Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Paralisia de Bell

(Paralisia de Bell; Paralisia do nervo facial)

Por

Michael Rubin

, MDCM, New York Presbyterian Hospital-Cornell Medical Center

Última revisão/alteração completa mai 2019| Última modificação do conteúdo mai 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
Recursos do assunto

A paralisia de Bell (um tipo de paralisia do nervo facial) é o enfraquecimento repentino ou paralisia dos músculos em um lado da face devido à disfunção do 7º nervo craniano (nervo facial). Este nervo move os músculos faciais, estimula a salivação e as glândulas lacrimais, permite que os dois terços frontais da língua detectem os gostos e controla um músculo que envolve a audição.

  • A causa pode ser uma infecção viral ou uma doença imunológica que faz o nervo facial inchar.

  • As pessoas podem sentir dor na parte de trás da orelha, depois, um lado do rosto fica fraco ou completamente paralisado e podem não conseguir sentir gosto na parte anterior da língua no lado afetado.

  • Os médicos normalmente fazem o diagnóstico com base nos sintomas.

  • Os corticosteroides, que são usados para reduzir o inchaço do nervo, ajudam as pessoas a se recuperar e a recuperar o movimento facial um pouco mais rapidamente.

  • A maioria das pessoas se recupera completamente depois de vários meses, com ou sem tratamento.

Os médicos costumavam acreditar que as causas da paralisia de Bell eram desconhecidas (idiopáticas). No entanto, evidências recentes sugerem que, em alguns casos, uma causa (como uma infecção viral ou doença imunológica que faz o nervo facial inchar) pode ser identificada.

As causas comuns de paralisia de Bell incluem

Outros vírus, como coxsackievírus, citomegalovírus e os vírus que causam caxumba, rubéola, mononucleose ou resfriado, também podem causar a paralisia de Bell.

A infecção faz o nervo inchar. Quando está inchado, o nervo é apertado (comprimido) pelas passagens estreitas no cérebro.

Outras doenças também podem causar a paralisia do nervo facial. A doença de Lyme pode causar paralisia do nervo facial que, diferente da paralisia de Bell, pode afetar os dois lados da face. Nos afro-americanos, a sarcoidose é uma causa normal de paralisia do nervo facial. Às vezes, os tumores e fraturas cranianas causam paralisia facial.

Sintomas

Na paralisia de Bell, a dor atrás do olho pode ser o primeiro sintoma. De repente, os músculos faciais enfraquecem, em geral, em horas. O efeito vai desde a fraqueza moderada até a completa paralisia. Em 48 a 72 horas, a fraqueza é a mais intensa. Apenas um lado da face é afetado.

Nas paralisias do nervo facial, a face fica lisa e sem expressão. No entanto, as pessoas sentem, frequentemente, a face torcida, porque os músculos da parte não afetada têm tendência a direcioná-la nesse sentido, sempre que realizam uma expressão facial. Pode ser difícil ou impossível enrugar a testa, piscar e fazer careta no lado afetado. A maioria das pessoas sente um entorpecimento ou uma sensação de peso na face, mesmo quando a sensibilidade permanece normal.

Pode ser difícil fechar o olho no lado afetado. Às vezes, as pessoas não conseguem fechar o olho completamente e piscam com menos frequência. Ao fechar o olho, este tende a desviar-se para cima.

A produção de saliva e lágrimas pode ser afetada. As pessoas podem ficar com olhos e boca secos ou podem babar. Como a produção de lágrimas é menor e os olhos piscam com menos frequência (piscar ajuda a umedecer a superfície ocular), o olho fica seco, causando dor e lesão. A lesão ocular geralmente é pequena, mas pode ser séria, se o olho não for umedecido e protegido de outra maneira.

Talvez as pessoas não consigam sentir o paladar na parte anterior da língua no lado afetado. O ouvido do lado afetado pode captar os sons muito elevados (um transtorno denominado hiperacusia), porque o músculo que estira o tímpano fica paralisado – este músculo está localizado no ouvido interno. Este músculo está localizado no ouvido médio.

Você sabia que...

  • As paralisias do nervo facial geralmente são causadas pelos vírus que causam feridas ou herpes zoster.

  • A doença de Lyme pode causar uma paralisia do nervo facial.

Em algumas situações, à medida que o nervo facial se recupera, formam-se ligações anômalas, podendo ocasionar movimentos inesperados de alguns músculos da face ou uma secreção espontânea de lágrimas (lágrimas de crocodilo), durante a salivação.

Como os músculos faciais não são usados por muito tempo, pode ocorrer o aperto dos músculos (contraturas).

Diagnóstico

  • Sintomas

  • Algumas vezes, vários testes, dependendo da causa suspeita

É possível diagnosticar e distinguir a paralisia do nervo facial de outros distúrbios com base nos sintomas. Por exemplo, é possível diferenciá-la de um acidente vascular cerebral, pois este último provoca uma fraqueza que afeta apenas a região inferior de um lado da face e não o lado inteiro da face. As pessoas que sofrem um AVC podem fechar os olhos bem apertados e levantar a sobrancelha. Além disso, num acidente vascular cerebral é frequente o braço e a perna ficarem, igualmente, fracos.

Os médicos conseguem distinguir a paralisia de Bell de outras doenças menos comuns que causam a paralisia do nervo facial (como tumores, doença de Lyme, outras infecções, sarcoidose, diabetes e fraturas do crânio). Normalmente, essas outras doenças causam sintomas diferentes e, em muitas delas, eles se desenvolvem mais lentamente. Por isso, se os médicos não têm certeza de que a paralisia de Bell é a causa ou se os sintomas se desenvolveram gradualmente, testes são realizados. Esses testes incluem

  • Exames de sangue

  • Radiografias

  • Imagem por ressonância magnética (RM) ou tomografia computadorizada (TC) do cérebro.

Por exemplo, é possível fazer um exame de sangue para verificar a doença de Lyme e um exame de sangue e uma radiografia do tórax para verificar a presença de sarcoidose. Geralmente, os médicos podem excluir outras causas com base nos sintomas da pessoa e nos resultados desses testes.

Prognóstico

Quando a paralisia é parcial, a maioria dos pacientes se recupera por completo, em vários meses, com ou sem tratamento.

Se a paralisia for total, o prognóstico é variável. Podem ser realizados exames (estudos de condução nervosa e eletromiografia) para ajudar a prever a probabilidade de recuperação. Algumas pessoas não se recuperam por completo. Os músculos faciais podem continuar fracos, fazendo o rosto cair.

Tratamento

  • Algumas vezes, um corticosteroide

  • Colírios ou um tampão para proteger a córnea

Se os sintomas apareceram por menos de 48 horas, é administrado um corticosteroide oralmente, como prednisona para reduzir o inchaço no nervo. Tomar um corticosteroide lentamente acelera e melhora a recuperação do movimento.

Não se sabe ao certo se os medicamentos antivirais ajudam, mesmo aqueles que são eficazes contra as causas comuns da paralisia de Bell: o vírus do herpes simples e o vírus que causa o herpes zóster (como aciclovir, fanciclovir ou valaciclovir). Entretanto, às vezes se prescrevem medicamentos antivirais em complementação a um corticosteroide. Não está claro se esta combinação é mais eficaz do que um corticosteroide isoladamente.

Se o olho não fechar por completo, deve ser protegido da secura para reduzir o risco de lesão ocular. Para isso, recomenda-se a aplicação de colírios compostos por lágrimas artificiais ou uma solução de sal (salina) até se conseguir fechar o olho por completo. As pessoas podem ter que usar um tampão nos olhos durante algum tempo, principalmente durante o sono. Raramente, em casos graves, as pálpebras superior e inferior se juntam.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Punção lombar
Vídeo
Punção lombar
A medula espinhal é um feixe de nervos que percorre desde a base do cérebro por todas as costas...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Coluna vertebral e medula espinhal
Modelo 3D
Coluna vertebral e medula espinhal

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS