Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Obesidade

Por

Adrienne Youdim

, MD, David Geffen School of Medicine at UCLA

Última revisão/alteração completa fev 2019| Última modificação do conteúdo fev 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Obesidade é o excesso de gordura corporal.

  • A obesidade é influenciada por uma combinação de fatores, que normalmente resultam no consumo de mais calorias do que o corpo precisa.

  • Esses fatores podem incluir inatividade física, dieta, genes, estilo de vida, histórico étnico e socioeconômico, exposição a determinados produtos químicos, determinados quadros clínicos e a utilização de determinados medicamentos.

  • A obesidade aumenta o risco de vários distúrbios, como diabetes, hipertensão arterial, doenças cardíacas e certos tipos de câncer, e pode resultar em morte precoce.

  • Aumentar a atividade física e reduzir a ingestão de calorias são fundamentais para o tratamento da obesidade, mas algumas pessoas precisam tomar medicamentos.

  • A perda de apenas 5 a 10% do peso corporal pode ajudar a reduzir os problemas relacionados ao peso, como diabetes, hipertensão arterial e níveis de colesterol altos.

  • Pessoas com excesso de peso ou obesas e têm problemas relacionados ao peso (como, por exemplo, diabetes) podem ser tratadas com medicamentos para perda de peso.

  • As pessoas muito obesas e com problemas graves relacionados ao peso podem se beneficiar da cirurgia de perda de peso.

O índice de massa corporal (IMC) é usado para definir sobrepeso e obesidade. O IMC consiste no peso (em quilogramas) dividido pela altura (em metros quadrados):

  • O sobrepeso é normalmente definido como IMC de 25 a 29,9.

  • A obesidade é definida como IMC de 30 a 39,9.

  • A obesidade grave é definida como IMC de 40 ou superior.

No caso de asiáticos e alguns outros grupos étnicos, os valores do IMC que são considerados como sendo peso normal e sobrepeso são um pouco menores.

O IMC não faz distinção entre tecido muscular (magro) e tecido adiposo. Dessa forma, com base apenas no IMC, algumas pessoas podem ser classificadas como obesas quando sua porcentagem de gordura corporal for muito baixa. Por exemplo, algumas pessoas, como fisiculturistas, apresentam IMC alto porque possuem muito músculo (que pesa muito mais do que gordura), mesmo apresentando pouca gordura. Essas pessoas não são consideradas obesas.

A obesidade está cada vez mais frequente em todo o mundo. Nos Estados Unidos, a obesidade é muito comum. Mais de um terço (36,5%) dos adultos são obesos e mais de 25% das crianças e adolescentes têm sobrepeso ou são obesos. Além disso, a obesidade grave se tornou mais comum.

É muito mais fácil prevenir do que tratar a obesidade. Quando as pessoas têm aumento excessivo de peso, o corpo resiste à perda de peso. Por exemplo, quando as pessoas fazem regime ou reduzem a quantidade de calorias consumidas, o corpo compensa aumentando o apetite e reduzindo o número de calorias queimadas em repouso.

(Consulte também Obesidade em adolescentes.)

Tabela
icon

Como determinar o índice de massa corporal (IMC)

Altura

Peso (kg)

100

110

120

130

140

150

160

170

180

190

200

210

220

230

240

250

260

1,47 m

21

23

25

27

29

31

33

36

38

40

42

44

46

48

50

52

54

1,50 m

20

22

24

26

28

30

32

34

36

38

40

42

45

47

49

51

53

1,52 m

20

21

23

25

27

29

31

33

35

37

39

41

43

45

47

49

51

1,55 m

19

21

23

25

26

28

30

32

34

36

38

40

42

43

45

47

49

1,57 m

18

20

22

24

26

27

29

31

33

35

37

38

40

43

44

46

48

1,60 m

18

19

21

23

25

27

28

30

32

34

35

37

39

41

43

44

46

1,62 m

17

19

21

22

24

26

27

29

31

33

34

36

38

39

41

43

45

1,65 m

17

18

20

22

23

25

27

28

30

32

33

35

37

38

40

42

43

1,67 m

16

18

19

21

23

24

26

27

29

31

32

34

36

37

39

40

42

1,70 m

16

17

19

20

22

23

25

27

28

30

31

33

34

36

38

39

41

1,72 m

15

17

18

20

21

23

24

26

27

29

30

32

33

35

36

38

40

1,75 m

15

16

18

19

21

22

24

25

27

28

30

31

32

34

35

37

38

1,77 m

14

16

17

19

20

22

23

24

26

27

29

30

32

33

34

36

37

1,80 m

14

15

17

18

20

21

22

24

25

26

28

29

31

32

33

35

36

1,83 m

13

15

16

18

19

20

22

23

24

26

27

28

30

31

33

34

35

1,85 m

13

15

16

17

18

20

21

22

24

25

26

28

29

30

32

33

34

1,88 m

12

14

15

17

18

19

21

22

23

24

26

27

28

30

31

32

33

1,90 m

12

14

15

16

17

19

20

21

22

24

25

26

27

29

30

31

33

1,93 m

12

13

15

16

17

18

19

21

22

23

24

26

27

28

29

30

32

1,95 m

12

13

14

15

17

18

19

20

21

23

24

25

26

27

29

30

31

1,98 m

12

13

14

15

16

17

19

20

21

22

23

24

25

27

28

29

30

As categorias de peso são definidas da seguinte forma:

  • Abaixo do peso normal = menos que 18,5

  • Normal = 18,5 a 24,9 (18 a 22,9 para asiáticos)

  • Sobrepeso = 25 a 29,9 (23 a 29,9 para asiáticos)

  • Obeso = 30 a 39,9

  • Obeso grave (obesidade mórbida) = a partir de 40

Causas

A obesidade é resultado de uma combinação de fatores, incluindo menos oportunidades de praticar atividade física, maior disponibilidade de alimentos calóricos e a presença de genes que tornam a obesidade mais provável. Mas, acima de tudo, a obesidade é resultado do consumo de mais calorias do que o corpo precisa em um longo período.

As calorias excessivas ficam armazenadas no corpo na forma de gordura (tecido adiposo). O número de calorias necessárias varia conforme a pessoa, dependendo da idade, do sexo, do nível de atividade física e da taxa metabólica. A taxa metabólica (basal) em repouso de uma pessoa – a quantidade de calorias que o corpo queima em repouso – é determinada com base na quantidade de tecido muscular (magro) que a pessoa tem e no peso corporal total da pessoa. Quanto mais músculo as pessoas tiverem, maior a taxa metabólica.

Alterações nas bactérias que normalmente estão presentes no sistema digestivo (a denominada flora intestinal) podem aumentar o risco de obesidade. Geralmente, essas bactérias ajudam o organismo ao auxiliar com a digestão, entre outras coisas. Alterações no número e tipos de bactérias no sistema digestivo podem alterar a maneira pela qual o organismo processa os alimentos.

Os obesogênicos são compostos químicos que atrapalham o desenvolvimento normal e o metabolismo (por ex., fumaça de cigarro, bisfenol A, poluição do ar, retardantes de chamas, ftalatos, bifenilos policlorados). A exposição aos obesogênicos quando ainda jovem pode aumentar o risco de a pessoa vir a ser obesa.

Inatividade física

Nos países desenvolvidos, a falta de atividade física é comum e contribui consideravelmente para o aumento dos casos de obesidade. As oportunidades de praticar atividades físicas deixaram de ser encorajadas com os avanços tecnológicos, como elevadores, carros e controles remotos. Mais tempo é gasto com atividades sedentárias, como usar computador, assistir à televisão e jogar videogames. Além disso, os empregos das pessoas se tornaram mais sedentários, pois as funções em escritórios ou com a pessoa sentada à mesa substituíram o trabalho manual. As pessoas sedentárias gastam menos calorias que as pessoas mais ativas e, dessa forma, devem consumir menos calorias em sua dieta. Se a ingestão de calorias não for devidamente reduzida, as pessoas ganham peso.

Dieta

A dieta nos países desenvolvidos tem alimentos com muita energia. Isto é, consiste em alimentos com muitas calorias em uma quantidade (volume) relativamente pequena. A maioria desses alimentos contém mais carboidratos processados, mais gordura e menos fibras. A gordura, por natureza, possui muita energia. A gordura possui 9 calorias por grama, mas os carboidratos e as proteínas possuem 4 calorias por grama.

Os alimentos semipreparados, como lanches com muita energia disponíveis em máquinas automáticas e restaurantes de fast food, contribuem para o aumento dos casos de obesidade. As bebidas com muita caloria, incluindo refrigerantes, sucos, várias bebidas com café e as bebidas alcoólicas, também contribuem consideravelmente. Por exemplo, um refrigerante de 350 mililitros ou uma garrafa de cerveja tem 150 calorias, e uma bebida com café de 350 mililitros (contendo leite e açúcar) ou preparado com fruta pode ter 500 calorias ou mais. Xarope de milho com alto teor de frutose (utilizado para adoçar muitas bebidas engarrafadas) é frequentemente considerado um importante responsável pelos casos de obesidade. No entanto, estudos recentes demonstram que, provavelmente, não causa mais obesidade do que outros alimentos com número semelhante de calorias na forma de açúcar.

As porções maiores de alimentos e bebidas em restaurantes e nas embalagens incentivam o consumo excessivo. Além disso, os alimentos embalados e de restaurantes são geralmente preparados usando métodos que aumentam as calorias. Consequentemente, as pessoas podem consumir mais calorias do que elas percebem.

Genes

A obesidade tende a ser uma característica familiar. No entanto, as famílias compartilham não apenas os genes, mas também o meio ambiente, e separar essas duas influências torna-se difícil. Os genes podem afetar a velocidade com que o corpo queima as calorias em repouso e durante a prática de exercícios. Podem também afetar o apetite e, dessa forma, a quantidade de alimentos consumidos. Os genes podem influenciar mais em termos de onde a gordura corporal se acumula, principalmente a gordura na cintura e no abdômen, do que na quantidade de gordura acumulada.

Muitos genes influenciam o peso, mas cada gene exerce um efeito muito pequeno. A obesidade raramente surge quando apenas um gene é anormal.

Mutações nos seguintes genes raramente resultam em obesidade:

  • O gene para o receptor de melanocortina 4: Receptores são estruturas na superfície das células que inibem ou produzem uma ação na célula quando certas substâncias (como os mensageiros químicos) se ligam a eles. Os receptores de melanocortina 4 estão localizados principalmente no cérebro. Eles ajudam o corpo a regular o uso de energia. Uma mutação desse gene pode resultar em obesidade em 1 a 4% das crianças.

  • Gene ob: Esse gene controla a produção de leptina, um hormônio produzido pelas células adiposas. A leptina vai para o cérebro e interage com os receptores do hipotálamo (a parte do cérebro que regula o apetite). A mensagem levada pela leptina ao cérebro consiste na diminuição do consumo de alimentos e no aumento das calorias (energia) queimadas. Uma mutação do gene ob bloqueia a produção de leptina, levando à obesidade grave em um número muito pequeno de crianças. Nesses casos, a administração de leptina reduz o peso até um nível normal.

Histórico

Certas características podem aumentar o risco de sobrepeso ou obesidade. Elas incluem as seguintes:

  • Certos históricos raciais ou étnicos, como descendência de negros, hispânicos e das ilhas do Pacífico

  • Nível de escolaridade inferior

  • Obesidade durante a infância, que tende a persistir na fase adulta

Gravidez e menopausa

O aumento de peso durante a gravidez é normal e necessário. Porém, a gravidez pode ser o início de problemas com peso se a mulher não voltar ao seu peso pré-gravidez. Cerca de 15% das mulheres ganham permanentemente 9 kg ou mais em cada gravidez. Quando se têm vários filhos seguidos, o problema pode agravar-se. O aleitamento materno pode ajudar a mulher a voltar ao seu peso normal pré-gravidez.

Se a mulher grávida for obesa ou fumante, a regulação de peso da criança pode ser afetada, contribuindo para aumento de peso durante a infância e posteriormente.

Depois da menopausa, muitas mulheres ganham peso. Esse aumento de peso pode ser o resultado de atividade física reduzida. Mudanças hormonais podem provocar a redistribuição e acúmulo de gordura na cintura. O acúmulo de gordura na cintura aumenta o risco de problemas de saúde (como, por exemplo, a síndrome metabólica).

Envelhecimento

A obesidade se torna mais comum conforme as pessoas envelhecem (consulte Obesidade em pessoas idosas). Quando as pessoas envelhecem, a composição corporal pode mudar com a redução do tecido muscular. O resultado é uma porcentagem maior de gordura corporal e uma taxa metabólica basal menor (porque músculo queima mais calorias).

Estilo de vida

A privação ou falta de sono (normalmente menos que 6 a 8 horas por noite) pode resultar em aumento de peso. A insônia resulta em mudanças hormonais que aumentam o apetite e a vontade de consumir alimentos com muita energia.

Deixar de fumar normalmente resulta em aumento de peso. A nicotina diminui o apetite e aumenta a taxa metabólica. Assim, quando acaba o consumo de nicotina, a ingestão de alimentos aumenta e a taxa metabólica diminui, reduzindo a queima calórica. Consequentemente, o peso pode aumentar entre 5 e 10%.

Hormônios

Os distúrbios hormonais raramente causam obesidade. Os distúrbios hormonais mais comuns incluem:

  • A síndrome de Cushing é provocada por níveis excessivos de cortisol no corpo. A síndrome pode ser resultado de um tumor benigno na hipófise (adenoma de hipofisário) ou de um tumor na glândula adrenal ou em outro lugar, como nos pulmões. A síndrome de Cushing costuma provocar acúmulo de gordura no rosto, deixando-o com aspecto cheio (chamado de “lua cheia”), e na parte traseira do pescoço (chamado de “corcunda de búfalo”).

  • A síndrome do ovário policístico afeta aproximadamente 5 a 10% das mulheres. As mulheres afetadas tendem a ficar com sobrepeso ou obesas. Os níveis de testosterona e de outros hormônios masculinos aumentam, provocando acúmulo de gordura na cintura e no abdômen, que é mais nocivo do que gordura distribuída pelo corpo.

Você sabia que...

  • Os distúrbios hormonais raramente causam obesidade.

Transtornos alimentares

Dois transtornos alimentares estão associados à obesidade:

  • O transtorno da compulsão alimentar periódica é caracterizado pela compulsão, pelo consumo de grandes quantidades de alimento em um curto período e, geralmente, por um sentimento de culpa ou remorso ou por uma sensação de perda de controle. A maioria das pessoas afetadas não colocam para fora (por exemplo, por meio de vômito ou uso de laxantes ou diuréticos). O transtorno da compulsão alimentar periódica é diagnosticado quando os episódios de compulsão ocorrem, pelo menos, duas vezes por semana, por seis meses ou mais.

  • A síndrome alimentar noturna envolve alimentação reduzida durante o dia, alto consumo de alimentos ou calorias à noite, e acordar para comer no meio da noite. Raramente, o uso de comprimidos para dormir, como o zolpidem, pode provocar problemas similares.

Medicamentos

Vários medicamentos usados no tratamento de doenças comuns promovem o aumento de peso. Esses medicamentos incluem aqueles usados no tratamento de distúrbios psiquiátricos, incluindo depressão, alguns medicamentos usados no tratamento de convulsões, alguns medicamentos usados no tratamento de hipertensão arterial (anti-hipertensivos, como betabloqueadores), corticosteroides e alguns medicamentos usados no tratamento de diabetes mellitus.

Sintomas

O sintoma mais óbvio da obesidade é a mudança na aparência da pessoa.

Complicações

A obesidade aumenta o risco de vários problemas de saúde. Praticamente todos os sistemas do corpo podem ser afetados. Esses problemas de saúde relacionados ao peso podem provocar sintomas como falta de ar, respiração difícil durante a prática de atividades, ronco, anormalidades da pele, incluindo estrias, e dor nas articulações e nas costas.

A obesidade aumenta os seguintes riscos:

A apneia obstrutiva do sono pode surgir se houver gordura excessiva no pescoço comprimindo a via aérea durante o sono. A respiração para por alguns momentos, e isso ocorre centenas de vezes durante a noite. Esse distúrbio geralmente não é diagnosticado. Pode causar ronco alto e sonolência excessiva durante o dia, e aumenta o risco de hipertensão arterial, arritmia cardíaca, síndrome metabólica, ataques cardíacos, insuficiência cardíaca e acidentes vasculares cerebrais.

A obesidade pode aumentar o risco de morte precoce. Quanto mais grave a obesidade, maior o risco. Nos Estados Unidos, 300.000 mortes por ano são atribuídas à obesidade. Essa é a segunda causa mais comum de morte evitável (tabagismo é a primeira).

A obesidade pode levar a problemas sociais, econômicos e psicológicos. Por exemplo, as pessoas com obesidade podem ter subempregos ou ficar sem emprego algum, ou podem ter uma imagem corporal ruim e baixa autoestima.

Diagnóstico

  • IMC

  • circunferência abdominal

  • Às vezes, determinação da composição corporal

A obesidade é diagnosticada pela determinação do IMC. Contudo, o IMC tem algumas limitações. O IMC não leva em conta o sexo e a idade e faz apenas alguns ajustes com base no grupo étnico. No caso de asiáticos e alguns outros grupos étnicos, o valor do IMC que é considerado sobrepeso é um pouco menor.

Além disso, o IMC também não diferencia entre tecido muscular magro e tecido adiposo. Portanto, o médico pode não saber ao certo se um IMC elevado é devido a um excesso de músculo (em fisiculturistas, por exemplo) ou a um excesso de gordura. Nesses casos, ele determina a composição corporal (o percentual de gordura e de músculo no organismo).

A circunferência abdominal é medida. Essa medição ajuda a identificar e quantificar a obesidade abdominal (visceral), que é a gordura que se acumula na cintura e no abdômen. A obesidade abdominal é muito mais prejudicial do que a gordura distribuída pelo corpo abaixo da pele (gordura subcutânea).

A composição corporal pode ser determinada através dos seguintes métodos:

  • Impedância bioelétrica, que pode ser realizada em um consultório médico.

  • Medição da espessura da dobra de pele e da circunferência do braço

  • Pesagem subaquática (hidrostática)

A espessura da dobra de pele normalmente é medida sobre o tríceps, na parte posterior do braço. A prega cutânea é a pele e a camada de gordura sob a pele obtida ao beliscar a pele.

A pesagem subaquática é o método mais exato para medir o percentual de gordura corporal. Contudo, esse método é caro e demorado. Assim, ele costuma ser mais utilizado em pesquisa do que em cuidados clínicos.

Normalmente, exames de sangue são realizados. O nível de açúcar no sangue (glicose) é medido para verificar a presença de pré-diabetes ou diabetes, e o nível de colesterol e outros níveis de gordura são medidos para verificar se esses níveis estão anormais. Os médicos também medem a pressão arterial para verificar a presença de hipertensão arterial. Esses exames ajudam os médicos a determinar se as pessoas apresentam síndrome metabólica (que inclui os três distúrbios).

A medição da cintura e verificar a presença da síndrome metabólica ajudam os médicos a estimar o risco de certas complicações (como distúrbios cardíacos) mais do que determinar o IMC da pessoa.

Os médicos também verificam a presença de outros distúrbios que são comuns entre as pessoas obesas, como apneia obstrutiva do sono, esteatose hepática e depressão.

Tratamento

  • Dieta

  • Atividade física

  • Mudanças no comportamento

  • Medicamentos para perda de peso

  • Cirurgia bariátrica

O principal tratamento para obesidade é mudar o estilo de vida, que inclui mudanças na dieta, mais atividade física e alterações no comportamento. Algumas pessoas também podem precisar tomar medicamentos ou se submeter à cirurgia de perda de peso (bariátrica). A perda de apenas 5% a 10% do peso corporal pode ajudar a reduzir o risco ou a gravidade dos problemas relacionados ao peso, como diabetes, hipertensão arterial e níveis de colesterol altos.

A perda de peso com sucesso exige motivação e disciplina. As pessoas que perdem peso com sucesso possuem objetivos realistas e reconhecem que a perda de peso saudável pode ser atingida apenas com mudanças permanentes no estilo de vida, e que não será com um remédio milagroso ou uma dieta relâmpago impossível de ser mantida.

Buscar o apoio de profissionais da saúde, como nutricionistas ou médicos, pode ser benéfico. O apoio da família também é fundamental.

Os programas que exigem contato regular, como os Vigilantes do Peso, aumentam a responsabilidade e podem aumentar a probabilidade de sucesso. Normalmente, reuniões semanais são conduzidas por orientadores e complementadas com materiais de instruções e apoio.

Você sabia que...

  • A perda de apenas 5 a 10% do peso corporal pode reduzir riscos à saúde relacionados ao peso.

Alterações na dieta

Uma dieta balanceada e saudável para perda de peso exige a redução de calorias consumidas e a seleção de uma variedade de alimentos que fornecem boa nutrição. A redução de 500 a 1.000 calorias consumidas diariamente pode resultar em perda de peso de 0,5 a 1 kg por semana, que é uma taxa saudável de perda de peso. Essa abordagem normalmente significa consumir 1.200 a 1.500 calorias por dia. No entanto, o corpo pode se ajustar à redução do consumo de calorias (por exemplo, diminuindo a taxa metabólica). Portanto, a perda de peso pode ser menor do que a esperada. Mesmo assim, o consumo de uma dieta com alto teor de fibras e a redução do número de calorias consumidas por dia em cerca de 600 calorias e a substituição de carboidrato por proteína parece ser a melhor forma de perder e manter o peso perdido. É possível perder peso com mais rapidez adotando uma dieta de muito baixas calorias, mas essas dietas devem ser supervisionadas por um médico.

As mudanças na dieta apresentadas abaixo são recomendadas:

  • Fazer refeições menores e evitar ou escolher bem os lanches rápidos

  • Não pular o café da manhã (isso pode levar ao consumo excessivo de calorias durante o dia)

  • Consumir 5 ou mais frutas e verduras por dia

  • No lugar de carboidratos refinados e alimentos processados, consumir frutas e verduras frescas e saladas

  • Consumir proteína magra—por exemplo, peixe ou peito de frango ou proteína vegetal, como a soja

  • Mudar para laticínios sem gordura

  • Eliminar bebidas com muitas calorias, como refrigerantes ou bebidas alcoólicas, e beber água no lugar

  • Limitar a ida a restaurantes e o consumo de fast food

  • Limitar o consumo de álcool

  • Trocar gorduras ruins (como gorduras saturadas e trans) por gorduras boas, como gorduras monoinsaturadas (encontradas no azeite de oliva e óleo de canola) e gorduras poli-insaturadas (em peixes de água fria e óleos vegetais), bem como limitar o consumo de gorduras.

O consumo de alimentos com baixo índice glicêmico (consulte Índice glicêmico de alguns alimentos) e alimentos que contêm óleos de peixe (incluindo peixes de água fria, como salmão e atum) ou gorduras monoinsaturadas derivadas de plantas (por exemplo, azeite de oliva) pode reduzir o risco de apresentar problemas cardíacos e diabetes.

Produtos lácteos de baixa teor de gordura ou sem gordura, que contêm vitamina D, devem ser incluídos para ajudar a evitar uma deficiência dessa vitamina.

O uso regular ou esporádico de substitutos de refeições pode ajudar algumas pessoas a perder e manter o peso perdido.

Atividade física

O aumento de atividade física pode ajudar as pessoas a perder peso de maneira saudável e a manter o peso reduzido. A atividade física inclui não apenas exercícios (isto é, atividade física estruturada), mas também atividades relacionadas ao estilo de vida, como subir degraus no lugar de pegar o elevador, cuidar do jardim e caminhar no lugar de dirigir, quando possível. As atividades relacionadas ao estilo de vida podem queimar uma quantidade considerável de calorias. As pessoas que não se exercitam durante a dieta para redução de peso apresentam maior probabilidade de ganhar o peso que perderam.

Os exercícios aeróbicos, como correr, caminhar rapidamente (entre 4,8 e 6,5 km por hora), andar de bicicleta, jogar tênis individualmente, andar de skate e praticar ski de fundo, queimam mais calorias que os exercícios menos ativos (consulte Como escolher o exercício certo). Por exemplo, caminhar energicamente pode queimar cerca de 4 calorias por minuto; então, uma hora de caminhada rápida por dia queima cerca de 240 calorias. Correr queima cerca de 6 a 8 calorias por minuto (cerca de 360 a 480 calorias por hora). Como regra geral, as pessoas precisam caminhar pelo menos 150 minutos por semana para promover a saúde. Para perder e manter o peso perdido, as pessoas precisam gastar 300 a 360 minutos por semana praticando atividades físicas moderadas ou 150 minutos por semana praticando exercícios aeróbicos intensos (como correr ou usar um elíptico). Outros benefícios de saúde da prática de exercícios aeróbicos intensos incluem menor risco de apresentar doença arterial coronariana e maior resistência.

Para obter benefício máximo dos exercícios, as pessoas devem fazer um treinamento de força (com pesos ou uma outra forma de resistência) em aproximadamente 3 dias da semana. O treinamento de força aumenta a quantidade de tecido muscular, que aumenta a taxa metabólica e, assim, o corpo queima mais calorias quanto estiver em repouso.

Mudanças no comportamento

Por fim, para que a perda de peso seja eficaz e duradoura, as pessoas devem mudar seu comportamento. Os programas de perda de peso que ajudam as pessoas a mudar seu comportamento são os mais eficazes. Para mudar seu comportamento, as pessoas precisam de certas habilidades, como:

  • Solução de problemas

  • Controle de estresse

  • Automonitoramento

  • Controle de contingências

  • Controle de estímulos

A resolução de problemas envolve a identificação e o planejamento antecipado para situações que favorecem o consumo não saudável (como sair para jantar ou viajar) ou que reduzem a oportunidade de praticar atividades físicas (como dirigir durante viagens).

Para controlar o estresse, as pessoas podem aprender a identificar situações de estresse e desenvolver formas de controlar o estresse que não envolvem o consumo de alimentos – por exemplo, fazer caminhada, meditar ou exercitar a respiração.

No automonitoramento, as pessoas devem manter um registro dos alimentos ingeridos, que inclui o número de calorias dos alimentos, e verificar seu peso regularmente. As pessoas devem registrar onde e a hora que comem, seu humor quando comem e quem está com elas. Com essas informações, é possível observar e identificar padrões de comportamento e alimentação e, dessa forma, evitar situações que levam a ganho de peso ou alimentação não saudável.

O controle de contingências envolve recompensas (não relacionadas a alimentos) por comportamentos que contribuem para a perda ou manutenção do peso. Por exemplo, se caminhar mais ou consumir uma quantidade menor de certos alimentos, a pessoa pode se presentear com roupas novas ou indo ao cinema. Essas recompensas também podem vir de outras pessoas – por exemplo, ganhar elogios de membros da família ou de um grupo de apoio.

Para controlar estímulos que podem levar ao consumo de alimentos não saudáveis, as pessoas podem aprender a identificar obstáculos à alimentação saudável e a um estilo de vida ativo. As pessoas podem desenvolver estratégias para superar esses obstáculos. Por exemplo, as pessoas podem evitar de comer em restaurantes de fast food no caminho do trabalho ou não deixar doces em casa. Para desenvolver um estilo de vida ativo, as pessoas podem começar a praticar um hobby ativo (como jardinagem), caminhar mais, usar as escadas no lugar do elevador ou parar o carro no fim do estacionamento (para andar mais até o destino).

Recursos da internet, aplicativos para dispositivos móveis e outros dispositivos tecnológicos também podem ajudar as pessoas a desenvolver um estilo de vida ativo e manter o peso perdido. Os aplicativos podem ajudar a estabelecer um objetivo de perda de peso, monitorar seu progresso, rastrear o consumo de alimentos e registrar as atividades físicas.

Medicamentos

Para as pessoas com obesidade ou sobrepeso e distúrbios relacionados ao peso, o uso de medicamentos pode ser útil. Os medicamentos são mais eficazes quando combinados a mudanças na alimentação, maior atividade física e programas estruturados que incluem alterações no comportamento.

Alguns medicamentos para perder peso devem usados por um curto período. Outros podem ser usados por um longo período.

Os medicamentos para perder peso atualmente disponíveis incluem:

  • Orlistate

  • Fentermina

  • Uma combinação de fentermina e topiramato

  • Lorcaserina

  • Uma combinação de naltrexona e bupropiona

  • Liraglutida

Essas substâncias são usadas se as pessoas apresentarem IMC maior que 30 ou IMC maior que 27 e complicações como hipertensão arterial ou diabetes. Quando as pessoas tomam medicamentos para perder peso, normalmente perdem cerca de 5 a 10% do peso corporal.

O orlistate limita a digestão e a absorção de gorduras no intestino, provocando o efeito de uma dieta com um baixo teor de gorduras. O orlistate pode ser adquirido com ou sem prescrição médica. O medicamento resulta em gordura não absorvida no trato digestivo. Essa gordura pode provocar inchaço, gases e desarranjos intestinais, mas esses problemas tendem a desaparecer com o tempo. O orlistate deve ser ingerido com as refeições. O orlistate pode influenciar a absorção das vitaminas lipossolúveis: A, D, E e K. Se a quantidade de vitamina D absorvida não for suficiente, algumas pessoas desenvolvem osteoporose, aumentando a probabilidade de fraturas. As pessoas que tomam orlistate devem tomar um suplemento vitamínico que contenha esses nutrientes. O suplemento deve ser tomado pelo menos 2 horas antes ou após a administração do orlistate.

A fentermina reduz o apetite porque afeta os mensageiros químicos na parte do cérebro que controla o apetite. Está disponível apenas com prescrição. A fentermina pode aumentar a pressão arterial e a frequência cardíaca e provocar insônia, ansiedade e constipação.

A combinação de fentermina e topiramato (um fármaco usado no tratamento de convulsões e enxaquecas) pode ser adquirida apenas com prescrição médica. Essa combinação resulta em perda de peso por até 2 anos. Porém, pode provocar defeitos de nascença; portanto, mulheres em idade fértil só devem tomar essa substância se estiverem usando algum contraceptivo e se fizerem exames de gravidez mensalmente. Essas substâncias podem provocar problemas do sono e de concentração e podem aumentar a frequência cardíaca.

A lorcaserina é fornecida apenas com prescrição médica. Essa substância reduz o apetite afetando certos receptores no cérebro. Os efeitos colaterais incluem dor de cabeça, náusea, tontura, fadiga, boca seca e constipação, mas esses efeitos tendem a desaparecer com o passar do tempo. Mulheres grávidas não devem tomar lorcaserina. As pessoas que tomam lorcaserina não devem tomar alguns tipos de antidepressivos (inibidores seletivos da recaptação de serotonina, inibidores seletivos da recaptação de serotonina e noradrenalina, e inibidores da monoamina oxidase).

O medicamento combinado de naltrexona mais bupropiona pode ser apenas obtido por receita médica. Ele pode ajudar a pessoa a perder peso quando for utilizado juntamente com dieta e exercício. Quando utilizada isoladamente, a naltrexona bloqueia os efeitos de opiáceos e ajuda alcoólatras a parar de beber álcool. A naltrexona pode também ajudar a diminuir a fome. Quando utilizada isoladamente, a bupropiona trata a depressão e ajuda as pessoas a parar de fumar. A bupropiona também pode causar a diminuição do apetite. Os efeitos colaterais do medicamento combinado incluem aumento da pressão arterial, náusea, vômitos e dor de cabeça. Pessoas que têm hipertensão arterial não controlada, que tiveram ataques epiléticos ou que têm epilepsia não devem tomar esse medicamento.

A liraglutida é usada para tratar diabetes tipo II. O modo de ação da liraglutida é diminuir a rapidez com que os alimentos transitam pelo estômago. Ela pode ser apenas injetada. Os efeitos colaterais incluem dor de cabeça, diarreia, náusea, vômitos, inflamação do pâncreas (pancreatite) e níveis baixos de açúcar (glicose) no sangue (hipoglicemia). Pessoas que têm um tipo de câncer da tireoide denominando carcinoma medular não devem tomar liraglutida.

A combinação de fenfluramina e fentermina (também denominada fenfen) era um tratamento medicamentoso eficaz. Todavia, a fenfluramina foi retirada do mercado porque provocava problemas nas válvulas cardíacas nas pessoas que tomavam essa combinação.

Algumas preparações para emagrecer de venda livre, incluindo plantas medicinais, dizem ajudar na perda de peso, aumentando o metabolismo ou a sensação de saciedade. Esses suplementos não se mostraram eficazes e podem conter aditivos ou estimulantes prejudiciais (como efedra, cafeína, guaraná e fenilpropanolamina) e devem ser evitados.

Vários novos medicamentos estão sendo desenvolvidos para tratar a obesidade e provavelmente vão mudar a forma de tratar a obesidade no futuro.

Obesidade em pessoas idosas

Nos Estados Unidos, a porcentagem de idosos obesos tem aumentado. A obesidade em pessoas idosas é uma preocupação porque o excesso de peso aumenta o risco de certos problemas de saúde que tendem a se tornar comuns com a idade: diabetes, câncer, níveis anormais de gorduras (lipídios) no sangue (dislipidemia), hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, doença arterial coronariana e distúrbios das articulações.

Várias mudanças relacionadas à idade contribuem para o aumento de peso:

  • Atividade física reduzida: Algumas razões da atividade física reduzida estão relacionadas ao envelhecimento. Essas razões incluem aposentadoria, incapacidade física de se exercitar, o surgimento de distúrbios que causam dor ao realizar movimentos (por exemplo, a artrite) e problemas de equilíbrio. Outros fatores também podem limitar a prática de atividades físicas. Por exemplo, as pessoas podem não querer andar porque não há calçadas, porque o trânsito é intenso ou porque a vizinhança não parece segura.

  • Perda de tecido muscular: A perda de tecido muscular ocorre parcialmente porque os níveis do hormônio do crescimento e dos hormônios sexuais ( estrogênio nas mulheres e testosterona nos homens) diminuem. Mas a principal razão de perda de tecido muscular nos idosos é a inatividade física. Quanto menos tecido muscular a pessoa tiver, menos calorias o corpo queima em repouso e mais fácil é o aumento de peso.

  • Aumento de gordura corporal: Quando a quantidade de tecido muscular diminui, a porcentagem de gordura corporal aumenta. O tecido adiposo queima menos calorias. Além disso, uma porcentagem maior de gordura significa que idosos com um índice de massa corporal (IMC) normal, que é calculado com base no peso e na altura, podem apresentar um risco maior que o esperado de problemas de saúde relacionados ao peso. A circunferência abdominal prevê riscos à saúde com mais precisão que o IMC em idosos.

  • Deslocamento da gordura corporal para a cintura: Com a idade, a gordura corporal tende a se deslocar para a cintura. A gordura que se acumula na cintura e no abdômen (em contraposição à gordura que se acumula nos quadris e nas coxas) aumenta o risco de problemas de saúde, como hipertensão arterial, diabetes e doença arterial coronariana.

Para idosos que precisam perder peso, os médicos recomendam aumentar a atividade física e mudar a dieta. A atividade física aumenta a força muscular, a resistência e o bem-estar em geral, e reduz o risco de desenvolver distúrbios crônicos, como diabetes. A atividade física deve incluir treinamento de força e exercícios de resistência.

Os idosos apresentam um risco de desnutrição maior em relação aos jovens. Portanto, para perder peso, eles devem consumir uma dieta balanceada e saudável.

Os medicamentos para perda de peso não foram estudados em idosos, e os riscos podem ser maiores que os benefícios. Contudo, o orlistate pode ajudar idosos com diabetes ou hipertensão arterial. A cirurgia de perda de peso (bariátrica) pode ser apropriada para idosos saudáveis e que estão com as funções boas.

Se a perda de peso em idosos envolve ou não riscos à saúde, essa é uma discussão controversa. Os médicos ajudam os idosos a desenvolver estratégias de perda de peso com base em suas circunstâncias individuais. Em idosos, a perda de peso deve ser supervisionada por um médico.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Considerações gerais sobre vitaminas e minerais
Vídeo
Considerações gerais sobre vitaminas e minerais
O corpo humano precisa de várias vitaminas e minerais para se desenvolver. Muitos desses nutrientes...

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS