Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Inchaço dos linfonodos

(Glândulas inchadas; linfadenopatia)

Por

James D. Douketis

, MD, McMaster University

Última revisão/alteração completa jul 2019| Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Os linfonodos são órgãos minúsculos, com formato de feijão, responsáveis pela filtragem da linfa. Eles estão localizados por todo o corpo, mas encontram-se concentrados principalmente logo abaixo da pele do pescoço, nas regiões das axilas e na virilha. Os linfonodos fazem parte do sistema linfático, que é um dos mecanismos de defesa do corpo contra a propagação de infecção e de câncer. (Consulte também Considerações gerais sobre o sistema linfático).

A linfa é um líquido claro que é constituído por água, glóbulos brancos do sangue, proteínas e gorduras que foram filtrados dos vasos sanguíneos para os espaços entre as células. Uma parte desse líquido é reabsorvida pelos vasos sanguíneos, enquanto o restante passa para os vasos linfáticos. A linfa passa, então, pelos linfonodos, que são pontos específicos de coleta onde as células danificadas, cancerosas e organismos infecciosos são filtrados, removidos e destruídos. Caso haja muitos organismos infecciosos ou células cancerosas, os linfonodos se incham. Às vezes, tais organismos causam infecção no interior do próprio linfonodo.

O termo linfadenopatia é usado por médicos para descrever linfonodos inchados.

Linfadenite é o termo usado quando os linfonodos inchados causam dor ou apresentam sinais de inflamação (por exemplo, rubor ou sensibilidade).

Em pessoas saudáveis, alguns linfonodos pequenos geralmente podem ser sentidos sob a pele. Linfonodos maiores e palpáveis mais facilmente podem ser indício de alguma doença. Algumas pessoas usam os termos “íngua” ou “glândulas inchadas” para fazerem referência a linfonodos inchados, em especial quando os linfonodos inchados estão no pescoço. No entanto, linfonodos não são glândulas.

Os linfonodos podem estar inchados em apenas uma região do corpo ou em duas ou mais regiões. Dependendo da causa, outros sintomas também podem estar presentes, como dor de garganta, coriza ou febre. Muitas vezes, os linfonodos inchados são identificados durante a realização de um exame motivado por outros sintomas.

Causas

Como os linfonodos são parte integrante da resposta imunitária do corpo, muitas infecções, doenças inflamatórias e cânceres são causas potenciais. Apenas as causas mais comuns serão apresentadas aqui.

As causas mais comuns de inchaço dos linfonodos são

  • Infecções do trato respiratório superior (ITRS)

  • Infecções em tecidos próximos ao linfonodo inflamado

Às vezes, os médicos não conseguem identificar a causa do inchaço (o que é conhecido como linfadenopatia idiopática), porém este desaparece espontaneamente, sem causar nenhum dano à pessoa.

As causas mais perigosas de inchaço dos linfonodos são

No entanto, menos de 1% das pessoas com linfonodos inchados têm câncer.

Avaliação

Nem todas as pessoas com linfonodos inchados necessitam de avaliação médica imediata. As informações a seguir podem ajudar as pessoas a decidir quando a avaliação médica é necessária e a saber o que esperar durante a avaliação.

Sinais de alerta

Em pessoas com linfonodos inchados, alguns sintomas e características devem ser investigados. Eles incluem

  • Um linfonodo com diâmetro de 2,5 cm ou maior

  • Um linfonodo com secreção purulenta

  • Um linfonodo endurecido

  • Fatores de risco para infecção por HIV (como ter sido picado por uma agulha usada por outra pessoa, ou ter participado de comportamentos sexuais de alto risco) ou tuberculose (viver ou trabalhar com pessoas com tuberculose ou ter mudado recentemente de uma área com prevalência de tuberculose)

  • Febre ou perda de peso inexplicável

Quando consultar um médico

Se o linfonodo estiver dolorido ou expelindo pus ou outra substância, deve-se consultar um médico imediatamente. Alguém deve telefonar para o médico da pessoa. O médico decidirá sobre a urgência da consulta com base na presença de sinais de alerta e de outros sintomas. Para pessoas sem sinais de alerta e se sentindo bem no demais, uma espera de aproximadamente uma semana não é prejudicial.

O que o médico faz

Primeiro, os médicos fazem perguntas sobre os sintomas e o histórico clínico da pessoa. Em seguida, os médicos fazem um exame físico. O que eles encontram durante a avaliação do histórico e o exame físico geralmente sugere uma causa para o inchaço dos linfonodos e os exames que possivelmente precisarão ser realizados (veja a tabela Causas e características dos linfonodos inchados).

Os médicos perguntam

  • Onde estão localizados os linfonodos inchados

  • Há quanto tempo eles estão inchados

  • Se pessoa sente dor

  • Se a pessoa sofreu alguma lesão (em especial arranhões de gatos e mordidas de ratos) recentemente

  • Se a pessoa tem uma infecção ou sintomas de uma infecção (por exemplo, coriza, tosse, febre, dor de garganta, perda de peso inexplicada ou dor de dente ou na gengiva)

Em seguida, os médicos fazem um exame físico. Os médicos também verificam a presença de febre e examinam as regiões em que os linfonodos estão perceptíveis. Os médicos também procuram por sinais de infecção ou linfonodos em outras partes do corpo. Pessoas com linfonodos inchados em todo o corpo geralmente sofrem de uma doença que afeta o corpo inteiro. No entanto, pessoas com linfonodos inchados em apenas uma região podem ter uma doença que afeta somente tal região (como uma infecção) ou uma doença mais disseminada.

Em alguns casos, o histórico e os achados do exame físico sugerem a causa da doença, como quando uma pessoa tem uma infecção do trato respiratório superior ou uma infecção dentária. Em outros casos, os resultados não indicam nenhuma causa. As pessoas com sinais de alerta têm mais chance de terem uma doença grave, mas o inchaço dos linfonodos na ausência de outros sintomas também pode ser uma doença grave.

Linfonodos endurecidos, muito aumentados e sem mobilidade quando empurrados podem indicar câncer. Sensibilidade, rubor e calor em um único linfonodo aumentado pode indicar uma infecção ganglionar.

Tabela
icon

Causas e características dos linfonodos inchados

Causa

Características comuns*

Exames

Infecções

Infecção do trato respiratório superior (inclusive dor de garganta)

Linfonodos no pescoço afetados com pouca ou nenhuma sensibilidade

Dor de garganta, coriza ou tosse

Somente exame médico

Infecção dentária

Linfonodos em um dos lados do pescoço afetados (geralmente sensíveis)

Dor de dente

Somente exame de um médico ou dentista

Inchaço em ambos os lados, geralmente no pescoço, mas, às vezes, na região das axilas ou na virilha.

Febre, dor de garganta e fadiga grave

Normalmente em adolescentes ou jovens adultos

Exame de sangue para mononucleose

Linfonodos afetados por tuberculose

Geralmente, inchaço dos linfonodos no pescoço ou acima da clavícula

Às vezes, linfonodos inflamados e com secreção

Geralmente em pessoas com infecção por HIV

Teste cutâneo para tuberculina ou exames de sangue para tuberculose

Geralmente, biópsia dos linfonodos

HIV (imediatamente após a pessoa se infectar – infecção primária)

Inchaço generalizado dos linfonodos

Geralmente febre, mal-estar, eritema e dor articular

Frequente em pessoas expostas ao HIV ou a atividades de risco (como ser picado por uma agulha usada por outra pessoa ou comportamentos sexuais de alto risco)

Teste de HIV sanguíneo

Doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) (em particular herpes simples, clamídia e sífilis)

Exceto para o estágio secundário de sífilis, apenas linfonodos inchados na região da virilha

Sintomas urinários frequentes (como dor ao urinar) e corrimentos vaginais ou uretrais.

Às vezes, feridas nos órgãos genitais

No estágio secundário de sífilis, muitas vezes há feridas espalhadas pelas membranas mucosas e inchaço dos linfonodos

Exame de DST

Infecções de pele e tecidos moles (como celulite, abscesso e infecção causada por arranhão de gato), incluindo infecções diretas dos linfonodos

Em geral, corte visível ou infecção de pele próxima ao linfonodo inchado

Normalmente somente um exame realizado pelo médico

Algumas vezes, são recomendados exames de sangue para identificar os anticorpos contra o organismo infectante.

Linfonodos inflamados em ambos os lados do pescoço e nas axilas

Às vezes, sintomas semelhantes aos de gripe e baço e fígado aumentados

Histórico de exposição a fezes de gatos

Exames de sangue

Cânceres

Leucemias (geralmente leucemia linfocítica crônica e, às vezes, leucemia linfocítica aguda)

Cansaço, febre e perda de peso

Com leucemia aguda, geralmente equimose e/ou sangramento

Hemograma completo e exames de sangue especializados (por exemplo, esfregaço periférico e/ou citometria de fluxo)

Exame da medula óssea

Linfonodos linfáticos com inchaço (local ou disseminado) indolores

Linfonodos em geral amolecidos e, às vezes, aglomerados

Febre, sudorese noturna e perda de peso

Biópsia de linfonodo

Exames de sangue especializados

Cânceres metastáticos (geralmente de cabeça e pescoço, tireoide, mama ou pulmão)

Um ou vários linfonodos indolores no pescoço

Muitas vezes, linfonodos endurecidos, às vezes, sem movimentação quando empurrados

Testes para identificar o tumor primário, normalmente, incluindo um exame de garganta, esôfago e traqueia através de um tudo flexível

Doenças do tecido conjuntivo

Inchaço generalizado dos linfonodos

Articulações normalmente doloridas e, às vezes, inchadas.

Eritema ruborizado no nariz e bochechas e outros tipos de feridas na pele

Exame médico acompanhado de exames de sangue

Inchaço indolor dos linfonodos, que pode se generalizar

Frequentemente, tosse e/ou acompanhada de falta de ar, febre, mal-estar, fraqueza muscular, perda de peso e dores nas articulações

Exame por imagem do tórax (radiografia simples ou TC)

Às vezes, biópsia de linfonodo

Linfonodos inchados e sensíveis no pescoço de uma criança

Febre, em geral superior a 39° C, eritema no tronco, saliências avermelhadas na língua, descamação da pele nas palmas das mãos, solas dos pés e ao redor das unhas

Somente exame médico

Outros

Medicamentos: Entre os medicamentos comuns estão o alopurinol, antibióticos (por exemplo, cefalosporinas, penicilina e sulfonamidas), atenolol, captopril, carbamazepina, fenitoína, pirimetamina e quinidina

Histórico de uso de um agente causador

Exceto para fenitoína, eritema, dor muscular e articular e febre

Somente exame médico

Próteses mamárias de silicone

Linfonodos inchados na região das axilas em mulheres com próteses de silicone nas mamas

Exame médico e, em geral, exames para identificar outras causas do inchaço do linfonodo

* As características incluem os sintomas e os resultados do exame médico. As características mencionadas são típicas, mas nem sempre estão presentes.

TC = tomografia computadorizada; HIV = vírus da imunodeficiência humana; DST = doença sexualmente transmissível.

Exames

Se os médicos suspeitarem de uma doença específica (como mononucleose em jovens com sintomas de febre, dor de garganta e esplenomegalia), os exames iniciais serão direcionados para investigar esse quadro clínico (veja a tabela Causas e características dos linfonodos inchados).

Se o histórico e o exame físico não mostrarem uma causa provável, mais testes serão feitos conforme os linfonodos envolvidos e outros sintomas presentes.

Pessoas com sinais de alerta e com inchaços generalizados dos linfonodos devem fazer um hemograma completo e uma radiografia torácica. Os médicos também podem realizar testes de tuberculose, infecção por HIV e mononucleose. Exames de sangue são necessários para detectar toxoplasmose e sífilis. Em pessoas com dor ou rigidez nas articulações ou com eritema, são feitos exames de sangue para verificar a presença de lúpus eritematoso sistêmico (lúpus).

Se houver suspeita de câncer ou linfoma, é feita a biópsia do linfonodo. A biópsia também pode ser necessária quando o inchaço generalizado dos linfonodos não puder ser curado entre três e quatro semanas.

Tratamento

O tratamento é direcionado à causa. Os linfonodos inchados não são tratados até que se suspeite de uma infecção bacteriana do linfonodo, caso em que se faz uma tentativa de administrar antibióticos para verificar se o inchaço desaparece.

Pontos-chave

  • Na maioria dos casos, a causa é uma infecção óbvia na pele ou tecido circundantes ou uma infecção viral inofensiva que melhora espontaneamente.

  • Normalmente, são necessários testes quando há sinais de alerta, quando outros sintomas ou fatores de risco sugerem uma doença específica, ou quando os linfonodos inchados disseminados não apresentam uma causa aparente.

  • Se o inchaço dos linfonodos não se resolver entre três e quatro semanas, deve-se realizar uma biópsia.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Doença arterial periférica
Vídeo
Doença arterial periférica
O sistema cardiovascular inclui o coração, vasos sanguíneos e sangue. O sangue tem muitas...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Fibrilação Atrial
Modelo 3D
Fibrilação Atrial

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS