Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Dor no membro residual

(Phantom Pain; Phantom Sensation)

Por

Jan J. Stokosa

, CP, Stokosa Prosthetic Clinic

Última revisão/alteração completa dez 2019| Última modificação do conteúdo dez 2019
Clique aqui para a versão para profissionais

Depois de uma amputação, mais de 70% das pessoas sentem dor no membro residual (coto), que pode causar limitação importante da função, prejudicar a qualidade de vida e comprometer significativamente a reabilitação. Dor no membro residual deve ser avaliada e tratada agressivamente, pois algumas causas podem ser perigosas. A sensação de membro fantasma é uma sensação desejável e indolor que pode melhorar o sentido que indica a posição do membro e difere da dor fantasma. (Consulte também Considerações gerais sobre a prótese de membros.)

Causas

Causas de dor no membro residual incluem

  • Dor cirúrgica

  • Infecção de tecido profundo (por exemplo, infecção no osso)

  • Pontos de pressão com ou sem ruptura da pele

  • Crescimento excessivo de tecido nervoso (neuroma)

  • Lesão nervosa (neuropatia)

  • Esporões ósseos

  • Falta de fluxo sanguíneo para o membro (isquemia)

  • Dor fantasma

Uma pessoa com dor no membro residual deve, primeiro, procurar por sinais de infecção e de ruptura da pele. Em caso de provável infecção, é necessário consultar um médico. Mesmo não havendo sinais de infecção óbvia, o médico deve ser consultado em caso de dor intensa e súbita ou se houve febre; pois esses sintomas podem indicar uma infecção. A área pode ser limpa ou lavada com uma solução. A pele morta pode ser removida e uma bandagem aplicada. Antibióticos e, às vezes, cirurgia podem ser necessários.

A dor de uma ferida cirúrgica normalmente se resolve à medida que os tecidos cicatrizam, geralmente ao longo de três a seis meses. Dor que persiste além desse tempo tem diversas causas, incluindo infecção e uma prótese mal ajustada. Os tratamentos são direcionados para a causa e podem também incluir a modificação da prótese, não usar a prótese até a ferida sarar e tomar analgésicos.

Dor causada por lesões nervosas (dor neuropática) é comum. Em geral descrita como dor aguda ou em queimação, a dor neuropática normalmente se desenvolve até sete dias após a amputação. Ela pode desaparecer espontaneamente, mas muitas vezes perdura. Ela pode ser constante e intensa ou intermitente. Os nervos podem ter sido danificados por uma lesão ou quando foram seccionados durante a amputação. O tratamento da dor neuropática inclui tratamentos psicológicos, métodos físicos, antidepressivos e anticonvulsivantes.

Neuromas dolorosos (crescimento não canceroso de tecido nervoso) podem ocorrer em qualquer nervo seccionado (por cirurgia ou trauma) e podem causar dor em choque, aguda, em formigamento, em pontada ou pungente. A dor normalmente não envolve o membro fantasma, mas pode envolver. Outros sintomas de neuroma incluem sensações incomuns e incômodas que ocorrem sem um estímulo ou ao contrair músculos do membro residual e uma sensação desagradável (disestesia) que ocorre ao palpar a pele levemente. Quanto mais tempo o neuroma for irritado, seja por usar a prótese ou por contrações musculares, mais tempo demora para desaparecer. Às vezes os médicos fazem uma RM e/ou ultrassonografia para confirmar o diagnóstico de neuroma. Um neuroma grave pode precisar ser operado.

Pacientes cuja da amputação foi necessária devido a má circulação (doença arterial periférica) podem ter um coto com circulação deficiente, o que pode ser difícil de diagnosticar.

Se não houver doença clínica causando a dor, massagem e toques leves combinados à elevação do membro residual podem ajudar a aliviar a dor. Se isso for ineficaz, analgésicos leves (como ibuprofeno ou paracetamol) podem ser usados. Se a dor persistir, um especialista no controle da dor pode ser útil.

Algumas vezes, há dor em outros membros ou nos quadris, espinha ou pescoço. Essa dor pode ocorrer porque usar uma prótese faz com que o paciente mude a maneira de caminhar ou a postura do corpo (alinhamento do corpo), ou faz com que o paciente repita os movimentos. Fazer exercícios específicos de alongamento e para fortalecer os músculos regularmente pode ajudar a evitar ou aliviar esse tipo de dor. Um fisioterapeuta pode ajudar a criar um programa adequado de exercícios.

Dor fantasma

A maioria das pessoas sente uma dor que parece estar ocorrendo no membro amputado (dor fantasma) em algum momento. O aspecto fantasma não é a dor, que é real, mas o local da dor, um membro que foi amputado. A dor fantasma geralmente começa dentro de dias após a amputação, mas pode levar meses ou anos para aparecer. A dor fantasma pode ser em formigamento, aguda, pungente, latejante, em queimação, intensa, em beliscão ou em aperto.

A dor fantasma é frequentemente mais grave logo após a amputação, diminuindo com o tempo. Para muitas pessoas, a dor fantasma é mais comum quando a prótese não está sendo usada; por exemplo, durante a noite. O risco de ter essa dor é reduzido se uma raquianestesia e uma anestesia geral for aplicada durante a cirurgia.

A estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS), acupuntura e a estimulação da medula espinhal podem aliviar a dor.

Sensação de membro fantasma

A maioria das pessoas apresenta a sensação fantasma, que é a sensação de que a parte amputada ainda está presente. A sensação fantasma é diferente da dor fantasma. A sensação fantasma pode ser um problema específico com amputações de membros inferiores nas idas noturnas ao sanitário. A pessoa acredita que seu membro ainda está ali, tenta andar e cai ou machuca seu membro residual. Um dispositivo de proteção pode ser utilizado durante a noite para prevenir uma lesão.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS