Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Doença de movimento periódico dos membros (PLMD) e síndrome das pernas inquietas (RLS)

Por

Richard J. Schwab

, MD, University of Pennsylvania, Division of Sleep Medicine

Última revisão/alteração completa mai 2019| Última modificação do conteúdo mai 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

A doença de movimento periódico dos membros envolve os movimentos repetitivos dos braços, das pernas ou de ambos durante o sono. A síndrome das pernas inquietas envolve uma vontade irresistível de mover e sensações geralmente anormais nas pernas, braços ou ambos, quando as pessoas ficam sentadas ou deitadas.

  • Em pessoas com problemas de movimentos periódicos dos membros, as pernas, os braços, ou ambos se contorcem e sacodem, perturbando o sono, mas as pessoas geralmente não estão cientes dos movimentos.

  • As pessoas com a síndrome das pernas inquietas têm dificuldade para relaxar e dormir, pois elas sentem uma vontade irresistível de mover as pernas ou os braços.

  • Os médicos podem diagnosticar a síndrome das pernas inquietas com base nos sintomas, mas são necessários testes em um laboratório do sono para diagnosticar a doença de movimento periódico dos membros.

  • Não há cura, mas os medicamentos utilizados para tratar a doença de Parkinson e outros medicamentos podem ajudar a controlar os sintomas.

Esses distúrbios do sono são mais comuns durante a meia-idade e em idosos. Nos Estados Unidos, a síndrome das pernas inquietas pode afetar até 10% das pessoas. Ocorre particularmente com maior frequência entre os idosos acima de 50 anos. A maioria das pessoas com síndrome das pernas inquietas também apresenta sintomas da doença de movimento periódico dos membros, mas a maioria das pessoas com doença de movimento periódico dos membros não apresenta síndrome das pernas inquietas.

Ainda não foi determinado o que causa esses problemas. Mas um terço ou mais das pessoas com a síndrome das pernas inquietas têm familiares com a síndrome. Os fatores de risco incluem os seguintes:

  • Estilo de vida sedentário

  • Tabagismo

  • Obesidade

Muitas pessoas com narcolepsia ou distúrbio de comportamento do sono durante o movimento rápido dos olhos (REM) movimentam suas pernas periodicamente durante o sono.

Tanto a síndrome das pernas inquietas como a doença de movimento periódico dos membros são mais prováveis em pessoas que apresentam ou realizam o seguinte:

  • Param de tomar determinados medicamentos (incluindo os benzodiazepínicos como o diazepam)

  • Tomam estimulantes (como a cafeína ou medicamentos estimulantes) ou certos antidepressivos

  • Têm deficiência de ferro

  • Têm anemia

  • Estão grávidas

  • Têm doenças crônicas renais ou hepáticas graves

  • Têm diabetes

  • Têm doenças neurológicas, como esclerose múltipla ou doença de Parkinson

Sintomas

Ambas doença de movimento periódico dos membros e síndrome das pernas inquietas interrompem o sono. Como resultado, as pessoas se sentem cansadas e com sono durante o dia.

Sintomas da doença de movimento periódico dos membros

As pernas ou os braços normalmente se contorcem e sacodem a cada 20 a 40 segundos durante o sono. As pessoas geralmente desconhecem esses movimentos e os breves despertares que se seguem, mas podem queixar-se de dormir mal, acordar várias vezes durante a noite ou sentir sono durante o dia. As pessoas não apresentam nenhuma sensação anormal nas pernas ou nos braços.

Sintomas da síndrome das pernas inquietas

Normalmente, as pessoas com síndrome das pernas inquietas têm uma vontade irresistível de mover as pernas quando estão sentadas ou deitadas. As pessoas muitas vezes também sentem sensações vagas mas intensas em suas pernas, às vezes acompanhadas de dor. As sensações podem ser descritas como queima, formigamento ou puxão, ou como se insetos rastejassem por dentro de suas pernas.

Caminhar, se mexer ou esticar as pernas pode aliviar essa sensação. As pessoas podem andar, movimentar constantemente as pernas enquanto estão sentadas, e se sacudir e virar na cama. Assim, as pessoas têm dificuldade em relaxar e adormecer. Durante o sono, as pernas mexem-se de forma espontânea e incontrolada, fazendo a pessoa acordar várias vezes.

A probabilidade de esses sintomas se manifestarem é maior quando a pessoa está sob estresse. Os episódios podem ocorrer ocasionalmente, causando alguns problemas, ou várias vezes por semana, privando as pessoas do sono e tornando difícil se concentrar e trabalhar.

Diagnóstico

  • Para a síndrome das pernas inquietas, uma avaliação do médico

  • Para doença de movimento periódico dos membros, polissonografia

  • Para ambas as doenças, testes para verificar a causa

Os médicos muitas vezes podem diagnosticar a síndrome das pernas inquietas com base nos sintomas apresentados pela pessoa ou companheiro(a) da pessoa.

Sempre é realizada a polissonografia, incluindo a eletromiografia (EMG), para diagnosticar a doença de movimento periódico dos membros. Estes testes são feitos durante a noite em um laboratório do sono e não são feitos em casa. Enquanto as pessoas dormem na polissonografia, são monitorados a atividade cerebral, os batimentos cardíacos, a respiração, a atividade muscular e os movimentos oculares. As pessoas também podem ser filmadas durante uma noite inteira de sono para documentar os movimentos dos membros.

Se for diagnosticada uma doença, são realizados exames de sangue e urina para verificar se há problemas que podem contribuir, como a anemia, a deficiência de ferro e doenças nos rins e no fígado.

Tratamento

  • Mudanças na dieta

  • Medicamentos utilizados para tratar a doença de Parkinson e outros medicamentos

É recomendado que se evite o consumo de cafeína, o que pode piorar os sintomas. Se as pessoas tiverem deficiência de ferro, o tratamento primário é a administração de suplementos de ferro.

Os mesmos medicamentos são usados para tratar a doença de movimento periódico dos membros e a síndrome das pernas inquietas. Esses medicamentos são

  • Medicamentos normalmente utilizados para tratar a doença de Parkinson: pramipexol, ropinirol ou rotigotina (utilizado como um adesivo) pode ajudar. Esses medicamentos imitam as ações da dopamina – um produto químico que transmite mensagens das células nervosas para outras células (neurotransmissores). Eles aumentam os impulsos nervosos para os músculos. Esses medicamentos têm relativamente poucos efeitos colaterais, mas podem piorar os sintomas. Esses medicamentos também podem provocar náusea, uma redução excessiva na pressão arterial quando a pessoa se levanta (hipotensão ortostática), comportamentos compulsivos e insônia.

  • Medicamentos anticonvulsivantes: um medicamento anticonvulsivante que também é usado para tratar a dor é eficaz em algumas pessoas. Esses medicamentos incluem gabapentina ou pregabalina.

  • Opioides: um opioide como a oxicodona pode ser utilizado. No entanto, os médicos os utilizam com cautela, pois eles podem ter efeitos colaterais graves, incluindo a possibilidade de dependência.

Gabapentina enacarbila é o principal tratamento para pessoas com doença de movimento periódico dos membros ou síndrome das pernas inquietas. Esse medicamento alivia os sintomas da síndrome das pernas inquietas e não piora os sintomas.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Doença de Parkinson
Vídeo
Doença de Parkinson
O cérebro é composto de substância cinzenta e branca contendo milhões de células nervosas...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Mesencéfalo: Corte transversal (anatomia normal)
Modelo 3D
Mesencéfalo: Corte transversal (anatomia normal)

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS