Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Infecção por papilomavírus humano (HPV)

(verrugas genitais; condiloma acuminado; verrugas venéreas)

Por

Sheldon R. Morris

, MD, MPH, University of California San Diego

Última revisão/alteração completa mar 2018| Última modificação do conteúdo mar 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

O papilomavírus humano (HPV) causa verrugas. Alguns tipos de HPV causam verrugas cutâneas, outros tipos causam verrugas genitais (protuberâncias ao redor da vagina, do pênis ou do reto). A infecção por alguns tipos de HPV pode levar ao câncer. O HPV é transmitido sexualmente.

  • Tipos diferentes de papilomavírus humano (HPV) causam infecções diferentes, incluindo verrugas genitais visíveis e verrugas genitais menos visíveis no colo do útero, vagina, vulva, uretra, pênis, ânus, bem como verrugas cutâneas comuns.

  • As verrugas genitais crescem rapidamente e por vezes causam dor de queimação.

  • Alguns tipos de infecção por HPV aumentam o risco de câncer de colo de útero, vagina, vulva, pênis, ânus e garganta.

  • Os médicos identificam as verrugas visíveis com base na sua aparência e examinam o colo do útero e o ânus para verificar a presença de verrugas menos visíveis.

  • As vacinas podem prevenir a maioria dos tipos de infecção por HPV que podem causar câncer.

  • As verrugas visíveis geralmente podem ser removidas com laser ou por congelamento (crioterapia) ou cirurgia, mas por vezes medicamentos são aplicados às verrugas.

Nos Estados Unidos, antes de vacinação ser disponibilizada e recomendada rotineiramente, 42,5% das mulheres com 14 a 59 anos de idade apresentavam sinais de infecção por HPV. À medida que mais e mais pessoas são vacinadas contra o HPV, o percentual de pessoas com sinais de infecção por HPV vem diminuindo.

A maioria das infecções some dentro de 1 a 2 anos, mas algumas persistem. A infecção persistente pode aumentar o risco de certos tipos de câncer.

Há mais de cem tipos conhecidos de HPV. Alguns tipos causam verrugas de pele comuns. Outros tipos causam tipos diferentes de infecções genitais:

  • Verrugas genitais externas (facilmente vistas): essas verrugas são causadas por certos tipos de HPV, especialmente os tipos 6 e 11. É improvável que tipos 6 e 11 causem câncer. Esses tipos são transmitidos sexualmente e infectam as áreas genitais e retais.

  • Verrugas genitais internas (menos visíveis): outros tipos de HPV, especialmente os tipos 16 e 18, infectam a área genital, mas não causam verrugas facilmente visíveis. Eles causam pequenas verrugas achatadas no colo do útero ou no ânus que só podem ser visualizadas através de um instrumento ampliador denominado colposcópio. As verrugas também podem se desenvolver na vagina, vulva, uretra, pênis, ânus ou garganta. Essas verrugas menos visíveis geralmente não causam sintomas, mas os tipos de HPV responsáveis aumentam o risco de desenvolver câncer de colo de útero e câncer vaginal, vulvar, peniano, anal e de garganta. Portanto, essas verrugas devem ser tratadas. Estar infectado pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) aumenta o risco de desenvolver um câncer relacionado ao HPV.

Os tipos de HPV que afetam as áreas genitais e retais são geralmente transmitidos durante o intercurso vaginal ou anal, mas também podem ser transmitidos através de outros tipos de contato.

O HPV também pode ser propagado durante o sexo oral, causando infecções da boca e aumentando o risco de câncer da garganta.

Você sabia que...

  • Alguns tipos de HPV que causam verrugas genitais podem também provocar câncer.

Sintomas

Nos homens, as verrugas geralmente ocorrem no pênis, especialmente abaixo do prepúcio em homens não circuncidados ou na uretra. Nas mulheres, formam-se verrugas genitais na vulva, na parede vaginal, no colo do útero e na pele ao redor da área vaginal. As verrugas genitais podem se desenvolver na área que rodeia o ânus e dentro dele, sobretudo em pessoas que praticam sexo anal.

Em muitas pessoas, as verrugas não causam sintomas, mas podem causar dor ardente, coceira ou desconforto ocasionais em algumas.

As verrugas geralmente surgem entre 1 e 6 meses depois da infecção com HPV, começando sob a forma de protuberâncias pequenas, moles, úmidas e de cor rosada ou acinzentada. Elas crescem rapidamente e adquirem o aspecto de uma protuberância áspera e irregular e, por vezes, estendem-se para o exterior a pele em talos estreitos. Suas superfícies ásperas podem parecer uma pequena couve-flor. As verrugas muitas vezes crescem em grupos.

As verrugas podem crescer mais rapidamente e se propagar de forma mais ampla em gestantes e em pessoas com um sistema imunológico enfraquecido, como as que têm infecção por HIV.

Diagnóstico

  • Para verrugas genitais externas, avaliação de um médico

  • Para verrugas genitais internas, colposcopia e anoscopia

Verrugas genitais externas geralmente podem ser diagnosticadas com base em seu aspecto. Se as verrugas tiverem uma aparência não usual, sangrarem e se tornarem ulcerações abertas ou persistirem após o tratamento, elas devem ser extraídas cirurgicamente e examinadas ao microscópio para ver se são cancerígenas. Como a sífilis pode causar certos tipos de verrugas genitais, os médicos geralmente realizam um exame de sangue para sífilis.

A colposcopia (uso de um lente de aumento binocular para examinar o colo do útero) é feita para detectar verrugas internas, menos visíveis, no colo do útero. Anoscopia (usa um tubo de visualização para examinar o interior do ânus) é feita para verificar verrugas no ânus. Uma coloração pode ser aplicada na área para que as verrugas possam ser vistas com mais facilidade.

Uma amostra obtida da verruga pode ser estudada usando testes como o de reação da cadeia da polimerase (PCR). Esse teste produz muitas cópias de um gene, que podem possibilitar aos médicos a identificação de material genético exclusivo (DNA) do HPV. Esses testes ajudam a confirmar o diagnóstico e a possibilitar que os médicos identifiquem o tipo de HPV.

Em geral não é recomendado testar pessoas sem sintomas (triagem). Mulheres entre 30 e 65 anos são exceção. Essas mulheres devem ser triadas quando tiverem um exame de papanicolau. Na detecção de HPV é feita uma colposcopia. Muitas vezes, uma amostra de tecido é removida para exame ao microscópio (biópsia).

Prevenção

Há três vacinas para HPV:

  • Nove-valente: protege contra nove tipos de HPV

  • Quadrivalente: protege contra quatro tipos de HPV

  • Bivalente: protege contra dois tipos de HPV

Em geral essas vacinas são administradas como injeções em um músculo, normalmente na parte superior do braço.

Todas as vacinas contra o HPV protegem contra os dois tipos de HPV (tipos 16 e 18) que causam cerca de 70% dos cânceres de colo de útero. Elas são recomendadas para meninas e mulheres de 9 a 26 anos de idade para prevenir a infecção inicial. Preferencialmente, a vacina é administrada aos 11 ou 12 anos, mas pode ser iniciada aos 9 anos de idade.

  • Meninas de 9 a 14 anos recebem duas doses. A segunda dose é administrada seis a doze meses após a primeira dose.

  • Meninas e mulheres com 15 anos ou mais e que não foram vacinadas recebem três doses.

A vacina deve ser administrada antes que meninas e mulheres se tornem sexualmente ativas, mas as que forem sexualmente ativas ainda devem ser vacinadas.

A vacina nove-valente e a quadrivalente protegem contra os dois tipos de HPV (tipos 6 e 11) que causam mais de 90% das verrugas genitais, além de proteger contra os tipos 16 e 18. Apenas estas duas vacinas são recomendadas para rapazes e homens. A vacina contra o HPV é recomendada para meninos e rapazes de 9 a 21 anos, começando preferencialmente entre 11 e 12 anos de idade.

  • Meninos de 9 a 14 anos recebem duas doses. A segunda dose é administrada seis a doze meses após a primeira dose.

  • Meninos e rapazes com 15 a 21 anos e que não foram vacinados recebem três doses.

  • A vacina contra o HPV também é recomendada para homens até 26 anos de idade que têm relações sexuais com homens ou que têm o sistema imunológico debilitado (por exemplo, os que têm infecção pelo HIV) se eles não tiverem sido vacinados anteriormente.

A vacina nove-valente também protege contra outros tipos de HPV (tipos 31, 33, 45, 52 e 58). Estes tipos causam cerca de 15% dos cânceres de colo de útero.

O uso correto e consistente de preservativos masculinos pode reduzir o risco de infecção por HPV e de distúrbios relacionados ao HPV, como verrugas genitais e câncer de colo de útero ( Como usar um preservativo). Preservativos podem não eliminar o risco completamente porque o HPV pode infectar áreas não cobertas pelo preservativo.

Outras medidas gerais também podem ajudar a prevenir a infecção por HPV (e por outras doenças sexualmente transmissíveis):

  • Evitar práticas sexuais inseguras, tais como trocar de parceiros sexuais com frequência ou ter relações sexuais com prostitutas ou parceiros que possuem outros parceiros sexuais

  • Diagnóstico e tratamento imediatos da infecção (para impedir a transmissão para outras pessoas)

  • Identificação dos contatos sexuais de pessoas infectadas, seguida de aconselhamento ou tratamento desses contatos

Não praticar sexo (anal, vaginal ou oral) é a maneira mais confiável de prevenir doenças sexualmente transmissíveis, mas normalmente fora da realidade.

Tratamento

  • Geralmente laser, eletrocauterização, congelamento ou cirurgia

  • Às vezes, diversos tratamentos tópicos

Se o sistema imunológico for saudável, ele muitas vezes controla o HPV e elimina as verrugas e o vírus, mesmo sem tratamento. A infecção desaparece após oito meses em metade das pessoas e dura mais de dois anos em menos de 10%. Se as pessoas com verrugas genitais tiverem um sistema imunológico enfraquecido, é necessário tratamento e as verrugas muitas vezes retornam.

Nenhum tratamento para verrugas externas é completamente satisfatório e alguns tratamentos são desconfortáveis e deixam cicatrizes. As verrugas genitais externas podem ser removidas com laser ou com uma corrente elétrica (eletrocauterização) ou por congelamento (crioterapia) ou cirurgia. Utiliza-se um anestésico local ou geral, dependendo do número e do tamanho das verrugas a serem removidas.

Alternativamente, pode-se aplicar podofilotoxina, imiquimode, ácido tricloroacético ou sinecatequinas (uma pomada feita de extratos de chá verde) diretamente nas verrugas. No entanto, essa abordagem requer várias aplicações durante semanas ou meses e pode causar queimaduras na pele circundante e é frequentemente ineficaz. Após o tratamento, a área pode ficar dolorida. O imiquimode em creme provoca menos queimaduras, mas pode ser menos eficaz. Depois de um tratamento aparentemente eficaz, as verrugas podem reaparecer.

Para verrugas na uretra, um tubo de visualização (endoscópio) com acessórios cirúrgicos pode ser o modo mais eficaz de removê-las, mas este procedimento requer anestesia geral. Medicamentos, como tiotepa, inseridos na uretra ou o medicamento quimioterápico 5-fluoruracila injetado na verruga, são geralmente eficazes.

As injeções de interferon-alfa no interior da verruga ou em um músculo são, de certa forma, eficazes, mas devem ser administradas várias vezes por semana durante várias semanas e são caras. Além disso, todos os efeitos em longo prazo são incertos e efeitos colaterais são comuns.

Em homens, circuncisão diminui o risco de infecção por HPV, bem como de infecção por HIV e herpes genital, mas não de sífilis.

Todos os parceiros sexuais devem ser examinados para detectar verrugas e outras DSTs e receber tratamento, se necessário. Os parceiros sexuais devem também fazer exames regulares para verificar a presença de infecção por HPV.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Considerações gerais sobre a COVID-19
Vídeo
Considerações gerais sobre a COVID-19
Modelos 3D
Visualizar tudo
Catapora
Modelo 3D
Catapora

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS