Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Massas pélvicas

Por

David H. Barad

, MD, MS, Center for Human Reproduction

Última modificação do conteúdo set 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Uma massa pélvica pode ser detectada durante exame ginecológico de rotina. Uma massa pélvica pode ou não ser cancerosa.

Etiologia

As massas pélvicas podem se originar de órgãos ginecológicos (colo, útero ou anexos uterinos) ou de outros órgãos pélvicos (intestino, bexiga, ureteres, músculo esquelético ou osso).

O tipo de massa tende a variar de acordo com a faixa etária.

Na lactância, os hormônios maternos intrauterinos podem estimular a formação de cistos anexiais durante os primeiros meses de vida. Esta é uma condição rara.

Na puberdade, o fluido menstrual pode se acumular e formar uma massa vaginal (hematocolpos) porque o fluxo de saída está obstruído. A causa geralmente é o hímen imperfurado; outras causas incluem malformações congênitas do útero, colo do útero ou da vagina.

Em mulheres em idade reprodutiva, a causa mais comum de aumento simétrico uterino é a gestação, que pode não ser suspeitada. Outra causa comum é o mioma uterino, que pode se estender para fora da pelve. Massas anexiais comuns incluem folículos ováricos (em geral de 5 a 8 cm) que se desenvolvem normalmente, mas não liberam o óvulo (chamados de cistos ovarianos funcionais). Esses cistos geralmente se resolvem de modo espontâneo dentro de poucos meses. Massas anexiais também podem resultar de gestação ectópica, câncer de ovário ou câncer da tuba falopiana, tumores benignos (p. ex., teratomas císticos benignos) ou hidrossalpinges. Endometriose pode causar massas isoladas ou múltiplas em qualquer localização na pelve, geralmente nos ovários.

Em mulheres na pós-menopausa, as massas pélvicas têm maior probabilidade de serem neoplásicas. Muitas massas ovarianas benignas (p. ex., endometriomas, miomas) dependem da secreção hormonal ovariana e se tornam menos comuns após a menopausa.

Avaliação

História

Obtêm-se as histórias clínica geral e ginecológica completas. Os achados podem sugerir a causa:

Exame

Durante o exame físico geral, o examinador deve procurar sinais de distúrbios não ginecológicos (p. ex., gastrointestinais, endócrinos) e ascite. Realiza-se exame ginecológico completo.

A distinção entre massas uterinas e anexiais pode ser difícil. Endometriomas geralmente são massas anexiais. Endometriose avançada pode se manifestar como massas imóveis no fundo de saco. Neoplasias anexiais, tumores benignos (p. ex., teratomas císticos benignos) e massas anexiais decorrentes de gestação ectópica costumam ser móveis. Hidrossalpinges geralmente são flutuantes, lisas, não móveis e algumas vezes bilaterais.

Em garotas jovens, massas de órgãos pélvicos podem ser palpadas no abdome, pois a pelve é muito pequena para conter massas volumosas.

Exames

Caso a presença ou origem da massa não possa ser determinada clinicamente (ginecológica versus não ginecológica), utilizam-se exames de imagem. Em geral, a ultrassonografia pélvica é realizada de início. Se não for possível delinear de maneira clara o tamanho, a localização e a consistência da massa, outro exame de imagem o fará (p. ex., TC, RM). As massas ovarianas com características radiográficas de câncer (p. ex., componente sólido, excrescências na superfície, formato irregular) requerem aspiração por agulha ou biópsia. Marcadores tumorais podem ajudar no diagnóstico de tumores específicos.

Mulheres em idade reprodutiva são examinadas quanto a gestação; se o teste for positivo, ultrassonografia, ou outros testes por imagem, nem sempre é necessária, a menos que se suspeite de gestação ectópica. Em mulheres em idade reprodutiva, massas císticas anexiais simples, de paredes finas, de 5 a 8 cm (em geral, folicular), não requerem maiores investigações, a menos que persistam por > 3 ciclos menstruais ou sejam acompanhadas por dor moderada a grave.

Pontos-chave

  • O tipo de massa pélvica tende a variar de acordo com a faixa etária.

  • Em mulheres em idade reprodutiva, a causa mais comum de aumento simétrico uterino é a gestação; outras causas comuns das massas pélvicas são fibromas e cistos ovarianos funcionais.

  • Em mulheres na pós-menopausa, as massas pélvicas têm maior probabilidade de serem neoplásicas.

  • Nas mulheres em idade reprodutiva, realizar teste de gravidez.

  • Se a avaliação clínica for inconclusiva, fazer exame de imagem; em geral, ultrassonografia pélvica é realizada primeiro.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS