Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Bloqueio atrioventricular

(Bloco AV)

Por

L. Brent Mitchell

, MD, Libin Cardiovascular Institute of Alberta, University of Calgary

Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Recursos do assunto

BAV é a interrupção parcial ou completa da transmissão do impulso dos átrios aos ventrículos. As causas mais comuns são fibrose e esclerose idiopáticas do sistema de condução. O diagnóstico é realizado por ECG; os sintomas e o tratamento dependem do grau do bloqueio, mas o tratamento, quando necessário, geralmente envolve estimulação artificial.

As causas mais comuns do bloqueio AV são

  • Fibrose idiopática e esclerose do sistema de condução (cerca de 50% dos pacientes)

  • Doença cardíaca isquêmica (40%)

Os demais casos de bloqueio AV são provocados por

  • Fármacos (p. ex., betabloqueadores, bloqueadores do canal de cálcio, digoxina, amiodarona)

  • Tônus vagal aumentado

  • Valvulopatia

  • Doenças cardíacas congênitas, genéticas ou outras

O bloqueio atrioventricular pode ser parcial ou completo. Bloqueios de primeiro e segundo grau são parciais. Bloqueios de terceiro grau são completos.

BAV de primeiro grau

Todas as ondas P normais são seguidas por um complexo QRS, mas o intervalo PR é mais longo que o normal (> 0,20 s — ver figura Bloqueio atrioventricular).

Bloqueio atrioventricular de primeiro grau

Para BAV de 1º grau, a condução é alentecida, sem falha de batimento. Todas as ondas P normais são seguidas de complexos QRS, mas o intervalo P-R é mais longo do que o normal (> 0,2 segundos).

Bloqueio atrioventricular de primeiro grau

O BAV de primeiro grau pode ser fisiológico em pacientes mais jovens com tônus vagal exacerbado e em atletas bem treinados. O BAV de primeiro grau raramente é sintomático e não é necessário nenhum tratamento, mas pode ser indicada investigação ulterior, quando estiver acompanhado de outra cardiopatia ou aparentemente ser causado por fármacos.

BAV de segundo grau

Algumas ondas P normais são sucedidas por complexos QRS, mas outras não. Há dois tipos:

  • Mobitz tipo I

  • Mobitz tipo II

No bloqueio AV de 2º grau de Mobitz tipo I, o intervalo PR prolonga-se progressivamente a cada batimento até que o impulso atrial não é conduzido e o complexo QRS não ocorre (fenômeno de Wenckebach ); a condução nodal AV é retomada no próximo batimento e a sequência se repete (ver figura Bloqueio AV de 2º grau Mobitz tipo I).

Bloqueio atrioventricular de 2º grau Mobitz tipo I

O intervalo P-R aumenta progressivamente a cada batimento até que o batimento atrial não é conduzido e não há complexo QRS (fenômeno de Wenckebach); a condução nodal AV continua no próximo batimento e a sequência se repete.

Bloqueio atrioventricular de 2º grau Mobitz tipo I

O BAV de 2º grau Mobitz tipo I pode ser fisiológico em pacientes mais jovens e atléticos. O bloqueio ocorre no nó AV em cerca de 75% dos pacientes com complexo QRS estreito e em pontos infranodais (feixe de His ou seus ramos ou fascículos) em repouso. Se o bloqueio tornar-se completo, desenvolve-se caracteristicamente um ritmo de escape juncional mais seguro. Dessa forma, o tratamento é desnecessário, a menos que o bloqueio provoque bradicardia sintomática e as causas reversíveis e transitórias tenham sido excluídas. O tratamento é o implante de marca-passo, o que também pode beneficiar pacientes assintomáticos com BAV de 2º grau Mobitz tipo I em pontos infranodais, detectados por estudo eletrofisiológico efetuado por outras razões.

No BAV de 2º grau, Mobitz tipo II, o intervalo P-R permanece constante. Os batimentos deixam de ser conduzidos de forma intermitente e os complexos QRS não ocorrem, geralmente em um ciclo repetitivo a cada 3ª (bloqueio 3:1) ou 4ª (bloqueio 4:1) onda P (ver figura Bloqueio AV de 2º grau, Mobitz tipo II).

Bloqueio atrioventricular de 2º grau Mobitz tipo I

O intervalo P-R permanece constante. Os batimentos são intermitentemente não conduzidos e há falha de complexos QRS, geralmente em um ciclo repetido a cada 3 (bloqueio 3:1) ou 4 (bloqueio 4:1) ondas P.

Bloqueio atrioventricular de 2º grau Mobitz tipo I

O BAV de 2º grau, Mobitz tipo II, sempre é patológico; o bloqueio ocorre no feixe de His em 20% dos pacientes e nos ramos nos demais. Os pacientes podem ser assintomáticos ou desenvolver sensação de desfalecimento, pré-síncope e síncope, dependendo da razão dos batimentos conduzidos e bloqueados. Os pacientes têm risco de desenvolver BAV completo ou de grau avançado e sintomático, no qual o ritmo de escape tem probabilidade de ser ventricular, com frequência muito baixa e incapaz de manter a perfusão sistêmica; por isso, o implante de marca-passo está indicado.

No bloqueio AV de 2º grau mais grave, toda 2ª onda P (ou mais) é bloqueada (ver figura Bloqueio AV de 2º grau – avançado).

BAV de segundo grau (avançado)

Toda 2ª onda P é bloqueada neste exemplo de bloqueio AV de 2º grau avançado.

BAV de segundo grau (avançado)

A distinção entre bloqueios Mobitz tipos I e II é difícil de ser efetuada, pois 2 ondas P nunca são conduzidas em uma série. Também é difícil prever o risco de bloqueio AV total, e o implante de um marca-passo costuma ser indicado.

Os pacientes com qualquer forma de BAV de 2º grau e cardiopatia estrutural devem ser considerados candidatos a marca-passo permanente, a menos que exista causa reversível ou transitória.

Bloqueio atrioventricular de terceiro grau

O bloqueio cardíaco é total no bloqueio AV de 3º grau (ver figura Bloqueio AV de 3º grau).

Bloqueio atrioventricular de terceiro grau

Não há nenhuma relação entre ondas P e os complexos QRS (dissociação AV) no bloqueio AV de 3º grau. A frequência da onda P é maior do que a frequência QRS. O ritmo subjacente aqui é um ritmo de escape juncional com complexos QRS estreitos e uma frequência de aproximadamente 65 batimentos/minuto.

Bloqueio atrioventricular de terceiro grau

Não existe nenhuma comunicação elétrica entre átrios e ventrículos e não há qualquer relação entre ondas P e complexos QRS (dissociação AV). A função cardíaca é mantida por escape juncional ou marca-passo ventricular. Os ritmos de escape que se originam acima da bifurcação do feixe de His registram complexos QRS estreitos, frequência cardíaca relativamente rápidas (> 40 bpm) e seguras e sintomas leves (p. ex., fadiga, sensação de desfalecimento relacionada à postura e intolerância ao esforço). Os ritmos de escape que se originam abaixo da bifurcação registram complexos QRS mais largos, frequências cardíacas mais baixas e inadequadas e sintomas mais graves (p. ex., pré-síncope, síncope e insuficiência cardíaca). Os sinais são aqueles da dissociação AV, como ondas a em canhão, flutuações da pressão arterial e alterações de intensidade da B1. O risco de síncope relacionada à assistolia e morte súbita será maior, se o ritmo de escape for lento.

A maioria dos pacientes necessita de implante de marca-passo. Se o bloqueio for provocado por fármacos antiarrítmicos, a interrupção do fármaco pode ser efetiva, embora possa ser necessário marca-passo temporário. O bloqueio causado pelo infarto agudo do miocárdio de parede inferior geralmente reflete a disfunção do nodo atrioventricular e pode responder à atropina ou resolver espontaneamente em alguns dias. O bloqueio causado por infarto do miocárdio anterior geralmente reflete necrose miocárdica extensa comprometendo o sistema His-Purkinje e requer implante imediato de marca-passo transvenoso, com período de estimulação artificial externa, se necessário. Pode haver resolução espontânea, mas é indicada avaliação da condução nodal AV e infranodal (p. ex., estudo eletrofisiológico, teste de esforço e ECG de 24 horas).

A maioria dos pacientes com BAV de 3º grau congênito tem ritmo de escape juncional, mantendo frequência razoável, mas requer marca-passo permanente antes de atingir a meia-idade. De maneira menos comum, os portadores de BAV congênito têm ritmo de escape lento e exigem marca-passo permanente em idade mais jovem, talvez até durante a infância.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral da taquicardia reentrante atrioventricular...
Vídeo
Visão geral da taquicardia reentrante atrioventricular...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Sistema linfático
Modelo 3D
Sistema linfático

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS