honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Hipotensão arterial

(Hypotension)

Por

Levi D. Procter

, MD, Virginia Commonwealth University

Última revisão/alteração completa dez 2019| Última modificação do conteúdo dez 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
Recursos do assunto

A hipotensão arterial ocorre quando a pressão arterial cai a ponto de provocar sintomas como tonturas e desmaios. Uma pressão arterial muito baixa pode causar danos a órgãos, um processo chamado choque.

  • Inúmeros medicamentos e doenças podem afetar o sistema de manutenção da pressão arterial do corpo.

  • Quando a pressão arterial está muito baixa, o cérebro funciona mal e podem ocorrer desmaios.

Normalmente, o corpo mantém a pressão do sangue nas artérias situada em um intervalo limitado. Quando a pressão arterial está muito alta, os órgãos e vasos sanguíneos podem ser danificados. A pressão arterial elevada pode até mesmo causar ruptura de um vaso sanguíneo e levar à hemorragia ou outras complicações.

Quando a pressão arterial é muito baixa, não chega uma quantidade suficiente de sangue a todas as partes do corpo. Assim, as células não recebem oxigênio e nutrientes suficientes e os resíduos não são eliminados da forma adequada. Por isso, os órgãos e as células afetadas em seu interior começam a funcionar mal. A pressão arterial muito baixa pode ser fatal, já que pode provocar choque, pois a falta de fluxo sanguíneo causa danos aos órgãos.

Pessoas saudáveis com pressão arterial baixa, mas ainda dentro dos limites normais (quando medida em repouso), tendem a viver mais tempo do que pessoas com pressão arterial que esteja na extremidade alta do normal.

O corpo conta com vários mecanismos para normalizar a pressão arterial após ela aumentar ou diminuir durante as atividades normais, como exercício físico ou sono. Estes envolvem

  • Alteração do diâmetro das artérias pequenas (arteríolas) e, em menor grau, das veias

  • Alteração do volume de sangue bombeado do coração para o corpo (débito cardíaco)

  • Alteração do volume de sangue nos vasos sanguíneos

  • Alteração da posição do corpo

Alteração do diâmetro das arteríolas e veias

O tecido muscular (chamado músculo liso) dentro das paredes das arteríolas permite que esses vasos sanguíneos se alarguem (dilatem) ou estreitem (contraiam). Quanto mais contraídas as arteríolas, maior sua resistência ao fluxo sanguíneo e mais elevada a pressão arterial. A constrição das arteríolas aumenta a pressão arterial, pois mais pressão é necessária para forçar o sangue através de um espaço mais estreito. Do mesmo modo, a dilatação das arteríolas diminui a resistência ao fluxo sanguíneo, baixando, assim, a pressão arterial. O nível de constrição ou dilatação das arteríolas é afetado por

  • Nervos que contraem o músculo liso nas arteríolas reduzindo, assim, seu diâmetro

  • Hormônios que são produzidos principalmente pelos rins

  • Certos medicamentos

As veias também desempenham um papel no controle da pressão arterial, embora seu efeito na pressão arterial seja muito menor do que o das arteríolas. As veias se dilatam e contraem para modificar a quantidade de sangue que podem armazenar (capacidade). Quando as veias se contraem, sua capacidade de armazenar sangue é reduzida, o que permite que uma quantidade maior de sangue retorne ao coração, de onde será bombeado para as artérias. Consequentemente, a pressão arterial aumenta. Por outro lado, quando as veias se dilatam, sua capacidade de armazenar sangue aumenta e menos sangue retorna ao coração. Consequentemente, a pressão arterial diminui.

Alteração do débito cardíaco

Quanto mais sangue for bombeado por minuto pelo coração (ou seja, quanto maior a vazão cardíaca), maior é a pressão arterial, desde que a largura das artérias se mantenha constante. A quantidade de sangue bombeada durante cada batimento cardíaco pode ser afetada pelo seguinte:

  • Velocidade com que o coração está batendo

  • Força com que o coração se contrai

  • Volume de sangue que chega das veias ao coração

  • Pressão contra a qual o coração tem que bombear sangue nas artérias

  • Até que ponto as válvulas cardíacas deixam o sangue sair e previnem seu refluxo

Alteração do volume de sangue

Quanto maior for o volume de sangue nas artérias, maior será a pressão arterial, desde que a largura das artérias permaneça constante. O volume de sangue nas artérias é afetado pelo seguinte

  • Quantidade de líquido que há no corpo (hidratação)

  • Se as artérias muito pequenas deixam vazar líquidos (por exemplo, se os níveis de proteína no sangue forem muito baixos e/ou houver dano no interior da parede das artérias pequenas, haverá vazamento de líquido delas para os tecidos)

  • Quanto líquido os rins eliminam do sangue para excretar na urina

  • Certos medicamentos, principalmente diuréticos (medicamentos que ajudam os rins a remover a água do corpo)

Alteração da posição do corpo

A pressão arterial pode variar no corpo todo devido à ação direta da gravidade. Quando uma pessoa está de pé, a pressão arterial é mais alta nas pernas do que na cabeça, de forma muito semelhante à forma como a pressão da água no fundo de uma piscina é maior do que a da superfície. Quando a pessoa se deita, a pressão arterial tende a se igualar no corpo todo.

Quando a pessoa se levanta, o sangue nas veias das pernas tem mais dificuldade de voltar ao coração. Em resposta, o coração bombeia menos sangue e a pressão arterial pode cair temporariamente no corpo todo. Quando a pessoa se senta ou se deita, o sangue pode voltar mais facilmente para o coração e o débito cardíaco e a pressão arterial podem aumentar. Elevar as pernas acima da altura do coração pode aumentar o retorno de sangue ao coração, o que aumenta o débito cardíaco e aumenta a pressão arterial.

Monitoramento e controle da pressão arterial

Barorreceptores são células especializadas localizadas nas artérias que atuam como sensores da pressão arterial. Os sensores localizados nas grandes artérias do pescoço e do tórax são especialmente importantes. Quando os barorreceptores detectam uma alteração na pressão arterial, eles desencadeiam uma reação do corpo para manter uma pressão arterial constante. Os nervos transportam sinais desses sensores e do cérebro para

  • O coração, que recebe sinais para alterar a frequência e a intensidade dos batimentos cardíacos (alterando, assim, a quantidade de sangue bombeado). Essa alteração é uma das primeiras a ocorrer e corrige rapidamente a hipotensão arterial.

  • As arteríolas, que recebem sinais para se contrair ou se dilatar (alterando, assim, a resistência dos vasos sanguíneos).

  • As veias, que recebem sinais para se contrair ou se dilatar (alterando, assim, sua capacidade de retenção de sangue).

  • Os rins, que recebem o sinal para mudar a quantidade de líquido excretada (alterando, assim, o volume de sangue nos vasos sanguíneos) e para mudar a quantidade de hormônios que produzem (sinalizando, assim, as arteríolas para que se contraiam ou dilatem e alterem o volume de sangue). Esta alteração demora muito para produzir resultados e, por isso, é o mecanismo mais lento para a forma como o corpo controla a pressão arterial.

Por exemplo, quando uma pessoa está com sangramento, o volume sanguíneo diminui, o que também reduz a pressão arterial. Nesses casos, os sensores ativam vários processos para evitar que a pressão arterial diminua muito: A frequência cardíaca aumenta (o que consequentemente aumenta a quantidade de sangue bombeado), as veias se contraem (o que reduz sua capacidade de armazenar sangue) e as arteríolas se contraem (o que aumenta a sua resistência ao fluxo sanguíneo). Se a hemorragia for interrompida, os líquidos restantes do corpo movem-se para os vasos sanguíneos para iniciar o restabelecimento do volume sanguíneo e, consequentemente, da pressão arterial. Os rins diminuem sua produção de urina. Isso contribui para que o corpo retenha a maior quantidade de líquido possível para retornar aos vasos sanguíneos. Finalmente, a medula óssea e o baço produzem novas células sanguíneas e o volume sanguíneo é totalmente restabelecido.

Ainda assim, há limitações nas formas pelas quais o corpo consegue monitorar e controlar a pressão arterial. Por exemplo, se uma pessoa perder muito sangue rapidamente, o corpo pode não compensar a perda com rapidez suficiente, a pressão arterial pode cair e os órgãos podem começar a apresentar falência (choque).

Além disso, à medida que envelhecemos, o corpo responde de forma mais lenta às alterações da pressão arterial.

Causas

Normalmente, a hipotensão arterial resulta de um ou mais dos seguintes:

  • Dilatação das artérias pequenas (arteríolas)

  • Certos distúrbios cardíacos

  • Volume de sangue muito reduzido

A dilatação das arteríolas pode ser causada por

  • Toxinas produzidas por bactérias durante certas infecções bacterianas graves (choque séptico)

  • Certos medicamentos

  • Lesões da medula espinhal, nas quais os nervos que causam a contração das arteríolas são danificados

  • Reações alérgicas (anafilaxia)

  • Certos distúrbios endócrinos como doença de Addison

Os diversos distúrbios cardíacos que prejudicam a capacidade de bombeamento do coração e reduzem o débito cardíaco incluem

O volume de sangue muito reduzido no corpo pode ser causado por

  • Desidratação

  • Hemorragia

  • Uma doença renal

Também ocorre hipotensão arterial quando os nervos que conduzem sinais entre o cérebro e o coração e os vasos sanguíneos são danificados por distúrbios neurológicos chamados neuropatias vegetativas.

Quando uma pessoa se move rapidamente de uma posição sentada para uma posição de pé, a pressão arterial nos vasos sanguíneos para o cérebro diminui, resultando em uma sensação temporária de vertigem ou desmaio. Isso é chamado hipotensão ortostática. Ela pode ser mais pronunciada em pessoas que estão desidratadas, quentes (por exemplo, saindo de um banho quente), que têm certas doenças ou que ficaram deitadas ou sentadas por muito tempo. A hipotensão ortostática pode até mesmo causar desmaio. Na maioria das pessoas, o corpo age rapidamente para aumentar a pressão arterial e impedir que a pessoa desmaie.

Tabela
icon

Some Causes of Low Blood Pressure

O que acontece no corpo

Exemplos de causas

Comprometimento do sistema nervoso autônomo

O fluxo sanguíneo de retorno ao coração está obstruído

Durante a gravidez, pressão sobre a veia cava inferior (a veia principal que transporta o sangue oriundo das pernas) do útero quando as mulheres deitam em determinadas posições

Aumento da pressão abdominal durante esforço para urinar ou defecar ou ao levantar objetos pesados

Dilatação (alargamento) dos vasos sanguíneos

Álcool

Algumas reações alérgicas

Alguns antidepressivos, como a amitriptilina

Medicamentos anti-hipertensivos que dilatam os vasos sanguíneos (como os bloqueadores dos canais de cálcio, inibidores da enzima de conversão da angiotensina e bloqueadores dos receptores da angiotensina II)

Infecções bacterianas, se graves

Exposição ao calor

Lesão nervosa (como a causada por diabetes, amiloidose ou lesões na coluna)

Nitratos

O volume de sangue está diminuído

Diarreia

Diuréticos (medicamentos que ajudam os rins a remover a água do organismo, como furosemida e hidroclorotiazida)

Sangramento excessivo

Sudorese excessiva

Micção excessiva (um sintoma comum do diabetes não tratado ou da doença de Addison)

Os centros cerebrais de controle da pressão arterial estão inibidos

Álcool

Antidepressivos

Medicamentos anti-hipertensivos, como metildopa e clonidina

Barbitúricos

O débito cardíaco está reduzido

Dano ou mau funcionamento do músculo cardíaco (como em casos de infarto do miocárdio ou miocardite)

Sintomas

Quando a pressão arterial se encontra muito baixa, o primeiro órgão cujo funcionamento é atingido geralmente é o cérebro. O cérebro passa a funcionar mal em primeiro lugar porque está localizado na parte superior do corpo e o fluxo sanguíneo precisa vencer a gravidade para chegar ao cérebro. Por isso, a maioria das pessoas com hipotensão arterial sente tonturas ou sensação de desmaio iminente, principalmente quando estão em pé e algumas podem chegar a desmaiar. Quando desmaiam, as pessoas geralmente caem no chão, em geral com o cérebro ao nível do coração. Como resultado, o sangue pode fluir para o cérebro sem ter de vencer a gravidade e o fluxo sanguíneo para o cérebro aumenta, ajudando a protegê-lo de lesões. No entanto, se a pressão arterial estiver muito baixa, ainda há a possibilidade de lesões cerebrais. Além disso, o desmaio pode resultar em lesões sérias na cabeça ou em outras partes do corpo.

A hipotensão arterial ocasionalmente provoca falta de ar ou dor torácica devido ao fornecimento insuficiente de sangue ao músculo cardíaco (um quadro clínico chamado angina).

Todos os órgãos começam a funcionar mal se a pressão arterial se tornar muito baixa e permanecer baixa. Esse quadro clínico é conhecido como choque.

O distúrbio que provoca a hipotensão arterial pode produzir muitos outros sintomas, que não são causados diretamente pela hipotensão arterial. Por exemplo, uma infecção pode produzir febre.

Alguns sintomas aparecem quando o corpo tenta aumentar a pressão arterial que está baixa. Por exemplo, quando as arteríolas se contraem, o fluxo de sangue para a pele, para os pés e para as mãos é reduzido. Essas zonas resfriam-se e adquirem uma coloração azulada. Quando o coração bate com mais velocidade e mais força, a pessoa pode sentir palpitações (percepção dos batimentos cardíacos).

Diagnóstico

  • Medição da pressão arterial

  • Testes para determinar a causa

O médico mede a pressão arterial e o pulso enquanto a pessoa fica deitada por alguns minutos. Se a pressão arterial não estiver baixa e a pessoa se sentir bem, o médico pede que ela se levante e mede novamente a pressão arterial assim que ela se levanta e depois de alguns minutos em pé. Podem ser feitos outros exames para determinar a causa da hipotensão arterial, como:

Tratamento

  • Tratamento da causa subjacente

  • Hidratação administrada pela veia (via intravenosa)

Os médicos tratam a causa subjacente da hipotensão arterial. Em geral, também administram hidratação intravenosa se o coração puder tolerar esse volume adicional.

Dependendo da causa dos sintomas, os médicos podem recomendar o uso de meias de compressão elásticas que cobrem a panturrilha e a coxa. Isso ajudará a impulsionar o sangue das veias das pernas de volta ao coração.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS