Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Alergias durante o ano todo

(Alergias perenes)

Por

Peter J. Delves

, PhD, University College London, London, UK

Última revisão/alteração completa jul 2019| Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

As alergias persistentes durante o ano todo (perenes) são o resultado da exposição, em ambientes internos, a substâncias suspensas no ar (como o pó das casas), que também estão presentes o ano todo.

  • O nariz fica congestionado, provoca prurido e às vezes escorre, e a boca e a garganta provocam prurido.

  • Os sintomas e as atividades que desencadeiam a alergia geralmente sugerem o diagnóstico.

  • O melhor é evitar o alérgeno, mas fármacos como os anti-histamínicos podem ajudar a aliviar os sintomas.

As alergias perenes podem surgir em qualquer momento do ano, sem qualquer relação com a estação, ou podem durar todo o ano. As alergias perenes são, muitas vezes, uma reação ao pó doméstico. O pó doméstico pode conter mofo e esporos de fungos, fibras de tecido, pelo de animais, excrementos de ácaros do pó e partículas de insetos. As substâncias que se encontram nas baratas e sobre elas são frequentemente a causa dos sintomas alérgicos. Essas substâncias estão presentes nas casas durante todo o ano, mas podem ocasionar sintomas mais graves durante os meses frios, quando se passa mais tempo dentro de casa. (As substâncias que desencadeiam uma reação alérgica são chamadas alérgenos.)

Em geral, as alergias perenes provocam sintomas nasais (rinite alérgica) mas não sintomas oculares (conjuntivite alérgica). No entanto, uma conjuntivite alérgica pode ocorrer quando alérgenos são inadvertidamente esfregados nos olhos. As soluções de limpeza para as lentes de contato também podem causar uma reação alérgica.

A rinite perene é frequentemente causada por algo que não uma alergia, como aspirina ou outro fármaco anti-inflamatório não esteroide (AINE) ou outra forma de rinite.

Você sabia que...

  • Pode-se dizer que as baratas são as maiores causadoras das alergias perenes.

Sintomas

O sintoma mais óbvio das alergias perenes é o nariz cronicamente obstruído. O nariz goteja, produzindo uma secreção aquosa transparente. O nariz, o céu da boca e a parte posterior da garganta podem coçar. O prurido pode começar de forma gradual ou súbita. Os espirros são frequentes.

A trompa de Eustáquio, que liga o ouvido médio à parte posterior do nariz, pode inchar. Por conseguinte, a audição pode ser afetada, especialmente nas crianças. As crianças também podem desenvolver otites crônicas. Algumas pessoas também apresentam infecções recorrentes nos seios paranasais (sinusite crônica) e crescimento no interior do nariz (pólipos nasais).

Quando são afetados, os olhos ficam umedecidos e coçam. A parte branca dos olhos pode ficar avermelhada e as pálpebras podem inchar e apresentar vermelhidão.

Muitas pessoas que sofrem de alergia perene também têm asma, possivelmente causada pelos mesmos desencadeantes de alergias (alérgenos) que contribuem para rinite alérgica e conjuntivite alérgica.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

O diagnóstico de alergias perenes baseia-se nos sintomas e nas circunstâncias nas quais ocorrem, isto é, em resposta a certas atividades, como acariciar um gato.

Teste de alergia

Testes são necessários apenas se as pessoas não responderem ao tratamento.

Em tais casos, testes cutâneos (prick test) podem ajudar a confirmar o diagnóstico e identificar o fator desencadeante dos sintomas (como ácaros do pó ou baratas). Para estes testes, coloca-se sobre a pele uma gota de cada extrato e, em seguida, pica-se a pele com uma agulha. Os médicos então verificam se ocorre uma reação de pápula (um edema pálido, levemente elevado, circundado por uma área vermelha).

Se os resultados do teste cutâneo não forem claros, realiza-se um teste de imunoglobulina (IgE) específico para o alérgeno. Para este teste, uma amostra de sangue é colhida e testada.

Prevenção

Recomenda-se, na medida do possível, evitar ou remover o alérgeno, para prevenir o desenvolvimento dos sintomas.

Se a pessoa for alérgica ao pó doméstico, pelo de animais ou outros alérgenos de ambientes internos, algumas mudanças no ambiente podem evitar ou reduzir os sintomas:

  • Retirar os objetos que acumulam pó, como bibelôs, revistas e livros

  • Remover brinquedos estofados

  • Substituir os móveis estofados e tapetes ou aspirá-los com frequência

  • Substituir as cortinas e forros por persianas

  • Lavar os lençóis, fronhas e cobertores frequentemente com água quente

  • Higienizar a casa com vapor quente

  • Os colchões e almofadas podem ser cobertos por tecidos finos que não permitem a entrada de ácaros do pó e partículas de alérgenos

  • Usar travesseiros de fibras sintéticas

  • Limpar a casa, tirando o pó, aspirando e passando pano úmido, com frequência

  • Usar ar condicionado e desumidificador para reduzir a alta umidade interna que estimula a reprodução de ácaros do pó

  • Usar aspiradores e filtros de partículas de ar de alta eficiência (HEPA)

  • Limitar os animais de estimação a certos cômodos ou mantê-los fora de casa e lavar o animal de estimação com frequência

  • Exterminar as baratas

Tratamento

  • Sprays nasais com corticosteroides

  • Anti-histamínicos

  • Descongestionantes

  • Às vezes imunoterapia com o alérgeno

  • No caso de pólipos nasais, às vezes cirurgia

Evitar o alérgeno é a melhor maneira de tratar e evitar alergias.

O tratamento farmacológico para alergias perenes é semelhante ao das alergias sazonais. Inclui sprays nasais com corticosteroides, anti-histamínicos e descongestionantes.

Um spray nasal com corticosteroide é geralmente bastante eficaz e é usado primeiro. A maioria destes sprays tem poucos efeitos colaterais, embora possam provocar sangramento nasal e dor no nariz.

É possível usar um anti-histamínico, por via oral ou como spray nasal em vez de ou conjuntamente com um spray nasal com corticosteroide. Os anti-histamínicos são frequentemente usados com um descongestionante administrado por via oral, como a pseudoefedrina.

Muitas combinações de descongestionantes com anti-histamínicos encontram-se disponíveis, sem prescrição, como dose única. No entanto, as pessoas com hipertensão arterial não devem tomar descongestionantes, a menos que o médico os recomende e vigie o seu uso. Além disso, as pessoas que tomam inibidores da monoaminoxidase (um tipo de antidepressivo) não podem tomar um produto que combine um anti-histamínico com um descongestionante.

Os anti-histamínicos podem ter efeitos colaterais, especialmente efeitos anticolinérgicos. Esses efeitos incluem sonolência, boca seca, visão turva, constipação, dificuldade na micção, confusão e tonturas.

Também há descongestionantes disponíveis sem prescrição, na forma de gotas ou sprays nasais. Estes não devem ser usados por mais que alguns dias de cada vez, pois seu uso contínuo por uma semana ou mais pode piorar ou prolongar a congestão nasal - o efeito rebote - e podem até resultar em congestão crônica.

Os efeitos colaterais tendem a diminuir e ser menos severos com sprays nasais do que com fármacos orais.

Às vezes, outros fármacos são úteis. A cromolina em forma de spray nasal está disponível com prescrição e pode ajudar a aliviar o corrimento nasal. Para ser eficaz, deve ser usado regularmente. A azelastina (um anti-histamínico) e o ipratrópio (um fármaco que inibe a acetilcolina), ambos disponíveis na forma de spray nasal com prescrição, podem ser eficazes. No entanto, esses fármacos podem provocar efeitos anticolinérgicos semelhantes aos dos anti-histamínicos ingeridos por via oral, especialmente a sonolência.

Montelucaste, um modificador dos leucotrienos disponível com prescrição, reduz a inflamação e ajuda a aliviar a coriza. Porém, a melhor de maneira de utilizá-lo ainda não foi estabelecida.

A limpeza regular dos seios paranasais com água morna e soro fisiológico pode ajudar a soltar e lavar o muco e a hidratar o revestimento nasal. Essa técnica é denominada irrigação dos seios paranasais.

Quando esses tratamentos são ineficazes, um corticosteroide pode ser administrado por via oral ou pode ser injetado durante um curto período de tempo (em geral, durante menos de 10 dias). Se forem administrados por via oral ou injetados durante muito tempo, os corticosteroides podem provocar efeitos colaterais graves.

Imunoterapia com alérgenos (dessensibilização)

Se outros tratamentos forem ineficazes, a imunoterapia com alérgenos pode ser benéfica.

A imunoterapia é necessária nas seguintes situações:

  • Quando os sintomas são graves

  • Quando o alérgeno não pode ser evitado

  • Quando os fármacos normalmente usados para tratar a rinite alérgica ou a conjuntivite não controlam os sintomas

Cirurgia

Por vezes, é necessário realizar uma intervenção cirúrgica nas pessoas com sinusite crônica e pólipos nasais, para melhorar a drenagem dos seios paranasais e eliminar o material infectado ou para extrair os pólipos. Uma irrigação dos seios nasais pode ser útil antes e após a cirurgia.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Transplante autólogo de células-tronco
Vídeo
Transplante autólogo de células-tronco
Células-tronco são células ímpares localizadas na medula óssea ou no sangue periférico capazes...
Alergias
Vídeo
Alergias
Uma alergia acontece quando o corpo reage a substâncias que ele não consegue tolerar. As substâncias...

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS