Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Cãibras musculares

Por

Michael C. Levin

, MD, College of Medicine, University of Saskatchewan

Última modificação do conteúdo jan 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Cãibra muscular é uma contração breve, involuntária e dolorosa de um músculo ou grupo de músculos. Cãibras comumente ocorrem em pessoas saudáveis (geralmente aquelas de meia idade e idosos), às vezes durante o repouso, mas particularmente durante ou após exercícios ou à noite (incluindo durante o sono). Cãibras nas pernas à noite costumam ocorrer na panturrilha e causar flexão plantar do pé e dedos do pé.

Outros distúrbios podem simular cãibras:

  • Distonias podem causar espasmo muscular, mas os sintomas geralmente são mais sustentados e recorrentes e envolvem músculos além daqueles afetados por cãibras típicas no membro inferior (p. ex., pescoço, mãos, face, músculos por todo o corpo).

  • Tetania pode causar espasmo muscular, mas o espasmo geralmente é mais sustentado (muitas vezes com contrações musculares breves repetitivas); é geralmente bilateral e difusa, mas espasmo carpopedal isolado pode ocorrer.

  • Isquemia muscular durante esforços em pacientes com doença arterial periférica (claudicação) pode causar dor na panturrilha, mas essa dor é devido ao fluxo inadequado de sangue para os músculos, e os músculos não se contraem como com uma cãibra.

  • Cãibras ilusórias são a sensação de cãibras na ausência de contração muscular ou isquemia.

Causas

Os tipos mais comuns de cãibras nas pernas são

  • Cãibras idiopáticas benignas no membro inferior (cãibras nas pernas na ausência de uma doença causadora, geralmente à noite)

  • Cãibras musculares associadas a exercícios (cãibras durante ou imediatamente após o exercício)

Embora quase todo mundo tenha cãibras musculares em algum momento, alguns fatores aumentam o risco e a gravidade das cãibras. Eles incluem:

  • Músculos rígidos da panturrilha (p. ex., devido à falta de alongamento, inatividade ou, às vezes, edema crônico na parte inferior do membro inferior)

  • Desidratação

  • Anormalidades de electrólitos (p. ex., níveis corporais baixos de potássio ou magnésio)

  • Disfunções neurológicas e metabólicas

  • Fármacos

Além disso, certas toxinas podem causar cãibras musculares.

Tabela
icon

Alguns fármacos e distúrbios associados a cãibras musculares

Causa

Achados sugestivos

Diagnóstico confirmado por

Fármacos

Fármacos contributivos: bloqueadores dos receptores da angiotensina II, cisplatina, clofibrato, diuréticos, donepezil, fármacos com efeitos agonistas beta-adrenérgicos (incluindo broncodilatadores e alguns betabloqueadores), lovastatina, contraceptivos orais, pirazinamida, raloxifeno, estimulantes (p. ex., anfetaminas, cafeína, cocaína, efedrina, nicotina, pseudoefedrina), teriparatide, tolcapona, vincristina

Síndromes de abstinência: álcool, barbitúricos, benzodiazepínicos, sedativos hipnóticos

Em pacientes tomando um fármaco causador

Avaliação clínica, incluindo algumas vezes, ensaio da suspensão do fármaco suspeito

Doenças

Anormalidades de depleção no volume de líquidos extracelulares e/ou eletrólitos (p. ex., hipocalcemia ionizada, níveis baixos corporais de potássio ou magnésio)

Algumas vezes, transpiração excessiva, vômitos, diarreia, uso de um diurético, sinais de desidratação

Às vezes ocorrendo durante ou após hemodiálise ou durante gestação tardia (provavelmente relacionada a baixo nível corporal de magnésio)

Algumas vezes, níveis séricos de potássio, magnésio e/ou cálcio ionizado

Doenças metabólicas (p. ex., alcoolismo, hipotireoidismo)

Alcoolismo: história de uso excessivo; às vezes ascite, ginecomastia, angiomas em aranha, atrofia testicular

Hipotireoidismo: intolerância ao frio, constipação, fadiga, reflexos lentos

Alcoolismo: avaliação clínica

Hipotireoidismo: testes para função tireoidiana

Miopatias

Fraqueza, perda sensorial, dor e/ou hiporreflexia em um nervo periférico, plexo ou distribuição da raiz nervosa

Fasciculações

Na doença do neurônio motor, fraqueza que começa em uma das mãos ou em um dos pés

Avaliação clínica

Às vezes ecocardiograma, estudos da condução nervosa e/ou RM da coluna

Anormalidades musculoesqueléticas

Músculos rígidos da panturrilha, história de permanecer sentado por muito tempo

Em pacientes com distúrbios estruturais (p. ex., pés chatos, genu recurvatum)

Avaliação clínica

Cãibras musculares associadas a exercícios

Cãibras dos músculos envolvidos durante exercícios ou nas poucas horas após os exercícios

Avaliação clínica

Cãibras idiopáticas benignas nas pernas

Cãibras não provocadas e inexplicáveis, tipicamente nos músculos da panturrilha e à noite

Geralmente, músculos rígidos da panturrilha

Avaliação clínica

EMG = eletromiografia.

Avaliação

A avaliação das cãibras musculares é voltada para o reconhecimento daquilo que é tratável. Em muitos casos, uma doença contribui para cãibras que já foi diagnosticada ou causa outros sintomas que são mais incômodos do que cãibras.

Cãibras devem ser diferenciadas de claudicação e distonias; a avaliação clínica é geralmente adequada.

História

A história da doença atual deve obter uma descrição das cãibras, incluindo sua duração, frequência, localização e gatilhos aparentes e quaisquer sintomas associados. Sintomas que podem estar relacionados a doenças neurológicas ou musculares podem incluir rigidez muscular, fraqueza, dor e perda de sensação. Fatores que podem contribuir para desidratação ou desequilíbrios de eletrólitos ou líquidos corporais (p. ex., vômitos, diarreia, exercício excessivo e sudorese, diálise recente, uso de diuréticos, gestação) são registrados.

A revisão dos sistemas deve buscar sintomas das possíveis causas, incluindo:

A história clínica deve incluir quaisquer distúrbios que podem causar cãibras. História completa de fármacos, incluindo o uso de álcool, é tomado.

Exame físico

O exame geral deve incluir a pele, procurando estigmas de alcoolismo, edema não depressível ou perda de pelo nas sobrancelhas (sugerindo hipotiroidismo), e alterações na hidratação da pele ou turgor. Exame neurológico, incluindo reflexos profundos do tendão, é feito.

Os pulsos devem ser palpados, e a pressão arterial deve ser medida em todas as extremidades. Pulso fraco ou baixa proporção da pressão arterial entre tornozelo e braquial em um membro afetado pode indicar isquemia.

Sinais de alerta

Os achados a seguir são particularmente preocupantes:

  • Envolvimento da extremidade superior ou do tronco

  • Hiperreflexia

  • Fraqueza muscular

  • Fasciculações

  • Sinais de alcoolismo

  • Hipovolemia

  • Dor ou perda de sensibilidade em um nervo periférico, plexo ou distribuição de raiz nervorsa

Interpretação dos achados

Cãibras focais sugerem cãibras idiopáticas benignas nas pernas, cãibras associadas a exercícios musculares, alterações musculoesqueléticas, causas do sistema nervoso periférico ou uma doença degenerativa precoce que pode ser assimétrica, como doença do neurônio motor.

Hiporreflexia focal sugere neuropatia periférica, plexopatia ou radiculopatia.

Em pacientes com cãibras difusas (especialmente aquelas que são trêmulas), hiperreflexia sugere uma causa sistêmica (p. ex., hipocalcemia ionizada; às vezes, alcoolismo, doença do neurônio motor ou fármaco, embora os efeitos sobre reflexos profundos do tendão possam variar de acordo com a fármaco). Hiporreflexia generalizada pode sugerir hipotiroidismo e, às vezes, alcoolismo ou ser um resultado normal, particularmente em idosos.

Exame normal e história compatível sugerem cãibras idiopáticas benignas nas pernas ou cãibras musculares associadas a exercícios.

Exames

Testes são feitos de acordo com os resultados clínicos anormais. Nenhum teste é feito rotineiramente.

Glicose no sangue, testes de função renal e níveis de eletrólitos, incluindo cálcio e magnésio, devem ser medidos se os pacientes têm cãibras difusas de causa desconhecida, especialmente se hiperreflexia está presente.

Níveis de cálcio ionizados e BRAs (para confirmar alcalose respiratória) são medidos se os pacientes têm tetania.

Eletromiografia é feita se os músculos contraídos são fracos.

Realiza-se RM do encéfalo e frequentemente da medula espinal se a fraqueza muscular ou sinais neurológicos são focais.

Tratamento

  • Alongamento

As condições subjacentes são tratadas quando identificadas.

Se ocorrer uma cãibra, alongar os músculos afetados muitas vezes alivia a cãibra. Por exemplo, para aliviar uma cãibra na panturrilha, os pacientes podem usar as mãos para puxar os dedos do pé e o pé para cima (dorsiflexão).

Prevenção

As medidas para prevenir cãibras incluem:

  • Não fazer exercícios logo após comer

  • Alongar delicadamente os músculos antes de fazer exercícios ou dormir

  • Beber muito líquido (especialmente bebidas que contêm potássio) após os exercícios

  • Não consumir estimulantes (p. ex., cafeína, nicotina, efedrina, pseudoefedrina)

  • Não fumar

O alongamento do corredor é mais útil. A pessoa fica em pé com umo membro inferior para frente com o joelho flexionado e a outro membro inferior para trás e o joelho reto—uma posição esticada. As mãos podem ser colocadas na parede para obter equilíbrio. Ambos os calcanhares permanecem no chão. O joelho do membro inferior da frente é flexionado ainda mais até sentir um alongamento ao longo da parte de trás da outro membro inferior. Quanto maior a distância entre os dois pés e mais o joelho da frente é flexionado, melhor é o alongamento. O alongamento é mantido durante 30 segundos e repetido 5 vezes. A série de alongamentos é então repetida no outro lado.

A maioria dos fármacos frequentemente prescritos para evitar cãibras (p. ex., suplementos de cálcio, magnésio, quinina, benzodiazepínicos) não é recomendada. A maioria delas não tem eficácia comprovada. Quinina foi eficaz em alguns estudos, mas não é mais recomendada por causa dos efeitos colaterais graves ocasionais [p. ex., arritmias, trombocitopenia, púrpura trombocitopênica trombótica (PTT), síndrome hemolítico-urêmica (SHU) e reações alérgicas graves]. Mexiletina às vezes ajuda, mas se o uso vale o risco dos efeitos adversos não está claro. Esses efeitos adversos incluem náuseas e vômitos, queimação, tontura e tremor.

Alguns treinadores desportivos e médicos da área esportiva recomendam suco de picles para cãibras musculares, mas os dados relativos à sua eficácia são insuficientes.

Pontos-chave

  • Cãibras nas pernas são comuns.

  • As causas mais comuns são cãibras idiopáticas benignas nas pernas e cãibras musculares associadas a exercícios.

  • Cãibras devem ser diferenciadas de claudicação e distonias; a avaliação clínica é geralmente adequada.

  • Alongamento pode ajudar a aliviar e prevenir cãibras.

  • Geralmente, não se recomenda terapia medicamentosa.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como fazer o exame dos nervos cranianos
Vídeo
Como fazer o exame dos nervos cranianos
Modelos 3D
Visualizar tudo
Impulso neural
Modelo 3D
Impulso neural

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS