Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Visão, embaçada

Por

Christopher J. Brady

, MD, Wilmer Eye Institute, Retina Division, Johns Hopkins University School of Medicine

Última revisão/alteração completa dez 2019| Última modificação do conteúdo dez 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Visão embaçada é o sintoma mais comum da visão. Quando os médicos falam sobre visão embaçada, normalmente querem dizer que se trata de uma redução da nitidez ou clareza que se desenvolveu gradualmente. A repentina e completa perda de visão em um ou em ambos os olhos (cegueira) é considerada algo diferente.

Causas

A visão embaçada tem quatro mecanismos gerais:

  • Doenças que afetam a retina, estrutura no fundo do olho que detecta a luz.

  • Opacidade das estruturas oculares normalmente transparentes (córnea, cristalino e humor vítreo—a substância gelatinosa que preenche o globo ocular) por onde os raios luminosos têm que passar para chegar na retina

  • Doenças que afetam as vias dos nervos que conduzem os sinais visuais do olho para o cérebro (como o nervo óptico)

  • Foco imperfeito dos raios luminosos na retina (erros de refração)

O interior do olho

O interior do olho

Algumas doenças podem ter mais de um mecanismo. Por exemplo, a refração pode ser prejudicada por uma catarata precoce ou por edema reversível do cristalino causado por diabetes mal controlado.

Algumas doenças que causam visão embaçada são mais propensas a causar outros sintomas que levam as pessoas a procurar cuidados médicos, como dor ocular e vermelhidão ocular (por exemplo, doenças agudas da córnea como abrasões, úlceras, ceratite por herpes simples ou herpes zoster oftálmico).

Causas comuns

As causas mais comuns de visão embaçada são

O que é o astigmatismo?

O astigmatismo é a irregularidade na curvatura da córnea ou do cristalino. Ou seja, a córnea ou cristalino se curva de modo diferente em várias direções. Essas diferenças fazem com que a trajetória da luz em diversos planos faça focos distintos. Por exemplo, as linhas verticais podem estar em foco quando as linhas horizontais não estão (ou vice-versa). A irregularidade pode estar presente em qualquer plano, embora seja frequentemente diferente em cada olho. Uma pessoa com astigmatismo (em que cada olho deve ser analisado separadamente) tende a ver algumas linhas de maneira mais marcada (ou seja, com maior nitidez) do que outras. O astigmatismo é corrigido com óculos ou lentes de contato. Quase sempre ocorre junto com a miopia e a hipermetropia.

O diagrama abaixo é um gráfico padrão utilizado para avaliar o astigmatismo em um olho de cada vez.

O que é o astigmatismo?

Causas menos comuns

Doenças raras que causam visão embaçada são

  • Doenças hereditárias que afetam o nervo óptico, chamadas neuropatias ópticas hereditárias (por exemplo, atrofia óptica dominante e neuropatia óptica hereditária de Leber)

  • Cicatrizes da córnea devido a deficiência de vitamina A (raro em nações desenvolvidas)

Tabela
icon

Algumas causas e características da visão embaçada

Causa

Características comuns*

Diagnóstico†

Opacidade de estruturas oculares normalmente transparentes

Sintomas que começam gradualmente

Perda da capacidade de distinguir entre claro e escuro (perda de contraste) e ofuscamento (ver halos e clarões em volta de luzes)

Em geral nas pessoas com fator de risco (como idosos ou pessoas em uso de corticosteroides)

Exame médico

Cicatrizes na córnea após lesão ou infecção

Quase sempre em pessoas que já tiveram lesão ou infecção

Exame médico

Doenças que afetam a retina

Quase sempre sintomas que começam gradualmente

Perda de visão central (o que uma pessoa vê diretamente) mais do que a visão periférica (o que é visto do canto do olho)

Algumas vezes um exame de imagem do olho

Infecção da retina (como a causada por citomegalovírus ou parasitas Toxoplasma)

Quase sempre em pessoas que tiveram infecção por HIV ou outra doença que debilita o sistema imunológico

Em geral dor ou vermelhidão no olho

Exames para verificar organismos suspeitos de causarem a infecção

Retinite pigmentosa (deterioração progressiva da retina)

Sintomas que começam gradualmente

Principalmente cegueira noturna

Exames específicos (como aferição de respostas da retina à luz em diversas condições), realizados por um oftalmologista

Retinopatia (dano à retina) associada a uma doença sistêmica como pressão alta (consulte retinopatia hipertensiva), lúpus eritematoso sistêmico (lúpus), diabetes (consulte retinopatia diabética), macroglobulinemia de Waldenström e mieloma múltiplo ou outras doenças que podem causar o espessamento do sangue (síndrome da hiperviscosidade)

Quase sempre em pessoas que tiveram tais doenças

Em geral outros sintomas além da perda de visão

Exames para verificar doenças suspeitas de causarem a retinopatia

Fatores de risco (por exemplo, retinopatia diabética, uveíte, descolamento da retina ou lesão ocular) Visão embaçada ou distorcida (por exemplo, linhas retas parecem onduladas)

A oftalmoscopia (usar um instrumento para examinar sem dor o interior do olho)

Perfuração macular

Visão embaçada inicialmente em visão reta

A oftalmoscopia (usar um instrumento para examinar sem dor o interior do olho)

A tomografia de coerência óptica (exame de imagem especializado do fundo do olho)

Fatores de risco (por exemplo, hipertensão, idade, glaucoma) Perda indolor da visão (geralmente súbita) Algumas vezes, visão embaçada

A oftalmoscopia (usar um instrumento para examinar sem dor o interior do olho)

Às vezes, angiografia com fluoresceína (usando um corante fluorescente para obter imagens do fundo do olho)

Às vezes, tomografia de coerência óptica (exame de imagem especializado do fundo do olho)

Doenças que afetam o nervo óptico ou suas ligações com o cérebro

Não ver degraus ou partes de palavras escritas ou impressas

Medida da pressão dentro do olho (tonometria) e exame dos ângulos entre as estruturas do olho como a córnea e a íris (gonioscopia), e exames do nervo óptico, realizados por um oftalmologista

Neurite óptica (inflamação do nervo óptico), que pode estar relacionada à esclerose múltipla

Em geral dor leve que pode piorar quando se movimenta um olho (quase sempre) ou ambos os olhos

Perda da visão parcial ou completa

Sintomas que se tornam graves em horas ou dias

Não afeta as pálpebras nem a córnea

Com frequência, ressonância magnética (RM) com contraste

Doenças que afetam o foco

Erros de refração (como miopia, hipermetropia e astigmatismo)

Nitidez da visão (acuidade visual) que varia conforme a distância dos objetos

Acuidade reduzida pode ser corrigida com o uso de óculos ou de um orifício estenopeico

Exames de refração por um optometrista ou oftalmologista

* As características incluem os sintomas e os resultados do exame médico. As características mencionadas são típicas, mas nem sempre estão presentes.

† Embora um exame médico seja sempre realizado, ele só é mencionado nesta coluna se o diagnóstico puder ser feito exclusivamente pelo exame médico, sem nenhum exame.

HIV = vírus da imunodeficiência humana; RM = ressonância magnética.

Avaliação

As informações a seguir podem ajudar as pessoas a decidir quando a avaliação médica é necessária e a saber o que esperar durante a avaliação.

Sinais de alerta

Nas pessoas com visão embaçada, alguns sintomas e características são motivos de preocupação. Incluem

  • Alteração repentina da visão

  • Grave redução da visão, principalmente em um olho, mesmo se os sintomas ocorreram de modo gradual

  • Dor ocular (com ou sem movimento ocular)

  • Perda de uma área específica da visão (chamado de defeito de campo específico)

  • Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) ou AIDS ou outra condição que afete o sistema imunológico (por exemplo, uso de quimioterapia ou outros fármacos imunossupressores)

Quando consultar um médico

Pessoas que têm sinais de alerta devem ir ao pronto-socorro imediatamente. Pessoas que têm uma doença no organismo que algumas vezes causa dano à retina (por exemplo, diabetes, pressão alta ou doença falciforme) devem procurar um oftalmologista o quanto antes. No entanto, se a visão foi piorando gradualmente durante meses ou anos sem ser gravemente prejudicada e sem sinais de alerta, não há problema em esperar uma semana ou duas para procurar o médico.

Exames oculares devem ser feitos por um oftalmologista ou optometrista. O oftalmologista é o médico especializado na avaliação e tratamento—cirúrgico e não cirúrgico—de todos os tipos de doenças oculares. O optometrista é o profissional de saúde especializado no diagnóstico e tratamento de erros de refração (que são tratados com a prescrição de óculos ou lentes de contato). No entanto, o optometrista pode também diagnosticar alguns outros problemas de visão e encaminhar o paciente para tratamento com um oftalmologista. Normalmente as pessoas procuram um oftalmologista se têm sinais de alerta.

O que o médico faz

Primeiro, o médico faz perguntas sobre os sintomas e o histórico médico. Em seguida, o médico faz um exame físico. O que ele identifica durante o histórico e exame físico geralmente sugere uma causa para a visão embaçada e os exames que podem ser necessários (consulte a tabela Algumas causas e características da visão embaçada).

O médico faz várias perguntas sobre os sintomas da pessoa e é importante entender exatamente o que a pessoa entende por visão embaçada. Por exemplo, pessoas que realmente têm perda de visão em parte do campo visual (defeito do campo visual) podem descrever essa sensação apenas como visão embaçada. A presença de outros sintomas oculares, como vermelhidão nos olhos, sensibilidade à luz, moscas volantes, sensação de flashes luminosos repentinos que parecem raios, manchas ou estrelas (fotopsias) e dor ao deitar ou ao movimentar os olhos, ajudam o médico a determinar a causa. O médico também pergunta sobre os efeitos da escuridão (visão noturna) e luzes brilhantes (por exemplo, causando enevoamento, flashes ou halos) e se a pessoa usa lentes corretivas.

Ainda pode fazer perguntas sobre sintomas de possíveis causas e sobre a presença de doenças conhecidas como fator de risco para doenças oculares (por exemplo, pressão alta, diabetes, infecção por HIV ou AIDS e doença falciforme).

O exame dos olhos pode ser tudo o que é necessário.

Exames de acuidade visual (nitidez da visão) são o primeiro passo. De preferência, a acuidade é medida enquanto a pessoa fica a uma distância de 6 metros de uma tabela padrão de aferição (tabela de Snellen) afixada ou projetada em uma parede. Cada olho é avaliado separadamente enquanto o outro olho é coberto. A acuidade visual é medida sem óculos. Geralmente o médico pede que a pessoa olhe através de um orifício em um aparelho. Esse dispositivo pode corrigir erros de refração quase que totalmente, mas não corrige a visão embaçada devido a outras causas.

O exame do olho também é importante. O médico examina cuidadosamente o olho todo utilizando um oftalmoscópio (uma luz com lentes de aumento que ilumina o fundo do olho), uma lâmpada de fenda (instrumento que permite examinar o olho em alta resolução) ou ambos. Quase sempre se usam colírios para dilatar os olhos para a oftalmoscopia. É medida a pressão dentro do olho (pressão intraocular), e esse exame é chamado de tonometria.

Sintomas e achados durante o exame do olho quase sempre sugerem uma causa. Por exemplo, se a acuidade visual volta com o uso das lentes corretivas ou se é utilizado o orifício estenopeico e o restante do exame ocular está normal, um simples erro de refração, em geral, é a causa da visão embaçada.

Exames

Os exames dependem da causa suspeitada da visão embaçada (consulte a tabela Algumas causas e características da visão embaçada). Pessoas com sintomas de doenças no organismo devem fazer os exames apropriados. Por exemplo, os exames podem incluir exames de sangue para diabetes, lúpus eritematoso sistêmico, ou infecção por HIV, monitoramento da pressão arterial e possível eletrocardiograma em caso de pressão alta ou suspeita de doença renal.

Tratamento

  • Tratamento da causa

  • Medidas para melhorar a nitidez da visão

Doenças de base são tratadas. Podem ser indicadas lentes corretivas ou cirurgia para melhorar a acuidade visual, mesmo se a causa não for apenas um erro de refração (por exemplo, catarata precoce).

Informações essenciais para idosos

Embora alguma redução na acuidade visual seja normal com o passar dos anos, em geral a acuidade é corrigível para 20/20 com refração, mesmo em pessoas idosas.

Pontos-chave

  • Erro de refração é a causa mais comum de visão embaçada.

  • Se o problema for erro de refração, lentes corretivas ou cirurgia (principalmente se a catarata for a causa da alteração no erro de refração) pode corrigir o enevoamento.

  • O médico verifica a acuidade visual e determina se óculos ou um orifício estenopeico corrige o problema, e caso contrário, o olho é dilatado com colírio e a retina é cuidadosamente examinada.

  • Em geral é medida a pressão intraocular por ser comum o glaucoma.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Glaucoma
Vídeo
Glaucoma
No interior do olho existem duas câmaras cheias de líquido. O fluido intraocular, ou fluido...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Ceratocone
Modelo 3D
Ceratocone

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS