honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Deficiência de zinco

Por

Larry E. Johnson

, MD, PhD, University of Arkansas for Medical Sciences

Última revisão/alteração completa jun 2020| Última modificação do conteúdo jun 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A deficiência de zinco tem muitas causas, incluindo várias doenças, alcoolismo e uso de diuréticos.

  • As pessoas perdem o apetite, têm queda de cabelo e podem se sentir lentas e perder o paladar.

  • Os médicos medem a concentração de zinco no sangue e na urina, mas esses exames podem gerar resultados imprecisos da dosagem de zinco.

  • Suplementos de zinco ingeridos por via oral podem curar a deficiência.

O zinco é amplamente distribuído no organismo – nos ossos, dentes, cabelo, pele, fígado, músculos, glóbulos brancos e testículos. É componente de mais de 100 enzimas, incluindo algumas implicadas na formação de ácido ribonucleico (RNA) e ácido desoxirribonucleico (DNA). (Ver também Considerações gerais sobre minerais.)

A concentração de zinco no sangue depende da alimentação. O zinco é necessário para que a pele fique saudável, para que as feridas cicatrizem e para o crescimento.

Grande parte do zinco consumido na dieta não é absorvida. Uma dieta rica em fibras e fitato (presente em nozes, farelo, feijão, soja, outras leguminosas e pão integral) reduz a absorção de zinco.

Muitos quadros clínicos podem aumentar o risco de desenvolver deficiência de zinco. A deficiência devido a uma dieta pobre em zinco é rara nos países desenvolvidos. A deficiência de zinco é mais comum entre as pessoas idosas que vivem em instituições e pessoas acamadas.

Tabela
icon

What Can Cause Zinc Deficiency?

Causa

Exemplos

Dieta (uma causa pouco frequente em países desenvolvidos)

Consumo insuficiente de carne e outras proteínas

Consumo de alimentos que contêm fitatos (que inibem a absorção), como grãos integrais, cereais, milho, arroz, feijões, soja, outros legumes e nozes

Doenças

Alcoolismo

Infecções da corrente sanguínea (sepse)

Doença renal crônica

Diabetes mellitus

Doenças que prejudicam a absorção (má absorção)

Distúrbios hepáticos

Doenças do pâncreas

Anemia falciforme

Tratamentos

Diuréticos

Alimentação intravenosa por período prolongado

Na acrodermatite enteropática, uma doença hereditária rara, o zinco não pode ser absorvido.

Sintomas

Os primeiros sintomas da deficiência de zinco incluem perda de apetite e atraso no crescimento em bebês e crianças. As pessoas podem perder seus cabelos em algumas áreas. Elas podem se sentir lentas e apresentar irritabilidade. O paladar e o olfato podem ser prejudicados. Podem surgir erupções cutâneas. Nos homens, pode ocorrer a redução da produção de espermatozoides. O sistema imunológico pode ser prejudicado, e as feridas podem cicatrizar mais lentamente e não totalmente.

Se uma gestante tiver deficiência de zinco, o bebê pode apresentar defeitos congênitos e pode pesar menos do que o esperado ao nascer.

Na acrodermatite enteropática, os sintomas costumam surgir ao desmamar um bebê afetado. Esse distúrbio pode resultar em diarreia e perda de cabelo. Uma erupção cutânea se desenvolve em torno dos olhos, do nariz e da boca e nas nádegas. O sistema imunológico pode ser prejudicado, resultando em muitas infecções. Os lactentes podem não crescer como esperado.

Diagnóstico

  • Avaliação médica

  • Resposta a suplementos de zinco

  • Exames de sangue e urina

O médico suspeita da presença de deficiência de zinco tomando por base as circunstâncias e os sintomas da pessoa e o modo pelo qual ela responde aos suplementos de zinco. Exames de sangue e de urina também são realizados para medir a concentração de zinco, mas esses exames podem gerar resultados imprecisos da dosagem de zinco.

Tratamento

  • Suplementos de zinco

Suplementos de zinco são ingeridos por via oral até que os sintomas desapareçam. Os suplementos de zinco são eficazes contra acrodermatite enteropática.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS