Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Visão geral de tumores carcinoides

Por

B. Mark Evers

, MD,

  • Director
  • Markey Cancer Center, University of Kentucky
  • Professor and Vice-Chair for Research
  • University of Kentucky Department of Surgery

Última modificação do conteúdo dez 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Os tumores carcinoides se desenvolvem a partir de células neuroendócrinas no trato GI(90%), pâncreas ebrônquios pulmonares. Mais de 95% dos carcinoides gastrointestinais se originam apenas de 3 locais: apêndice, íleo e reto.

Embora os carcinoides sejam, em geral, benignos ou apenas localmente invasivos, os que afetam o íleo e os brônquios costumam ser malignos.

Carcinoides podem ser

  • Endocrinologicamente inertes

  • Endocrinologicamente ativos (produzem hormônios)

A síndrome endocrinológica mais comum é a síndrome carcinoide; entretanto, a maioria dos pacientes não apresenta tumores carcinoides. A probabilidade de que um tumor será endocrinologicamente ativo varia de acordo com seu local de origem, sendo mais elevada para tumores originários no íleo e cólon proximal (40 a 50%). A probabilidade é menor com carcinoides bronquiais, menor ainda com carcinoides apendiculares e, essencialmente, zero com carcinoides retais.

Suspeita-se de carcinoides endocrinologicamente inertes por seus sinais e sintomas (p. ex., dor, sangramento luminal, obstrução gastrointestinal). Eles podem ser detectados por angiografia, TC ou RM. Carcinoides do intestino delgado podem mostrar defeitos de enchimento ou outras anormalidades em radiografias com bário. O diagnóstico definitivo se faz histologicamente após biópsia ou ressecção.

O tratamento dos tumores carcinoides não metastáticos geralmente é a ressecção cirúrgica. O tipo de cirurgia depende da localização no trato GI e do tamanho do tumor.

Os carcinoides endocrinologicamente ativos são diagnosticados e tratados como descrito para síndrome carcinoide.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS