Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Doenças das raízes nervosas

(Radiculopatias)

Por

Michael Rubin

, MDCM, New York Presbyterian Hospital-Cornell Medical Center

Última revisão/alteração completa dez 2020| Última modificação do conteúdo dez 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

As doenças das raízes nervosas resultam de pressão repentina ou prolongada na raiz nervosa espinhal.

  • As doenças das raízes nervosas geralmente resultam de uma hérnia de disco ou osteoartrite da coluna vertebral.

  • Essas doenças podem causar dor, sensações anormais e/ou fraqueza muscular na área do corpo inervada por essas raízes.

  • Os médicos diagnosticam doenças das raízes nervosas com base nos resultados dos exames de imagem, exames eletrodiagnósticos e testes para identificar a causa.

  • Os médicos tratam a causa, se possível, e administram medicamentos para aliviar a dor, incluindo analgésicos de venda livre (tais como anti-inflamatórios não esteroides ou paracetamol) e corticosteroides

Raízes nervosas são as ramificações curtas de um nervo espinhal Nervos cranianos e nervos espinhais O sistema nervoso periférico é composto por mais de 100 bilhões de células nervosas (neurônios) que percorrem todo o organismo como cabos, fazendo a ligação entre o cérebro e outras partes do... leia mais . Os nervos espinhais saem da medula espinhal ao longo da extensão da medula. Cada nervo espinhal contém duas raízes nervosas: uma motora e uma sensorial. (As raízes nervosas motoras contêm fibras nervosas que transportam comandos do cérebro e da medula espinhal para os músculos. Raízes nervosas sensoriais contêm fibras nervosas que transportam informações sensoriais sobre sensações como tato, posição, dor e temperatura do corpo para a medula espinhal.) Depois de saírem da medula espinhal, as duas raízes nervosas unem-se para formar um único nervo espinhal. Em seguida, cada nervo espinhal segue entre dois ossos das costas (vértebras) na coluna vertebral para ligar-se a uma área específica do corpo. A superfície da pele está dividida com base nessas áreas específicas, que são chamadas dermátomos. Dermátomo é uma área da pele em que todos os nervos sensoriais vêm de uma única raiz nervosa.

A coluna vertebral

Uma coluna de ossos denominados vértebras compõe a coluna vertebral. As vértebras protegem a medula espinhal (uma estrutura longa e frágil, situada no interior do canal medular), que se estende pelo centro da coluna vertebral. Entre as vértebras, encontram-se discos, compostos de cartilagem, que servem de amortecedores para a coluna vertebral.

Nervos espinhais: emergindo da medula espinhal, entre as vértebras, estão 31 pares de nervos espinhais. Cada nervo surge em duas ramificações (raízes) curtas – motora e sensorial – que se unem para formar um nervo espinhal.

As raízes motoras transportam comandos do cérebro e da medula espinhal para outras partes do corpo, em especial para os músculos esqueléticos.

As raízes sensitivas levam para o cérebro as informações provenientes de outras partes do corpo.

Cauda equina: a medula espinhal estende-se até cerca de três quartos da coluna vertebral, mas um feixe de nervos se estende para além da medula. Esse feixe recebe o nome de cauda equina, por assemelhar-se à cauda de um cavalo. A cauda equina transmite os impulsos nervosos de e para as pernas, a parte inferior do intestino e a bexiga.

Organização da coluna vertebral

Dermátomos

A superfície da pele está dividida em áreas específicas, chamadas dermátomos. Dermátomo é uma área da pele em que todos os nervos sensoriais vêm de uma única raiz nervosa. (Os nervos sensoriais transmitem informações sensoriais – sobre coisas como tato, dor, temperatura, vibração e posição de uma parte do corpo – para a medula espinhal.)

  • Há 8 pares de raízes de nervos sensitivos para as 7 vértebras cervicais.

  • Cada uma das 12 vértebras torácicas, das 5 lombares e das 5 sacras possui um par de raízes nervosas espinhais.

  • Na extremidade da medula espinhal, existe um par de raízes nervosas coccígeas que inervam uma pequena zona da pele existente em volta do cóccix.

Há dermátomos para cada uma dessas raízes nervosas.

A informação sensitiva proveniente de um dermátomo específico é transportada por fibras nervosas sensitivas até a raiz nervosa espinhal de uma determinada vértebra. Por exemplo, as informações sensoriais de uma faixa de pele na parte de trás da coxa são transmitidas pelas fibras nervosas sensitivas para a 2ª vértebra sacral (S2) da raiz nervosa.

Dermátomos

Causas

A causa mais comum de distúrbios de raiz nervosa é

Um disco com hérnia pode causar um distúrbio da raiz nervosa por exercer pressão sobre a raiz nervosa próxima a ele.

Artrite reumatoide Artrite reumatoide (AR) A artrite reumatoide é uma artrite inflamatória em que as articulações, geralmente incluindo as das mãos e pés, ficam inflamadas, resultando em inchaço, dor... leia mais Artrite reumatoide (AR) (AR) ou osteoartrite Osteoartrite (OA) A osteoartrite é uma doença crônica que danifica a cartilagem e os tecidos circundantes e caracteriza-se por dor, rigidez e perda da função. A artrite decorrente de... leia mais Osteoartrite (OA) podem causar alterações na coluna vertebral, passando a pressionar (comprimir) as raízes nervosas, sobretudo no pescoço e na região lombar. Na osteoartrite, o osso na coluna vertebral pode crescer demais e estreitar a abertura entre as vértebras por onde passa a raiz nervosa.

Menos comumente, um tumor ou outra massa (como um abscesso) exerce pressão sobre uma raiz nervosa.

Sintomas

Os sintomas de distúrbios das raízes nervosas dependem da raiz nervosa que for afetada. A área do corpo suprida pela raiz nervosa pode manifestar dor, sensações anormais e/ou fraqueza muscular. A dor pode parecer um choque elétrico que se propaga pela área afetada. Os músculos podem ficar atrofiados e/ou se contrair. As pessoas podem ficar paralisadas.

A dor pode ser agravada por movimento, inclusive mover as costas, tossir e espirrar.

Se as raízes da parte mais inferior da medula espinhal (a cauda equina Síndrome da cauda equina A síndrome da cauda equina ocorre quando o feixe de nervos que se estende da parte inferior da medula espinhal é comprimido ou danificado. A causa mais comum de síndrome da cauda equina... leia mais ) forem afetadas, as pessoas podem apresentar fraqueza nas pernas, problemas urinários (como incontinência ou retenção de urina), perder o controle do intestino e perder a sensibilidade nas nádegas, área genital, bexiga e reto. Os homens podem ter dificuldade em ter uma ereção. Esse distúrbio, chamado síndrome de cauda equina, é uma emergência médica. O problema – como uma hérnia de disco, um abscesso, um tumor ou um coágulo de sangue – que estiver exercendo pressão sobre a cauda equina deve ser corrigido para evitar lesões permanentes do nervo.

Diagnóstico

  • Exames de diagnóstico por imagem

  • Às vezes, testes eletrodiagnósticos

Os médicos perguntam sobre os sintomas e fazem um exame físico. Os achados fornecem pistas para o diagnóstico e ajudam os médicos a determinar onde reside o problema.

São feitos exames de ressonância magnética (RM) ou tomografia computadorizada (TC) para confirmar o diagnóstico. A RM mostra a medula espinhal, e também as anomalias nos tecidos moles em volta da medula, como abscessos, hematomas (acúmulos de sangue), tumores e discos rompidos, e nos ossos, como tumores, fraturas e espondilose cervical Espondilose cervical A espondilose cervical é a degeneração dos ossos do pescoço (vértebras) e dos discos entre elas, exercendo pressão (compressão) sobre a medula espinhal no... leia mais .

Se não for possível realizar uma RM e se os resultados da TC forem inconclusivos, faz-se uma mielografia. Para a mielografia, um agente de contraste radiopaco (que pode ser visualizado nas radiografias) é injetado no espaço ao redor da medula espinhal, e as radiografias são feitas. Também é possível realizar uma mielografia com TC. A mielografia por TC pode fornecer imagens detalhadas da medula espinhal e do osso circundante.

Os exames eletrodiagnósticos ( eletromiografia e estudos de condução nervosa Eletromiografia e estudos de condução nervosa Em algumas ocasiões, é necessário recorrer a procedimentos diagnósticos para confirmar o diagnóstico sugerido pelo histórico clínico e pelo exame neurológico. A eletroencefalografia... leia mais Eletromiografia e estudos de condução nervosa ) são realizados para confirmar que os sintomas são causados pela compressão do nervo espinhal e não por problemas na medula espinhal ou em um plexo Doenças do plexo Os plexos (redes de fibras nervosas interligadas de nervos espinhais diferentes) podem ser danificados por lesões, tumores, bolsas de sangue (hematomas) ou reações autoimunes... leia mais nervoso (uma rede de fibras nervosas, onde as fibras de diferentes nervos espinhais são selecionadas e recombinadas para servir uma área particular do corpo). No entanto, esses testes nem sempre conseguem identificar a causa.

Se exames de diagnóstico por imagem não identificarem a causa, é feita uma punção lombar, e os médicos analisam o líquido que circunda o cérebro e a medula espinhal (líquido cefalorraquidiano) para verificar se há infecções. Os médicos também medem o nível de glicose no sangue depois de as pessoas terem jejuado, para verificar se há diabetes Diabetes mellitus (DM) O diabetes mellitus é uma doença na qual o organismo não produz uma quantidade suficiente de insulina ou não responde normalmente à insulina, fazendo com que o ní... leia mais .

Tratamento

  • Tratamento da causa

  • Tratamento da dor

  • Cirurgia (geralmente como último recurso)

Quando possível, tratam-se as causas dos distúrbios da raiz nervosa.

Para dor súbita e imediata, utilizam-se medicamentos para aliviar a dor (analgésicos), ​​como paracetamol e anti‑inflamatórios não esteroides Analgésicos não opioides Em alguns casos, o tratamento da doença de base elimina ou minimiza a dor. Por exemplo, a imobilização de uma fratura ou o tratamento antibiótico para uma articulação infectada reduzem a dor... leia mais (AINEs). Se não houver alívio dos sintomas, corticosteroides podem ser administrados por via oral ou injetados no espaço entre a coluna e a camada externa do tecido que recobre a medula espinhal (chamada de injeção epidural). No entanto, com corticosteroides, o alívio da dor tende a ser leve e temporário.

Para dor de longa duração (crônica) Dor crônica A dor crônica é uma dor que dura e se repete por meses ou anos. Em geral, a dor é considerada crônica se um dos itens a seguir ocorrer: Ela durar mais de três meses Ela durar mais... leia mais , o tratamento pode ser difícil. Paracetamol e AINEs muitas vezes apresentam somente eficácia parcial, e tomar AINEs por um longo período acarreta riscos substanciais. Analgésicos opioides Analgésicos opioides Em alguns casos, o tratamento da doença de base elimina ou minimiza a dor. Por exemplo, a imobilização de uma fratura ou o tratamento antibiótico para uma articulação infectada reduzem a dor... leia mais têm um alto risco de causar dependência. Alguns medicamentos antidepressivos Antidepressivos Em alguns casos, o tratamento da doença de base elimina ou minimiza a dor. Por exemplo, a imobilização de uma fratura ou o tratamento antibiótico para uma articulação infectada reduzem a dor... leia mais e anticonvulsivantes Medicamentos anticonvulsivantes Em alguns casos, o tratamento da doença de base elimina ou minimiza a dor. Por exemplo, a imobilização de uma fratura ou o tratamento antibiótico para uma articulação infectada reduzem a dor... leia mais , que geralmente não são considerados analgésicos, podem diminuir a dor causada por lesão nervosa Dor neuropática A dor neuropática é causada por uma lesão ou disfunção dos nervos, da medula espinhal ou do cérebro. (Consulte também Considerações gerais sobre a dor)... leia mais . A fisioterapia também pode ajudar a aliviar a dor. Se nenhum desses tratamentos for eficaz, algumas pessoas podem querer recorrer à medicina alternativa (como estimulação nervosa elétrica transdérmica Tratamento da dor sem medicamentos Em alguns casos, o tratamento da doença de base elimina ou minimiza a dor. Por exemplo, a imobilização de uma fratura ou o tratamento antibiótico para uma articulação infectada reduzem a dor... leia mais , quiropraxia Quiroprática Na quiroprática, um tipo de prática manipulativa corporal, a relação entre a estrutura da coluna e a função do sistema nervoso é considerada essencial para a manutenção ou recuperação da... leia mais , acupuntura Tratamento da dor sem medicamentos ou ervas medicinais Considerações gerais sobre suplementos alimentares A medicina e saúde integrativa (MSI) e a medicina complementar e alternativa (MCA) incluem abordagens e terapias de tratamento que historicamente não foram incluídas na medicina ocidental... leia mais ).

Se a dor for contínua ou se pressão sobre os nervos espinhais estiver causando fraqueza muscular ou perda de sensibilidade, pode ser necessário realizar uma cirurgia para aliviar a pressão. Se a compressão da cauda equina ou da medula espinhal provocar incontinência urinária ou fecal, geralmente a cirurgia é necessária para evitar uma lesão permanente.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
ANDROID iOS
PRINCIPAIS