Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Acidose metabólica

Por

James L. Lewis, III

, MD, Brookwood Baptist Health and Saint Vincent’s Ascension Health, Birmingham

Última modificação do conteúdo mar 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Acidose metabólica é a redução primária no bicarbonato (HCO3), tipicamente com diminuição compensatória da pressão parcial de dióxido de carbono (Pco2); o pH pode estar acentuadamente baixo ou ligeiramente subnormal. A acidose metabólica caracteriza-se como intervalo de ânions elevado ou normal, com base na presença ou ausência de ânions não mensurados no soro. As causas incluem acúmulo de cetonas e ácido láctico, insuficiência renal e ingestão de fármacos ou toxinas (intervalo de ânions elevado) ou perdas renais ou gastrointestinais de HCO3 (intervalo de ânions normal). Os sinais e sintomas em casos graves incluem náuseas e vômitos, letargia e hiperpneia. O diagnóstico é clínico e medido com gasometria arterial e eletrólitos séricos. A causa é tratada; pode-se indicar bicarbonato de sódio IV quando o pH está muito baixo.

Etiologia

Acidose metabólica é o acúmulo de ácido por causa de

  • Aumento da produção de ácido ou ingestão ácida

  • Diminuição da excreção ácida

  • Perdas GI ou renais de HCO3

Ocorre acidemia (pH arterial < 7,35) quando a sobrecarga de ácido ultrapassa a compensação respiratória. As causas são classificadas pelos seus efeitos no intervalo aniônico ( Causas da acidose metabólica).

Tabela
icon

Causas da acidose metabólica

Causa

Exemplos

Intervalo aniônico elevado

Cetoacidose

Álcool (abuso crônico)

Jejum

Acidose láctica (devida a processos fisiológicos)

Hipóxia primária decorrente de doenças pulmonares

Álcool (abuso crônico)

Acidose láctica (devida a toxinas exógenas)

Monóxido de carbono

Cianeto

Ferro

Isoniazida

Tolueno (inicialmente, diferença de ânions elevada; excreção de metabólitos subsequente normaliza a diferença)

Inibidores da transcriptase reversa do HIV análogos de nucleosídeos

Biguanidas (raras, exceto na lesão renal aguda)

Propofol

geração de dlactato

Insuficiência renal

Toxinas metabolizadas a ácidos

Metanol (formato)

Etilenoglicol (oxalato)

Para-aldeído (acetato, cloracetato)

Salicilatos

Rabdomiólise

Intervalo de ânions normal (acidose hiperclorêmica)

Perdas gastrointestinais de bicarbonato (HCO3)

Colostomia

Diarreia

Fístulas entéricas

Ileostomia

Utilização de resinas trocadoras de íons

Cloreto de cálcio (CaCl2)

Sulfato de magnésio (MgSO4)

Procedimentos urológicos

Ureterossigmoidostomia

Conduto ureteroileal

Perda renal de HCO3

Doenças tubulointersticiais

Acidose tubular renal tipos 1, 2 e 4

Hiperparatireoidismo

Acetazolamida

Infusão parenteral

Arginina

Lisina

Cloreto de amônio (NH4Cl)

Infusão rápida de cloreto de sódio (NaCl)

Outros

Hipoaldosteronismo

Tolueno (tardia)

Acidose com intervalo aniônico elevado

As causas mais comuns de acidose com intervalo aniônico elevado são

  • Cetoacidose

  • Acidose láctica

  • Insuficiência renal

  • Ingestão de toxinas

A cetoacidose é uma complicação comum do diabetes melito tipo 1 (ver cetoacidose diabética), mas também ocorre com alcoolismo crônico (ver cetoacidose alcoólica), desnutrição e, em menor grau, jejum. Nesses casos, o corpo troca o metabolismo da glicose pelo de ácidos graxos livres (AGL); os ácidos graxos livres são convertidos pelo fígado em cetoácidos, ácido acetoacético e beta-hidroxibutirato (todos ânions não dosáveis). A cetoacidose é também uma manifestação rara de acidemia congênita isovalérica e metilmalônica.

A acidose láctica é a causa mais comum de acidose metabólica em pacientes hospitalizados. O acúmulo de lactato resulta da associação do excesso de formação de lactato e da diminuição do seu metabolismo. Ocorre produção excessiva de lactato nos estados de metabolismo anaeróbico. A forma mais grave se dá nos vários tipos de choque. A diminuição do metabolismo geralmente cursa com disfunção hepatocelular decorrente da diminuição da perfusão hepática ou como parte do quadro de choque generalizado. Doenças e fármacos que prejudicam a função mitocondrial podem causar acidose láctica.

A insuficiência renal causa acidose com aumento do intervalo aniônico pela diminuição da excreção de ácidos e menor reabsorção de HCO3. O acúmulo de sulfatos, fosfatos, uratos e hipuratos contribui para o intervalo de ânions elevado.

Toxinas podem ter metabólitos ácidos ou desencadear acidose lática. A rabdomiólise é uma causa rara de acidose metabólica, provavelmente resultante da liberação de prótons e ânions diretamente dos músculos.

Acidose com intervalo de ânions normal

As causas mais comuns de acidose com intervalo de ânions normal são

  • Perdas GI ou renais de HCO3

  • Excreção renal de ácidos prejudicada

A acidose metabólica com intervalo de ânions normal também é denominada acidose hiperclorêmica, pois, em vez de reabsorver cloreto (Cl) os rins reabsorvem HCO3.

Muitas secreções gastrointestinais são ricas em HCO3 (p. ex., líquidos biliar, pancreático e intestinal); perdas decorrentes de diarreia, drenagem por sonda ou fístulas podem causar acidose. Na ureterossigmoidostomia (inserção dos ureteres no cólon sigmoide após obstrução ou cistectomia), o cólon secreta e perde HCO3 em troca do cloro (Cl) urinário e absorve amônio urinário, que se dissocia em amônia (NH3+) e no íon hidrogênio (H+). As resinas trocadoras de íons raramente causam perdas de HCO3 por se ligarem ao HCO3.

A acidose tubular renal prejudica a secreção de H+ (tipos 1 e 4) ou a absorção de HCO3 (tipo 2). Excreção ácida prejudicada e intervalo de ânions normal também ocorrem em insuficiência renal inicial, doenças tubulointersticiais renais e por ingestão de inibidores da anidrase carbônica (p. ex., acetazolamida).

Sinais e sintomas

Os sinais e sintomas ( Consequências clínicas dos distúrbios ácido-base) são, primariamente, relacionados à causa de base. A acidemia leve é, em si, assintomática. Acidemia mais grave (pH < 7,10) pode causar náuseas, vômitos e mal-estar. Pode haver sinais e sintomas com pH mais elevados se a acidose ocorrer rapidamente.

O sinal mais característico é a hiperpneia (respirações longas e profundas em velocidade normal), refletindo um aumento compensatório da ventilação alveolar; essa hiperpneia não é acompanhada por uma sensação de dispneia.

Dicas e conselhos

  • A hiperpneia desencadeada por acidose metabólica não causa sensação de dispneia.

A acidemia aguda e grave predispõe à disfunção cardíaca com hipotensão e choque, arritmias ventriculares e coma. A acidemia crônica causa doenças relacionadas à desmineralização óssea (p. ex., raquitismo, osteomalacia, osteopenia).

Diagnóstico

  • Gasometria arterial e eletrólitos séricos

  • Cálculo do intervalo aniônico e intervalo delta

  • Fórmula de Winter para calcular as alterações compensatórias

  • Exames para avaliar a causa

O reconhecimento da acidose metabólica e a compensação respiratória apropriada foram discutidos em Distúrbios ácido-base : Diagnóstico. A determinação da causa da acidose metabólica começa pelo intervalo de ânions.

A causa do aumento do intervalo aniônico pode ser clinicamente evidente (p. ex., choque hipovolêmico, hemodiálise não realizada); mas se não for, os exames de sangue devem contemplar

  • Glicose

  • Nitrogênio ureico sanguíneo

  • Creatinina

  • Lactato

  • Possíveis toxinas

As concentrações de salicilatos podem ser medidas na maioria dos laboratórios, mas o metanol e o etilenoglicol geralmente não podem; sua presença pode ser sugerida pela presença de uma diferença osmolar.

A osmolaridade plasmática calculada [2 (sódio) + (glicose)/18 + ureia/2,8 + álcool no sangue/5] é subtraída da osmolaridade medida. Diferença > 10 implica a presença de substâncias osmoticamente ativas, que, no caso de acidose com intervalo de ânions elevado, são metanol ou etilenoglicol. Embora a ingestão de etanol possa causar diferença osmolar e discreta acidose, nunca deve ser considerada a única causa de uma acidose metabólica importante.

Se o intervalo de ânions for normal e nenhuma causa for evidente (p. ex., diarreia significativa), os eletrólitos urinários são medidos e o intervalo de ânions urinário é calculado como [sódio] + [potássio] — [cloreto]. O intervalo aniônico da urina normal (inclusive dos pacientes com perdas gastrointestinais) é de 30 a 50 mEq/L; o aumento sugere perda renal de HCO3 (na avaliação da acidose tubular renal, Acidose tubular renal : Diagnóstico).

Além disso, em caso de acidose metabólica, calcular a variação da diferença para identificar alcalose metabólica concomitante e verificar se a fórmula de Winters ( Diagnóstico) é usada para constatar se a compensação respiratória está apropriada ou reflete um 2º desequilíbrio ácido-base.

Tratamento

  • Tratamento da causa

  • Bicarbonato de sódio (NaHCO3) principalmente para acidemia grave — administrar com cautela

O tratamento visa à causa subjacente. É necessária hemodiálise para insuficiência renal e, às vezes, para intoxicação por etilenoglicol, metanol e envenenamento por salicilato.

O tratamento da acidemia com bicarbonato de sódio (NaHCO3) só está claramente indicado em alguns casos, sendo provavelmente deletério em outros. Quando a acidose metabólica resultar da perda de HCO3 ou do acúmulo de ácidos inorgânicos (ou seja, acidose com intervalo aniônico normal), o tratamento com bicarbonato costuma ser seguro e apropriado. Entretanto, quando a acidose resultar do acúmulo de ácidos orgânicos (ou seja, acidose com intervalo aniônico aumentado), o tratamento com bicarbonato é controverso; não diminui claramente a mortalidade nesses casos e existem vários riscos possíveis.

Com o tratamento das condições subjacentes, o lactato e os cetoácidos são metabolizados de volta a HCO3; a carga exógena de HCO3 pode causar alcalose metabólica “rebote”. Em qualquer doença, o bicarbonato de cálcio também pode causar sobrecarga de sódio e de volume, hipopotassemia e, inibindo o estímulo respiratório, hipercapnia. Além disso, como o HCO3 não se difunde pelas membranas celulares, a acidose intracelular não é corrigida e pode se agravar paradoxalmente, pois parte do HCO3acrescentado pode ser convertida em dióxido de carbono (COCO2), que entra na célula e é hidrolisado para H+ e HCO3.

Apesar dessas e outras controvérsias, a maioria dos especialistas ainda recomenda a administração de bicarbonato venoso na acidose metabólica grave (pH < 7,10).

O tratamento requer 2 cálculos. O primeiro é para qual concentração o HCO3 deve ser elevado, calculada pela equação de Kassirer-Bleich, utilizando um valor para [H+] de 63 nmol/L, o que corresponde ao pH de 7,20 (o alvo para acidose com intervalo alto de ânions é [H+] de 79 nmol/L, pH ≤ 7,10):

63 = 24 × PCO2/HCO3

ou

HCO3 desejado = 0,38 × Pco2

A quantidade necessária de bicarbonato para alcançar esse nível é

NaHCO3 necessário (mEq) = ([HCO3] desejado [HCO3]) observado × 0,4 × peso corporal (kg)

Essa quantidade de bicarbonato de sódio é administrada ao longo de várias horas. O pH do sangue e os níveis de HCO3 podem ser verificados 30 minutos a 1 hora após a administração, o que permite o equilíbrio com o HCO3 extravascular.

As alternativas ao bicarbonato de sódio são

  • Lactato, quer na solução de Ringer lactato ou como lactato de sódio (metabolizado mEq para mEq em bicarbonato quando a função hepática é normal)

  • Trometamina, um aminoálcool que tampona tanto o ácido metabólico (H+) como o respiratório (H2CO3)

  • O Carbicarb, uma mistura equimolar de bicarbonato e carbonatode sódio (o último consome CO2 e produz HCO3)

  • Dicloroacetato, que aumenta a oxidação do lactato

Essas alternativas não oferecem benefícios comprovados em relação ao bicarbonato isoladamente e podem causar suas próprias complicações.

A depleção de potássio (K+), comum na acidose metabólica, deve ser identificada por meio do monitoramento frequente do K+ sérico e tratada, conforme necessário, com cloreto de potássio oral ou parenteral.

Pontos-chave

  • A acidose metabólica pode ser causada pelo acúmulo de ácido decorrente do aumento da produção ou da ingestão de ácido, pela diminuição da excreção de ácido ou pelas perdas de bicarbonato (HCO3), renais ou gastrointestinais.

  • Acidoses metabólicas são classificadas com base no intervalo de ânions alto ou normal.

  • As acidoses com aumento do intervalo aniônico ocorrem mais frequentemente por causa de cetoacidose, acidose láctica, insuficiência renal ou ingestão de algumas substâncias tóxicas.

  • As acidoses com intervalo aniônico normal ocorrem mais frequentemente por causa da perda de HCO3, GI ou renal.

  • Calcular o intervalo delta para identificar alcalose metabólica concomitante e aplicar a fórmula de Winter para verificar se a compensação respiratória é apropriada ou reflete um 2º distúrbio ácido-base.

  • Tratar a causa.

  • O bicarbonato de sódio (NaHCO3) intravenoso está indicado quando a acidose é decorrente da alteração do nível de HCO3 (acidose com intervalo aniônico normal)

  • O bicarbonato de sódio intravenoso é controverso na acidose com aumento do intervalo aniônico (mas pode ser considerado com pH < 7,00, com um pH alvo de ≤ 7,10).

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS