honeypot link

Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Excesso de flúor

Por

Larry E. Johnson

, MD, PhD, University of Arkansas for Medical Sciences

Última revisão/alteração completa jun 2020| Última modificação do conteúdo jun 2020
Clique aqui para a versão para profissionais

O consumo de flúor em excesso, que ocorre com frequência na água potável, pode causar a fluorose, que afeta os dentes e ossos.

A maior parte do flúor no organismo se encontra armazenada nos ossos e nos dentes. O flúor é necessário para a formação de ossos e dentes saudáveis.

As pessoas que vivem em zonas onde a água contém uma quantidade elevada de flúor podem consumi-lo em excesso e sofrer de um distúrbio chamado fluorose. O flúor se acumula nos dentes, sobretudo nos definitivos. Sobre a superfície do esmalte dos dentes surgem manchas brancas opacas e irregulares. Essas manchas podem ficar amarelas ou cor de café, fazendo com que o esmalte pareça manchado. Os dentes também podem ser perfurados. Esses defeitos são apenas estéticos e podem até fazer com que o esmalte fique mais resistente às cáries.

O flúor também se acumula nos ossos. Raramente, o consumo de muito flúor durante muito tempo resulta em ossos mais densos, porém frágeis, em crescimento anômalo dos ossos (esporão) na coluna vertebral ou em paralisia devido ao acúmulo de cálcio (calcificação) nos ligamentos.

O diagnóstico de excesso de flúor toma por base os sintomas.

O tratamento do excesso de flúor consiste em reduzir o consumo de flúor. Por exemplo, as pessoas que vivem em zonas com água extremamente fluoretada não a devem consumir, nem tomar suplementos de flúor. Deve ser ensinado, também, às crianças que não devem engolir pasta de dente com flúor.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Feature.AlsoOfInterst.SocialMedia

PRINCIPAIS