Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Alopecia areata

Por

Wendy S. Levinbook

, MD,

  • Hartford Dermatology Associates

Última modificação do conteúdo set 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

É tipicamente a perda de cabelo irregular e súbita não cicatricial em indivíduos sem nenhuma doença cutânea ou sistêmica evidente.

(Ver também Alopecia.)

O couro cabeludo e a área da barba são os mais afetados, mas qualquer região pilosa pode ser acometida. A perda de pelos pode afetar todo o corpo (alopecia universal). Acredita-se que a alopecia areata é uma doença autoimune que afeta indivíduos geneticamente suscetíveis expostos a gatilhos ambientais indefinidos. Ocasionalmente, coexiste com vitiligo autoimune ou tireoidite.

Diagnóstico

  • Exame

O diagnóstico da alopecia areata é por inspeção. A alopecia areata manifesta-se tipicamente por placas anulares discretas com perda de cabelos/pelos, caracterizadas por pelos rotos rente à pele nas bordas da lesão semelhantes a pontos de exclamação. Às vezes, as unhas apresentam depressões cupuliformes, estriações longitudinais ou traquioníquia, uma aspereza da unha que também é observada no líquen plano. Lúnula vermelha também pode ser vista.

Diagnóstico diferencial: Tinea capitis, tricotilomania, alopecia de tração lúpus e sífilis secundária. Se os achados forem ambíguos, pode-se fazer exames adicionais com lâmina de hidróxido de potássio, cultura para fungo, rastreamento de sífilis ou biópsia. Pacientes com achados clínicos sugestivos de doenças autoimunes associadas (particularmente doença da tireoide) são testados a procura dessas doenças.

Tratamento

  • Corticoides

  • Algumas vezes, antralina e/ou minoxidil tópicos

  • Às vezes, imunoterapia tópica

  • Às vezes, metotrexato

  • Raramente, fotoquimioterapia ou psoraleno com ultravioleta A (PUVA)

  • Uso de apliques e técnicas de camuflagem

Se for considerado tratamento, injeção intralesional com corticoides é o tratamento de escolha em adultos. Suspensão de triancinolona acetonida (normalmente em doses de 0,1 a 3 mL com concentração de 2,5 a 5 mg/mL a cada 4 a 8 semanas) pode ser injetada por via intradérmica se as lesões são pequenas. Corticoides tópicos potentes (p. ex., espuma de propionato de clobetasol a 0,05%, na forma de espuma, gel, ou pomada, 2 vezes ao dia por cerca de 4 semanas) podem ser usados; mas geralmente eles não penetram até a profundidade do folículo piloso onde o processo inflamatório está localizado. Corticoides orais são eficazes, mas a queda de cabelo frequentemente recorre após a interrupção da terapia e os efeitos adversos limitam seu uso.

Creme de antralina tópica (0,5 a 1% aplicado por 10 a 20 minutos diariamente e então lavado; tempo de contato titulado conforme tolerado por até 1 hora/dia) pode ser usado para estimular uma reação ligeiramente irritante. Solução de minoxidil a 5% pode ser útil como adjuvante ao tratamento com corticoides ou antralina.

A indução da dermatite de contato alérgica usando difenilciclopropenona ou ácido dibutiléster esquárico (imunoterapia tópica) causa o crescimento dos cabelos/pelos por mecanismos desconhecidos, mas essa indicação é melhor em pacientes com acometimento difuso, resistentes a outras terapias.

Metotrexato oral tem sido utilizado com sucesso no tratamento da alopecia total e alopecia universal em populações adultas e pediátricas. Doses variam de 15 a 25 mg por semana. Também pode-se usar metotrexato em combinação com corticosteroides orais. Em geral, seu uso é reservado a alopecia areata refratário em pacientes para os quais a terapia padrão (1) falha.

O PUVA sistêmico e tópico têm sido utilizado com sucesso limitado em pacientes para os quais o tratamento convencional não foi bem-sucedido. Mas isso é uma opção de tratamento menos favorecida devido às altas taxas de recidiva, falta de ensaios clínicos randomizados e controlados e maior risco de malignidade com PUVA.

A alopecia areata pode regredir espontaneamente, tornar-se crônica ou se expandir difusamente. Os fatores de risco de cronicidade incluem acometimento extenso, início antes da adolescência, atopia e envolvimento do couro cabeludo temporal periférico e occipital (ofiase).

Inibidores da quinase Jano (QJ) são uma nova classe de imunomoduladores (tofacitinibe, ruxolitinibe, baricitinibe) que, em pequenos estudos, mostraram benefícios e são promissores no tratamento da alopecia areata (2, 3).

Pode-se usar apliques e técnicas de camuflagem para mascarar os efeitos da queda de cabelo.

Referências sobre tratamento

  • Strazzulla LC, Wang EHC, Avila L, et al: Alopecia areata: An appraisal of new treatment approaches and overview of current therapies. J Am Acad Dermatol 78(1):15-24, 2018. doi: 10.1016/j.jaad.2017.04.1142.

  • Damsky W, King BA: JAK inhibitors in dermatology: The promise of a new drug class. J Am Acad Dermatol 76(4):736-744, 2017. doi: 10.1016/j.jaad.2016.12.005.

  • Bavart CB, DeNiro KL, Brichta L, et al: Topical Janus kinase inhibitors for the treatment of pediatric alopecia areata. J Am Acad Dermatol 77(1):167-170, 2017. doi: 10.1016/j.jaad.2017.03.024.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS