Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Distúrbios da adenoide

Por

Clarence T. Sasaki

, MD, Yale University School of Medicine

Última modificação do conteúdo set 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Hipertrofia ou inflamação das adenoides é comum entre as crianças. Os sintomas incluem obstrução nasal, distúrbios do sono e efusões da orelha média com perda auditiva. O diagnóstico é reforçado pela nasofibrolaringoscopia flexível. O tratamento geralmente contém corticoides intranasais, antibióticos e, nos casos de obstrução nasal significativa ou persistente, OMA recorrente ou otite média com derrame, adenoidectomia.

As adenoides são massas retangulares de tecido linfático, localizadas na nasofaringe posterior. Elas são maiores em crianças com 2 a 6 anos. O aumento pode ser fisiológico ou secundário à infecção viral ou bacteriana, alergia, irritantes, e, possivelmente, refluxo gastresofágico. Outros fatores de risco incluem exposição contínua à infecção bacteriana ou viral (p. ex., várias crianças em uma creche). A hipertrofia grave pode obstruir as tubas auditivas (causando otite média), coana posterior (provocando sinusite), ou ambos.

Sinais e sintomas

Embora os pacientes com hipertrofia de adenoide possam não se queixar de sintomas, com frequência, sofrem de respiração bucal crônica, roncos noturnos, distúrbios do sono, halitose, OMA recorrente, perda auditiva condutiva (secundária à otite média recorrente ou efusões persistentes da orelha média) e voz de qualidade hiponasal. Adenoidite crônica pode também causar nasofaringite crônica ou recorrente, rinossinusite, epistaxe, halitose e tosse.

Diagnóstico

  • Nasofibrolaringoscopia

Suspeita-se de hipertrofia de adenoide em crianças e adolescentes com sintomas característicos, efusões persistentes da orelha média, otite média aguda recorrente ou rinossinusite. Sinais e sintomas similares em um adolescente podem ser resultado de angiofibroma.

Crianças com insuficiência velofaríngea, por exemplo, devido à síndrome velocardiofacial, podem apresentar hipernasal (como se muito ar escapasse pelo nariz) que deve ser diferenciada da fala hiponasal (como se estivesse com o nariz congesto) da hipertrofia de adenoide.

O padrão para avaliação no consultório da nasofaringe é a nasofibrolaringoscopia flexível. Gravação em fita do sono, muitas vezes usada para documentar o ronco, não é tão precisa nem específica. Estudo do sono pode ajudar a definir a gravidade de qualquer perturbação em consequência da obstrução crônica.

Imagens radiográficas são contraindicadas em crianças, exceto quando há alto índice de suspeita de angiofibroma ou câncer.

Tratamento

  • Tratamento da causa

  • Eventualmente adenoidectomia

Alergia subjacente é tratada com corticoides intranasais e infecção bacteriana subjacente é tratada com antibióticos.

Em crianças com efusões persistentes de orelha média ou otites médias frequentes, a adenoidectomia, muitas vezes, impede a recorrência. Crianças > 4 anos que necessitem de tubos de ventilação timpânicos costumam ser submetidas à adenoidectomia na ocasião da timpanotomia. A cirurgia também é recomendada para crianças pequenas com epistaxes recorrentes ou obstrução nasal significativa (p. ex., distúrbios do sono, mudança de voz). Ainda que exija anestesia geral, a adenoidectomia geralmente pode ser feita em nível ambulatorial, com recuperação em 48 a 72 horas. A adenoidectomia é contraindicada em insuficiência velofaríngea porque pode precipitar ou agravar a fala hipernasal.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Pressão no ouvido
Vídeo
Pressão no ouvido
O ouvido pode ser dividido em três seções: o ouvido externo, o ouvido médio e o ouvido interno...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Orelha média e orelha interna
Modelo 3D
Orelha média e orelha interna

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS