Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Febre Q

Por

William A. Petri, Jr

, MD, PhD, University of Virginia School of Medicine

Última modificação do conteúdo fev 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Febre Q é uma doença aguda ou crônica provocada por uma bactéria semelhante à riquétsia, Coxiella burnetii. Os sintomas da doença aguda são de início súbito, com febre, cefaleia, mal-estar e pneumonite intersticial. Manifestações de doença crônica refletem o órgão do sistema afetado. O diagnóstico é confirmado por várias técnicas de sorologia, isolamento do microrganismo, ou reação em cadeia da polimerase (PCR). O tratamento é feito com doxiciclina ou cloranfenicol.

Coxiella burnetii é um pequeno bacilo intracelular pleomórfico que já não é classificado como Rickettsia. Estudos moleculares o classificaram como Proteobacteria, no mesmo grupo de Legionella sp.

A febre Q pode ser

  • Aguda

  • Crônica

A infecção aguda produz uma doença febril que frequentemente afeta o sistema respiratório, embora algumas vezes o fígado esteja envolvido. Mulheres infectadas durante a gestação têm maior risco de aborto espontâneo e parto prematuro.

Febre Q crônica ocorre em < 5% dos pacientes. Ela normalmente se manifesta por endocardite ou hepatite; porém, osteomielite pode ocorrer.

De distribuição mundial, a febre Q é mantida como uma infecção inaparente em animais domésticos ou animais de fazenda. Ovelhas, gado e cabras são os reservatórios principais para infecção humana. C. burnetii persiste em fezes, urina, leite e tecidos (em especial na placenta), de forma que fômites e aerossóis infectados formam-se com facilidade. C. burnetii também é mantido na natureza por um ciclo carrapato-animal, mas artrópodes não estão envolvidos na infecção humana.

Etiologia

Casos da febre Q acontecem entre trabalhadores cujas ocupações os fazem ter contato com animais de fazenda ou seus produtos. A transmissão ocorre normalmente por inalação de aerossóis infectados, mas a doença também pode ser contraída pela ingestão de leite cru infectado.

C. burnetii é muito virulento, resiste à inativação e permanece viável por meses na poeira e fezes; mesmo um único microrganismo pode causar infecção. Devido a essas características, C. burnetii é um potencial agente de guerra biológica.

Muito raramente, a doença é transmitida de pessoa para pessoa.

Sinais e sintomas

O período de incubação é, em média, de 18 a 21 dias (varia de 9 a 28 dias). Febre Q aguda costuma ser assintomática; em outros pacientes, o início é abrupto com sintomas parecidos aos da influenza: febre, cefaleia intensa, calafrios, mal-estar importante, mialgia, anorexia e sudorese. A febre pode subir a 40° C e persistir por 1 a > 3 semanas.

Raramente, febre Q aguda se manifesta como encefalite ou meningoencefalite.

Sintomas respiratórios, uma tosse seca e dor pleurítica aparecem 4 a 5 dias depois do início da doença. Sintomas pulmonares podem ser particularmente intensos em idosos ou podem debilitar os pacientes. Ao exame, crepitações pulmonares são comuns e achados sugestivos de consolidação podem estar presentes. Ao contrário da infecção por riquétsia, a febre Q aguda não produz exantema.

Envolvimento hepático agudo ocorre em alguns pacientes, assemelhando-se à hepatite viral, com febre, mal-estar, hepatomegalia com dor abdominal no hipocôndrio direito e possivelmente icterícia. Cefaleia e sinais respiratórios estão frequentemente ausentes.

Febre Q crônica pode se manifestar de algumas semanas a vários anos após a infecção inicial. Hepatite crônica pode se manifestar como febre de origem indeterminada. Uma biópsia hepática pode mostrar granulomas, que devem ser diferenciados de outras causas de granulomas hepáticos (p. ex., tuberculose, sarcoidose, histoplasmose, brucelose, tularemia, sífilis).

Endocardite lembra endocardite bacteriana subaguda do grupo viridans; o envolvimento da valva aórtica é mais comum, mas vegetações podem ocorrer em qualquer valva. Cianose de extremidades, embolia arterial, hepatomegalia e esplenomegalia e exantema purpúrico podem ocorrer.

A taxa de casos fatais é cerca de 1% nos pacientes não tratados, mas é mais alta naqueles com endocardite. Alguns pacientes com envolvimento neurológico mantêm comprometimento residual.

Diagnóstico

  • Ensaio de imunofluorescência (IFA) ou reação em cadeia da polimerase (PCR) dos tecidos infectados

  • Às vezes, sorologias de fase aguda e convalescência

Os sintomas não sugerem prontamente o diagnóstico da febre Q. O início da febre Q é semelhante ao de muitas infecções (p. ex., gripe, outras infecções virais, salmonelose, malária, hepatite, brucelose). Depois, assemelha-se a muitas formas de pneumonias bacterianas, virais, micoplasmáticas e outras atípicas. Contato com animais ou produtos animais é uma pista importante.

O IFA é o método diagnóstico de escolha; ELISA também está disponível. Podem ser usadas sorologias nas fases aguda e de convalescença (como a reação de fixação de complemento). Anticorpos para os antígeno de fase II são utilizados para diagnosticar doença aguda, e os anticorpos tanto para antígenos da fase I como de fase II são usados para diagnosticar doença crônica.

PCR pode identificar o microrganismo em amostras de biópsia, mas resultados negativos não descartam o diagnóstico.

C. burnetii pode ser isolado de materiais clínicos, mas somente por laboratórios de pesquisa especiais; exames de sangue de rotina e culturas de catarro são negativos.

Pacientes com sinais ou sintomas respiratórios requerem radiografia de tórax; os achados podem incluir atelectasia, acometimento pleural e consolidação lobar. O aspecto total dos pulmões pode se assemelhar à pneumonia bacteriana, mas histologicamente se assemelha mais à psitacose e a algumas pneumonias virais.

Em febre Q aguda, o hemograma pode ser normal, mas aproximadamente 30% dos pacientes possuem uma contagem de leucócitos elevada. Níveis de fosfatase alcalina, aminotransferase aspartato (AST) e aminotransferase alanina (ALT) estão ligeiramente elevados de 2 a 3 vezes o normal em casos típicos. Quando obtido, o material de biópsia hepática mostra alterações granulomatosas difusas.

Tratamento

  • Doxiciclina

Para febre Q aguda, o tratamento primário é com doxiciclina, 200 mg VO 1 vez ao dia, seguido por 100 mg VO bid até que o paciente melhore e tenha estado afebril durante aproximadamente 5 dias e tenha recebido o tratamento durante pelo menos 7 dias; tipicamente, são necessárias 2 a 3 semanas de tratamento. Resistência à tetraciclina não foi documentada.

Para endocardite, o tratamento precisa ser prolongado (meses a anos por toda a vida), normalmente por pelo menos 18 meses. Doxiciclina 100 mg VO bid mais hidroxicloroquina 200 mg VO a cada 8 horas é atualmente recomendado. Sinais clínicos, VHS, hemograma e títulos de anticorpos devem ser monitorados para ajudar a determinar quando parar o tratamento. Consulta com um especialista em doenças infecciosas pode ajudar no gerenciamento da complexidades da doença e seu tratamento. Frequentemente, o tratamento com antibiótico é apenas parcialmente eficaz, e as valvas lesionadas devem ser substituídas cirurgicamente, embora algumas curas sem cirurgia tenham sido relatadas.

Para hepatite granulomatosa crônica, o esquema ideal não foi determinado.

Prevenção

As vacinas são eficazes e, na Austrália, onde a vacina contra a febre Q está disponível comercialmente, recomenda-se a vacinação para proteger as pessoas com risco ocupacional (p. ex., açougueiros, trabalhadores da indústria de laticínios, agricultores, pastores, classificadores de lã, fazendeiros).

Triagem da pré-vacinação com testes cutâneos e sanguíneos devem ser feitos para identificar a imunidade preexistente à febre Q porque vacinar as pessoas que já têm imunidade pode causar reações locais graves.

Pontos-chave

  • Ovelhas, gado e cabras são os principais reservatórios da infecção humana pela febre Q, que ocorre em todo o mundo.

  • A transmissão a humanos geralmente ocorre pela inalação de aerossóis infectados; artrópodes não estão envolvidos.

  • Os sinais e sintomas agudos lembram influenza; os sintomas pulmonares podem ser particularmente graves em idosos ou pacientes debilitados.

  • Febre Q crônica ocorre em < 5% dos pacientes e normalmente se manifesta como endocardite ou hepatite.

  • Diagnosticar usando ensaio de imunofluorescência ou teste por PCR dos tecidos infectados.

  • Tratar a febre Q aguda com doxiciclina, geralmente por 2 a 3 semanas; endocardite requer tratamento prolongado (meses a anos e até por toda a vida).

  • Uma vacina para prevenir a febre Q está comercialmente disponível, mas apenas na Austrália.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS