Johnson & Johnson)

Há uma vacina com adjuvante disponível para uso nos Estados Unidos contra a COVID-19:

  • Vacina NVX-CoV2373 contra a COVID-19 (subunidade) (fabricada pela Novavax)

A vacina BNT162b2 (Comirnaty) está aprovada para uso em pessoas a partir de 16 anos de idade pela Agência de Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA). Essa vacina também tem autorização de uso emergencial (AUE) da FDA para crianças de 6 meses a 15 anos de idade.

A vacina mRNA-1273 (Spikevax) está aprovada para uso em pessoas a partir de 18 anos de idade. Essa vacina também tem AUE para crianças de 6 meses a 17 anos de idade.

A vacina Ad26.COV2.S tem AUE para pessoas a partir de 18 anos de idade que não têm acesso ou não podem receber outras vacinas contra a COVID-19 ou que optam por receber Ad26.COV2.S porque, de outra forma, não receberiam nenhuma vacina contra a COVID-19. (Consulte FDA limita o uso da vacina contra a COVID-19 da Janssen para certos indivíduos).

A vacina NVX-CoV2373 tem AUE para pessoas a partir de 18 anos de idade.

A vacinação continua a ser a estratégia mais eficaz na prevenção de doença grave e morte resultante da infecção por COVID-19 com as variantes recentes e circulantes atualmente, delta e ômicron. As taxas de hospitalização nos Estados Unidos, no outono de 2021, foram 8 a 10 vezes maiores em pessoas não vacinadas do que em pessoas vacinadas. Pessoas não vacinadas também apresentaram uma probabilidade 20 vezes maior de morrer de COVID-19 do que pessoas vacinadas naquele período.

Na maioria das situações, as vacinas de mRNA e a vacina com adjuvante são preferidas às vacinas de vetor do adenovírus para as doses da série primária, porque algumas pesquisas mostram uma relação entre a vacina de vetor do adenovírus e um efeito colateral raro e grave chamado trombocitopenia trombótica induzida por vacina Efeitos colaterais As vacinas contra a doença por coronavírus de 2019 (COVID-19) conferem proteção contra a COVID-19. COVID-19 é a doença causada por uma infecção pelo vírus SARS-CoV-2. Atualmente, há várias vacinas... leia mais . (Consulte Considerações gerais e segurança da vacina Janssen contra a COVID-19 da Johnson & Johnson.)

Para mais informações, consulte as fichas informativas referentes aos fabricantes das vacinas Pfizer-BioNTech, Moderna, Janssen/Johnson & Johnson e Novavax.

Administração da vacina contra a COVID-19

A vacina BNT162b2 contra a COVID-19 (mRNA) produzida pela Pfizer-BioNTech é administrada como série primária de 2 injeções administradas com pelo menos 3 a 8 semanas de intervalo em pessoas com 5 anos de idade ou mais.

A vacina BNT162b2 é administrada como uma série primária de 3 injeções em crianças de 6 meses a 4 anos de idade. A segunda injeção é administrada pelo menos 3 a 8 semanas após a primeira. A terceira injeção é administrada pelo menos 8 semanas após a segunda.

A vacina mRNA-1273 contra a COVID-19 (mRNA) produzida pela Moderna é administrada como série primária de 2 injeções administradas com pelo menos 4 semanas de intervalo em pessoas com 6 meses de idade ou mais.

A vacina Ad26.COV2.S contra a COVID-19 (vetor de adenovírus) fabricada pela Janssen/Johnson & Johnson é administrada como 1 injeção primária em pessoas a partir de 18 anos de idade que não têm acesso ou não podem receber outras vacinas contra a COVID-19, ou que optam por receber Ad26.COV2.S porque, de outra forma, não receberiam nenhuma vacina contra a COVID-19.

A vacina BNT162b2 contra a COVID-19 (subunidade) produzida pela Novavax é administrada como série primária de 2 injeções administradas com pelo menos 3 a 8 semanas de intervalo em pessoas com 18 anos de idade ou mais.

A série primária adicional e a orientação de dose de reforço dependem da idade da pessoa e se ela tem um sistema imunológico enfraquecido ou comprometido (imunocomprometimento).

Orientação de série primária para pessoas que estão moderada a gravemente imunocomprometidas

Uma dose adicional de série primária é aconselhada para pessoas com um sistema imunológico moderada a gravemente enfraquecido ou comprometido. As pessoas devem conversar com seu profissional de saúde sobre seu quadro clínico e sobre se receber uma dose adicional da série primária é apropriado para elas. (Consulte as Orientações para a vacinação contra a COVID-19 para pessoas que estão moderada ou gravemente imunocomprometidas.) A dose adicional da série primária se aplica às seguintes pessoas:

  • Pessoas moderada a gravemente imunocomprometidas a partir de 6 meses de idade que concluíram a série primária da vacina mRNA-1273 (produzida pela Moderna) devem receber uma dose primária adicional pelo menos 4 semanas após receberem a segunda dose.

  • Crianças moderada a gravemente imunocomprometidas, de 6 meses a 4 anos de idade, que completaram a série primária da vacina BNT162b2 (produzida pela Pfizer-BioNTech) devem receber uma dose primária adicional pelo menos 8 semanas após receber a segunda dose.

  • Pessoas moderada a gravemente imunocomprometidas, a partir de 5 anos de idade, que completaram a série primária da vacina BNT162b2 devem receber uma dose primária adicional pelo menos 4 semanas após receberem a segunda dose.

  • Pessoas moderada a gravemente imunocomprometidas, a partir de 18 anos de idade, que receberam a vacina Ad26.COV2.S (produzida pela Janssen/Johnson & Johnson) devem receber uma segunda injeção (dose adicional), de preferência com uma vacina de mRNA contra a COVID-19 ou vacina com adjuvante contra a COVID-19, pelo menos, 4 semanas após receberem a vacina Ad26.COV2.S.

Pessoas moderada a gravemente imunocomprometidas, a partir de 18 anos de idade, que receberam a série primária da vacina NVX-CoV2373 (produzida pela Novavax) estão em dia após duas doses.

Após a conclusão de uma série primária, foi demonstrado que a proteção contra infecção diminui com o passar do tempo. Para maximizar a proteção contra infecções, doenças graves e morte, são recomendadas doses de reforço dois a cinco meses após a conclusão da série primária. As pessoas que receberam uma dose de reforço quando elegíveis são consideradas atualizadas em sua série de vacinas.

Orientações sobre a vacina de reforço contra a COVID-19 para pessoas que não estão imunocomprometidas

As pessoas não imunocomprometidas e que estão totalmente vacinadas contra a COVID-19 são elegíveis para uma dose de reforço dependendo da idade e da série primária que completaram (consulte Doses de reforço da vacina contra a COVID-19):

  • A primeira dose de reforço com a vacina BNT162b2 é recomendada para todos os receptores da vacina BNT162b2 a partir de 5 anos de idade que concluíram sua série primária há pelo menos cinco meses.

  • A primeira dose de reforço com a vacina mRNA-1273 é recomendada para todos os receptores da vacina mRNA-1273 a partir de 18 anos de idade que concluíram sua série primária de duas doses há pelo menos cinco meses.

  • A primeira dose de reforço, de preferência com a vacina BNT162b2 ou a vacina mRNA-1273, é recomendada para todos os receptores da vacina Ad26.COV2.S a partir de 18 anos de idade e que receberam sua dose há 8 semanas ou mais. Uma segunda dose de reforço da vacina BNT162b2 ou da vacina mRNA-1273 pode ser administrada a pessoas a partir de 18 anos de idade, pelo menos 4 meses após receberem a primeira dose de reforço que se seguiu à vacina Ad26.COV2.S.

  • Uma segunda dose de reforço da vacina BNT162b2 ou da vacina mRNA-1273 pode ser administrada a pessoas a partir de 50 anos de idade, pelo menos 4 meses após receberem a primeira dose de reforço de BNT162b2, mRNA-1273 ou Ad26.COV2.S.

Neste momento, uma dose de reforço não é recomendada para pessoas que concluíram a série primária NVX-CoV2373.

As pessoas elegíveis a partir de 18 anos de idade podem optar por receber uma dose de reforço de BNT162b2, mRNA-1273 ou Ad26.COV2.S, independentemente de qual série primária dessas vacinas elas concluíram, mas as vacinas de mRNA são preferidas na maioria dos casos devido ao risco de síndrome da trombocitopenia trombótica induzida por vacina com a vacina de vetor. Apenas a vacina BNT162b2 tem AUE para doses de reforço em crianças de 5 a 17 anos de idade. NVX-CoV2373 não está autorizada para uso como dose de reforço neste momento.

Orientação para vacinação contra a COVID-19 para pessoas que estão moderada ou gravemente imunocomprometidas

  • Pessoas moderada a gravemente imunocomprometidas, a partir de 18 anos de idade, que concluíram a série primária da vacina BNT162b2 (produzida pela Pfizer-BioNTech) ou a vacina mRNA-1273 (produzida pela Moderna) devem receber uma dose de reforço da vacina BNT162b2 ou mRNA-1273, pelo menos três meses após a terceira dose primária. Uma segunda dose de reforço pode ser administrada pelo menos quatro meses após a primeira dose de reforço.

  • Crianças moderada a gravemente imunocomprometidas, de 12 a 17 anos de idade, que completaram a série primária da vacina BNT162b2 devem receber uma dose de reforço pelo menos 3 meses após a terceira dose primária. Uma segunda dose de reforço pode ser administrada pelo menos quatro meses após a primeira dose de reforço.

  • Crianças moderadamente a gravemente imunocomprometidas de 5 a 11 anos de idade que completaram a série primária da vacina BNT162b2 devem receber uma dose de reforço com a vacina BNT162b2 pelo menos 3 meses após a terceira dose primária.

  • Pessoas moderada a gravemente imunocomprometidas, a partir de 18 anos de idade, que receberam a vacina Ad26.COV2.S (produzida pela Janssen/Johnson & Johnson) devem receber uma dose de reforço pelo menos 8 semanas depois da dose adicional da vacina mRNA primária contra a COVID-19. (Pessoas que receberam a dose primária da vacina Ad26.COV2.S e já receberam a primeira dose de reforço sem terem recebido a dose primária de mRNA devem receber uma vacina mRNA como uma terceira dose pelo menos dois meses após a dose de reforço.) Uma segunda dose de reforço (quarta dose) com uma vacina mRNA contra a COVID-19 pode ser administrada pelo menos quatro meses após a dose anterior.

Neste momento, uma dose de reforço não é recomendada para pessoas que concluíram a série primária NVX-CoV2373, e a NVX-CoV2373 não está autorizada para uso como dose de reforço.

Efeitos colaterais da vacina contra a COVID-19

As quatro vacinas contra a COVID-19 têm efeitos colaterais similares:

  • Dor, inchaço e vermelhidão no local da injeção

  • Cansaço

  • Dor de cabeça

  • Dores musculares e articulares

  • Febre e calafrios

  • Náusea

  • Mal-estar geral

  • Linfonodos inchados

Os efeitos colaterais normalmente duram vários dias. Para vacinas que exigem uma série primária de 2 doses, mais pessoas têm efeitos colaterais após a segunda dose do que após a primeira dose.

Existe uma pequena chance de uma reação alérgica grave. Ela geralmente acontece dentro de poucos minutos a uma hora após tomar uma dose da vacina e requer tratamento de emergência (ligar para a assistência médica de emergência, [911 nos Estados Unidos] ou ir para o hospital mais próximo). As pessoas que tiveram reações alérgicas graves a outras vacinas ou medicamentos injetáveis devem discutir o risco de uma reação alérgica com seu médico e ser observadas após receber a vacina. Sinais de uma reação alérgica grave incluem

  • Dificuldade em respirar

  • Inchaço do rosto e da garganta

  • Batimento cardíaco acelerado

  • Uma erupção pruriginosa importante em todo o corpo

  • Tontura e fraqueza

As pessoas não devem receber a vacina produzida pela Pfizer-BioNTech, Moderna ou Novavax se tiverem apresentado uma reação alérgica grave a uma dose anterior da vacina. As pessoas não devem tomar nenhuma das quatro vacinas contra a COVID-19 se apresentarem histórico de reação alérgica grave a qualquer um de seus ingredientes.

Muito raramente, as pessoas desenvolvem um problema incomum de coagulação sanguínea excessiva (trombose) e níveis baixos de plaquetas (trombocitopenia Considerações gerais sobre a trombocitopenia A trombocitopenia consiste em um número reduzido de plaquetas (trombócitos) no sangue, o que aumenta o risco de hemorragia. A trombocitopenia ocorre quando a medula óssea produz quantidades... leia mais Considerações gerais sobre a trombocitopenia ) após receberem a vacina produzida pela Janssen/Johnson & Johnson. Nessa doença, chamada síndrome de trombocitopenia com trombose induzida por vacina, coágulos de sangue se desenvolvem em locais incomuns e críticos, como nos vasos sanguíneos do cérebro ou abdômen. Os sintomas começam cerca de uma a duas semanas após a vacinação. Esse problema ocorreu em homens e mulheres a partir de 18 anos de idade, mas é mais provável que ocorra em mulheres entre 30 e 49 anos de idade. Algumas pessoas morrem. (Consulte também Considerações gerais e segurança da vacina Janssen contra a COVID-19 da Johnson & Johnson.)

Os problemas cardíacos miocardite Miocardite Miocardite é a inflamação do tecido muscular do coração (miocárdio) que causa a morte do tecido. A miocardite pode ser causada por muitos problemas, incluindo infecção, toxinas e medicamentos... leia mais e pericardite Pericardite aguda A pericardite aguda é uma inflamação súbita do pericárdio (a estrutura sacular flexível de camada dupla que envolve o coração), muitas vezes dolorosa, que provoca o derrame de líquido e componentes... leia mais Pericardite aguda foram relatados após doses das vacinas produzidas pela Pfizer-BioNTech, Moderna e Novavax, particularmente dentro de 7 dias após a segunda dose, sugerindo que pode haver um risco maior desses problemas após a vacinação. O risco é maior em homens jovens. Receptores da vacina devem procurar atendimento médico imediatamente se sentirem dor no peito, falta de ar ou sensação de batimento cardíaco acelerado ou palpitante após a vacinação.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) declaram que mulheres que serão submetidas a uma mamografia e que receberam a vacinação contra a COVID-19 recentemente devem perguntar ao seu médico quanto tempo devem esperar após a vacinação para realizar a mamografia, pois reações temporárias à vacina podem causar uma falsa leitura na mamografia. Alguns especialistas recomendam realizar a mamografia antes da vacina ou aguardar quatro a seis semanas depois de tomar a vacina.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
quiz link

Test your knowledge

Take a Quiz! 
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
PRINCIPAIS