Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Derrame pleural

Por

Richard W. Light

, MD, Vanderbilt University Medical Center

Última revisão/alteração completa jul 2019| Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
Recursos do assunto

O derrame pleural é o acúmulo anormal de líquido no espaço pleural (o espaço entre as duas camadas da membrana fina que reveste os pulmões).

  • O líquido pode se acumular no espaço pleural como resultado de um grande número de quadros clínicos, incluindo infecções, tumores, lesões, insuficiência cardíaca, renal ou hepática, coágulos sanguíneos nos vasos sanguíneos do pulmão (embolia pulmonar) e medicamentos.

  • Os sintomas podem incluir dificuldade respiratória e dor torácica, principalmente ao respirar e tossir.

  • O diagnóstico é estabelecido por meio de radiografias torácicas, exames laboratoriais do líquido e, frequentemente, angiografia por tomografia computadorizada.

  • São drenadas grandes quantidades de líquido com um tubo inserido no tórax.

Normalmente, apenas uma camada muito fina de líquido separa as duas camadas da pleura. Uma quantidade excessiva de líquido pode se acumular por vários motivos, incluindo insuficiência cardíaca, cirrose, pneumonia e câncer.

Um grande número de doenças pode causar derrame pleural. Algumas causas mais comum (listadas das mais comuns para as menos comuns) incluem

Tipos de líquido

Dependendo da causa, o líquido pode ser

  • Rico em proteínas (exsudado)

  • Aquoso (transudado)

Os médicos usam essa distinção para ajudar a determinar a causa. Por exemplo, insuficiência cardíaca e cirrose são causas comuns de líquido aquoso no espaço pleural. Pneumonia, câncer e infecções virais são causas comuns de derrame pleural com um exsudato líquido.

Sangue no espaço pleural (hemotórax) costuma resultar de uma lesão torácica. Raramente, um vaso sanguíneo se rompe no espaço pleural sem que nenhuma lesão tenha ocorrido, ou uma área de abaulamento na aorta (aneurisma aórtico) vaza sangue no espaço pleural.

Pode ocorrer acúmulo de pus no espaço pleural (empiema) quando uma pneumonia ou abscesso pulmonar atinge esse espaço. O empiema também pode complicar uma infecção decorrente de ferimentos no tórax, cirurgia torácica, ruptura do esôfago ou um abscesso abdominal.

A presença de líquido linfático (leitoso) no espaço pleural (quilotórax) é provocada por uma lesão no principal canal linfático do tórax (canal torácico) ou pela obstrução do canal por um tumor.

A presença de urina no espaço pleural (urinotórax) é incomum e pode se acumular se os tubos que drenam a urina dos rins (ureteres) estiverem obstruídos.

A presença de líquido no espaço pleural com quantidades excessivas de colesterol resulta de um derrame pleural de longa duração causado por algum quadro clínico, como tuberculose ou artrite reumatoide.

Sintomas

Muitas pessoas com derrame pleural não apresentam sintomas. Os sintomas mais frequentes, independentemente do tipo de líquido no espaço pleural ou de sua origem, são dificuldade respiratória e dor torácica.

A dor torácica geralmente é de um tipo chamado dor pleurítica (o termo pleurisia não é mais usado ou é usado apenas raramente). A dor pleurítica pode ser sentida apenas quando a pessoa respira profundamente ou tosse, como também estar presente continuamente e ser agravada pela respiração profunda e tosse. A dor geralmente é sentida na parede torácica exatamente sobre o local da inflamação que causou o derrame. No entanto, a dor pode ser sentida também ou somente na região superior do abdômen ou no pescoço e ombros, o que é chamado dor referida (veja a figura O que é a dor referida?). A dor pleurítica pode ser causada por outras doenças além do derrame pleural.

A dor torácica pleurítica decorrente de derrame pleural pode desaparecer conforme o líquido se acumula. Grandes quantidades de líquido podem causar dificuldade para expandir um ou ambos os pulmões durante a respiração, causando falta de ar.

icon

Major Causes of Pleuritic Chest Pain

Diagnóstico

  • Radiografia torácica e/ou ultrassonografia

  • Exames laboratoriais feitos em amostras do líquido

  • Algumas vezes, angiografia por tomografia computadorizada (TC)

Uma radiografia torácica, mostrando líquido no espaço pleural, geralmente é o primeiro passo para se estabelecer o diagnóstico. Porém, pequenas quantidades de líquido podem não ser visíveis na radiografia torácica.

Uma ultrassonografia pode ajudar os médicos a identificar um pequeno acúmulo de líquido.

Os médicos podem realizar uma toracocentese. Neste procedimento, uma amostra do líquido é retirada para análise usando-se uma agulha. O aspecto do líquido pode ajudar a determinar sua causa. Certos exames laboratoriais avaliam a composição química do líquido e determinam a presença de bactérias, incluindo as bactérias que causam tuberculose. A amostra de líquido também é examinada para determinação do número e dos tipos de células e para verificar a presença de células cancerosas.

Se essas análises não permitirem identificar a causa do derrame pleural, devem ser feitos outros exames.

Uma angiografia por TC mostra, com maior clareza, o pulmão e o líquido, podendo revelar a presença de pneumonia, embolia pulmonar, massa mediastinal, abscesso pulmonar ou tumor que poderia estar provocando o acúmulo de líquido. Para a realização da angiografia por TC, as pessoas precisam prender a respiração durante o exame.

Se um diagnóstico sério ainda parecer ser possível, os médicos podem inserir um tubo de visualização no tórax (denominada toracoscopia). Ocasionalmente, os médicos precisam obter uma amostra (biópsia) da pleura e/ou pulmão. Em cerca de 20% das pessoas com derrame pleural, a causa não é evidente após o teste inicial e, em algumas pessoas, não é encontrada a causa, mesmo após extensivos testes.

Tratamento

  • Tratamento do distúrbio causando derrame pleural

  • Drenagem de grandes derrames pleurais

Pequenos derrames pleurais podem não exigir tratamento, embora o quadro clínico subjacente precise ser tratado. É comum serem administrados analgésicos até que o líquido seja drenado naturalmente ou através de procedimentos de drenagem.

Os derrames mais graves, em especial os que provocam dificuldade respiratória, podem exigir procedimentos de drenagem. A drenagem geralmente alivia bastante a falta de ar. Frequentemente, o líquido pode ser extraído usando-se uma toracocentese. Uma área da pele entre as duas costelas mais inferiores é anestesiada e uma pequena agulha é inserida gentilmente até alcançar o líquido. Um cateter de plástico fino geralmente é guiado através da agulha até dentro do líquido para reduzir a possibilidade de perfurar o pulmão e causar um pneumotórax. Embora a toracocentese geralmente seja feita para fins de diagnóstico, os médicos podem remover com segurança até cerca de 5 litros de líquido por vez usando este procedimento.

Quando é necessário extrair quantidades maiores de líquido, um tubo (dreno torácico) é inserido através da parede torácica. Após anestesiar a área injetando-se um anestésico local, os médicos inserem um tubo de plástico dentro do tórax entre duas costelas. Em seguida, os médicos conectam o tubo a um sistema de drenagem com isolamento com água que impede que o ar passe para o espaço pleural. É feita uma radiografia torácica para verificar a posição do tubo. A drenagem pode ser obstruída se o tubo torácico não for colocado corretamente ou ficar retorcido. Quando o líquido está muito espesso ou cheio de coágulos, ele pode não escoar.

Derrames causados por pneumonia

Quando o acúmulo de líquido é decorrente de pneumonia, são necessários antibióticos por via intravenosa. Normalmente, os médicos também retiram uma amostra do líquido para exame e análise. Se o líquido for pus ou apresentar outras determinadas características, ele precisa ser drenado, em geral com um dreno torácico. Se o líquido estiver particionado em compartimentos distintos por cicatrizes que se formaram dentro do espaço pleural, a drenagem será mais difícil. Às vezes, medicamentos denominados fibrinolíticos associados a outro medicamento que pode ajudar a diluir derrames espessos (alfadornase) são instilados no espaço pleural para ajudar a drenagem, que pode evitar a necessidade de cirurgia. (Para serem eficazes, tanto medicamentos fibrinolíticos quanto alfadornase devem ser usados.)

Se a cirurgia for necessária, ela pode ser feita por meio de um processo chamado desbridamento toracoscópico assistido por vídeo ou fazendo-se uma incisão através da parede torácica (toracotomia). Durante a cirurgia, quaisquer camadas espessas de material fibroso sobre a superfície do pulmão são removidas para permitir que este se expanda normalmente.

Derrames causados por cânceres

O acúmulo de líquido causado por câncer de pleura pode ser difícil de tratar porque o líquido se acumula repetida e rapidamente. Drenar o líquido e administrar medicamentos antitumorais são medidas que podem impedir uma nova acumulação de líquido. Um pequeno tubo pode ser deixado no tórax para que o líquido possa ser drenado periodicamente para frascos a vácuo. Contudo, se o líquido continuar a se acumular, selar o espaço pleural (pleurodese) pode ajudar. Para a pleurodese, todo o líquido é drenado através de um tubo, que, então, é utilizado para administrar um irritante pleural, como solução de doxiciclina ou bleomicina ou mistura de talco, no espaço pleural. A substância irritante sela as duas camadas da pleura, de modo que não sobra espaço para novo acúmulo de líquido. A pleurodese também pode ser feita por meio de toracoscopia.

Quilotórax

O tratamento do quilotórax tem como objetivo a eliminação do vazamento do duto linfático. Tal tratamento pode consistir de cirurgia, quimioterapia ou radioterapia para um tumor que pode estar bloqueando o fluxo de linfa.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS