Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Transtorno delirante

Por

Carol Tamminga

, MD, UT Southwestern Medical Dallas

Última modificação do conteúdo out 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

O transtorno delirante caracteriza-se por convicções falsas firmemente mantidas (delírios) que persistem por no mínimo 1 mês, sem outros sintomas da psicose.

O transtorno delirante se diferencia da esquizofrenia pela existência de delírios sem nenhum outro sintoma de psicose (p. ex., alucinações, desorganização da fala e do comportamento e/ou sintomas negativos). Os delírios podem ser

  • Não bizarros: envolvem situações que poderiam acontecer, tais como ser seguido, envenenado, infectado, amado a distância ou enganado pelo cônjuge ou amante.

  • Bizarro: envolvem situações implausíveis como acreditar que alguém removeu os órgãos internos sem deixar cicatriz.

Em contraste com a esquizofrenia, o transtorno delirante é relativamente incomum. O início geralmente é involucional, ocorrendo na metade ou no final da vida adulta. O funcionamento psicossocial não é tão prejudicado, como no caso da esquizofrenia, e os prejuízos surgem, em geral, diretamente da crença delirante.

Quando o transtorno delirante acontece em pacientes com mais idade, é algumas vezes chamado de parafrenia. Pode coexistir com demência leve. O médico deve ser cuidadoso para distinguir delírios de abusos de idoso anteriores relatados por paciente idoso levemente demenciado.

Sinais e sintomas

O transtorno delirante pode surgir no contexto de um transtorno de personalidade paranoide preexistente. Em tais pessoas, a desconfiança disseminada e a suspeita de outras pessoas e de suas motivações começam no início da idade adulta e se estendem por toda a vida.

Os sintomas iniciais podem incluir sensação de estar sendo explorado, preocupação com a lealdade ou a fidedignidade de amigos, tendência a ler significados ameaçadores em observações ou eventos benignos, propensão persistente a ressentimentos e facilidade de responder a descortesias percebidas.

Vários subtipos de transtorno delirante são reconhecidos:

  • Erotomaníaco: Pacientes acreditam que outra pessoa está apaixonada por eles. Esforços para contatar o objeto do delírio por meio de telefonemas, cartas, espionagem ou perseguição são comuns. As pessoas com esse subtipo podem ter conflitos com a lei relacionados ao seu comportamento.

  • De grandeza: Os pacientes acreditam que possuem grande talento ou fizeram descoberta importante.

  • De ciúmes: Os pacientes acreditam que seu cônjuge ou amante é infiel. Essa crença se baseia em conclusões incorretas, sustentadas por evidências dúbias. Eles podem recorrer à agressão física.

  • Persecutório: Os pacientes acreditam que estão sendo vítimas de uma trama, que estão sendo espionados, difamados ou importunados. Eles podem tentar obter justiça repetidamente por meio de apelos a juízes ou entidades governamentais e recorrer à violência em retaliação à perseguição imaginada.

  • Somático: O delírio se relaciona a uma função corporal; p. ex., os pacientes acreditam que possuem uma deformidade física, um determinado odor ou um parasita.

O comportamento dos pacientes não é obviamente bizarro ou estranho, e além das possíveis consequências dos seus delírios (p. ex., isolamento ou estigmatização social, dificuldades conjugais ou de trabalho), a capacidade de funcionamento dos pacientes não é acentuadamente prejudicada.

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

O diagnóstico depende predominantemente da avaliação clínica, obtenção da anamnese completa e exclusão de outras doenças específicas associadas a delírios (p. ex., uso de substâncias químicas, doença de Alzheimer, epilepsia, transtorno obsessivo-compulsivo, delirium ou outros transtornos do espectro da esquizofrenia).

A avaliação da periculosidade, especialmente da extensão em que o paciente está disposto a agir com base em seu delírio, é bastante importante.

Prognóstico

O transtorno delirante não ocasiona geralmente prejuízos ou mudanças graves na personalidade, mas as preocupações delirantes podem progredir gradualmente. A maioria dos pacientes pode continuar trabalhando desde que sua função não envolva nada relacionado com seus delírios.

Tratamento

  • Estabelecimento de um relacionamento médico-paciente eficaz.

  • Tratamento das complicações

  • Antipsicóticos às vezes

Visa estabelecer relação médico-paciente efetiva e controlar as complicações. Falta substancial de crítica é um desafio ao tratamento.

Caso se avalie os pacientes como perigosos, pode ser necessária internação.

Dados insuficientes estão disponíveis para sustentar o uso de qualquer fármaco em particular, embora as fármacos antipsicóticos possam, algumas vezes, suprimir os sintomas.

Um objetivo de tratamento de longo prazo de mudar a principal área de preocupação do paciente para longe do foco delirante e para uma área mais construtiva e gratificante é difícil, porém razoável.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral da depressão
Vídeo
Visão geral da depressão
Visão geral da esquizofrenia
Vídeo
Visão geral da esquizofrenia

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS