Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Influenza (gripe)

Por

Brenda L. Tesini

, MD, University of Rochester School of Medicine and Dentistry

Última revisão/alteração completa abr 2020| Última modificação do conteúdo abr 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A influenza (gripe) é uma infecção viral dos pulmões e das vias aéreas por um dos vírus da gripe. Ela provoca febre, coriza, dor de garganta, tosse, dor de cabeça, dores musculares (mialgias) e uma sensação de indisposição (mal-estar) geral.

  • O vírus é transmitido por inalação de gotículas provenientes da tosse ou dos espirros de uma pessoa infectada ou pelo contato direto com as secreções nasais da pessoa infectada.

  • A gripe muitas vezes começa com calafrios, seguidos de febre, dores musculares, dor de cabeça, dor de garganta, tosse, corrimento nasal e uma sensação de mal-estar geral.

  • A gripe é muitas vezes diagnosticada com base nos sintomas.

  • A vacinação anual contra a gripe é a melhor maneira de evitar a gripe.

  • Descansar, beber bastante líquido e evitar esforços podem ajudar as pessoas a se recuperar, assim como tomar analgésicos, descongestionantes e, às vezes, medicamentos antivirais.

A gripe é claramente distinta do resfriado comum. Ela é causada por um vírus diferente e provoca sintomas mais graves. Além disso, a gripe afeta células muito mais profundas nas vias respiratórias.

Transmissão de gripe

O vírus da gripe é transmitido por

  • Inalação de gotículas que foram expelidas pela tosse ou espirros de uma pessoa infectada

  • Contato direto com as secreções nasais de uma pessoa infectada

  • Manuseio de utensílios domésticos que estiveram em contato com uma pessoa infetada ou com suas secreções.

Tipos e cepas de gripe

Há três tipos de vírus da gripe:

  • Tipo A

  • Tipo B

  • Tipo C

Há muitas cepas diferentes dentro dos vírus da gripe tipos A e B, mas todos causam doença semelhante. Cepas diferentes causam surtos sazonais regulares de gripe. O tipo C não causa uma doença gripal típica.

O tipo A causa a maioria dos casos de gripe (geralmente mais de 70% em uma estação típica) e a maioria dos outros casos é causada pelo tipo B. A gripe tipo C ocorre menos frequentemente, principalmente em crianças.

A cepa do vírus da gripe que causa surtos está sempre mudando ligeiramente, de forma que, a cada ano, o vírus da gripe se apresenta ligeiramente diferente em relação ao ano anterior. Muitas vezes, ele muda o suficiente para que as vacinas anteriormente eficazes não funcionem mais.

As cepas da gripe tipo A recebem sua designação baseada nas versões específicas de duas proteínas presentes na superfície do vírus. As proteínas são H (para hemaglutinina) e N (para neuraminidase). Há 18 proteínas H e 11 proteínas N diferentes. Assim, uma cepa pode receber o nome de gripe A, H1N1. Uma cepa H1N1 foi responsável pelo surto, conhecido como pandemia de gripe suína, ocorrido entre 2009 e 2010. (Pandemia é uma grande epidemia mundial). Mais recentemente, cepas H3N2 vêm causando a maioria das infecções nos Estados Unidos.

O nome de uma cepa frequentemente reflete seu tipo, o local em que surgiu pela primeira vez (por exemplo, gripe de Hong Kong) ou um animal (por exemplo, gripe suína) e o ano em que foi detectada.

Epidemias e pandemias de gripe

Em uma epidemia de gripe, muitas pessoas adoecem dentro de um curto período de tempo. A cada ano, no mundo todo, surgem surtos generalizados de gripe durante o final do outono ou o começo do inverno em climas temperados (chamadas epidemias sazonais). As epidemias de gripe podem ocorrer em duas ondas:

  • Primeiramente, nas crianças em idade escolar e em pessoas que convivem com elas

  • Em segundo lugar, em pessoas confinadas ao lar ou que vivem em instalações de cuidados de longo prazo, principalmente idosos.

Normalmente, em cada epidemia, somente uma cepa do vírus da gripe é responsável pela doença.

Uma pandemia de gripe refere-se a um surto que se disseminou por uma grande região, normalmente por continentes e, às vezes, até mundialmente. Houve somente seis grandes pandemias de gripe desde 1889. Uma pandemia de gripe é preocupante, pois geralmente ocorre somente quando ocorre uma mudança acima do normal na cepa do vírus da gripe. Quando uma mudança desse porte ocorre, essa cepa de gripe pode afetar muito mais pessoas e causar doença mais grave. O risco de morte é maior. Embora ninguém saiba ao certo, os cientistas acreditam que a pandemia de gripe de 1918 causou 30 a 50 milhões de mortes no mundo todo, inclusive cerca de 675 mil nos Estados Unidos.

Sintomas

Os sintomas da gripe têm início de um a quatro dias após a infecção e podem começar de repente. Os arrepios ou a sensação de frio constituem quase sempre as primeiras manifestações. A febre é comum durante os primeiros dias, às vezes alcançando cerca de 39 °C. Muitas pessoas se sentem doentes, fracas e cansadas, ficando de cama durante dias. Elas sentem dores por todo o corpo, particularmente nas costas e pernas. A dor de cabeça muitas vezes é forte, com dores ao redor e por trás dos olhos. A luz forte pode piorar a dor de cabeça.

A princípio, os sintomas respiratórios podem ser relativamente leves. Podem incluir garganta irritada e inflamada, sensação de ardor no peito, tosse seca e corrimento nasal. Posteriormente, a tosse pode intensificar-se e causar expectoração (escarro).

A pele, especialmente a do rosto, pode ficar quente e avermelhada. A boca e a garganta podem apresentar vermelhidão, os olhos podem lacrimejar e a parte branca dos olhos pode ficar vermelha. As pessoas, sobretudo crianças, podem manifestar enjoos e vômitos. Algumas pessoas perdem o sentido do olfato durante alguns dias ou semanas. Raramente esta perda é permanente.

A maioria dos sintomas melhora depois de dois ou três dias. No entanto, às vezes a febre pode durar até cinco dias. Os sintomas de tosse, fraqueza, suores e cansaço prolongam-se durante vários dias ou ocasionalmente semanas. A irritação leve das vias aéreas, que pode resultar na redução do tempo e intensidade que uma pessoa pode se exercitar, ou respiração ligeiramente sibilante podem levar de seis a oito semanas para desaparecerem.

Complicações

A complicação mais comum da gripe é

  • Pneumonia, que pode ser viral, bacteriana ou ambas

Na pneumonia viral, o vírus da gripe se dissemina dentro dos pulmões. Na pneumonia bacteriana, bactérias não relacionadas (como os pneumococos ou estafilococos) atacam as defesas debilitadas da pessoa. Em ambos os casos, as pessoas podem apresentar um agravamento da tosse, dificuldade respiratória, febre persistente ou recorrente e, às vezes, expectoração com sangue ou pus.

Pessoas com alto risco de complicações e morte decorrente de gripe incluem

  • Crianças com menos de cinco anos de idade; crianças com menos de dois anos de idade têm um risco particularmente elevado

  • Adultos com mais de 65 anos de idade

  • Pessoas com distúrbios clínicos crônicos (principalmente os que afetam o coração, os pulmões, os rins, o fígado ou o sistema imune) ou diabetes mellitus

  • Pessoas com obesidade extrema (índice de massa corporal [IMC] de 40 ou mais)

  • Mulheres no segundo ou terceiro trimestre de gravidez e até duas semanas após o parto

  • Pessoas com distúrbios que aumentam o risco de sufocamento com secreções orais, como acidente vascular cerebral ou outros distúrbios que causem fraqueza e transtornos convulsivos

Diagnóstico

  • Avaliação médica

  • Às vezes, exames em amostras de sangue ou secreções respiratórias

  • Às vezes, uma radiografia do tórax e medição dos níveis de oxigênio no sangue

Em geral, as pessoas conhecem os sintomas da gripe e, visto que essa doença se manifesta por epidemias, a pessoa que a apresenta ou seus familiares costumam diagnosticá-la corretamente. A gravidade dos sintomas e a presença de febre alta e dores no corpo ajudam a distinguir a gripe de um resfriado comum, especialmente quando a doença ocorre durante um surto de gripe. É mais difícil identificar corretamente a gripe somente pelos sintomas quando nenhum surto está ocorrendo.

Os testes em amostras de secreções respiratórias podem ser usados para identificar o vírus da gripe. Exames de sangue podem ajudar a determinar o grau de infecção da pessoa. Tais testes são realizados principalmente quando as pessoas parecem muito doentes ou quando um médico suspeitar de outra causa para os sintomas. Alguns testes podem ser feitos no consultório do médico.

Quando os médicos suspeitam que há pneumonia, eles tiram uma radiografia do tórax e medem os níveis de oxigênio no sangue com um sensor colocado no dedo (oximetria de pulso).

Prevenção

A prevenção consiste em

  • Vacinação anual para todas as pessoas a partir de 6 meses de idade (com raras exceções)

  • Às vezes, medicamentos antivirais

A prevenção é importante para todas as pessoas, mas principalmente para profissionais de saúde e pessoas com alto risco de complicações da gripe.

Você sabia que...

  • Todas as pessoas a partir de seis meses de idade, com raras exceções, devem ser vacinadas contra a gripe a cada ano.

Vacinas contra a gripe

A vacinação anual constitui a melhor forma de evitar a gripe.

Há dois tipos básicos de vacina contra a gripe:

  • Uma vacina que é aplicada por injeção e que contém vírus da gripe inativados (mortos) ou fragmentados

  • Uma vacina que é inalada como aerossol nasal e que contém vírus vivos enfraquecidos (atenuados)

A vacina injetada inativada pode ser administrada a todas as pessoas a partir de seis meses de idade, inclusive em gestantes. Uma dose maior de vacina contra gripe inativada está disponível para pessoas acima de 65 anos. A vacina contra a gripe inativada não é administrada a

  • Pessoas que tiveram uma reação alérgica grave a qualquer vacina contra a gripe ou a qualquer de seus componentes

A vacina de vírus vivos inalada é usada somente em pessoas saudáveis com idade entre dois e 49 anos. Ela não é administrada a

  • Pessoas que tiveram uma reação alérgica grave a qualquer vacina contra a gripe ou a qualquer de seus componentes

  • Gestantes

  • Pessoas com o sistema imune enfraquecido (como as que têm AIDS ou que tomam medicamentos que suprimem o sistema imune) e, em alguns casos, as que convivem com elas

  • Crianças ou adolescentes que estejam tomando aspirina por período prolongado

  • Crianças com idade entre dois e quatro anos que têm asma ou que apresentaram sibilos ou crises de asma nos últimos doze meses

  • Pessoas que tomaram um medicamento antiviral para a gripe nos dois dias anteriores

A vacina de vírus vivos inalável não foi recomendada para as estações de gripe de 2016 a 2017 e de 2017 a 2018 devido a preocupações de que ela não fosse tão eficaz quanto as vacinas com vírus inativados. No entanto, a vacina inalável de vírus vivos foi reformulada e agora é recomendada, da mesma forma que as vacinas com vírus inativados. Alguns especialistas recomendam que a vacina inativada seja usada em crianças até que a nova vacina com vírus vivos tenha sido mais bem estudada.

Os médicos costumam adiar a administração de cada uma das vacinas a pessoas que estiverem doentes no momento da vacinação.

Após a epidemia de gripe suína de 1976, em que milhões de pessoas receberam a vacina contra a gripe, um número de pessoas maior que o normal apresentou um distúrbio nervoso chamado síndrome de Guillain-Barré. Na época, os médicos consideraram que a vacina desencadeou a síndrome de Guillain-Barré, mas evidências mais recentes tornam esta conexão incerta. Todavia, por segurança, os médicos usam cautela ao administrar outra vacinação contra a gripe a qualquer pessoa que desenvolveu a síndrome de Guillain-Barré dentro de seis semanas da administração da vacina contra a gripe. Nesses casos, os médicos e a pessoa ponderam o risco de a pessoa contrair gripe frente ao risco de possivelmente desenvolver a síndrome de Guillain-Barré.

Pessoas com alergia grave a ovos podem ter uma reação alérgica à vacina da gripe, pois ela feita de vírus desenvolvidos em ovos. Assim, os médicos seguem as seguintes diretrizes ao administrar a vacina contra a gripe a pessoas com alergia a ovos:

  • Se a única reação que as pessoas tiveram a ovos foi uma erupção cutânea (urticária), elas podem tomar a vacina contra a gripe.

  • Se as pessoas tiverem tido reações a ovos graves (qualquer sintoma além de urticária), elas podem tomar a vacina contra a gripe, desde que a vacina seja administrada em ambiente médico (como em um consultório, hospital ou clínica) e sob supervisão de um profissional de saúde que seja capaz de reconhecer e tratar reações alérgicas graves. Essas reações a ovos incluem inchaço sob a pele (angioedema), dificuldade para respirar (desconforto respiratório), sensação de desmaio iminente, vômitos repetidos e reações que tenham exigido uma injeção de epinefrina ou outro tratamento de emergência.

  • Se as pessoas tiverem tido uma reação alérgica grave (como anafilaxia) após receberem a vacina contra a gripe, elas não receberão a vacina contra a gripe novamente.

Além disso, duas vacinas que não contêm ovos estão disponíveis: uma que pode ser administrada a pessoas a partir de 18 anos de idade e uma que pode ser administrada a pessoas a partir de quatro anos de idade.

As vacinas para a gripe geralmente protegem contra três ou quatro cepas diferentes do vírus da gripe. As cepas do vírus que causam surtos de gripe mudam a cada ano. Assim, a cada ano são desenvolvidas vacinas diferentes para acompanhar as alterações nos vírus. Especialistas tentam prever qual cepa do vírus irá atacar anualmente com base na cepa do vírus de gripe predominante na estação de gripe anterior e na cepa que está causando doença em outras partes do mundo. Quando as proteínas H e N na vacina correspondem às das cepas da gripe que estão causando a epidemia em curso, a vacina diminui a taxa de infecção em 70 a 90% em adultos saudáveis.

Em pessoas mais idosas que vivem em estabelecimentos de cuidados de longo prazo, a vacina tem menos probabilidade de evitar a gripe, mas ela reduz as chances de desenvolvimento de pneumonia e morte. Como o sistema imune torna-se mais fraco conforme as pessoas envelhecem, uma vacina de dose alta contra a gripe foi concebida especificamente para pessoas com 65 anos ou mais. Esta vacina de dose alta pode estimular uma resposta imune mais forte em pessoas idosas.

Além de possível sensibilidade ocasional no local da injeção ou, no caso da vacina inalada, um corrimento nasal, os efeitos colaterais da vacina são raros.

Nos Estados Unidos, a vacinação é realizada durante o outono para que os níveis de anticorpos sejam os mais altos durante os meses de pico da gripe: novembro a março. Na maioria das pessoas, são necessárias cerca de duas semanas para a vacina começar a dar proteção. As crianças entre seis meses e oito anos de idade que estiverem recebendo a vacina contra a gripe (influenza) pela primeira vez devem receber duas doses da vacina com um intervalo mínimo de quatro semanas entre elas.

Medicamentos antivirais

Embora a vacinação seja o método preferencial de prevenção, vários medicamentos antivirais podem ser usados em certas pessoas para prevenir a infecção pelo vírus da gripe.

Durante um surto de gripe, os medicamentos antivirais são administrados a pessoas que foram vacinadas nas duas semanas anteriores (pois demora duas semanas para a vacina fazer efeito). Eles são interrompidos duas semanas depois de as pessoas terem sido vacinadas. Esses medicamentos são dados também a pessoas que apresentam quadros clínicos que tornam a vacinação ineficaz ou perigosa.

As pessoas podem receber oseltamivir ou zanamivir. O oseltamivir tem alguns efeitos colaterais. O zanamivir pode irritar os pulmões e causar respiração sibilante em pessoas que têm asma.

Tratamento

  • Repouso e bastante líquido

O principal tratamento para a gripe consiste em repouso adequado, beber grandes quantidades de líquido e evitar qualquer esforço. As atividades habituais podem ser retomadas 24 a 48 horas após a normalização da temperatura corporal, embora sejam quase sempre necessários vários dias para a recuperação.

A febre e as dores podem ser tratadas com paracetamol ou anti-inflamatórios não esteroides (AINE), como a aspirina e o ibuprofeno. Devido ao risco da síndrome de Reye, crianças e adolescentes (até 18 anos de idade) não devem tomar aspirina. São usados paracetamol e ibuprofeno em crianças, se necessário. Outras medidas, como as listadas para o resfriado comum, inclusive descongestionantes nasais e inalação de vapor, podem contribuir para o alívio dos sintomas.

Os mesmos medicamentos antivirais que previnem a infecção (oseltamivir, zanamivir e baloxavir) também são úteis no tratamento de pessoas com gripe. Porém, esses medicamentos apenas funcionam quando usados no primeiro ou segundo dia após o início dos sintomas; eles reduzem a gravidade dos sintomas e diminuem a duração da febre e o tempo para retornar às atividades normais, mas em apenas um dia, aproximadamente. No entanto, esses medicamentos revelam-se muito eficazes para algumas pessoas.

Que medicamento ou medicamentos são usados depende do vírus específico da gripe que está causando a infecção. Oseltamivir e baloxavir, tomados por via oral, e zanamivir, administrado com um inalador, são eficazes contra os vírus da gripe tipo A e tipo B. Oseltamivir pode ser usado em crianças pequenas com 1 ano de idade. Zanamivir pode ser usado em adultos e crianças a partir de 7 anos de idade e o baloxavir pode ser usado em adultos e crianças a partir de 12 anos de idade.

Caso uma infecção bacteriana se desenvolva, são acrescentados antibióticos.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Gripe
Vídeo
Gripe
A gripe, ou influenza, é causada por um dos vários tipos de vírus que podem se disseminar...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Vírus da COVID-19
Modelo 3D
Vírus da COVID-19

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS