Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Halitose

(Fetor oris; mau hálito; halitose)

Por

Bernard J. Hennessy

, DDS, Texas A&M University, College of Dentistry

Última modificação do conteúdo ago 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

A halitose é odor desagradável do hálito frequente ou persistente.

Fisiopatologia

A halitose quase sempre resulta da fermentação de partículas alimentares da boca por bactérias anaeróbias Gram-negativas, produzindo compostos sulfúricos voláteis, como sulfeto de hidrogênio e metilmercaptano. As bactérias causadoras podem estar presentes em áreas de doença periodontal, sobretudo quando há ulceração ou necrose. Os microrganismos causadores se localizam em bolsas periodontais profundas ao redor dos dentes. Em pacientes com tecido periodontal saudável, essas bactérias podem se proliferar na porção dorsal posterior da língua.

Fatores que contribuem para o crescimento excessivo dessas bactérias causadoras do mau hálito são a redução do fluxo de saliva (p. ex., por parotídea, síndrome de Sjögren ou uso de anticolinérgicos), estagnação salivar e aumento do pH salivar.

Algumas comidas e condimentos, depois de digeridos, liberam o odor daquela substância nos pulmões; o odor exalado pode ser desagradável às outras pessoas. Por exemplo, o odor do alho é notado por outros no hálito mesmo 2 a 3 h após seu consumo, bem após já ter deixado a boca.

Etiologia

Aproximadamente 85% dos casos resultam de alterações orais. Uma variedade de distúrbios sistêmicos e extraorais é responsável pelos demais casos (ver tabela Algumas causas de halitose).

As causas mais comuns, em geral, são as seguintes:

Transtornos gastrintestinais raramente causam halitose, pois o esôfago está quase sempre colapsado. É mito que o odor do hálito reflete o estado de digestão e função intestinal.

Outros odores do hálito

Muitas doenças sistêmicas produzem substâncias voláteis detectáveis no hálito, embora não sejam de odor necessariamente desagradável, pungente, como a halitose é tipicamente caracterizada. A cetoacidose diabética (CAD) produz odor doce ou frutado de cetona; a insuficiência hepática produz odor discretamente sulfuroso; e insuficiência renal provoca odor de urina ou amônia.

Tabela
icon

Algumas causas de halitose

Causa

Achados sugestivos

Abordagem diagnóstica

Condições bucais

Bactérias no dorso lingual

Raspado lingual malcheiroso, tecido oral saudável

Avaliação clínica

Doença gengival ou periodontal

Doenças orais, muitas vezes incluindo sangramento e/ou exsudato purulento

Aparente durante o exame

Com frequência, história de má higiene oral

Avaliação clínica

Consulta odontológica

Câncer oral necrótico (raro — muitas vezes identificado antes de se tornar necrótico)

Lesão geralmente identificável durante o exame

Pacientes mais idosos, com história frequente de uso de tabaco, álcool ou ambos

Biópsia, TC ou RM

Distúrbios extraorais

Corpo estranho nasal*

Frequentemente em crianças

Rinorreia purulenta ou sanguinolenta

Visível ao exame

Avaliação clínica

Às vezes, exames de imagem

Câncer nasofaríngeo necrótico*

Desconforto à deglutição

Avaliação clínica

Infecção pulmonar necrótica (p. ex., abscesso pulmonar, bronquiectasia, corpo estranho)

Tosse produtiva

Febres

Radiografia de tórax

Culturas de escarro

Às vezes, TC ou broncoscopia

Halitose psicogênica

Mau cheiro não detectado por outros

História frequente de outras queixas hipocondríacas

Avaliação clínica

Infecção sinusal*

Rinorreia purulenta

Dor facial, cefaleia ou ambas

Avaliação clínica

Às vezes, TC

Regurgitação de alimentos não digeridos ao deitar ou curvar-se

Videoesofagograma com bário ou endoscopia gastrointestinal superior

Substâncias ingeridas

Bebidas alcoólicas, alho, cebola, tabaco

História de uso

Avaliação clínica

Evitar por tentativas

*Mau odor é tipicamente mais proeminente a partir do nariz do que da boca.

Geralmente, diagnóstico de exclusão após o exame descartar outras causas.

Avaliação

História

A história da doença atual deve abordar a duração e gravidade da halitose (inclusive se outras pessoas têm notado ou reclamado do mau cheiro), adequação da higiene oral do paciente e relação entre a halitose e a ingestão de alimentos que causam mau cheiro oral (ver tabela Algumas causas de halitose).

A revisão dos sistemas deve buscar sintomas de distúrbios causadores, incluindo rinorreia, cefaleia ou dor facial (sinusite, corpo estranho nasal); tosse produtiva e febre (infecção pulmonar); e regurgitação de alimentos não digeridos ao deitar ou curvar-se (divertículo de Zenker). Fatores predisponentes, como boca seca, olhos secos, ou ambos (síndrome de Sjögren), devem ser observados.

A história clínica deve abordar duração e cargas etílica e tabágica. Na história de fármacos concomitantes, deve-se fazer perguntas específicas sobre fármacos que possam causar xerostomia (p. ex., os anticolinérgicos — ver tabela Algumas causas de xerostomia).

Exame físico

Sinais vitais são revisados, principalmente na presença de febre.

O nariz é avaliado quanto à presença de rinorreia e corpos estranhos.

A boca é examinada em busca de doença periodontal, infecção dental e câncer. Observam-se sinais de ressecamento aparente (p. ex., se a mucosa está seca, grudenta ou úmida; se a saliva tem aparência espumosa, pegajosa ou normal).

A faringe é examinada para sinais de infecção e câncer.

Teste olfatório

Um teste olfatório é realizado. Em geral, as causas orais da halitose resultam em cheiro de podre, pungente, enquanto as causas sistêmicas geram odor mais sutil e incomum. Idealmente, 48 h antes do exame, o paciente deve evitar ingerir alho ou cebola, e 2 h antes, o paciente se abstém de comer, mastigar, beber, gargarejar, enxaguar a boca ou fumar. Durante o teste, o paciente deve expirar a 10 cm do nariz do examinador, primeiramente pela boca e, em seguida, com a boca fechada. Mau cheiro percebido como pior pela boca sugere etiologia oral; mau cheiro percebido como pior pelo nariz sugere etiologia nasal ou sinusal. Mau cheiro semelhante tanto na boca como no nariz pode sugerir causa pulmonar ou sistêmica.

Se o local de origem é incerto, a porção posterior do dorso da língua deve ser raspada com uma colher. Depois de 5 segundos, a colher é deixada a 5 cm do nariz do examinador; mau cheiro sugere que o mau hálito é causado por bactérias presentes na língua.

Sinais de alerta

Os achados a seguir são particularmente preocupantes:

  • Febre

  • Rinorreia ou escarro purulento

  • Lesões orais visíveis ou palpáveis

Interpretação dos achados

Como as causas orais são de longe as mais comuns, pode-se presumir que qualquer doença oral visível seja a causa da halitose nos pacientes sem sinais ou sintomas extraorais, e deve-se consultar um dentista. Quando há doenças concomitantes, os achados clínicos geralmente sugerem o diagnóstico (ver tabela Algumas causas de halitose).

Em pacientes cujos sintomas parecem estar relacionados à ingestão de alguns alimentos ou bebidas e que não têm outros resultados, teste terapêutico de suspensão dessas substâncias (seguido de teste olfatório) pode esclarecer o diagnóstico.

Exames

Exames complementares não devem ser extensivamente solicitados, exceto quando a anamnese e o exame físico sugerirem doença subjacente (ver tabela Algumas causas de halitose). Há monitores portáteis para detectar enxofre, cromatografia gasosa e testes químicos para raspado lingual disponíveis, porém são mais indicados em protocolos de pesquisa ou em consultórios odontológicos especializados na avaliação e no tratamento da halitose.

Tratamento

  • Higiene bucal regular e cuidado odontológico

  • Tratamento da causa

Doenças subjacentes são tratadas.

Se a origem é oral, o paciente deve visitar um dentista para limpeza bucal profissional e tratamento de doença gengival e cáries. O tratamento domiciliar envolve melhora da higiene oral, incluindo escovação dental e uso de fio dental minuciosamente, bem como o ato de escovar o dorso da língua ou usar um limpador de língua. Enxaguantes bucais têm benefício limitado, mas alguns com formulações oxidantes (tipicamente contendo dióxido de cloro) demonstraram maior sucesso a curto prazo. Se o paciente tem história de abuso de álcool, enxaguantes bucais não alcoólicos devem ser usados. Halitose psicogênica pode exigir consulta psiquiátrica.

Fundamentos de geriatria

Os idosos têm maior probabilidade de tomar fármacos que causam ressecamento da mucosa oral, o que dificulta a higiene oral (assim como a limitação da destreza manual e as doenças como artrite reumatoide e doença de Parkinson) e, por isso, têm halitose, mas do contrário não são mais propensos à halitose. Ainda, os tumores malignos de boca são mais comuns quanto maior a idade, e despertam preocupação maior do que em pacientes mais jovens.

Pontos-chave

  • A maioria dos casos de halitose resulta da fermentação de partículas de alimentos por anaeróbios Gram-negativos que residem em torno dos dentes e no dorso da língua.

  • Distúrbios extraorais podem provocar halitose, mas estão muitas vezes acompanhados de achados sugestivos.

  • É mito que o odor do hálito reflete o estado de digestão e função intestinal.

  • Enxaguatórios bucais promovem benefício apenas temporário.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS