Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Nefropatia por analgésicos

Por

Navin Jaipaul

, MD, MHS, Loma Linda University School of Medicine

Última modificação do conteúdo fev 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Nefropatia por analgésicos é uma nefrite tubulointersticial crônica causada pelo uso cumulativo ao longo da vida de grandes quantidades de certos analgésicos (p. ex., 2 kg). Os pacientes apresentam lesão renal, sedimento urinário pouco alterado ou piúria estéril e proteinúria não nefrótica. Hipertensão, anemia e concentração urinária comprometida ocorrem à medida que a insuficiência renal se desenvolve. A necrose papilar ocorre tardiamente. O diagnóstico se baseia na história do uso de analgésicos e resultados de TC sem contraste. O tratamento é a interrupção do analgésico causador.

A nefropatia por analgésicos, um tipo de nefrite intersticial crônica, foi originalmente descrita juntamente com a utilização excessiva de associações de analgésicos contendo fenacetina (tipicamente com ácido acetilsalicílico, paracetamol, codeína e cafeína). Entretanto, apesar da remoção da fenacetina do mercado, a nefropatia por analgésicos continua a ocorrer. Os estudos para identificar os agentes causais são equívocos, mas foram implicados paracetamol, ácido acetilsalicílico e outros anti-inflamatórios não esteroides (AINEs). O mecanismo não está claro. Não se sabe se os inibidores COX-2 causam nefropatia por analgésicos, mas esses fármacos provavelmente podem causar nefrite intersticial aguda e síndrome nefrótica em decorrência de doença de lesões mínimas ou nefropatia membranosa.

A nefropatia por analgésicos predomina em mulheres (maior incidência entre 50 e 55 anos de idade) e nos EUA é responsável por 3 a 5% dos casos de doença renal em estágio terminal (13 a 20% na Austrália e na África do Sul).

Sinais e sintomas

Os pacientes apresentam lesão renal, sedimento urinário pouco alterado ou piúria estéril e proteinúria não nefrótica. Hipertensão, anemia e prejuízo da concentração urinária são comuns.

Dor no flanco, hematúria e eliminação de uma papila renal (que causa obstrução do trato urinário superior) são sinais de necrose papilar que ocorre tardiamente na evolução da doença.

As queixas crônicas de dor musculoesquelética, cefaleia, mal-estar e dispepsia podem estar relacionadas com a utilização prolongada de analgésicos, mais do que serem efeitos da nefropatia por analgésicos.

Diagnóstico

  • História de uso crônico de analgésicos

  • TC

O diagnóstico da nefropatia por analgésicos se baseia na anamnese e na TC sem contraste. Sinais da nefropatia por analgésicos na TC incluem:

  • Diminuição do tamanho renal

  • Contornos “abaulados”, definidos como pelo menos 3 endentações na linha externa normalmente convexa do rim

  • Calcificações papilares

A combinação desses achados tem uma sensibilidade de 85% e uma especificidade de 93% para diagnóstico precoce, mas estes números se baseiam em estudos na época em que o uso de analgésicos contendo fenacetina era disseminado.

Tratamento

  • Parar o uso de analgésicos

A função renal se estabiliza ao se interromper a utilização de analgésicos, a menos que haja lesão renal avançada; nesse caso, pode haver progressão para doença renal crônica. Pacientes com nefropatia por analgésicos têm maior risco de carcinoma de células transicionais do trato urinário.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS