Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Fraturas dos metatarsos

Por

Danielle Campagne

, MD, University of San Francisco - Fresno

Última revisão/alteração completa jul 2019| Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Podem ocorrer fraturas nos ossos longos no meio do pé (ossos metatarsos).

Há vários tipos diferentes de fraturas do metatarso.

Fraturas por estresse

As fraturas por estresse são fraturas incompletas no osso causadas por estresse repetido em vez de uma única lesão.

  • Caminhar ou correr por um longo tempo pode resultar em uma fratura por estresse do metatarso.

  • Essas fraturas causam sensibilidade no meio do pé e dor quando se coloca todo o peso sobre o pé.

  • Fraturas por estresse podem não ser visíveis em radiografias por 2 a 3 semanas após a lesão, então os médicos às vezes realizam tomografia computadorizada ou imagem por ressonância magnética, ou podem tratar o pé como estando fraturado e repetir a radiografia dentro de 2 semanas.

  • Geralmente, parar as atividades que causaram ou agravaram a fratura e usar muletas são o único tratamento necessário.

Pode ocorrer fratura por estresse dos metatarsos quando as pessoas andam ou caminham por um longo período, por exemplo, quando subitamente elas começam a se exercitar por mais tempo ou mais intensamente.

Sintomas

A área afetada do osso metatarso fica sensível ao toque. Colocar o peso total sobre o pé aumenta a dor.

Diagnóstico

  • Radiografias

  • Às vezes, tomografia computadorizada (TC) ou imagem por ressonância magnética (RM)

(Consulte também Diagnóstico de fraturas.)

As fraturas por estresse podem não ser vistas nas radiografias se forem muito pequenas ou se as radiografias forem tiradas logo após ocorrer a fratura (antes que o osso comece a se restaurar). Cerca de 2 a 3 semanas após a lesão, uma fratura por estresse pode ser vista em radiografias à medida que se forma osso novo para reparar a fratura (consulte Como os ossos se consolidam).

Às vezes, é feita TC ou RM para procurar fraturas por estresse.

Tratamento

  • Evitar atividades que causem ou agravem a fratura por estresse

  • Muletas

  • Às vezes, um sapato ou bota com proteção, ou molde de gesso

Quando se faz um diagnóstico precoce de fratura por estresse, cessar atividades que causem ou agravem a fratura e usar muletas pode ser o único tratamento necessário.

As pessoas podem ter de usar um sapato ou bota com proteção especial para caminhar. Às vezes, é necessário gesso.

Fratura-luxação de Lisfranc

Uma fratura de Lisfranc é uma ruptura completa do segundo osso metatarso, que liga o segundo dedo do pé aos ossos da parte posterior do pé. Uma fratura-luxação de Lisfranc ocorre quando os fragmentos fraturados do osso ficam separados entre si (deslocados).

  • As fraturas-luxações de Lisfranc geralmente resultam de uma queda sobre um pé flexionado ou de uma força intensa.

  • O meio do pé fica dolorido, inchado e sensível, e a sola do pé pode apresentar hematomas.

  • Os médicos normalmente fazem radiografias de vários ângulos diferentes, mas com frequência, uma tomografia computadorizada também é necessária para identificar a lesão.

  • Normalmente, pessoas com uma fratura-luxação de Lisfranc são encaminhadas a um cirurgião ortopedista para reposicionamento cirúrgico dos fragmentos e para mantê-los no lugar ou realizar a fusão dos ossos partidos.

Em uma fratura-luxação de Lisfranc, o segundo osso metatarso é fraturado na base, e os fragmentos fraturados podem ficar separados entre si (deslocados). As fraturas-luxações de Lisfranc geralmente ocorrem quando as pessoas caem sobre um pé flexionado ou quando o pé é atingido com força intensa. Esta lesão é comum entre jogadores de futebol, motociclistas e montadores de cavalos.

Fratura do 2º osso metatarso

O 2º metatarso é fraturado próximo à sua base, e os fragmentos fraturados ficam separados entre si (deslocados). Esta lesão é chamada fratura-luxação de Lisfranc.

Fratura do 2º osso metatarso

Sintomas

Os sintomas da fratura-luxação de Lisfranc podem ser leves ou graves.

A parte média do pé fica dolorida, inchada e sensível. Se a lesão for grave, o pé pode parecer curto e a parte inferior do pé pode apresentar hematomas. Às vezes, a área fica dormente.

A fratura-luxação de Lisfranc é séria e pode resultar em dor e artrite permanentes. Pode haver desenvolvimento de síndrome compartimental. As pessoas podem ter problemas em participar de atividades extenuantes pelo resto de sua vida.

Diagnóstico

  • Radiografias

  • Muitas vezes, tomografia computadorizada (TC)

(Consulte também Diagnóstico de fraturas.)

Podem ser tiradas radiografias de vários ângulos diferentes, mas a lesão pode ser difícil de ver. Muitas vezes, tomografia computadorizada (TC) também é necessária para diagnosticar a fratura-luxação de Lisfranc. A TC pode fornecer imagens tridimensionais mais detalhadas da lesão.

Às vezes, quando a TC não está disponível, os médicos pedem que a pessoa pise com o pé machucado e, então, fazem as radiografias. Se o osso está fraturado, o peso da pessoa faz com que os ossos se separem mais, de modo que o espaço entre os ossos quebrados apareça nas radiografias e a lesão possa ser diagnosticada.

Tratamento

  • Encaminhamento a um cirurgião ortopedista

  • Cirurgia para realinhar os ossos fraturados ou fusão do osso no pé

As pessoas são geralmente hospitalizadas e examinadas por um cirurgião ortopedista o quanto antes.

Geralmente, um dos seguintes é necessário:

  • Redução aberta com fixação interna (ORIF): A ORIF consiste na colocação dos fragmentos ósseos de volta ao lugar, mantendo-os no lugar com parafusos e placas de metal

  • Fusão dos ossos no meio do pé: A fusão é semelhante à ORIF. Os fragmentos ósseos são reposicionados e mantidos no lugar, como na ORIF, mas são posicionados de modo que os ossos lesionados no meio do pé possam crescer juntos de modo a se unirem numa peça única.

Porém, esses procedimentos nem sempre restauram o pé ao seu estado anterior.

Se for necessário cirurgia, usa-se gesso para imobilizar o pé, e as pessoas são instruídas a não exercer peso sobre o pé machucado por, pelo menos, seis semanas.

Fraturas do 5º osso metatarso

(fratura de Jones; fratura de dançarino; pseudofratura de Jones)

As fraturas do 5º osso metatarso ocorrem no osso que liga o dedo mínimo aos ossos da parte posterior do pé.

  • O quinto osso metatársico pode ser fraturado na sua base (próxima ao tornozelo) ou no meio (eixo).

  • Essas fraturas podem resultar de virar o pé para dentro ou de uma lesão por esmagamento (para a base) ou de estresse repetido, ou ainda de uma lesão única (para o eixo).

  • Se a base deste osso for fraturada, a margem externa do pé fica dolorida, inchada e sensível.

  • Fraturas da base consolidam-se relativamente rápido.

  • Se o eixo for fraturado, o suprimento sanguíneo para o osso pode ser interrompido, às vezes cicatrizando lentamente ou impedindo que os ossos fraturados se unam novamente.

  • Para diagnosticar fraturas do quinto osso metatársico, os médicos tiram radiografias de diversos ângulos.

  • O tratamento de fraturas da base geralmente consiste em usar muletas e um sapato ou bota protetora de sola dura para caminhar.

  • O tratamento das fraturas do eixo pode envolver um gesso curto e muletas, sem exercer peso sobre o pé lesionado, ou às vezes, cirurgia.

O 5º osso metatarso é o osso mais comumente fraturado no pé. Essas fraturas geralmente ocorrem

  • Na base do metatarso (próximo ao tornozelo)

  • No eixo (a parte mediana longa) do metatarso

Fraturas de Jones e pseudofraturas de Jones

Fraturas de Jones e pseudofraturas de Jones

Fraturas da base

A base do 5º osso metatarso pode ser fraturada quando o pé vira para dentro ou é esmagado. Essas fraturas são às vezes chamadas de fraturas do dançarino ou pseudofraturas de Jones.

O canto externo do pé fica dolorido, inchado e sensível. Pode surgir um hematoma.

Quando os médicos suspeitam de uma fratura da base, eles tiram radiografias de vários ângulos diferentes.

Pode ser necessário utilizar muletas e calçado ou bota de proteção com sola rígida durante alguns dias. Geralmente não é necessário usar gesso. As pessoas são incentivadas a andar assim que conseguirem.

Geralmente, essas fraturas consolidam-se relativamente rápido.

Fraturas do eixo

Fraturas do eixo podem resultar de estresse repetido (fraturas por estresse) ou uma lesão única.

Essas fraturas, chamadas fraturas de Jones, são menos comuns do que as fraturas da base.

Como essas fraturas podem interromper o fornecimento de sangue para o osso, há mais probabilidade de complicações. Por exemplo, o osso pode não voltar a juntar-se (chamado não união) ou ele pode voltar a juntar-se muito lentamente (chamado retardo na união).

Quando os médicos suspeitam de uma fratura do eixo, eles tiram radiografias de vários ângulos diferentes.

Geralmente, é aplicado um gesso curto na perna para imobilizar o tornozelo. As pessoas precisam usar muletas e não devem exercer nenhum peso sobre o pé por seis semanas.

Às vezes, é necessário cirurgia e as pessoas são encaminhadas para um cirurgião ortopedista. Redução aberta com fixação interna (ORIF) pode ser feita para reposicionar os fragmentos ósseos.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Terapia de células-tronco alogênicas
Vídeo
Terapia de células-tronco alogênicas
Células-tronco são células ímpares localizadas na medula óssea ou no sangue periférico capazes...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Ruptura da coifa dos rotadores
Modelo 3D
Ruptura da coifa dos rotadores

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS