Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Alergia alimentar

Por

James Fernandez

, MD, PhD, Cleveland Clinic Lerner College of Medicine at Case Western Reserve University

Revisado/Corrigido: out 2022
VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
Fatos rápidos

Uma alergia alimentar é uma reação alérgica a um determinado alimento.

  • As alergias alimentares geralmente são desencadeadas por nozes, amendoins, mariscos, peixes, leite, ovos, trigo e grãos de soja.

  • Os sintomas variam de acordo com a idade e podem incluir erupções cutâneas, sibilos, corrimento nasal e, ocasionalmente, sintomas mais sérios em adultos.

  • Testes cutâneos (prick test), exames de sangue e uma dieta de eliminação podem ajudar o médico a identificar o alimento que desencadeia a alergia.

  • O único tratamento eficaz é eliminar o alimento da dieta.

Muitos alimentos diferentes podem causar reações alérgicas. As reações alérgicas aos alimentos podem ser graves e, às vezes, incluem uma reação anafilática Reações anafiláticas As reações anafiláticas são reações alérgicas repentinas, generalizadas, potencialmente graves e fatais. As reações anafiláticas começam, frequentemente, com uma sensação de desconforto, seguida... leia mais , que pode ameaçar a vida da pessoa.

As alergias alimentares podem começar durante a infância. É possível que a criança deixe de sofrer de uma alergia alimentar. Assim, alergias alimentares são menos comuns entre adultos. Entretanto, caso adultos tenham alergias alimentares, essas tendem a persistir por toda a vida.

Por vezes, é atribuída às alergias alimentares a causa de distúrbios como a hiperatividade nas crianças, fadiga crônica, artrite, depressão e baixo rendimento desportivo. No entanto, estas ligações não foram demonstradas.

Outras reações a alimentos

Algumas reações a alimentos não são reações alérgicas.

A intolerância alimentar difere de uma alergia alimentar, porque não envolve o sistema imunológico. Em vez disso, trata-se de uma reação do aparelho gastrointestinal que produz um distúrbio digestivo. Por exemplo, algumas pessoas não têm uma enzima necessária para a digestão do açúcar no leite (denominado intolerância à lactose Intolerância à lactose A intolerância à lactose é a incapacidade de digerir o açúcar lactose devido a uma deficiência da enzima digestiva lactase, provocando diarreia e cólicas abdominais. A intolerância à lactose... leia mais ).

Outras reações a um alimento podem resultar da contaminação ou da deterioração do mesmo.

Causas de alergia alimentar

As alergias alimentares normalmente se desenvolvem porque o sistema imunológico funciona mal e interpreta incorretamente uma proteína alimentar como perigosa. Quando o sistema imunológico Considerações gerais sobre o sistema imunológico O sistema imunológico foi concebido para defender o corpo contra invasores estranhos ou perigosos. Tais invasores incluem Micro-organismos (comumente chamados germes, como bactérias, vírus e... leia mais é exposto a alérgenos, ele produz um tipo de anticorpo Anticorpos Uma das linhas de defesa do corpo ( sistema imunológico) envolve glóbulos brancos (leucócitos) que se deslocam através da corrente sanguínea e penetram nos tecidos para detectar e atacar micro-organismos... leia mais Anticorpos chamado imunoglobulina E (IgE). (Alérgenos são moléculas que o sistema imunológico é capaz de identificar e que podem estimular uma resposta do sistema imunológico.) Os anticorpos IgE ativam células do sistema imunológico a liberarem substâncias (como histamina, prostaglandinas e leucotrienos) que causam inchaço ou inflamação nos tecidos circundantes. Essas substâncias iniciam uma cascata de reações que continua a irritar e lesionar os tecidos. Essas reações variam de leve a grave.

Praticamente qualquer alimento ou aditivo alimentar pode causar uma reação alérgica. Os fatores desencadeantes mais comuns variam por faixa etária.

Bebês e crianças com alergias alimentares tendem a ser alérgicos às substâncias que desencadeiam a alergia (alérgenos) mais comumente, como:

  • Ovos

  • Leite

  • Trigo

  • Amendoim

  • Soja

Para evitar a ocorrência destas alergias, muitos pais evitam expor seus filhos a esses alimentos. Contudo, novas evidências sugerem que alimentar os bebês regularmente com alimentos que contêm amendoim pode ajudar a prevenir o desenvolvimento de alergia a amendoim. São necessários mais estudos sobre esta abordagem.

No caso de crianças maiores e adultos, os fatores desencadeantes mais comuns são alérgenos em:

  • Nozes

  • Frutos do mar, incluindo mariscos

A exposição a outros alérgenos semelhantes aos presentes nos alimentos (como pólen) pode desencadear a produção de anticorpos contra substâncias nos alimentos, resultando em alergia alimentar. Este processo é chamado sensibilização. Por exemplo, crianças alérgicas a amendoim podem ter sido sensibilizadas ao amendoim quando cremes tópicos contendo óleo de amendoim foram usados para tratar erupções cutâneas. Além disso, muitas pessoas alérgicas ao látex Sensibilidade ao látex As reações alérgicas (reações de hipersensibilidade) são respostas inadequadas do sistema imunológico a uma substância que normalmente é inofensiva. Geralmente, as alergias causam espirros,... leia mais Sensibilidade ao látex também são alérgicas a banana, kiwi, abacate ou a uma combinação destes. O látex e estas frutas contêm alérgenos semelhantes.

Síndrome alfa-gal

A síndrome alfa-gal é uma forma rara recentemente descoberta de alergia a carne vermelha. Alfa-gal é um açúcar que ocorre na maioria dos mamíferos, mas não em peixes, aves, répteis ou pessoas. Os carrapatos-estrela solitária, que são encontrados principalmente no sudeste dos Estados Unidos, têm alfa‑gal na saliva. Quando um carrapato‑estrela solitária pica uma pessoa, ele transmite alfa‑gal para a pessoa. Às vezes, o sistema imunológico produz anticorpos contra alfa‑gal, resultando em alergia ao alfa-gal. Como o alfa-gal está presente em muitas carnes vermelhas (como carne de porco, de gado, de carneiro e de veado) e em alimentos produzidos a partir de mamíferos (como laticínios e gelatina), pessoas com esses anticorpos podem ter uma reação alérgica a esses alimentos.

Os sintomas da síndrome de alfa‑gal incluem erupção cutânea pruriginosa, indigestão, constipação, náusea e reações anafiláticas Reações anafiláticas As reações anafiláticas são reações alérgicas repentinas, generalizadas, potencialmente graves e fatais. As reações anafiláticas começam, frequentemente, com uma sensação de desconforto, seguida... leia mais . Ao contrário de outras alergias alimentares, os sintomas da síndrome alfa‑gal com frequência demoram entre três e oito horas após o consumo do alimento para ocorrer.

Síndrome de alergia oral

A síndrome de alergia oral (síndrome pólen-alimento) ocorre em pessoas alérgicas a pólen. Certas proteínas do pólen são semelhantes a algumas proteínas encontradas em alimentos. Assim, pessoas com síndrome de alergia oral também têm uma reação alérgica a alimentos que contêm essas proteínas semelhantes (chamado reatividade cruzada). Os alimentos envolvidos são frequentemente nozes e frutas e verduras cruas. Em geral, as pessoas podem comer esses alimentos se forem cozidas porque o calor altera a estrutura proteica, de modo que as proteínas alimentares não se assemelhem mais às proteínas do pólen.

Pessoas alérgicas a certos pólens são frequentemente também alérgicas a alimentos específicos da seguinte forma:

  • Pólen de bétula: Maçãs, amêndoas, cenouras, aipo, cerejas, avelãs, kiwi, pêssegos, peras e ameixas

  • Pólen da grama: Aipo, melões, laranjas, pêssegos e tomates

  • Pólen da tasneira: Bananas, pepinos, melões, sementes de girassol e abobrinha

Os médicos geralmente conseguem diagnosticar a síndrome de alergia oral quando pessoas com alergia a pólen apresentam sintomas alérgicos depois de comer certos alimentos. Às vezes, testes cutâneos (prick test) Testes cutâneos As reações alérgicas (reações de hipersensibilidade) são respostas inadequadas do sistema imunológico a uma substância que normalmente é inofensiva. Geralmente, as alergias causam espirros,... leia mais Testes cutâneos são realizados para confirmar o diagnóstico.

Muitas vezes, a síndrome de alergia oral pode ser controlada ao não comer o alimento problemático cru e/ou cozinhar bem esse alimento. Os médicos aconselham as pessoas com essa alergia a levar consigo uma seringa de epinefrina pré‑carregada e autoinjetável.

Sintomas de alergia alimentar

Os sintomas de alergias alimentares variam de acordo com os alimentos que causam a alergia e com a idade da pessoa.

Nos bebês, o primeiro sintoma de uma alergia alimentar pode ser uma erupção como o eczema (dermatite atópica Dermatite atópica (eczema) A dermatite atópica (comumente chamada de eczema) é uma inflamação crônica e pruriginosa nas camadas superficiais da pele, e costuma afetar indivíduos que sofrem de febre do feno ou de asma... leia mais Dermatite atópica (eczema) ) ou uma erupção semelhante a uma urticária. A erupção pode apresentar-se acompanhada de náuseas, vômitos e diarreia. Com mais ou menos um ano de idade, a urticária tende a se desenvolver com menor frequência, mas as crianças podem começar a reagir a alérgenos inalados (como pólen) e apresentar sintomas de asma. Elas podem apresentar sibilos, sentir falta de ar ou ter coriza quando comem alimentos que desencadeiam sua alergia. Aos dez anos de idade, as crianças raramente têm sintomas de asma depois de comerem o alimento.

Quando as alergias alimentares persistem em crianças mais velhas e em adultos, as reações tendem a ser mais graves. Nos adultos, as alergias alimentares podem causar coceira na boca, urticária, eczema, inchaço (angioedema Angioedema O angioedema é o inchaço de áreas de tecido subcutâneo que, por vezes, afeta a face e a garganta. O angioedema pode ser uma reação a um fármaco ou outra substância (fator desencadeante), uma... leia mais Angioedema ) e, às vezes, coriza e asma. Às vezes, as alergias alimentares causam sintomas, como tontura e desmaio.

Em alguns adultos com uma alergia alimentar, a ingestão de uma quantidade mínima do alimento pode desencadear uma reação grave e súbita. Pode haver erupção cutânea em todo o corpo, a garganta pode inchar e as vias aéreas podem estreitar-se, dificultando a respiração - uma reação anafilática Reações anafiláticas As reações anafiláticas são reações alérgicas repentinas, generalizadas, potencialmente graves e fatais. As reações anafiláticas começam, frequentemente, com uma sensação de desconforto, seguida... leia mais , que pode ser fatal.

Em algumas pessoas, as reações alérgicas a alimentos (especialmente ao trigo e ao camarão) ocorrem apenas se as pessoas praticarem exercícios físicos imediatamente após a ingestão do alimento (denominado reação alérgica induzida por exercícios Reações alérgicas induzidas pelo exercício físico As reações alérgicas induzidas pelo exercício físico apresentam-se durante o exercício físico ou depois deste. Os exercícios podem desencadear ou piorar a asma ou, raramente, uma reação alérgica... leia mais ).

Algumas reações alérgicas a alimentos demoram horas para se desenvolver e causam sintomas como dor abdominal, náuseas, cólicas e diarreia.

Diagnóstico de alergia alimentar

  • Às vezes, apenas uma avaliação médica

  • Às vezes, teste cutâneo (prick test) ou um teste de imunoglobulina específico para o alérgeno

  • Dieta de eliminação

O médico suspeita de uma alergia alimentar baseando-se essencialmente no histórico da pessoa. Em adultos, a alergia costuma ser óbvia. Contudo, diagnosticar alergia alimentar em crianças pode ser difícil. Algumas alergias alimentares podem ser difíceis de distinguir de outros problemas digestivos, como a doença do intestino irritável Síndrome do intestino irritável (SII) A síndrome do intestino irritável é um distúrbio do trato digestivo que provoca dor abdominal e constipação intestinal ou diarreia recorrentes. Os sintomas variam, mas, geralmente incluem dor... leia mais .

Em caso de suspeita de alergia alimentar, um dos seguintes testes é realizado:

Testes cutâneos (prick test) Testes cutâneos As reações alérgicas (reações de hipersensibilidade) são respostas inadequadas do sistema imunológico a uma substância que normalmente é inofensiva. Geralmente, as alergias causam espirros,... leia mais Testes cutâneos com extratos de diversos alimentos podem ser feitos em caso de suspeita de alergia alimentar. Coloca-se uma gota de cada extrato sobre a pele e, em seguida, pica-se a pele com uma agulha atravessando a gota. Uma reação cutânea a um alimento testado não significa necessariamente que a pessoa seja alérgica a esse alimento; por outro lado, quando não existe uma reação cutânea, significa que é improvável que exista uma alergia ao alimento.

Alternativamente, pode ser realizado um teste de imunoglobulina (IgE) específico para o alérgeno Testes de IgE sérico específicos para o alérgeno As reações alérgicas (reações de hipersensibilidade) são respostas inadequadas do sistema imunológico a uma substância que normalmente é inofensiva. Geralmente, as alergias causam espirros,... leia mais Testes de IgE sérico específicos para o alérgeno . O sistema imunológico produz um tipo diferente de IgE em resposta a cada alérgeno. Por exemplo, a IgE produzida após a inalação de pólen difere da IgE produzida após a ingestão de nozes. Neste teste, os médicos colhem uma amostra de sangue e determinam se a IgE no sangue da pessoa se liga a um alérgeno específico usado no teste, como para o amendoim. Se a ligação ocorrer, a pessoa tem alergia àquele alérgeno.

Se um dos testes identificar um alimento em particular, esse alimento é eliminado da dieta. Se a eliminação desse alimento aliviar os sintomas, ele é oferecido à pessoa novamente para ver se há o desenvolvimento de sintomas depois de comê-lo. Sempre que possível, esta etapa é feita como parte de um teste de desafio oral. O teste de desafio oral é feito para confirmar o diagnóstico.

Em um teste de desencadeamento alimentar oral, a pessoa recebe um outro alimento (como leite ou molho de maçã) em dois lotes: um contendo o alimento suspeito e um sem o alimento suspeito. Em seguida, o médico observa a ingestão do alimento pela pessoa.

  • Se não surgirem sintomas após a ingestão do alimento suspeito, a pessoa não é alérgica a esse alimento.

  • Se surgirem sintomas após a ingestão do alimento suspeito, mas não após a ingestão do outro alimento, a pessoa provavelmente é alérgica ao alimento suspeito.

Outras formas de identificar uma alergia alimentar incluem dietas de eliminação:

  • Uma dieta que elimina apenas o alimento ou alimentos suspeitos de causarem a alergia

  • Uma dieta que consiste apenas de alimentos que provavelmente não causarão uma reação alérgica

Uma dieta de eliminação pode ser o único teste usado para diagnosticar uma alergia alimentar ou pode ser usada depois de um teste cutâneo (prick test) ou de um teste de IgE específico para o alérgeno.

Para o primeiro tipo de dieta de eliminação, a pessoa suspende o consumo de todos os alimentos que possam estar causando os sintomas durante aproximadamente uma semana.

Ao invés do primeiro tipo de dieta, pode ser tentado o segundo tipo de dieta de eliminação, que consiste apenas de alimentos que provavelmente não causam reações alérgicas. O segundo tipo envolve o seguinte:

  • Seguir uma dieta prescrita pelo médico

  • Comer apenas alimentos e líquidos especificados na dieta e usando apenas produtos puros (excluindo muitos alimentos comercialmente preparados)

Existem várias dietas de eliminação possíveis, que variam nos alimentos que são eliminados e naqueles que são permitidos. Por exemplo, uma dieta pode eliminar carne de gado e carneiro e permitir frango. Outra pode eliminar carneiro e aves e permitir carne de gado.

Não é fácil seguir uma dieta de eliminação, já que muitos alimentos possuem ingredientes que não são evidentes ou previsíveis. Por exemplo, muitos pães de centeio contêm um pouco de farinha de trigo. Não é aconselhável comer em restaurantes, porque a pessoa e o médico devem conhecer os ingredientes de todas as refeições ingeridas.

Se não houver alívio dos sintomas após uma semana, os médicos podem recomendar uma dieta de eliminação diferente.

Se não surgirem sintomas, torna-se a incluir os alimentos na dieta, um por um. Cada alimento que se adiciona é fornecido por mais de 24 horas ou até os sintomas aparecerem, identificando, assim, o alérgeno. Se a pessoa tiver apresentado reações alérgicas muito graves a alimentos, o médico pode pedir que ela coma uma pequena quantidade de um alimento no consultório. A reação da pessoa ao alimento é observada pelo médico.

Você sabia que...

  • As pessoas que apresentam alergias alimentares graves devem trazer sempre consigo anti-histamínicos e uma seringa autoinjetável de epinefrina, para o caso de sofrerem uma reação grave.

Prevenção da alergia alimentar

Por muitos anos, os médicos aconselharam contra alimentar os bebês com alimentos que comumente desencadeiam reações alérgicas (como amendoins) como uma maneira de prevenir alergias alimentares. Contudo, novas evidências sugerem que alimentar os bebês regularmente com alimentos que contêm amendoim pode ajudar a prevenir o desenvolvimento de alergia a amendoim. São necessários mais estudos sobre esta abordagem.

Os pais devem conversar com seus pediatras sobre a melhor maneira de evitar a alergia a amendoim no seu filho.

Tratamento da alergia alimentar

  • Anti-histamínicos e, às vezes, epinefrina para tratar uma reação alérgica

  • Dieta de eliminação

  • Às vezes, medicamentos para bloquear a reação alérgica

  • Às vezes, imunoterapia com alérgenos (dessensibilização)

As pessoas com alergias alimentares graves, precisam ter consigo anti‑histamínicos para usar imediatamente após o início de uma reação. Os anti-histamínicos só são úteis para aliviar a urticária Urticária A urticária consiste em inchaços avermelhados, levemente salientes, que coçam. O inchaço é causado pela liberação de substâncias químicas (como a histamina) dos mastócitos na pele, que causam... leia mais Urticária e o inchaço. As pessoas também devem levar consigo uma seringa autoinjetável de epinefrina, para a utilizar no caso de reações graves. Cromolina, um medicamento prescrito tomado por via oral, também pode aliviar os sintomas.

As pessoas com alergias alimentares devem eliminar da sua dieta os alimentos que desencadeiem as alergias.

Outros medicamentos para alergias alimentares

Omalizumabe é um anticorpo monoclonal Anticorpos monoclonais Imunoterapia é o uso de medicamentos que imitam ou modificam componentes do sistema imunológico (como antígenos tumorais e pontos de verificação imunológica – consulte também Considerações gerais... leia mais fabricado para bloquear a atividade da IgE (que é produzida pelo sistema imunológico e causa os sintomas alérgicos). Omalizumabe não é usado para tratar uma reação alérgica aguda, mas está sendo estudado como uma maneira de limitar as reações alérgicas, particularmente durante tratamentos de dessensibilização. O medicamento é administrado por injeção.

Outros anticorpos monoclonais, como dupilumabe, estão sendo estudados como tratamento para alergia a amendoim.

Imunoterapia com alérgenos (dessensibilização)

Se um alérgeno não puder ser evitado, a imunoterapia de dessensibilização é um processo que tenta ensinar o sistema imunológico da pessoa a não reagir a esse alérgeno. A pessoa recebe doses progressivamente maiores do alérgeno. A primeira dose é tão pequena que mesmo uma pessoa alérgica não reagirá a ela. No entanto, essa pequena dose começa a acostumar o sistema imunológico da pessoa com o alérgeno. Em seguida, a dose é aumentada gradualmente. Cada aumento é tão pequeno que o sistema imunológico ainda assim não reage. A dose é aumentada até que a pessoa não esteja reagindo à mesma quantidade de alérgeno que antes causava sintomas.

Imunoterapia para alergias alimentares é normalmente administrada por via oral. Ela é mais amplamente usada para alergia ao amendoim em pessoas entre 4 e 17 anos de idade. A dessensibilização de vários outros alimentos está sendo estudada.

Para alergia ao amendoim, as pessoas recebem um pó de alérgeno de amendoim por via oral. No primeiro dia, cinco doses gradualmente aumentadas são tomadas em uma unidade de saúde. Um médico deve observar o tratamento do primeiro dia porque a exposição a uma alta dose do alérgeno muito cedo pode causar uma reação alérgica às vezes perigosa. As pessoas tomam uma dose todos os dias. A dose é aumentada a cada duas semanas até atingir a dose de manutenção. Esse processo costuma levar cerca de cinco meses. Cada vez que a dose é aumentada, a primeira dose deve ser tomada em uma unidade de saúde. A dose de manutenção é tomada indefinidamente.

As pessoas devem continuar a tomar o alérgeno de amendoim em pó diariamente para permanecerem dessensibilizadas. Além disso, eles ainda precisam manter uma dieta rigorosa sem amendoim, mas a dessensibilização reduz o risco de reações alérgicas graves (incluindo anafilaxia) a amendoim consumido sem saber.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
VISUALIZAR A VERSÃO PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE
quiz link

Test your knowledge

Take a Quiz! 
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
PRINCIPAIS