Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Transtorno de acumulação compulsiva

Por

Katharine A. Phillips

, MD, Weill Cornell Medical College;


Dan J. Stein

, MD, PhD, University of Cape Town

Última revisão/alteração completa set 2018| Última modificação do conteúdo set 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos

No transtorno de acumulação compulsiva, as pessoas têm grande dificuldade de descartar ou se desfazer de posses, fazendo com que os objetos se acumulem, desorganizando áreas de convívio e impossibilitando seu uso.

  • Diferentemente de colecionadores, a pessoa acumula coisas de forma desorganizada e tem dificuldade de se desfazer de coisas de pouco valor.

  • O médico diagnostica o transtorno quando a pessoa acumula posses em excesso, tem grande dificuldade de se desfazer dessas posses e sente muita angústia ou sofre diminuição da capacidade funcional devido a essa acumulação excessiva.

  • Determinados antidepressivos e a terapia cognitivo-comportamental podem ajudar.

Os sintomas da acumulação excessiva frequentemente começam durante a adolescência. O transtorno pode ser leve inicialmente, mas pode piorar gradativamente conforme a pessoa envelhece, causando problemas substanciais ao redor dos trinta anos de idade. Acredita-se que entre 2% a 6% das pessoas apresentam esse transtorno.

Sintomas

A pessoa que sofre de transtorno de acumulação compulsiva sente uma necessidade forte de guardar objetos e fica muito angustiada quando é forçada a se desfazer deles ou até mesmo quando pensa em se desfazer deles. A pessoa não tem espaço suficiente para acomodar todos os objetos acumulados. As áreas de convívio ficam tão lotadas e desorganizadas que não é possível usá-las, exceto para guardar os objetos acumulados. Por exemplo, pilhas de jornais acumulados podem encher a pia e cobrir bancadas, o fogão ou o chão da cozinha, impedindo que a cozinha seja utilizada para cozinhar.

A acumulação excessiva interfere com a capacidade da pessoa de executar atividades em casa e, às vezes, no trabalho ou na escola. Por exemplo, a pessoa pode não deixar que outras pessoas, incluindo membros da família, amigos e técnicos, entrem na casa porque se sente constrangida pela acumulação. A desordem pode ser um risco para incêndios e à segurança e é possível que a residência fique infestada por pragas. Algumas pessoas percebem que a acumulação excessiva é um problema, mas muitas não.

Na acumulação excessiva de animais, a pessoa acumula mais animais de estimação que o lugar permite, sem conseguir alimentá-los nem prestar atendimento veterinário. A pessoa deixa os animais viverem em situações anti-higiênicas. Frequentemente, o local fica abarrotado de animais e eles perdem peso e/ou adoecem. No entanto, muitas pessoas com o transtorno não reconhecem que não estão tomando o devido cuidado dos animais. As pessoas que sofrem de transtorno de acumulação de animais costumam ser bastante apegadas a eles e não querem abandoná-los.

Sem tratamento, os sintomas normalmente persistem durante toda a vida, com pouca ou nenhuma alteração.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico com base em critérios diagnósticos específicos

Os médicos diferenciam a acumulação excessiva da acumulação temporária de objetos e desorganização (por exemplo, quando a propriedade é herdada), porque a acumulação excessiva persiste. Ela difere da coleção de objetos (como livros e figurinhas) porque a acumulação excessiva, diferentemente da coleção, é desorganizada e interfere com a capacidade da pessoa de utilizar os cômodos em desordem.

O médico diagnostica o transtorno de acumulação excessiva compulsiva quando

  • A pessoa tem muita dificuldade em descartar ou se desfazer de posses, independentemente de seu valor real.

  • A pessoa guarda objetos principalmente porque ela sente que precisa fazê-lo, independentemente do valor do item.

  • As posses acumuladas congestionam e causam desorganização nas áreas de convívio (não em porões ou áreas de armazenamento) e interferem com o uso dessas áreas para seu objetivo pretendido.

  • A pessoa se sente muito angustiada com a possibilidade de ter que se desfazer de qualquer de seus bens e/ou a acumulação excessiva diminui sua capacidade funcional (no trabalho, na família ou com amigos).

Tratamento

  • Determinados antidepressivos

  • Terapia cognitivo-comportamental

O tratamento com inibidores seletivos de recaptação da serotonina (um tipo de antidepressivo) pode ajudar.

A terapia cognitivo-comportamental com foco específico no transtorno da acumulação compulsiva também pode diminuir os sintomas. Por exemplo, é possível que médico tente ajudar a pessoa a descartar os itens, se abstenha de adquirir novas posses (caso a aquisição excessiva seja um problema) e melhore sua capacidade de tomar decisões.

Uma vez que muitas pessoas não querem parar de acumular, o médico precisa utilizar técnicas motivacionais para ajudar a pessoa a participar do tratamento.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS