Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Enxaquecas

Por

Stephen D. Silberstein

, MD, Sidney Kimmel Medical College at Thomas Jefferson University

Última revisão/alteração completa jun 2018| Última modificação do conteúdo jun 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
Recursos do assunto

Uma cefaleia de enxaqueca é geralmente uma dor pulsátil ou latejante que varia de moderada a grave. Ela pode afetar um ou ambos os lados da cabeça. Ela é agravada pela atividade física, luz, sons ou odores e é acompanhada por náuseas, vômitos e sensibilidade a sons, luz e/ou odores.

  • Enxaquecas podem ser desencadeadas pela falta de sono, mudanças no clima, fome, excesso de estimulação dos sentidos, estresse ou outros fatores.

  • Elas podem ser agravadas pela atividade física, luz, sons ou odores.

  • Os médicos baseiam o diagnóstico em sintomas típicos.

  • Não existe nenhuma cura para enxaquecas, mas medicamentos são usados para parar a enxaqueca quando ela está começando, para aliviar a dor e reduzir o número e a gravidade das crises de enxaqueca.

Embora as enxaquecas possam começar em qualquer idade, elas geralmente começam na puberdade ou na idade adulta. Para a maioria das pessoas, as enxaquecas ocorrem periodicamente (menos de 15 dias por mês). Após os 50 anos de idade, as cefaleias tornam-se normalmente significativamente menos intensas ou param completamente. As enxaquecas são três vezes mais comuns entre as mulheres. Nos Estados Unidos, cerca de 18% das mulheres e 6% dos homens têm uma enxaqueca em alguma ocasião por ano.

Enxaquecas podem tornar-se crônicas. Isto é, podem ocorrer durante 15 dias ou mais por mês. Enxaquecas crônicas desenvolvem-se mais frequentemente em pessoas que usam excessivamente drogas para tratar enxaquecas.

Enxaquecas tendem a ocorrer em famílias. Mais de metade das pessoas que sofrem de enxaquecas tem familiares também afetados.

Causas

Enxaquecas ocorrem em pessoas cujo sistema nervoso é mais sensível do que os de outras pessoas. Para essas pessoas, as células nervosas no cérebro são facilmente estimuladas, produzindo atividade elétrica. Conforme a atividade elétrica se espalha pelo cérebro, várias funções, como visão, sensação, equilíbrio, coordenação muscular e fala, são temporariamente perturbadas. Esses distúrbios causam os sintomas que ocorrem antes da cefaleia (chamados de aura). A cefaleia ocorre quando o 5º nervo craniano (trigêmeo) é estimulado. Este nervo envia impulsos (incluindo impulsos de dor) dos olhos, couro cabeludo, testa, pálpebras superiores, boca e mandíbula para o cérebro. Quando estimulados, os nervos podem liberar substâncias que causam inflamação dolorosa dos vasos sanguíneos do cérebro (os vasos sanguíneos cerebrais) e as camadas de tecidos que cobrem o cérebro (meninges). A inflamação provoca cefaleia latejante, náuseas, vômitos e sensibilidade à luz e ao som.

Acredita-se que os estrógenos, os principais hormônios femininos, desencadeiam a enxaqueca, o que explicaria o fato dela ser mais frequente nas mulheres. Enxaquecas podem provavelmente ser desencadeadas quando os níveis de estrogênio aumentam ou flutuam. Durante a puberdade (quando os níveis de estrogênio aumentam), a enxaqueca é muito mais frequente entre as jovens mulheres do que entre os rapazes da mesma idade. Algumas mulheres têm enxaquecas antes, durante ou imediatamente após a menstruação. Enxaquecas ocorrem com menos frequência e tornam-se menos graves nos último trimestre da gravidez quando os níveis de estrogênio estão relativamente estáveis, e se agravam após o parto quando os níveis de estrogênio diminuem rapidamente. Com a aproximação da menopausa (quando os valores de estrogênio ficam instáveis), a enxaqueca é particularmente difícil de controlar.

Contraceptivos orais (que contêm estrogênio) e terapia de estrogênio podem piorar enxaquecas e podem aumentar o risco de acidente vascular cerebral em mulheres que têm enxaquecas com aura.

Outros acionadores são os seguintes:

  • Falta de sono, incluindo insônia

  • Mudanças no clima, em particular a pressão barométrica

  • Vinho tinto

  • Certos alimentos

  • Fome (como quando as refeições não são feitas)

  • Estimulação excessiva dos sentidos (por exemplo, por luzes intermitentes ou odores fortes)

  • Estresse

Diversos alimentos foram associados a enxaquecas, mas não está claro se eles são os desencadeantes das enxaquecas. Esses alimentos incluem

  • Alimentos que contêm tiramina, como queijos maturados, derivados de soja, favas, embutidos, peixe defumado ou desidratado e alguns tipos de frutas secas.

  • Alimentos contendo nitratos, como frios e cachorros-quentes

  • Alimentos contendo GMS (glutamato monossódico), um realçador de sabor encontrado em alimentos “fast food”, caldos, temperos e especiarias

  • Cafeína (inclusive a que está contida em chocolates)

Os tipos de alimentos que desencadeiam enxaquecas variam de pessoa para pessoa.

Lesões na cabeça, dor no pescoço ou um problema com a articulação da mandíbula (disfunção da articulação temporomandibular), podem desencadear ou agravar enxaquecas.

A enxaqueca hemiplégica familiar, um subtipo raro de enxaqueca, está associada a defeitos genéticos do cromossomo 1, 2 ou 19. O papel dos genes nas formas mais comuns da enxaqueca está em estudo.

Sintomas

Em uma enxaqueca, a dor pulsátil ou latejante normalmente é sentida em um lado da cabeça, mas pode ocorrer em ambos os lados. A dor pode ser moderada, mas é muitas vezes intensa e incapacitante. Atividade física, luz brilhante, barulhos altos, e determinados odores podem piorar a dor. Esta maior sensibilidade faz com que muitas pessoas recuem para uma sala escura e silenciosa, deitem-se e durmam, se possível. Tipicamente, as enxaquecas diminuem durante o sono.

A cefaleia é frequentemente acompanhada de náuseas, por vezes com vômitos e sensibilidade à luz, sons e/ou odores.

Crises graves podem ser incapacitantes, interrompendo rotinas diárias e de trabalho.

As crises variam em frequência e gravidade. Muitas pessoas apresentam diversos tipos de cefaleias, incluindo crises leves sem náusea ou sensibilidade à luz. Essas crises podem lembrar uma cefaleia tensional mas são uma forma leve de enxaqueca.

Um pródromo geralmente ocorre antes de uma enxaqueca. O pródromo consiste em sensações que avisam que uma crise está prestes a começar. Essas sensações podem incluir mudanças de humor, perda de apetite e náuseas.

Uma aura precede as enxaquecas em cerca de 25% das pessoas. A aura consiste em perturbações transitórias e reversíveis da visão, do equilíbrio, coordenação dos músculos ou da linguagem. Com frequência, as pessoas veem luzes denteadas, trêmulas ou pulsáteis ou apresentam um ponto cego central com limites trêmulos. A sensação de formigamento, a perda de equilíbrio, a fraqueza de um braço ou de uma perna e a dificuldade de falar são sintomas menos frequentes. A aura dura de minutos até uma hora antes e pode continuar após o começo da cefaleia. Algumas pessoas experimentam uma aura, mas têm apenas uma cefaleia leve ou nenhuma cefaleia. Estas dores leves podem ser semelhantes à cefaleia do tipo tensional.

As crises de enxaqueca podem durar de horas a alguns dias (normalmente, de quatro horas a alguns dias). Crises graves podem ser incapacitantes e interromper a vida familiar e profissional.

As enxaquecas geralmente tornam-se menos graves conforme a pessoa envelhece.

Você sabia que...

  • Às vezes, as enxaquecas podem causar sintomas como perturbações na visão ou equilíbrio sem causar uma cefaleia.

  • Tomar analgésicos muito frequentemente muitas vezes pode piorar as enxaquecas.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

  • Às vezes, tomografia computadorizada ou imagem por ressonância magnética

Os médicos diagnosticam enxaquecas quando os sintomas são típicos e os resultados de um exame físico (que inclui um exame neurológico) são normais.

Não há nenhum procedimento que possa confirmar o diagnóstico. Se as dores tiverem surgido recentemente ou se alguns sinais de alerta estiverem presentes, geralmente é realizada uma tomografia computadorizada (TC) ou imagem por ressonância magnética (RM) da cabeça e, às vezes, é feita uma punção lombar (punção na coluna vertebral) para excluir outros problemas.

Se as pessoas que são conhecidas por terem enxaquecas desenvolvem uma cefaleia que é semelhante às suas enxaquecas anteriores, os médicos raramente fazem exames. No entanto, se a dor for diferente, especialmente se alguns sinais de alerta estiverem presentes, uma consulta médica e muitas vezes exames são necessários.

Prevenção

Quando o tratamento não impede que as pessoas tenham enxaquecas frequentes ou incapacitantes, tomar medicamentos todos os dias para prevenir crises de enxaqueca pode ajudar ( Medicamentos usados para tratar enxaquecas). Tomar medicamentos preventivos pode ajudar as pessoas que estejam tomando analgésicos ou outros medicamentos para enxaquecas com muita frequência a reduzir sua utilização.

A escolha de um medicamento preventivo é feita com base nas reações adversas que provoca e na presença de outros problemas, como nos exemplos a seguir:

  • Betabloqueadores, como propranolol, são usados com frequência, sobretudo em pessoas com ansiedade ou doença arterial coronariana.

  • O anticonvulsivante topiramato pode ser administrado a pessoas que estão com sobrepeso, pois ele pode promover a perda de peso.

  • O anticonvulsivante divalproex pode ajudar a estabilizar o humor, podendo ser útil se as enxaquecas estiverem dificultando o desempenho das funções.

  • A amitriptilina pode ser administrada a pessoas com depressão ou insônia.

Tratamento

  • Eliminação de desencadeadores

  • Intervenções comportamentais

  • Ioga

  • Medicamentos para evitar o avanço da enxaqueca

  • Medicamentos para controle da dor

  • Medicamentos para prevenir a enxaqueca

Enxaquecas não podem ser curadas, mas podem ser controladas.

Médicos incentivam as pessoas a manter um diário das cefaleias. Nele, as pessoas escrevem o número e a distribuição dos ataques, possíveis acionadores e as suas respostas aos tratamentos. Com essas informações, os desencadeadores podem ser identificados e eliminados sempre que possível. Então, as pessoas podem participar dos tratamentos para evitarem os desencadeadores, e os médicos podem planejar melhor e ajustar o tratamento.

Os médicos também recomendam o uso de intervenções comportamentais (como relaxamento, biofeedback, gerenciamento de estresse) para controlar crises de enxaqueca, especialmente quando o estresse é um desencadeador ou quando as pessoas estão tomando medicamentos demais para controlar as enxaquecas.

A ioga pode reduzir a intensidade e a frequência das enxaquecas. Na ioga, posturas físicas que fortalecem e alongam os músculos são aliadas a respiração profunda, meditação e relaxamento.

Medicamentos

Alguns medicamentos interrompem (impedem) uma enxaqueca que está começando ou impedem que ela avance. Alguns são tomados para controlar a dor. Outros são tomados para prevenir enxaquecas.

Quando as enxaquecas são ou se tornam graves, são usados medicamentos que podem interrompê-las. Eles são tomados logo que as pessoas sentem que a enxaqueca está começando. Elas incluem as seguintes:

  • Triptanos (5-hidroxitriptamina [5-HT], ou serotonina, agonistas) são geralmente usados. Os triptanos evitam que os nervos liberem substâncias que possam provocar enxaquecas. Os triptanos são mais eficazes quando tomados logo que a enxaqueca começa. Eles podem ser tomados por via oral ou por um spray nasal ou ser injetados sob a pele (via subcutânea).

  • A diidroergotamina é administrada por via intravenosa, por via subcutânea e por spray nasal para interromper enxaquecas intensas e persistentes. É comumente administrado com um medicamento usado para aliviar náusea (medicamentos antieméticos), como proclorperazina, administrado por via intravenosa.

  • Certos medicamentos antieméticos (como proclorperazina) podem ser usados para aliviar enxaquecas leves a moderadas. A proclorperazina, tomada por via oral ou administrada como supositório, é também usada para evitar enxaquecas quando as pessoas não são tolerantes a triptanos ou diidroergotamina.

Como os triptanos e a diidroergotamina podem causar a contração dos vasos sanguíneos estreitos (constrição), eles não são recomendados para pessoas que têm angina, doenças da artéria coronária ou pressão arterial alta não controlada. Se as pessoas idosas ou pessoas com fatores de risco para doenças da artéria coronária precisarem tomar essas drogas, elas devem ser monitoradas de perto.

Se as enxaquecas são normalmente acompanhadas por náusea, é eficaz tomar um antiemético com um triptano quando os sintomas se iniciam. Os antieméticos (tais como proclorperazina ou metoclopramida), tomados isoladamente, podem interromper o avanço de enxaquecas leves ou moderadas.

Quando as enxaquecas são graves, líquidos administrados por via intravenosa podem ajudar a aliviar a cefaleia e fazer a pessoa se sentir melhor, especialmente se ela estiver desidratada por vômitos.

Para enxaquecas leves a moderadamente graves, medicamentos para reduzir a dor (analgésicos) podem ajudar a controlar a dor. Muitas vezes utiliza-se paracetamol ou anti-inflamatórios não esteroides (AINEs). Eles podem ser tomados em alternância com (ou em vez dos) triptanos, durante uma crise de enxaqueca. Para enxaquecas ocasionais leves, analgésicos que contêm cafeína, um opioide ou butalbital (um barbitúrico) podem ajudar. No entanto, o uso abusivo de analgésicos e cafeína (em preparações de ação analgésica ou em bebidas que contenham cafeína) ou de triptanos pode levar a enxaquecas diárias, mais graves. Essas cefaleias, chamadas cefaleias de uso abusivo, ocorrem quando estas drogas são tomadas mais do que dois a três dias por semana.

Deixar de tomar ou reduzir a dose de um medicamento usado para tratar enxaquecas ou tomá-lo mais tarde pode desencadear ou piorar uma enxaqueca.

Quando outros tratamentos não são eficazes em pessoas com enxaquecas graves, podem ser usados analgésicos opioides como último recurso.

Tabela
icon

Medicamentos usados para tratar enxaquecas

Tipo

Exemplos

Alguns efeitos colaterais

Prevenção

Divalproato

Valproato

Perda de cabelo, dor de estômago, disfunção hepática, uma tendência para sangrar, tremores e ganho de peso

Não é utilizado em gestantes com enxaquecas

Topiramato

Perda de peso, confusão e depressão

Atenolol

Metoprolol

Nadolol

Propranolol

Timolol

Espasmo das vias aéreas (broncoespasmo), frequência cardíaca anormalmente lenta (bradicardia), fadiga, insônia, piora da insuficiência cardíaca e disfunção sexual

Alterações nos níveis de açúcar no sangue (possivelmente dificultando aos médicos saberem quando os níveis de açúcar no sangue se tornam baixos em pessoas com diabetes)

Com alguns betabloqueadores, efeitos desfavoráveis sobre os níveis de lipídios (gorduras)

Verapamil

Tontura, pressão arterial baixa e fraqueza

Constipação

Uma toxina botulínica (usada para bloquear a atividade do nervo)

OnabotunlinumtoxinA

Dor no pescoço e rigidez

Fraqueza dos músculos na face e às vezes no pescoço

Antidepressivos tricíclicos

Amitriptilina

Sonolência, ganho de peso, aumento da frequência cardíaca, boca seca, confusão e constipação intestinal

Tratamento de enxaquecas graves

Drogas antieméticas (usadas para aliviar as náuseas)

Metoclopramida

Proclorperazina

Baixa pressão arterial, sonolência, movimentos involuntários e espasmos musculares

Derivados da ergotamina

Diidroergotamina

Náuseas, vômitos e cãibras musculares menores

Raramente, dor no peito devido a um suprimento inadequado de sangue para o músculo cardíaco (angina)

Triptanos (5-hidroxitriptamina [5-HT] ou serotonina, agonistas) são geralmente usados.

Almotriptana

Eletriptana

Frovatriptana

Naratriptana

Rizatriptana

Sumatriptana

Zolmitriptana

Vermelhidão, sensação de formigamento, tontura, sonolência, náuseas, dor e uma sensação de pressão ou dor no pescoço ou tórax

Codeína

Meperidina

Oxicodona

Abrandamento da respiração, constipação, retenção de urina, sonolência e náusea

Tratamento de enxaquecas leves a moderadas

Analgésicos

Paracetamol

Cefaleia por abuso de medicação (cefaleia de rebote) se o medicamento é administrado muito frequentemente

Urticária ocasional

Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs)

Aspirina

Indometacina

Naproxeno

Cefaleia por abuso de medicação se o medicamento é administrado muito frequentemente

Gastrite (inflamação do estômago) e úlceras pépticas

Com a indometacina, piora da depressão, crises convulsivas, e tremores com diminuição da mobilidade e rigidez muscular e, no caso de pessoas mais velhas, tontura e confusão

*Os opioides devem ser usados como um último recurso quando as enxaquecas forem graves e outras medidas forem ineficazes.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Punção lombar
Vídeo
Punção lombar
A medula espinhal é um feixe de nervos que percorre desde a base do cérebro por todas as costas...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Coluna vertebral e medula espinhal
Modelo 3D
Coluna vertebral e medula espinhal

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS