honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Infestação por oxiuros

(Enterobíase, Oxiuríase)

Por

Richard D. Pearson

, MD, University of Virginia School of Medicine

Última modificação do conteúdo mar 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Enterobíase é uma infestação intestinal por Enterobius vermicularis, que normalmente acomete crianças. O principal sintoma é a coceira perianal. O diagnóstico é feito por meio da inspeção visual de vermes filiformes na área perianal ou pelo teste do celofane para óvulos. O tratamento é com mebendazol, pamoato de pirantel ou albendazol.

A infestação por oxiuros é a infecção helmíntica mais comum nos Estados Unidos. A maioria dos casos ocorre em crianças em idade escolar, adultos que cuidam de crianças ou membros da família de uma criança infectada.

Fisiopatologia

A infestação por oxiúros normalmente é o resultado da transferência de ovos da área perianal para fômites (vestimentas, roupas de cama, mobília, tapetes, brinquedos, assento de privadas), dos quais os ovos são apanhados pelo novo hospedeiro, levados à boca e deglutidos. Chupar o dedo polegar é um fator de risco. A reinfestação (autoinfestação) ocorre facilmente por meio da transferência de ovos da área perianal para a boca, pelos dedos. Infecções por oxiuros também tem sido atribuídas por contato anal-oral (anilingus) entre adultos.

Oxiuros alcançam maturidade no trato gastrointestinal inferior em 2 a 6 semanas. O verme fêmea migra do anus para a região perianal (normalmente à noite) para depositar ovos. A substância pegajosa e gelatinosa na qual os óvulos são depositados e os movimentos dos vermes fêmeas provocam pruridos perianais. Os óvulos podem sobreviver em fômites por 3 semanas à temperatura ambiente.

Sinais e sintomas

A maioria dos infectados não apresenta sintomas ou sinais, mas alguns experimentam prurido perianal e desenvolvem escoriações perianais. Pode ocorrer infecção bacteriana secundária da pele e dos pulmões. Em alguns casos, a fêmea migra pelo trato genital feminino humano, causando vaginite e, em raras ocasiões, lesões peritoneais.

Muitas outras condições são atribuídas à infestação por oxiuros (p. ex., dor abdominal, insônia, convulsões), mas uma relação causal é improvável. Oxiuros obstruem o lúmen do apêndice, em casos de apendicites, mas a presença dos parasitas pode ser coincidência.

Diagnóstico

  • Exame da região perianal em busca de vermes, ovos, ou ambos

Pode-se diagnosticar infestação por oxiúros detectando fêmeas que têm 8 a 13 mm de comprimento (machos têm 2 a 5 mm) na região perianal, 1 ou 2 horas depois de a criança ir para o leito à noite ou pela manhã, ou pela detecção de ovos em fita de celofane à microscopia. Os ovos são obtidos pela manhã antes de a criança se levantar, colocando-se uma tira de celofane gomada nas dobras perianais; a face gomada da tira é colocada em uma lâmina e observada microscopicamente. Os ovos de 50 × 30 micron possuem formato oval e casca fina e contêm larvas no seu interior. Uma gota de tolueno entre a fita e a lâmina dissolve o adesivo e elimina bolhas de ar sob a fita, que pode impedir a identificação dos ovos. Esse procedimento deve ser repetido em 3 manhãs sucessivas se necessário.

Ocasionalmente, pode-se fazer o diagnóstico examinando amostras colhidas sob as unhas do paciente.

Os ovos também podem ser encontrados nas fezes, na urina, ou em secreções vaginais, mas com menos frequência.

Tratamento

  • Mebendazol, pamoato de pirantel ou albendazol

Uma vez que a infestação por oxiuros raramente é prejudicial, a prevalência é alta e a reinfestação é comum, o tratamento somente é indicado para infecções sintomáticas. Contudo, a maioria dos pais busca tratamento quando seus filhos estão infectados por oxiuros.

Uma dose única dos seguintes, repetida em 2 semanas, é eficaz para erradicar oxiúros (mas não os ovos) em > 90% dos casos:

  • Mebendazol 100 mg por via oral (independentemente da idade)

  • Pamoato de pirantel 11 mg/kg (dose máxima de 1 g) VO (disponível sem prescrição)

  • Albendazol 400 mg por via oral

Gel ou pomada de petrolato (contendo ácido carbólico) ou outros cremes ou unguentos antipruriginosos, usados na região perianal podem aliviar o prurido.

Prevenção

A reinfestação por oxiúros é comum, pois ovos viáveis podem ser excretados depois de 1 semana da terapêutica e ovos depositados no meio ambiente antes da terapêutica podem sobreviver 3 semanas. O tratamento da família inteira pode ser necessário porque infestações múltiplas dentro da casa são uma regra.

Os seguintes podem ajudar a prevenir a propagação de oxiúros:

  • Lavar as mãos com sabão e água morna após usar o banheiro, após trocar fraldas e antes de manipular alimentos (a forma mais bem-sucedida)

  • Lavar roupas, roupas de cama e brinquedos com frequência

  • Se as pessoas estão infectadas, tomar banho todos os dias para ajudar a remover os ovos da pele

  • Usar aspirador de pó para limpar o ambiente e tentar eliminar os ovos

Pontos-chave

  • Infestação por oxiúros é a infecção helmíntica mais comum nos EUA; a maioria dos casos ocorre em crianças em idade escolar, em adultos que cuidam de crianças ou em familiares de crianças infectadas.

  • A infestação por oxiúros é raramente prejudicial, e reinfestação é comum.

  • Os ovos depositados no ambiente podem sobreviver por 3 semanas.

  • Os ovos de oxiúros podem ser ingeridos quando as pessoas tocam a boca depois de coçar a área perianal ou depois de manusear roupas ou outros objetos contaminados (p. ex., roupas de cama).

  • A maioria das pessoas infectadas não apresenta sinais ou sintomas, mas algumas experimentam prurido perianal.

  • Diagnosticar a infestação por oxiúros coletando os ovos pela manhã usando fita de celofane e microscópio de baixa potência para identificá-los; também é possível fazer o diagnóstico encontrando o verme feminino na região perianal 1 ou 2 horas após a criança ir para o leito à noite.

  • Se os pacientes têm infecções sintomáticas, tratar com mebendazol, pamoato de pirantel ou albendazol.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS