Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Taquicardia Ventricular

Por

L. Brent Mitchell

, MD, Libin Cardiovascular Institute of Alberta, University of Calgary

Última revisão/alteração completa jul 2019| Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Taquicardia ventricular é um ritmo cardíaco iniciado nos ventrículos (câmaras inferiores do coração) e produz uma frequência cardíaca de pelo menos 120 batimentos por minuto (a frequência cardíaca normal costuma ser de 60 a 100 batimentos por minuto).

  • As pessoas quase sempre sentem palpitações e outros sintomas de insuficiência cardíaca (por exemplo, falta de ar, desconforto no peito e/ou desmaio).

  • O diagnóstico é estabelecido com base no eletrocardiograma.

  • Medicamentos e procedimentos de destruição das áreas anormais dos ventrículos podem ser usados, mas um desfibrilador automático implantável é geralmente necessário.

A taquicardia ventricular pode ser definida como uma série de batimentos ventriculares prematuros consecutivos. Por vezes, poucos batimentos desse tipo ocorrem de cada vez e, em seguida, o coração recupera seu ritmo normal. A taquicardia ventricular que dura mais de 30 segundos é chamada de taquicardia ventricular sustentada.

A taquicardia ventricular sustentada ocorre geralmente em pessoas com cardiopatias estruturais como um ataque cardíaco, insuficiência cardíaca ou uma cardiomiopatia. Ela é mais comum entre idosos. No entanto, a taquicardia ventricular desenvolve-se, raramente, em jovens que não apresentam cardiopatias estruturais. Esses jovens podem ter uma cardiopatia chamada síndrome do QT longo, possivelmente congênita ou causada pelo uso de certos medicamentos. Ela também pode ser decorrente de outros distúrbios hereditários raros, como a síndrome de Brugada (uma canalopatia cardíaca).

Sintomas

As pessoas com taquicardia ventricular manifestam, quase sempre, percepção dos batimentos cardíacos (palpitações). Elas podem sofrer de fraqueza, tonturas e/ou desconforto torácico.

Uma taquicardia ventricular sustentada é arriscada, pois os ventrículos podem não encher-se adequadamente, ou não bombear o sangue adequadamente. A pressão arterial tende a cair, provocando insuficiência cardíaca. A taquicardia ventricular sustentada também é arriscada porque pode se agravar a ponto de se converter em fibrilação ventricular – uma forma de parada cardíaca. Algumas vezes, a taquicardia ventricular causa poucos sintomas, mesmo com frequências até 200 batimentos por minuto, mas não deixa de ser extremamente perigosa.

Diagnóstico

  • Eletrocardiograma

O eletrocardiograma (ECG) é utilizado para diagnosticar a taquicardia ventricular e para determinar a necessidade de tratamento.

Tratamento

  • Conversão de batimentos cardíacos ao ritmo normal

  • Prevenção de episódios posteriores

Tratamento imediato

A taquicardia ventricular é tratada quando causa sintomas ou quando os episódios duram mais de 30 segundos, ainda que assintomáticos.

Pessoas com sintomas, particularmente se houver queda intensa da pressão arterial, precisam de cardioversão urgente (descargas elétricas aplicadas para converter o ritmo cardíaco).

Pessoas que não apresentam sintomas, mas com episódios de taquicardia ventricular com mais de 30 segundos, devem receber tratamento farmacológico ou cardioversão.

A cardioversão é dolorosa, o que requer sedação, mas é quase sempre eficaz e, apesar do incômodo, tem poucos efeitos colaterais.

O tratamento farmacológico não causa desconforto, mas não é tão eficaz quanto a cardioversão para interrupção do ritmo cardíaco anormal (arritmia), e a probabilidade de efeitos colaterais é maior. Os medicamentos mais utilizados são a amiodarona, a lidocaína e a procainamida (veja a tabela Alguns medicamentos usados no tratamento de arritmias).

Tratamento de longo prazo

O tratamento de longo prazo busca prevenir a morte súbita como prioridade, e posteriormente eliminar a arritmia. Em pessoas com taquicardia ventricular acompanhada de alguma cardiopatia subjacente, especialmente com capacidade de bombeamento debilitada, um cardioversor desfibrilador implantável (CDI, um pequeno aparelho capaz de detectar uma arritmia e descarregar um choque para corrigi-la) é geralmente usado. Esse procedimento é semelhante ao implante de um marca-passo artificial.

Alguns procedimentos podem ser realizados para destruir pequenas zonas ventriculares anormais, que podem ser identificadas no ECG como responsáveis pela taquicardia ventricular persistente. Dentre essas técnicas estão a ablação por cateter (aplicação de energia em uma frequência específica ou de frio por um cateter inserido no coração) e cirurgia de coração aberto.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Depósitos de gordura na artéria coronariana
Vídeo
Depósitos de gordura na artéria coronariana
Normalmente, as artérias coronarianas carregam sangue rico em oxigênio para o coração. Na...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Pressão arterial alta (hipertensão arterial)
Modelo 3D
Pressão arterial alta (hipertensão arterial)

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS