Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Apendicite

Por

Parswa Ansari

, MD, Hofstra Northwell-Lenox Hill Hospital, New York

Última modificação do conteúdo dez 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

Apendicite é uma inflamação aguda do apêndice vermiforme, classicamente resultando em dor abdominal, anorexia e dor à palpação abdominal. O diagnóstico é clínico, frequentemente suplementado com TC ou ultrassonografia. O tratamento consiste na remoção cirúrgica do apêndice.

(Ver também Dor abdominal aguda.)

Nos EUA, a apendicite aguda é a causa mais comum de dor abdominal aguda, necessitando de cirurgia. Mais de 5% da população já desenvolveu apendicite em algum momento. É mais comum em adolescentes e ao redor dos 20 anos, mas pode ocorrer em qualquer idade.

Outras condições que afetam o apêndice incluem carcinoides, câncer, adenoma viloso e divertículos. O apêndice pode também ser afetado por doença de Crohn ou retocolite ulcerativa com pancolite (doença intestinal inflamatória).

Etiologia

Apendicite é considerada o resultado da obstrução da luz do apêndice, tipicamente por hiperplasia linfoide, mas ocasionalmente por fecálito, corpo estranho ou até mesmo helmintos. A obstrução causa distensão, hipercrescimento bacteriano, isquemia e inflamação. Se não tratada, podem ocorrer necrose, gangrena e perfuração. Se a perfuração for contida pelo omento, um abscesso se desenvolve no local.

Sinais e sintomas

Os sintomas clássicos de apendicite aguda são

  • Dor epigástrica ou periumbilical seguida por náuseas, vômitos e anorexia

Depois de algumas horas, a dor se desloca para o quadrante inferior direito. A dor aumenta com a tosse e a movimentação.

Os sinais clássicos da apendicite são

  • Dor à palpação e à descompressão no quadrante inferior direito no ponto de McBurney (junção dos terços médio e lateral da linha que parte da cicatriz umbilical até a crista ilíaca superior)

Os sinais adicionais de apendicite são a dor no quadrante inferior direito à palpação do quadrante inferior esquerdo (sinal de Rovsing), aumento da dor causada pela extensão passiva da articulação do quadril direito que estica o músculo iliopsoas (sinal do psoas) ou a dor causada pela rotação interna passiva da coxa flexionada (sinal do obturador). Febre baixa (temperatura retal de 37,7 a 38,3° C [100 a 101°F) é comum.

Infelizmente, esses achados clássicos aparecem em < 50% dos pacientes. Ocorrem muitas variações nos sinais e sintomas da apendicite. A dor pode não ser localizada, em particular em crianças e lactentes. A dor abdominal pode ser difusa ou, em raras ocasiões, ausente. As evacuações costumam ser menos frequentes ou ausentes; se a diarreia é um sinal, deve-se suspeitar de apêndice retrocecal. Pode haver leucocitúria e hematúria. Sintomas atípicos são comuns em idosos e grávidas; particularmente, a dor é menos intensa e a dor à descompressão localizada é menos frequente.

Diagnóstico

  • Avaliação clínica

  • TC abdominal, se necessário

  • Ultrassonografia é uma opção à TC

Quando os sinais e sintomas clássicos da apendicite estão presentes, o diagnóstico dela é clínico. Nesses pacientes, adiar a cirurgia de apendicite para realizar testes por imagem apenas aumenta a probabilidade de perfurações e complicações subsequentes.

Em pacientes com sintomas atípicos ou achados duvidosos, os exames de imagem devem ser realizados sem demora. A TC com contraste apresenta boa acurácia no diagnóstico de apendicite e pode também revelar outras causas de abdome agudo. Ultrassonografia com compressão gradual normalmente pode ser feita rapidamente e não utiliza radiação (uma preocupação particular em crianças); no entanto, ela é ocasionalmente limitada pela presença de gás intestinal e é menos útil para reconhecer causas de dor não provenientes do apêndice.

A apendicite continua sendo principalmente diagnosticada por exame clínico. O uso criterioso e seletivo de radiografias pode reduzir a incidência de laparotomia branca.

Laparoscopia pode ser usada para diagnóstico, bem como para tratamento definitivo; ela pode ser especialmente útil em mulheres com dor abdominal inferior ou etiologia indefinida. Estudos laboratoriais costumam mostrar leucocitose (12.000 a 15.000/μL), mas esse achado é bastante variável; uma contagem normal de leucócitos não deve ser usada para excluir apendicite.

Prognóstico

Sem cirurgia ou antibióticos (p. ex., em um local remoto ou historicamente), a taxa de mortalidade da apendicite é > 50%.

Com a cirurgia precoce, o índice de mortalidade é < 1% e a convalescença é normalmente rápida e completa. Com complicações (ruptura e desenvolvimento de abscesso ou peritonite) e/ou idade avançada, o prognóstico é pior: cirurgias repetidas e longa convalescença podem ser necessárias.

Tratamento

  • Remoção cirúrgica do apêndice

  • Líquidos IV e antibióticos

O tratamento da apendicite aguda é apendicectomia aberta ou laparoscópica; como o atraso no tratamento aumenta a mortalidade, uma taxa de apendicectomias negativas de 15% é considerada aceitável. O cirurgião pode geralmente remover o apêndice, mesmo que perfurado. Ocasionalmente, o apêndice é difícil de ser localizado: nesses casos, geralmente se encontra atrás do ceco ou do íleo e do mesentério do cólon direito.

Uma contraindicação para apendicectomia é a doença inflamatória intestinal envolvendo o ceco. Contudo, nos casos de ileíte terminal e ceco normal, o apêndice deve ser removido.

A apendicectomia deve ser precedida por antibióticos intravenosos. Cefalosporinas de terceira geração são as preferidas. Para apendicite não perfurada, a continuação da antibioticoterapia não é necessária. Se o apêndice estiver perfurado, os antibióticos devem ser continuados até que a temperatura do paciente e a contagem de leucócitos estejam normalizadas ou mantidas por um prazo fixo, de acordo com a preferência do cirurgião. Caso a cirurgia não seja possível, antibióticos — embora não curativos — melhoram de maneira substancial a sobrevida. Embora vários estudos sobre o tratamento conservador da apendicite (apenas com antibióticos) tenham mostrado altos índices de resolução durante a hospitalização inicial, um número significativo de pacientes apresenta recidiva e precisa fazer apendicectomia durante o ano seguinte. Portanto, a apendicectomia ainda é recomendada (1).

Quando uma massa inflamatória grande é encontrada envolvendo apêndice, íleo terminal e ceco indica-se a ressecção de toda a massa e ileocolostomia. Em casos avançados em que um abscesso pericólico já se formou, o abscesso é drenado por um cateter percutâneo guiado por ultrassonografia ou por operação aberta (com a apendicectomia sendo feita em uma data posterior).

Referência sobre o tratamento

  • 1. Poon SHT, Lee JWY, Ng KM, et al: The current management of acute uncomplicated appendicitis: Should there be a change in paradigm? A systematic review of the literatures and analysis of treatment performance. World J Emerg Surg 12:46, 2017. doi: 10.1186/s13017-017-0157-y. eCollection 2017.

Pontos-chave

  • Pacientes com os sinais e sintomas clássicos devem ser submetidos à laparotomia, em vez de a exames por imagem.

  • Os pacientes com achados não diagnósticos devem ser submetidos a exames por imagem com TC ou, especialmente em caso de crianças, ultrassonografia.

  • Administrar uma cefalosporina de 3ª geração no pré-operatório e, se o apêndice foi perfurado, manter a medicação no pós-operatório.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como fazer uma anuscopia
Vídeo
Como fazer uma anuscopia
Modelos 3D
Visualizar tudo
Trato GI
Modelo 3D
Trato GI

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS