Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Trombose da veia porta

Por

Nicholas T. Orfanidis

, MD, Thomas Jefferson University Hospital

Última revisão/alteração completa out 2018| Última modificação do conteúdo out 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

A trombose da veia porta é a obstrução ou o estreitamento da veia porta (o vaso sanguíneo que leva sangue dos intestinos para o fígado) por um coágulo de sangue.

  • A maioria das pessoas não apresenta sintomas, mas em outras, o líquido se acumula no abdômen, o baço aumenta de tamanho e/ou um sangramento grave ocorre no esôfago.

  • A ultrassonografia Doppler geralmente pode confirmar o diagnóstico.

  • A causa é tratada, se possível, os problemas associados são tratados e os medicamentos podem ser usados para dissolver o coágulo ou evitar que ele aumente ou volte a aparecer.

Como a veia porta está estenosada ou obstruída, a pressão na veia porta aumenta. Essa pressão aumentada (denominada hipertensão portal) provoca aumento do baço (esplenomegalia). Ela também resulta em veias dilatadas e retorcidas (varicosas), veias esofágicas (denominadas varizes esofágicas) e frequentemente no estômago (denominadas varizes gástricas). Essas veias podem sangrar bastante.

O acúmulo de líquido no abdômen (denominado ascite) é pouco frequente. Mas ele pode ocorrer quando as pessoas também apresentam congestão hepática (acúmulo de sangue no fígado) ou danos no fígado, como cicatrização grave no fígado (cirrose), ou quando grandes quantidades de líquido são fornecidas por via intravenosa para tratar a hemorragia intensa das veias varicosas rompidas no esôfago e no estômago. Se a trombose na veia porta ocorrer em pessoas com cirrose, há deterioração do estado de saúde.

Causas

Cerca de 25% dos adultos com cirrose apresentam trombose na veia porta, geralmente porque o fluxo de sangue pelo fígado cicatrizado é lento. Quando o fluxo de sangue é lento, o sangue tem maior probabilidade de coagular. Qualquer quadro clínico que aumente a probabilidade de coagulação pode provocar trombose na veia porta.

As causas comuns diferem por faixa etária:

  • Recém-nascidos: Infecção do coto do cordão umbilical (no umbigo)

  • Crianças mais velhas: Apendicite (a infecção pode se disseminar para a veia porta e desencadear a formação de coágulos de sangue)

  • Adultos: Excesso de glóbulos vermelhos (policitemia), determinados cânceres (fígado, pâncreas, rins ou glândulas adrenais), cirrose, lesões, distúrbios que fazem o sangue coagular com mais facilidade, cirurgia e gestação

Frequentemente, vários quadros clínicos contribuem para a causa da obstrução. A causa é desconhecida em cerca de um terço das pessoas.

Sintomas

A maioria das pessoas não apresenta sintomas.

Em algumas pessoas, os problemas ocorrem gradualmente, resultando em hipertensão portal. Se houver veias varicosas no esôfago ou no estômago, elas podem se romper e sangrar, às vezes, de maneira bem intensa. Isso leva ao vômito com sangue. O sangue também pode passar pelo trato digestivo, fazendo com que as fezes fiquem pretas e com odor desagradável (chamado melena).

Diagnóstico

Os médicos suspeitam de trombose da veia porta em pessoas com a combinação do seguinte:

  • Sangramento das veias varicosas no esôfago ou estômago

  • Baço aumentado

  • Quadros clínicos que aumentam o risco de trombose de veia porta (por exemplo, infecção no umbigo em recém-nascidos ou apendicite aguda em crianças mais velhas)

Os exames de sangue para determinar como o fígado está funcionando ou se está danificado (testes de função hepática) são realizados, mas os resultados frequentemente são normais.

A ultrassonografia Doppler geralmente confirma o diagnóstico. Ela mostra que o fluxo sanguíneo pela veia porta está reduzido ou ausente. Em algumas pessoas, é necessário fazer um exame de ressonância magnética (RM) ou tomografia computadorizada (TC) ( Exames de diagnóstico por imagem do fígado e da vesícula biliar).

A angiografia é realizada se um procedimento para criar uma via alternativa para o fluxo sanguíneo estiver planejada. Para a angiografia, são tiradas radiografias das veias após o agente de contraste radiopaco (visível nas radiografias) ser injetado na veia porta.

Tratamento

  • Medicamentos (para dissolver ou prevenir coágulos de sangue)

  • Tratamento da causa do bloqueio e complicações

Se o coágulo de sangue subitamente obstruir a veia, um medicamento que dissolve coágulos (como um ativador do plasminogênio tecidual) é usado, às vezes. A eficácia desse tratamento (denominado trombólise) não é clara.

Se o distúrbio se desenvolver gradualmente, um anticoagulante, como heparina, é às vezes usado em longo prazo para ajudar a prevenir o aumento ou a recorrência de coágulos. Os anticoagulantes não dissolvem os coágulos existentes.

Em recém-nascidos e crianças, a causa (geralmente infecção do umbigo ou apendicite aguda) é tratada.

Os problemas causados por hipertensão portal também são tratados. O sangramento das veias varicosas no esôfago pode ser interrompido usando várias técnicas:

  • Geralmente, faixas de borracha são inseridas por um tubo de visualização flexível (endoscópio), que é introduzido na boca e vai até o esôfago. As faixas são usadas para amarrar as veias varicosas.

  • Os medicamentos anti-hipertensivos, como betabloqueadores e nitratos, reduzem a pressão na veia porta e, portanto, evitam o sangramento no esôfago.

  • Octreotídeo, um medicamento que reduz o fluxo sanguíneo para o fígado e, portanto, diminui a pressão sanguínea no abdômen, pode ser administrado por via intravenosa para ajudar a parar o sangramento.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Considerações gerais sobre a cirrose
Vídeo
Considerações gerais sobre a cirrose
Modelos 3D
Visualizar tudo
Cirrose do fígado
Modelo 3D
Cirrose do fígado

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS