Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Considerações gerais sobre doenças da medula espinhal

Por

Michael Rubin

, MDCM, New York Presbyterian Hospital-Cornell Medical Center

Última revisão/alteração completa dez 2018| Última modificação do conteúdo dez 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto
  • As causas das doenças da medula espinhal incluem lesões, infecções, bloqueio do fornecimento de sangue e compressão por um osso fraturado ou tumor.

  • Normalmente, os músculos estão fracos ou paralisados, a sensação é anormal ou perdida e pode ser difícil controlar a função da bexiga e do intestino.

  • Os médicos baseiam o diagnóstico em sintomas e resultados de um exame físico e exames por imagem, como ressonância magnética.

  • Se possível, o quadro clínico que causa a doença da medula espinhal é corrigido.

  • Geralmente, a reabilitação é necessária para recuperar o máximo de função possível.

A medula espinhal é a principal via de comunicação entre o cérebro e o resto do corpo. Trata-se de uma estrutura tubular, longa e frágil, que se estende a partir da base do cérebro no sentido descendente. A medula é protegida pelas costelas (vértebras) da espinha (coluna). As vértebras são separadas e amortecidas por discos formados por cartilagem.

Onde a medula espinhal é lesionada?

Onde a medula espinhal é lesionada?

A espinha é dividida em quatro seções e cada uma delas leva uma letra.

  • Cervical (C): Pescoço

  • Torácica (T): Tórax

  • Lombar (L): Região lombar

  • Sacral (S): Pelve

Em cada região da coluna vertebral, encontram-se numeradas, começando pela parte superior. Esses rótulos (letra mais um número) são usados para indicar as localizações (níveis) na medula espinhal.

Ao longo de toda a medula espinhal, distribuem-se 31 pares de nervos espinhais que saem por entre os espaços localizados entre as vértebras. Cada nervo espinhal sai de uma vértebra específica na medula espinhal até uma região específica do corpo. Com base neste fato, a superfície da pele foi dividida em áreas chamadas dermátomos. Dermátomo é uma área da pele, em que todos os nervos sensoriais vêm de uma única raiz nervosa. A perda de sensação em um dermátomo determinado permite que os médicos localizem onde a medula espinhal está lesionada.

Dermátomos

A superfície da pele está dividida em áreas específicas, chamadas dermátomos. Dermátomo é uma área da pele, em que todos os nervos sensoriais vêm de uma única raiz nervosa. (Os nervos sensoriais transportam informações sobre coisas como tato, dor, temperatura e vibração desde a pele até a medula espinhal).

As raízes da coluna vertebral vêm em pares - uma em cada lado do corpo. Há 31 pares:

  • Há 8 pares de raízes de nervos sensitivos para as 7 vértebras cervicais.

  • Cada uma das 12 vértebras torácicas, das 5 lombares e das 5 sacras possui um par de raízes nervosas espinhais.

  • Além disso, existe um par de raízes nervosas coccígeas, que inervam uma pequena zona da pele existente em volta do cóccix.

Há dermátomos para cada uma dessas raízes nervosas.

A informação sensitiva proveniente de um dermátomo específico é transportada por fibras nervosas sensitivas até a raiz nervosa espinhal de uma determinada vértebra. Por exemplo, as informações sensoriais de uma faixa de pele na parte de trás da coxa são transmitidas pelas fibras nervosas sensitivas para a 2ª vértebra sacral (S2) da raiz nervosa.

Dermátomos

Um nervo espinhal tem duas raízes nervosas (uma raiz motora e uma raiz sensitiva). A única exceção é o primeiro nervo espinhal, que não tem raiz sensitiva.

  • Raiz motora: a raiz na parte dianteira (raiz motora ou anterior) contém fibras nervosas que transportam impulsos (sinais) a partir da medula espinhal aos músculos para estimular o movimento muscular (contração).

  • Raiz sensitiva: a raiz da parte posterior (a raiz sensitiva ou posterior) contém fibras nervosas que transportam informações sensitivas sobre o tato, a posição, a dor e temperatura do corpo até medula espinhal.

Você sabia que...

  • Os médicos geralmente dizem onde a medula espinhal está lesionada com base nos sintomas e nos resultados de um exame físico.

  • Os nervos das partes inferiores da medula espinhal vão até o ânus, não até os pés.

A medula espinhal termina na parte lombar (por volta da L1 ou L2), mas a raiz nervosa continua, formando um ramo que lembra um rabo de cavalo (chamado cauda equina).

A medula espinhal é altamente organizada (consulte a figura Organização da coluna vertebral). O centro da medula, em forma de borboleta, constitui a substância cinzenta:

  • As “asas” dianteiras (chifres anteriores ou motores) contêm células nervosas que transmitem os sinais a partir do cérebro ou da medula espinhal pela raiz motora até os músculos.

  • Os chifres traseiros (posteriores ou sensoriais) contêm células nervosas que recebem sinais sobre dor, temperatura e outras informações sensoriais pela raiz desde as células nervosas fora da medula espinhal.

A parte externa da medula espinhal consiste de uma massa branca que contém os caminhos das fibras nervosas (chamados tratos ou colunas). Cada trato transporta um tipo específico de sinal nervoso, seja para ir até o cérebro (tratos ascendentes) ou para voltar dele (tratos descendentes).

Medula espinhal: de e para e para cima e para baixo

Os nervos espinhais transportam os impulsos nervosos até a medula espinhal e a partir dela por duas raízes nervosas:

  • Raiz motora (anterior): localizada à frente, esta raiz transporta os impulsos a partir da medula espinhal até os músculos para estimular o movimento.

  • Raiz sensitiva (posterior): localizada na direção das costas, esta raiz conduz informação sensitiva (relativa ao tato, à posição, à dor e à temperatura) do organismo para a medula espinhal.

Medula espinhal: de e para e para cima e para baixo

No centro da medula espinhal, uma área em forma de borboleta de massa cinzenta ajuda a restabelecer os impulsos para os nervos da espinha e a partir dele. Suas “asas” são chamadas chifres.

  • Chifres motores (anteriores): esses chifres contêm células nervosas que transmitem os sinais a partir do cérebro ou da medula espinhal pela raiz motora até os músculos.

  • Chifres posteriores (sensitivos): esses chifres contêm células nervosas que recebem sinais sobre dor, temperatura e outras informações sensoriais pela raiz desde as células nervosas fora da medula espinhal.

Os impulsos vão para cima (até o cérebro) ou para baixo (a partir do cérebro) até a medula espinhal pelos diferentes caminhos (tratos). Cada trato transporta um tipo diferente de sinal nervoso, seja para ir ou voltar do cérebro. A seguir, alguns exemplos:

  • Trato espinotalâmico lateral: os sinais sobre dor e temperatura, recebidos pelo chifre sensorial, deslocam-se por este trato até o cérebro.

  • Colunas dorsais: os sinais sobre a posição dos braços e das pernas deslocam-se pelas colunas dorsais até o cérebro.

  • Tratos corticoespinhais: os sinais para mover um músculo passam desde o cérebro até esses tratos até o chifre motor, que os desvia ao músculo.

Medula espinhal: de e para e para cima e para baixo

Causas

As doenças da medula espinhal podem originar-se fora da medula ou, menos frequentemente, dentro dela.

Fora da medula espinhal

Essas doenças incluem

A medula espinhal pode sofrer uma compressão provocada por um osso (como na espondilose cervical, na estenose vertebral ou numa fratura), por um acúmulo de sangue (hematoma), um tumor, uma bolsa de pus (abscesso) ou por uma ruptura ou hérnia do disco.

Dentro da medula espinhal

Essas doenças incluem cavidades cheias de líquido (siringomielia), bloqueio do fornecimento de sangue, inflamação (como ocorre na mielite transversa aguda), tumores, abscessos, sangramento (hemorragia), deficiência de vitamina B12 ou de cobre, infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), esclerose múltipla e sífilis.

A radioterapia também pode danificar a medula espinhal.

Sintomas

Devido à maneira como funciona e está organizada a medula espinhal, a lesão na medula geralmente produz padrões específicos de sintomas com base na localização da lesão. Abaixo seguem vários padrões que podem ocorrer:

  • Fraqueza muscular

  • Perda de sensação (como capacidade de sentir um toque leve, dor, temperatura ou vibração ou sentir onde os braços e as pernas estão)

  • Alterações nos reflexos

  • Perda do controle da bexiga (incontinência urinária)

  • Perda do controle do intestino (incontinência fecal)

  • Disfunção erétil

  • Diminuição da transpiração

  • Paralisia

  • Dor nas costas

Ao identificar qual função foi perdida, os médicos podem dizer qual parte da medula espinhal foi danificada (como parte dianteira, traseira, lateral, central ou toda a medula). Ao identificar a localização específica dos sintomas (por exemplo, quais músculos estão paralisados e quais partes do corpo não têm sensação), os médicos podem determinar exatamente onde a medula espinhal está lesionada (isto é, o nível específico da medula).

As funções podem ser total ou parcialmente perdidas. As funções controladas pelas áreas da medula espinhal acima da lesão não são afetadas.

Quando de repente ocorre fraqueza ou paralisia, os músculos ficam moles (flácidos), perdendo o tônus. Após os músculos ficarem flácidos, o tônus muscular acaba aumentando e os músculos tendem a se contrair involuntariamente (chamado espasmos ou espasticidade).

Quando doenças (como espondilose cervical e paraparesia espástica hereditária) danificam a medula espinhal lentamente, elas podem causar paralisia com tônus muscular aumentado e espasmos musculares (chamado paralisia espástica).

Os espasmos podem ocorrer porque os sinais do cérebro não conseguem passar pela área lesionada para ajudar a controlar alguns reflexos. Como resultado, os reflexos ficam mais pronunciados por dias ou semanas. Por isso, os músculos controlados pelo reflexo podem se apertar, ficar enrijecidos e contrair-se incontrolavelmente de tempos em tempos.

Diagnóstico

  • Exame físico

  • Imagem por ressonância magnética ou mielografia com tomografia computadorizada

Em geral, os médicos conseguem reconhecer uma doença na medula espinhal com base em seus padrões característicos de sintomas. Os médicos sempre fazem um exame físico, que dá pistas ao diagnóstico e, se a medula espinhal estiver lesionada, ajuda ao médico a determinar onde está a lesão. É realizado um exame por imagens para confirmar o diagnóstico e determinar a causa.

A imagem por ressonância magnética (RM) é o exame por imagem mais preciso para detectar problemas na medula espinhal. A RM mostra a medula espinhal, e também as anomalias nos tecidos moles em volta da medula (como abscessos, hematomas, tumores e discos rompidos) e nos ossos (como tumores, fraturas e espondilose cervical).

Recorre-se à mielografia com tomografia computadorizada (TC), quando a RM não está disponível. Para mielografia com TC, a TC é realizada depois que um agente de contraste radiopaco (que pode ser visualizado nas radiografias) é injetado no espaço ao redor da medula espinhal.

Podem ser tiradas radiografias para detectar problemas na coluna, como fraturas ou tumores.

Você sabia que...

  • As pessoas que perdem a sensação de repente, sentem fraqueza em um ou mais membros ou desenvolvem incontinência devem ir a um pronto-socorro imediatamente.

Tratamento

  • Tratamento da causa quando possível

  • Prevenção de complicações

  • Fisioterapia e terapia ocupacional

Se os sintomas de disfunção da medula espinhal (como paralisia ou perda de sensação) ocorrerem de repente, a pessoa deve imediatamente ir ao pronto-socorro. Às vezes, ao fazer isso, é possível evitar a lesão permanente nos nervos ou a paralisia. A causa é corrigida ou tratada, se possível. Entretanto, esse tratamento geralmente é impossível ou malsucedido.

As pessoas paralisadas ou que são confinadas à cama por causa de uma doença na medula espinhal requerem cuidados especializados para evitar complicações, que incluem:

  • Úlceras de decúbito: as enfermeiras inspecionam a pele diariamente, mantendo-a seca e limpa e viram a pessoa com frequência. Caso seja necessário, utiliza-se uma cama especial denominada cama Stryker. Essa cama pode ser girada para alterar a pressão exercida sobre o corpo de frente para trás e de um lado para o outro.

  • Problemas urinários: se a pessoa estiver imobilizada e não puder ir ao banheiro, será necessário recorrer a um cateter. Para diminuir o risco de uma infecção das vias urinárias, os enfermeiros recorrem a técnicas de esterilização quando introduzem a sonda e aplicam pomadas ou soluções antibacterianas com regularidade.

  • Pneumonia: para reduzir o risco de pneumonia, terapeutas e enfermeiras podem ensinar exercícios de respiração profunda à pessoa. Podem também colocar a pessoa em ângulo para ajudar a drenar as secreções acumuladas nos pulmões (drenagem postural) ou podem sugar as secreções.

  • Coágulos sanguíneos: os medicamentos anticoagulantes, como heparina ou heparina de peso molecular baixo, podem ser administrados por injeção. Se uma pessoa não conseguir tomar anticoagulantes (por exemplo, devido a uma disfunção hemorrágica ou úlcera no estômago), é inserido um filtro, às vezes, chamado de guarda-chuva, na veia cava inferior (a maior veia que transporta o sangue desde o abdômen até o coração). O filtro prende os coágulos sanguíneos que se soltaram das veias da perna, antes que cheguem ao coração.

A perda considerável das funções corporais pode ser devastadora, causando depressão e perda da autoestima. O aconselhamento formal pode ser bem útil. Saber ao certo o que aconteceu e com o que se pode contar a curto e a longo prazo ajuda a pessoa a enfrentar a perda e preparar para a reabilitação.

Reabilitação

esta ajuda as pessoas a recuperarem o máximo de função possível. Uma equipe formada por enfermeiros, um fisioterapeuta, um terapeuta ocupacional, uma assistente social, uma nutricionista, um psicólogo e um conselheiro, além da própria pessoa e familiares, proporcionam os melhores cuidados. A enfermeira pode ensinar à pessoa maneiras de lidar com a disfunção da bexiga e do intestino, como inserir um cateter, quando usar laxantes ou como estimular os movimentos da bexiga usando um dedo.

A fisioterapia envolve exercícios para fortalecer e esticar os músculos. As pessoas podem aprender a usar os dispositivos de auxílio, como suporte, andador ou cadeira de rodas e como lidar com os espasmos musculares.

A terapia ocupacional ajuda as pessoas a reaprender a fazer as tarefas diárias e ajuda a melhorar a destreza e coordenação. Aprendem técnicas especiais para ajudar a compensar as funções perdidas. Os terapeutas ou conselheiros ajudam algumas pessoas a fazerem os ajustes necessários para voltar a trabalhar e a seus hobbies e atividades. Ensina-se às pessoas a lidar com a disfunção sexual. O sexo ainda é possível para muitas pessoas, mesmo quando a sensação é perdida.

É importante que a família e os amigos próximos deem apoio emocional.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Considerações gerais sobre o sistema nervoso
Vídeo
Considerações gerais sobre o sistema nervoso
Modelos 3D
Visualizar tudo
Angioplastia com implantação de stent
Modelo 3D
Angioplastia com implantação de stent

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS