Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Aproveitando ao máximo uma consulta de cuidados com a saúde

Por

Michael R. Wasserman

, MD, Los Angeles Jewish Home

Última revisão/alteração completa out 2019| Última modificação do conteúdo out 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

A preparação para uma consulta de cuidados com a saúde ajuda as pessoas a aproveitarem o tempo com o médico ou outro profissional da saúde. (Consulte também Introdução a aproveitando ao máximo os cuidados com a saúde). A preparação também ajuda as pessoas a se comunicarem com um profissional de forma mais eficiente. As informações e as dúvidas para o profissional devem ser escritas antes da consulta.

Primeira consulta

Na primeira vez que as pessoas se consultam com o clínico geral, elas devem tirar todas as dúvidas que sejam relevantes para escolher um médico e que não tenham sido esclarecidas anteriormente ( Esse médico é correto?). As seguintes perguntas podem ser especialmente úteis:

  • Como são tratados os problemas de saúde urgentes e súbitos que ocorrem durante a noite ou aos finais de semana?

  • Como os resultados de teste são obtidos? (Por exemplo, para onde ligar ou enviar e-mail se o responsável solicitar esses resultados.)

  • Por que eu devo ter instruções prévias (como testamento em vida ou uma procuração vitalícia)? Como eu me preparo?

Se já tiverem instruções prévias, as pessoas devem levar uma cópia ou o original a ser copiado para o prontuário médico. Devem também coletar todos os medicamentos que estão sendo usados, como medicamentos sem receita, ervas medicinais e vitaminas e levá-los ao consultório médico.

Na primeira consulta, o médico pergunta sobre os itens, como saúde atual e anterior, a saúde dos parentes próximos, tratamentos, testes e estilo de vida. Mesmo se o médico não perguntar, deve-se ter certeza que o médico tenha algumas informações sobre:

  • Qualquer consideração pessoal, espiritual ou cultural que possa afetar as decisões de cuidados com a saúde.

  • As informações sobre hospitalizações passadas, uso de serviços de saúde domiciliar ou cuidados recebidos de qualquer especialista ou outros profissionais da área da saúde (incluindo profissionais de medicina alternativa), com os nomes, endereços e números de telefone.

  • Informações sobre os testes diagnósticos e tratamentos já planejados

  • Hábitos de exercício, sono, dieta (como consumo de cafeína), práticas sexuais e uso de tabaco e medicamentos não prescritos por um profissional da área da saúde (como álcool, medicamentos sem receita e ervas medicinais).

O fornecimento destas informações ajuda a melhorar a qualidade do cuidado e a garantir que as alterações nos profissionais sejam tranquilas. Por exemplo, deve-se fornecer ao clínico geral as informações de contato de outros médicos e das unidades que consultaram. Então, os profissionais envolvidos podem se comunicar com os outros com mais facilidade. As informações de contato também ajudam o clínico geral a obter cópias das informações pertinentes para o prontuário médico.

Consultas subsequentes

Cada vez que consultar seu médico, as pessoas devem preparar uma lista para garantir que o médico tem todas as informações relevantes sobre sua saúde. A lista deve incluir o seguinte:

  • Qualquer dúvida relacionada à saúde

  • Todos os sintomas e problemas médicos, inclusive problemas de saúde mental

  • Todos os efeitos colaterais experimentados ao tomar medicamentos

  • Qualquer exame de diagnóstico ou novos tratamentos recomendados por outro profissional da saúde

  • Se em algum momento não tomou os medicamentos conforme prescrito e a razão (por exemplo, "eu tive cólicas estomacais quando tomei o medicamento" ou "eu não pude comprar o medicamento")

  • Todas as alterações nas informações pessoais, incluindo eventos importantes na vida (como aposentadoria, mudança no estado civil, um óbito na família ou mudar de casa)

A lista deve ser escrita. Durante uma consulta rápida, as pessoas podem esquecer facilmente o que elas queriam dizer. A lista deve também estar em ordem de prioridade, com os itens mais importantes listados primeiro. Os sintomas devem estar descritos o mais exato e preciso possível, tomando cuidado para não haver exageros ou minimizações. Ler, conversar com alguém que tenha tido o distúrbio ou um exame de diagnóstico ou tratamento recomendado antes de uma consulta, pode permitir que as pessoas sejam mais específicas e façam perguntas mais úteis.

Deve-se levar todos os formulários (como formulários de seguro, escola ou pré-admissional) que precisem ser preenchidos pelo médico ou pela equipe do consultório. Deve ter, ainda, num local de fácil acesso, o cartão do seguro, quaisquer outros encaminhamentos que seja solicitado e o valor suficiente para pagar a consulta.

O paciente deve se apresentar no consultório médico entre 10 e 15 minutos antes da hora da consulta (especialmente na primeira visita), para que a equipe do consultório verifique se a informação do seguro ainda é válida, e que todos os formulários exigidos sejam preenchidos.

Durante a consulta, é essencial ouvir atentamente o médico e responder da forma mais honesta e completa possível, mesmo sobre assuntos constrangedores (como controle da bexiga ou práticas sexuais). Se um tratamento ou exame de diagnóstico invasivo for considerado, deve-se perguntar sobre o seguinte:

  • Qual a eficácia do tratamento e qual a precisão do exame de diagnóstico?

  • Como os resultados de teste mudam o tratamento?

  • Quais os possíveis efeitos colaterais?

  • Quais outras possibilidades estão disponíveis?

  • Quais os objetivos específicos para o tratamento?

  • Como será a resposta ao tratamento a ser seguido ou monitorado?

  • Qualquer outra dúvida que tenha sobre o tratamento ou teste

Os pacientes devem solicitar uma explicação sobre qualquer questão que não compreendam e pedir um link on-line de instruções ao paciente ou um folheto informativo sobre o tema, caso este esteja disponível. Solicitar ao médico que escreva as instruções e lê-las para o médico no fim da consulta, podem ajudar a garantir que as instruções foram compreendidas. A leitura para o médico cria a oportunidade de corrigir qualquer problema de comunicação. Fazer anotações durante a consulta pode ajudar também. Para pessoas que não podem usar material escrito ou que tenham problemas de visão, fala ou audição, outras abordagens podem ser necessárias para manter o rastreamento das informações. Por exemplo, as instruções podem ser registradas em um arquivo em áudio, ou um familiar ou amigo pode concordar em ler as instruções por escrito quando necessário. Quando for comprar medicamentos na farmácia, pode-se usar as mesmas abordagens.

Antes de sair, deve-se verificar a lista de dúvidas e sintomas e falar com o médico sobre qualquer assunto que não tenha sido tratado. Caso fiquem vários assuntos pendentes, é possível que o médico marque outra consulta ou, então, que recomende o paciente para outro profissional, como um enfermeiro, farmacêutico ou nutricionista, para obter informação e instruções adicionais.

Após a consulta, deve-se agendar as consultas de acompanhamento recomendadas. As prescrições devem ser preenchidas e qualquer material por escrito fornecido pelo médico ou farmacêutico deve ser lido.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
O corpo humano: Células, tecidos, órgãos e sistemas
Vídeo
O corpo humano: Células, tecidos, órgãos e sistemas

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS