Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Meningiomas

Por

Steven A. Goldman

, MD, PhD, University of Rochester Medical Center;


Nimish A. Mohile

, MD, University of Rochester Medical Center

Última modificação do conteúdo jun 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Os meningiomas são tumores benignos das meninges que podem comprimir os tecidos cerebrais adjacentes. Os sintomas dependem da localização do tumor. O diagnóstico é feito por RM com contraste. O tratamento pode incluir excisão, radiocirurgia estereotáxica e, às vezes, radioterapia.

Os meningiomas, em particular os com diâmetro < 2 cm, estão entre os tumores intracranianos mais comuns. Os meningiomas são os únicos tumores cerebrais mais comuns em mulheres. Tendem a ocorrer entre 40 e 60 anos de idade, mas podem surgir na infância.

Esses tumores benignos podem se desenvolver em qualquer porção da dura-máter, com mais frequência sobre as convexidades, próximo aos seios venosos, na base do crânio e na fossa posterior e, raramente, nos ventrículos. Pode haver múltiplos meningiomas. Os meningiomas comprimem, mas não invadem, o parênquima cerebral. Podem invadir e distorcer o osso adjacente.

Há vários tipos histológicos, todos com evolução clínica similar e alguns se tornam malignos.

Sinais e sintomas

Os sintomas dos meningiomas dependem da parte do cérebro que está sendo comprimida e, portanto, da localização do tumor ( Sintomas dos meningiomas de acordo com o local). Os tumores da linha média em idosos podem causar demência com outros poucos achados focais.

Tabela
icon

Sintomas dos meningiomas de acordo com o local

Local

Achados

Base do crânio

Perda visual

Paralisias oculomotoras

Exoftalmo

Convexidades cerebrais

Crises epilépticas focais

Déficits cognitivos

Finalmente, sinais de elevação da pressão intracraniana

Clivo e osso petroso apical

Transtornos da marcha

Ataxia de membros

Déficits referentes aos V, VII e VIII pares cranianos

Forame magno

Dor suboccipital ipsolateral

Paresia que se inicia no membro superior ipsolateral, evolui para o membro inferior ipsolateral e depois para o membro inferior e o membro superior contralaterais

Às vezes, sinal de Lhermitte

Déficits de pares cranianos (p. ex., disfagia, disartria, nistagmo, diplopia, hipoestesia facial)

Sulco olfatório

Anosmia

Algumas vezes papiledema e perda visual

Parassagital ou foice

Paresia espástica ou perda sensorial, geralmente iniciada no membro inferior contralateral, ocasionalmente bilateral

Déficits cognitivos

Tumores da fossa tentorial posterior que se estendem superiormente ou inferiormente

Hidrocefalia

Asa esfenoidal:

  • Medial (crescimento para o interior do seio cavernoso)

Paralisias oculomotoras

Dormência facial

  • Meio (crescendo anteriormente na órbita)

Perda visual

Exoftalmo

  • Lateral (como massa globular ou meningioma em placa*)

Convulsões

Cefaleias

Tubérculo selar

Perda visual

Alterações ósseas, às vezes visíveis em imagem

*Meningioma em placa envolve disseminação para a dura, com espessamento dural e invasão do osso adjacente; o tumor algumas vezes cresce no osso temporal.

Diagnóstico

  • RM

O diagnóstico dos meningiomas é semelhante ao de outros tumores cerebrais, geralmente por RM com contraste paramagnético. Anormalidades ósseas (p. ex., atrofia cerebral, hiperostose ao redor de convexidades cerebrais, alterações no tubérculo selar) podem ser encontradas incidentalmente em TC ou radiografias simples.

Tratamento

  • Para os sintomáticos ou meningiomas em crescimento, excisão cirúrgica ou radioterapia

Os meningiomas assintomáticos pequenos, particularmente em adultos idosos, podem ser acompanhados com exames seriados de imagem neurológica.

Os meningiomas sintomáticos ou que apresentam crescimento, devem ser removidos, se possível. Nos casos a seguir, a cirurgia pode causar mais danos do que o tumor e, portanto, é descartada:

  • Os meningiomas são grandes.

  • Invadem os vasos sanguíneos (geralmente as veias adjacentes).

  • Estão próximos de regiões críticas do cérebro (p. ex., tronco cerebral).

A radiocirurgia estereotáxica é utilizada para meningiomas inacessíveis por cirurgia e de maneira eletiva no caso de outros meningiomas. Também é usada quando resta tecido tumoral após excisão cirúrgica ou quando o paciente é idoso.

Se for impossível realizar a radiocirurgia estereotáxica, ou o meningioma recidivar, a radioterapia poderá ser útil.

Pontos-chave

  • Os meningiomas são tumores das meninges que normalmente, mas nem sempre, são benignos.

  • Eles costumam ocorrer entre os 40 e 60 anos de idade e são mais comuns em mulheres.

  • Os sintomas podem variar significativamente de acordo com o local do tumor.

  • Excisar tumores sintomáticos ou que se alargam; usar radiocirurgia estereotáxica se o tumor permanece após a excisão ou não pode ser extirpado completamente.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como fazer o exame dos nervos cranianos
Vídeo
Como fazer o exame dos nervos cranianos
Modelos 3D
Visualizar tudo
Impulso neural
Modelo 3D
Impulso neural

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS