Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Consultas de saúde preventivas para crianças

Por

Deborah M. Consolini

, MD, Sidney Kimmel Medical College of Thomas Jefferson University

Última revisão/alteração completa abr 2019| Última modificação do conteúdo abr 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Consultas médicas programadas (também chamadas consultas preventivas) proporcionam aos pais informações sobre o crescimento e desenvolvimento dos seus filhos. Essas consultas também dão aos pais a oportunidade de fazer perguntas e buscar aconselhamento, por exemplo, sobre como ensinar a usar a privada. A Academia Americana de Pediatria recomenda que, após o primeiro ano de vida, as crianças sejam atendidas pelo seu médico em consultas de saúde preventivas aos 12, 15, 18, 24 e 30 meses de idade e depois anualmente até os seis anos de idade. Recomenda-se então que a criança vá ao médico aos oito e depois aos dez anos de idade. As consultas podem ser feitas com maior frequência com base nos conselhos do médico ou nas necessidades da família.

Exame

Em cada consulta, são realizadas diversas medições e procedimentos preventivos e vacinações são aplicadas a depender do cronograma. A altura e o peso são verificados e a circunferência da cabeça é medida até a criança atingir 36 meses de idade. Um bom crescimento é um dos indicadores de que a criança apresenta uma boa saúde geral. As dimensões da criança em si não são tão importantes quanto o fato de a criança permanecer no mesmo percentil ou próxima a ele nas tabelas de altura e peso em cada consulta. Uma criança que está sempre no 10.º percentil está bem (ainda que seja menor do que a maioria das crianças da mesma idade), enquanto uma criança que cai do percentil 35 para o percentil 10 pode ter problemas médicos. A partir dos três anos de idade a pressão arterial é medida em todas as consultas.

O médico também monitora se houve progressão do desenvolvimento da criança ({blank} Desenvolvimento infantil) desde a última consulta. O médico pode, por exemplo, querer saber se uma criança de 18 meses de idade começou a falar ou se uma criança de seis anos de idade começou a ler algumas palavras ({blank} Developmental Milestones From Ages 18 Months to 6 Years*). De igual modo, os médicos frequentemente fazem perguntas apropriadas à idade da criança sobre o comportamento dela. A criança com 18 meses tem crises de birra? A criança com dois anos dorme durante toda a noite? A criança com seis anos urina na cama à noite? Pais e médicos podem discutir esses tipos problemas de comportamento e desenvolvimento durante as consultas preventivas e estabelecer em conjunto estratégias para qualquer problema de comportamento ou de desenvolvimento.

Por fim, o médico realiza um exame físico completo. Além de examinar a criança dos pés à cabeça, incluindo o coração, os pulmões, o abdômen, os órgãos genitais, a coluna, os braços, as pernas, a cabeça, o pescoço, os olhos, os ouvidos, o nariz, a boca e os dentes, o médico pode pedir à criança para realizar algumas tarefas adequadas para a idade. Para avaliar as habilidades motoras grosseiras (como caminhar e correr), o médico pode pedir a uma criança de quatro anos que salte em um pé só. Para verificar as habilidades motoras finas (manipulação de pequenos objetos com as mãos), pode-se pedir à criança que faça um desenho ou que copie algumas formas.

Triagem

As consultas preventivas devem incluir exames da visão e da audição. Quando a criança tem aproximadamente três ou quatro anos de idade, os exames de visão incluem a utilização de tabelas e aparelhos para exames. É possível que algumas crianças precisem que seu sangue seja verificado em busca de sinais de anemia ou de elevação na concentração de chumbo.

Um exame de sangue deve ser feito para crianças com mais de dois anos de idade que têm alto risco de ter níveis de colesterol elevados. As crianças com risco incluem aquelas com familiares com níveis de colesterol elevados ou que tiveram um ataque cardíaco ou derrame com idade precoce. Todas as crianças devem realizar um exame de colesterol entre os nove e onze anos de idade e depois entre 17 e 21 anos de idade.

As crianças são triadas para fatores de risco para tuberculose (TB) em todas as consultas preventivas. Os fatores de risco incluem exposição à tuberculose, viagens para áreas do mundo onde a tuberculose seja comum, ter um membro da família com tuberculose e ter pais que são imigrantes recentes ou que estiveram na cadeia. Testes de triagem para tuberculose são normalmente feitos em bebês com fatores de risco.

A idade da criança e diversos outros fatores determinarão se outros exames devem ser realizados.

Segurança

A segurança da criança é abordada durante as consultas preventivas. As questões de segurança específicas se baseiam na idade da criança. Por exemplo, no caso de uma criança com seis anos, a conversa pode se concentrar na segurança ao andar de bicicleta. Os seguintes exemplos de prevenção de lesões se aplicam a crianças entre 12 meses a quatro anos de idade:

  • Uso de um assento de carro que seja apropriado para a idade e peso da criança. (Bebês e crianças pequenas devem sentar em assentos virados para trás até terem ultrapassado o limite de peso ou altura do assento infantil voltado para trás de um assento de carro conversível.) Assentos de carro conversíveis têm limites que permitirão que a maioria das crianças sentem em assentos virados para trás até 2 anos de idade. Após completarem 2 anos de idade ou, independentemente da idade, terem crescido demais para assentos virados para trás, as crianças devem usar assentos voltados para frente com cintos de segurança pelo tempo que for possível com base nos limites de peso e altura.

  • coloque os assentos infantis no banco de trás do veículo;

  • examine as regras de segurança no automóvel tanto como passageiro quanto pedestre;

  • amarre os cordões de janela para evitar estrangulamento;

  • use tampas e travas de segurança;

  • previna a ocorrência de quedas;

  • remova armas de fogo da residência.

  • Supervisione as atividades da criança sempre que estiver dentro ou próximo a um corpo de água (p. ex., banheiras, piscinas, piscinas rasas de spas, lagos, valas para irrigação ou qualquer outro corpo de água parada). Crianças a partir de 1 ano de idade devem tomar aulas de natação e é bom considerar o uso de coletes salva-vidas ao nadar e sempre ao passear de barco.

Além dos itens elencados acima, os exemplos de prevenção de lesões a seguir se aplicam a crianças com mais de cinco anos de idade:

  • use assentos infantis de carro voltados para frente e equipados com arnês pelo máximo de tempo possível (até que a criança ultrapasse o limite de peso ou altura para o assento infantil) e depois use um assento de elevação com posicionamento do cinto até que o cinto de segurança do carro caiba corretamente na criança (normalmente quando a criança alcançou 1,45 m de altura e tem entre oito a doze anos de idade);

  • crianças com menos de 13 anos de idade devem se sentar no banco de trás do carro, presas com o cinto de segurança;

  • se o carro não tiver um banco de trás, desative o airbag no banco do passageiro dianteiro;

  • não permita que a criança ande de bicicleta sem capacete e equipamento esportivo protetivo;

  • ensine as crianças a atravessar a rua com segurança;

  • supervisione as atividades aquáticas com atenção e faça com que as crianças utilizem jaquetas salva-vidas em algumas ocasiões quando estiverem nadando e sempre quando estiverem em um barco.

É possível que o médico enfatize outros tópicos de segurança como, por exemplo, a importância de instalar e fazer a manutenção de alarmes contra fumaça e de manter produtos possivelmente tóxicos (como produtos de limpeza e medicamentos) fora do alcance das crianças. Os pais devem aproveitar a oportunidade para mencionar os temas mais relevantes para sua situação familiar específica. À medida que a criança cresce, elas podem participar ativamente dessas conversas.

Nutrição e exercício

Os pais podem ajudar a prevenir obesidade e diabetes tipo 2 estabelecendo padrões alimentares saudáveis e promovendo a prática regular de exercícios. Os pais devem oferecer às crianças uma variedade de alimentos saudáveis, incluindo frutas e verduras, além de fontes de proteínas. Refeições regulares e pequenos lanches nutritivos encorajam uma alimentação saudável até mesmo em crianças pré-escolares mais exigentes. Embora as crianças possam durante algum tempo evitar alguns alimentos saudáveis, como brócolis ou feijões, é importante continuar a oferecê-los. Além disso, os pais devem limitar o consumo pela criança de sucos de fruta que, apesar da sua origem aparentemente saudável, são quase totalmente água com açúcar. Algumas crianças perdem o apetite na hora das refeições se tiverem bebido suco de frutas em excesso. Os pais devem orientar as crianças a comerem com menos frequência lanches e alimentos que têm um alto teor de calorias, sal e açúcar.

A prática de exercícios e a manutenção de boa saúde física e emocional é algo muito benéfico às crianças. Participar de brincadeiras ao ar livre com a família ou fazer parte de uma equipe esportiva é uma boa maneira de incentivar as crianças a se exercitarem e a prevenir a obesidade.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS