Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Tratamento dos Distúrbios da Pele

Por

Jonette E. Keri

, MD, PhD, University of Miami, Miller School of Medicine

Última revisão/alteração completa jun 2019| Última modificação do conteúdo jun 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Os medicamentos tópicos (aplicados diretamente na pele) constituem o tratamento principal dos distúrbios da pele. Os medicamentos sistêmicos são ingeridos por via oral ou injetados, distribuindo-se, assim, por todo o corpo. Em raras ocasiões, quando é necessário aplicar um medicamento de concentração elevada na zona afetada, o médico pode injetar um medicamento logo abaixo da pele (injeção intradérmica).

Para certos tratamentos tópicos, o sucesso da terapia também pode depender do:

  • Veículo (o princípio inativo no qual o medicamento é liberado na pele)

  • Tipo de curativo usado

Preparados tópicos

O princípio ativo, ou medicamento, em um preparado tópico, mistura-se com um princípio inativo (chamado veículo). O veículo determina a consistência do produto (por exemplo, espessa e oleosa ou fina e aquosa) e se o princípio ativo permanece na superfície ou penetra na pele. Dependendo do veículo usado, pode-se aplicar o mesmo medicamento na forma de:

  • Pomadas

  • Cremes

  • Loções

  • Banhos e imersões

  • Espumas

  • Soluções

  • Pós

  • Géis

Muitos preparados estão disponíveis em diversas potências (concentrações). A escolha do veículo depende do local em que o medicamento será aplicado, qual será seu aspecto e a conveniência de aplicá-lo e deixá-lo no local.

As pomadas (como vaselina) são oleosas e contêm muito pouca água. Elas podem fazer sujeira, são gordurosas e difíceis de lavar. As pomadas são mais apropriadas quando a pele precisa de lubrificação ou hidratação. Geralmente, são mais eficazes do que os cremes para fornecer os princípios ativos à pele. Uma certa concentração de um medicamento é mais potente em pomadas do que em cremes. As pomadas causam menos irritação do que os cremes e muito menos que géis, loções e soluções para ferimentos abertos, como erosões ou úlceras. As pomadas atuam melhor quando aplicadas após o banho ou depois de umedecer a pele com água.

Os cremes, que são as preparações mais usadas, são emulsões de óleo na água, isso quer dizer que são basicamente água com um componente de óleo. (Uma pomada, ao contrário, é um pouco de água misturada principalmente com óleo). Os cremes são fáceis de aplicar e parecem desaparecer quando esfregados na pele. Eles causam relativamente pouca irritação.

As loções são semelhantes aos cremes, mas contêm mais água. Na realidade, são suspensões de material pulverizado, finamente disperso numa base aquosa ou de óleo e água. Elas são menos eficazes que pomadas, cremes e géis para fornecer os medicamentos à pele e são consideradas de menor potência em uma certa concentração do medicamento. No entanto, as loções têm uma série de efeitos benéficos. São fáceis de aplicar na pele com pelos, e são particularmente úteis para esfriar ou secar lesões com inflamação ou supuração, como aquelas causadas por dermatite de contato, pé de atleta (tinea pedis) ou coceira de jóquei (tinea cruris).

Banhos e imersões são usados quando o tratamento deve abranger grandes áreas do corpo. Essa técnica é frequentemente usada na forma de banho de assento em tratamentos sem receita médica para problemas leves da pele, como hemorroidas. Banhos não são usados com frequência para aplicar medicamentos fortes que requerem receita médica devido à dificuldade de controlar a quantidade de medicamento fornecida.

Espumas são preparados em aerossol (líquidos armazenados sob pressão com um propelente para que a mistura possa ser dispensada) que usam uma base de álcool ou algum calmante para a pele (chamado um emoliente). Elas são rapidamente absorvidas pela pele e são usadas frequentemente em áreas do corpo cobertas de pelos.

Soluções são líquidos nos quais se dissolve um medicamento. Os líquidos mais comumente usados são álcool, propilenoglicol, polietilenoglicol e água corrente. As soluções são convenientes para aplicação, sobretudo em distúrbios do couro cabeludo como psoríase ou dermatite seborreica. As soluções tendem a secar em vez de umedecer a pele, mas o efeito secativo é útil para distúrbios da pele úmidos, que supuram (exsudam). Dependendo do veículo usado, as soluções podem causar irritação na pele, principalmente quando as soluções com álcool e propilenoglicol forem aplicadas em ferimentos abertos. Duas soluções comuns são a solução de Burow e a solução de Domeboro®, que são frequentemente usadas em imersões.

Pós são formas secas de substâncias usadas para proteger áreas em que uma região da pele fricciona outra, por exemplo, entre os dedos dos pés ou as nádegas, nas axilas ou na virilha ou sob as mamas. Os pós são usados sobre a pele amolecida e lesionada pela umidade (macerada). Podem ser misturados a medicamentos ativos, como antimicóticos.

Géis são substâncias de base aquosa ou de base alcoólica, espessas, sem óleo nem gordura. A pele não absorve os géis tão bem quanto as preparações que contêm óleo ou gordura. Assim, frequentemente eles são mais eficazes em problemas que requeiram absorção lenta, como acne, rosácea e psoríase do couro cabeludo. Os géis tendem a causar irritação em ferimentos abertos e pele enferma.

Você sabia que...

  • Se o médico precisar aumentar o efeito de um medicamento tópico, ele receitará uma pomada em vez de creme.

Tipos de medicamentos tópicos

Os medicamentos tópicos podem ser divididos em várias categorias sobrepostas:

  • Agentes de limpeza

  • Agentes protetores

  • Agentes hidratantes (emolientes)

  • Agentes de secagem

  • Agentes antiprurido

  • Agentes anti-inflamatórios

  • Agentes anti-infecciosos

  • Ceratolíticos

Agentes de limpeza

Os principais agentes de limpeza são os sabões, detergentes e solventes (uma substância líquida capaz de dissolver outras substâncias). O sabão é o agente mais popular, mas os detergentes também são usados. Os sabões são agentes de limpeza e emulsificação que contêm algum tipo de gordura ou soda cáustica, ao passo que os detergentes são fabricados a partir de derivados de petróleo. Alguns sabões ressecam a pele, mas outros têm uma base cremosa que provoca menos ressecamento.

Como os xampus infantis são excelentes agentes de limpeza e geralmente suaves para a pele, eles são bons para limpar ferimentos, cortes e abrasões e áreas ao redor dos olhos. Além disso, as pessoas que têm psoríase, eczema e outras doenças descamativas podem usar xampus infantis para retirar pele escamosa morta. No entanto, lesões que supuram (exsudam) devem, geralmente, ser limpas apenas com água e sabonetes suaves, pois os detergentes e sabões mais ásperos podem irritar a área.

Os agentes de limpeza contêm muitos compostos químicos. Por exemplo, alguns sabonetes contêm substâncias antibacterianas. Em geral, sabonetes antibacterianos não melhoram a higiene nem previnem doenças, e seu uso diário pode alterar o equilíbrio normal de bactérias na pele. Os xampus e as loções anticaspa costumam conter piritionato de zinco, sulfato de selênio ou extratos de alcatrão, que ajudam a tratar a pele escamosa, o eczema e a psoríase do couro cabeludo.

A água é o principal solvente para limpeza. Outros solventes incluem vaselina, que consegue remover da pele materiais que não é possível dissolver com água e sabão, como o alcatrão. Quantidades pequenas de álcool podem ser usadas com segurança para limpar a pele antes de se aplicar injeções ou coletar sangue. O álcool em gel pode ser usado na higienização diária das mãos quando não for possível lavar as mãos. Outros solventes, como a acetona (removedor de esmalte), a gasolina e a aguarrás, são administrados na limpeza da pele em ocasiões muito específicas. Esses solventes dissolvem os óleos naturais da pele, provocando ressecamentos e irritações significativos. Eles também podem ser absorvidos pela pele, resultando em envenenamento.

Agentes protetores

Existem muitos tipos diferentes de preparados que ajudam a proteger a pele. Os óleos e pomadas formam uma barreira oleosa que ajuda a proteger a pele descamada ou irritada e a reter a umidade. Os pós podem proteger as zonas da pele que friccionam entre si ou contra uma peça de roupa. Os curativos hidrocoloides sintéticos protegem as úlceras de decúbito (ulcerações provocadas pela pressão) e outras zonas em carne viva. Os protetores e bloqueadores solares refletem, absorvem ou filtram os raios ultravioleta nocivos.

Agentes hidratantes (emolientes)

Os hidratantes restabelecem e ajudam a manter a umidade e a oleosidade da pele. O melhor momento para aplicar um hidratante é quando a pele já está úmida, como, por exemplo, imediatamente após o banho ou ducha. Geralmente, contêm glicerina, óleo mineral ou vaselina e encontram-se disponíveis sob a forma de loções, cremes, pomadas e óleos de banho. Alguns hidratantes mais fortes contêm compostos como ureia, ácido láctico e ácido glicólico. Cremes frios são emulsões vendidas sem receita médica formadas por gorduras (por exemplo, cera de abelha) e água.

Agentes de secagem

O excesso de umidade em áreas onde há atrito de pele com pele pode provocar irritação e rompimento da pele (maceração), principalmente em pregas cutâneas onde o ambiente tende a ser mais quente e mais úmido. As regiões mais comumente afetadas são entre os dedos dos pés ou entre as nádegas, nas axilas ou nas virilhas, e sob as mamas e nas pregas cutâneas abdominais. Essas áreas úmidas quentes também constituem um ambiente propício a infecções, especialmente as causadas por fungos e bactérias.

Amido de milho e talco em pó são os agentes secantes mais comumente usados. Esses pós absorvem a umidade da superfície da pele. A maioria dos preparados de talco apenas varia em suas fragrâncias e embalagens. O talco em pó é mais eficaz do que o amido de milho, mas não é mais usado em pós infantis, pois pode causar granulomas (um tipo de inflamação crônica) quando inalado. Não se recomenda o uso de talco em pó na área genital feminina devido a preocupações envolvendo o possível risco de câncer. O amido de milho é um bom agente secante, mas às vezes pode causar infecções fúngicas. Ocasionalmente, são necessários pós superabsorventes (pós que são extremamente absorventes) para a secagem de áreas muito úmidas, como a virilha ou as axilas.

As soluções que contêm sais de alumínio são agentes secantes comuns em antitranspirantes de venda livre. Doses de sulfeto de alumínio que requerem receita médica estão disponíveis para o tratamento de transpiração excessiva.

Adstringentes são agentes secantes em forma líquida que encolhem e contraem a pele. As soluções adstringentes mais comumente usadas contêm acetato de alumínio (solução de Burow ou solução de Domeboro®). Geralmente aplicados com curativos ou em imersões, os adstringentes são usados para tratar eczemas infecciosos, lesões supurativas da pele e úlceras de decúbito. O hamamélis também é um adstringente popular de venda livre.

Agentes antiprurido

Os distúrbios da pele são geralmente acompanhados por coceira. Às vezes, a coceira e dor leve podem ser controladas com produtos comprados sem receita, como cânfora, mentol, pramoxina, óxido de zinco, ou (com receita médica nos Estados Unidos) uma mistura de lidocaína e prilocaína. A calamina tem efeito calmante, mas pode não ser eficaz contra coceira.

Os anti-histamínicos, que bloqueiam determinados tipos de reações alérgicas, são às vezes incluídos em preparados tópicos para aliviar a coceira associada às reações alérgicas. A doxepina é um anti-histamínico tópico eficaz para vários quadros clínicos. Como o anti-histamínico difenidramina (comum em muitos preparados tópicos de venda livre) pode desencadear a uma reação alérgica quando aplicado na pele, os médicos não costumam recomendá-lo. O consumo de anti-histamínicos por via oral não parece provocar esse tipo de reações; por isso, para aliviar a coceira, os anti-histamínicos orais são preferíveis aos tópicos. Benzocaína, um anestésico que era usado para aliviar a coceira, também pode desencadear reações alérgicas e, portanto, não é recomendado.

Agentes anti-inflamatórios

Os corticosteroides são os principais medicamentos tópicos usados no alívio da inflamação (edema, coceira e vermelhidão) da pele. Os corticosteroides são mais eficazes nas erupções provocadas por reações alérgicas ou inflamatórias por hera venenosa, metais, roupa, medicamentos, eczema e muitos outros. Como diminuem a resistência às infecções bacterianas e fúngicas e inibem a cicatrização de feridas, os corticosteroides geralmente não devem ser aplicados sobre zonas ou feridas infectadas. Para distúrbios parecidos com a acne, os corticosteroides tópicos tendem a não funcionar muito bem e podem, por outro lado, provocar erupções parecidas com a acne. Os corticosteroides são, às vezes, misturados com medicamentos antimicóticos para ajudar a reduzir a vermelhidão na pele e a coceira e eliminar o fungo.

Os corticosteroides tópicos são vendidos sob a forma de loções, cremes, pomadas, soluções, espumas, óleos, géis e fitas. Os cremes são mais eficazes se forem aplicados suavemente, até serem absorvidos. Geralmente, as pomadas têm o efeito mais potente. O tipo e a concentração do corticosteroide na solução determinam o seu efeito geral. A hidrocortisona está disponível em concentrações de até 1%, sem receita (todavia, concentrações de 0,5% ou menos oferecem poucos benefícios). Os preparados corticosteroides mais fortes requerem receita. Inicialmente, os médicos costumam prescrever corticosteroides fortes e, depois, outros de menor potência, à medida que o distúrbio melhora. Geralmente, os corticosteroides tópicos são aplicados 2 a 3 vezes por dia, numa camada fina, mas formulações mais fortes podem ser aplicadas apenas uma vez por dia.

Os corticosteroides devem ser usados com cuidado em áreas em que a pele é fina, como no rosto, axilas e genitais, bem como em áreas de contato natural pele a pele, como as axilas e a virilha. Os médicos geralmente usam corticosteroides mais fracos nessas áreas sensíveis no máximo por alguns dias a uma semana. O uso prolongado (por mais de um mês) em qualquer área pode provocar ruptura da pele, estrias, erupções parecidas com acne e, às vezes, reação alérgica na pele (dermatite de contato) ao próprio corticosteroide. A dermatite perioral (erupção vermelha e saliente ao redor da boca e do queixo) e, às vezes, a dermatite periorbital (uma erupção cutânea ao redor dos olhos) ocorrem como um efeito colateral mais comumente com formulações de potência média ou forte usadas no rosto e menos comumente com formulações suaves. As formulações fortes podem inibir as funções da glândula adrenal quando usadas em crianças, em grandes áreas da pele ou por longos períodos, principalmente sob curativos oclusivos (à prova de ar e de água).

Quando for necessária uma dose mais forte de corticosteroide tópico em um local ou em uma área pequena que não responde ao tratamento, o médico pode injetar o corticosteroide logo abaixo da pele ou pode aplicar uma fita plástica com infusão do corticosteroide flurandrenolida.

Outra forma de administrar uma dose forte consiste em colocar uma película de plástico fina, como a película aderente de uso doméstico, sobre o corticosteroide tópico (curativo oclusivo). A película plástica aumenta a absorção e eficácia do medicamento e, geralmente, deve permanecer durante toda a noite. Esses curativos normalmente são reservados para doenças especiais, como psoríase e eczema graves. Os riscos de usar corticosteroides sob um curativo oclusivo incluem o desenvolvimento de brotoejas (miliária), afinamento da pele (atrofia), estrias, dilatação de vasos sanguíneos na superfície da pele (telangiectasias), erupção semelhante à acne e infecções bacterianas ou fúngicas.

Vários produtos fitoterápicos que supostamente são anti-inflamatórios, entre os quais os mais populares são a camomila e a calêndula, são comumente usados em produtos comerciais, embora a sua eficácia não tenha sido bem estabelecida. Muitas vezes, os produtos fitoterápicos e “naturais” não são padronizados e geralmente provocam reações alérgicas e irritações na pele.

Preparados com alcatrão

Esses são agentes anti-inflamatórios não corticosteroides que são subprodutos da fabricação de carvão. Eles retardam a divisão das células da pele e são úteis no tratamento de distúrbios que causam produção excessiva de pele (escamação), como a psoríase. Os efeitos colaterais incluem: irritação, inflamação dos folículos (foliculite), manchas nas roupas e nos móveis e sensibilidade à luz do sol (fotossensibilidade). Esses preparados não devem ser usados na pele infectada.

Agentes anti-infecciosos

Os vírus, as bactérias, os fungos e os parasitas podem infectar a pele. A melhor forma, de longe, de prevenir essas infecções é lavar a pele cuidadosamente com água e sabão. Agentes de desinfecção fortes são geralmente usados por enfermeiras e médicos para desinfetar as mãos e prevenir a contaminação dos pacientes. Preparações antibacterianas são usadas na pele antes da cirurgia para reduzir o número de bactérias na pele e assim prevenir infecções pós-operatórias.

Se ocorrer uma infecção na pele, esta deve ser tratada com medicamentos tópicos ou sistêmicos, dependendo da gravidade e do tipo da infecção diagnosticada ou suspeita. Os agentes anti-infecciosos tópicos incluem: antibióticos, antimicóticos e inseticidas.

Os antibióticos tópicos têm poucas utilizações. Clindamicina e eritromicina são mais bem usadas como tratamento adicional para acne. Metronidazol tópico e, ocasionalmente, sulfacetamida, clindamicina ou eritromicina tópicas são usadas para rosácea. A mupirocina e os antibióticos tópicos mais recentes retapamulina e ozenoxacino podem ser usados para tratar impetigo (uma infecção estafilocócica da pele).

Antibióticos sem receita médica (vendidos em balcão), como bacitracina e polimixina, foram substituídos por vaselina de uso tópico (por exemplo, Vaseline®) em cuidados pós-operatórios de locais de biópsia de pele e para prevenir infecções em arranhões, queimaduras leves e abrasões. Esses antibióticos, e sobretudo a neomicina, podem causar reação alérgica (dermatite de contato). A vaselina é tão eficaz quanto esses antibióticos e não causa esse tipo de reação alérgica.

Os antimicóticos tópicos são boas opções para o tratamento de uma grande variedade de infecções da pele causadas por fungos (como tinha e pé de atleta). Porém, esses medicamentos tópicos não são bons para o tratamento de infecções nas unhas causadas por fungos. Normalmente, as infecções nas unhas são tratadas com antimicóticos orais (geralmente a terbinafina), mas a recaída é muito comum, mesmo quando são administrados medicamentos por via oral.

Os inseticidas (como permetrina e Malathion) são usados para tratar infestações de piolhos e sarna.

Os antissépticos tópicos não antibióticos incluem soluções iodadas (como iodopovidona e clioquinol), violeta de genciana, preparados com prata (como nitrato de prata e sulfadiazina de prata) e piritionato de zinco.

O iodo é usado para preparar a pele para a cirurgia. A violeta de genciana é usada caso seja necessário um antisséptico ou antimicrobiano e eles tiverem que ser bem baratos. Os preparados com prata (como a sulfadiazina de prata) são eficazes no tratamento de queimaduras e úlceras e possuem fortes propriedades antimicrobianas. Muitos curativos para ferimentos usam prata. O piritionato de zinco é um antimicótico e um ingrediente comum em xampus que tratam caspa causada por psoríase e dermatite seborreica.

Os ferimentos em processo de cicatrização não devem ser tratados com outros antissépticos tópicos, apenas com prata, porque os outros causam irritações e não favorecem o crescimento frágil (tecido de granulação).

Ceratolíticos

Os ceratolíticos são agentes que amolecem e soltam a camada córnea (estrato córneo) da epiderme, facilitando o processo de descamação (exfoliação) da camada mais externa da pele. Os exemplos incluem o ácido salicílico e a ureia.

O ácido salicílico em concentrações variadas é usado no tratamento de psoríase, dermatite seborreica, acne e verrugas. Os efeitos colaterais são comuns e incluem ardência, irritação e, se grandes áreas da pele forem cobertas, reações em outras regiões do corpo (reações sistêmicas) causadas pela absorção de ácido salicílico. O ácido salicílico é usado raramente em crianças e bebês, pois eles são mais suscetíveis a reações sistêmicas, exceto em concentrações muito baixas e por breves períodos.

A ureia pode ser usada para hidratar, acalmar a coceira e reduzir a descamação. Ela é usada geralmente para tratar acúmulos excessivos de pele na sola do pé (queratoderma plantar e calos), ceratose pilosa (saliências secas nas coxas e na parte de trás dos braços de pessoas com alergias) e pele com ressecamento grave (ictiose). Os efeitos colaterais são irritação e ardência. A ureia não seve ser aplicada em amplas áreas da pele.

Molhos para salada

Os curativos protegem ferimentos abertos, facilitam a cicatrização, aumentam a absorção de medicamentos e protegem as roupas. Existem dois tipos de curativos:

  • Não oclusivos (o ar pode chegar à ferida)

  • Oclusivos (as feridas são cobertas e isoladas do contato com o ar)

Curativos não oclusivos

Os curativos não oclusivos mais comuns são curativos com gaze. Eles permitem a aeração máxima da ferida enquanto esta permanecer coberta e permitem a secagem da ferida.

Os curativos úmidos-secos são curativos não oclusivos umedecidos com solução, geralmente soro fisiológico, usados para ajudar a limpar e remover (debridar) restos de tecido espesso, em crosta ou morto. Os curativos são aplicados úmidos e removidos depois que a solução tiver secado. Os materiais secos grudam no curativo.

Curativos oclusivos

Os curativos oclusivos aumentam a absorção e a eficácia (e os efeitos colaterais) dos medicamentos tópicos. Filmes impermeáveis transparentes, como polietileno (filme plástico usado na cozinha) ou curativos flexíveis, transparentes e semipermeáveis são os tipos mais comuns de curativos oclusivos. A gelatina de óxido de zinco (pasta de Unna) é um curativo oclusivo eficaz para o tratamento de inflamações da pele e úlceras nas pernas (que podem ocorrer na dermatite de estase). Os curativos hidrocoloides retiram o líquido da pele e formam um gel e são usados para acelerar a cicatrização de úlceras na pele.

Os curativos oclusivos são às vezes aplicados sobre corticosteroides para o tratamento de psoríase grave, dermatite atópica, lesões na pele do lúpus eritematoso e dermatite crônica das mãos, entre outras doenças.

Outros curativos oclusivos são usados para proteger e ajudar na cicatrização de queimaduras. Os médicos descobriram recentemente que outros tipos de ferimentos abertos também cicatrizam melhor e mais rapidamente quando mantidos úmidos e sob um curativo oclusivo. Esses curativos ajudam a manter um nível apropriado de umidade e fornecem condições para a formação da nova pele. Tais curativos incluem produtos comerciais sofisticados bem como vaselina pura ou uma pomada antibiótica sob uma bandagem.

Curativos especiais de silicone são às vezes usados para queloides.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Acne
Vídeo
Acne
A pele contém muitos folículos pilosos diminutos, ou poros. Cada poro contém um pelo e uma...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Eritema linear
Modelo 3D
Eritema linear

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS