Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Placenta acreta

Por

Julie S. Moldenhauer

, MD, Children's Hospital of Philadelphia

Última modificação do conteúdo jun 2018
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

Placenta acreta é uma placenta de aderência anormal, resultando em passagem atrasada da placenta. A funcionalidade da placenta permanece normal, mas a invasão trofoblástica se estende além do limite (denominada camada de Nitabuch). Nesses casos, a remoção manual da placenta, a menos que seja feita escrupulosamente, resulta em intensa hemorragia pós-parto. O diagnóstico pré-natal é por ultrassonografia. O tratamento é normalmente com histerectomia cesariana programada.

Na placenta acreta, as vilosidades placentárias não estão contidas por células deciduais uterinas, como geralmente ocorre, mas estendidas para o miométrio.

As anomalias relacionadas incluem

  • Placenta increta (invasão da vilosidades coriônicas no miométrio)

  • Placenta percreta (penetração das vilosidades coriônicas através da serosa uterina)

As 3 anormalidades causam problemas similares.

Etiologia

O principal fator de risco para a placenta acreta é

  • Cirurgia uterina prévia

Nos EUA, a placenta acreta ocorre mais comumente em mulheres que

A incidência da placenta acreta aumentou de 1/30.000 nos anos de 1950 para cerca de 1/500 a 2.000 nos anos de 1980 e 1990, e para 3/1000 nos anos 2000; permanece no intervalo aproximado de 2/1000. O risco em mulheres que têm placenta prévia aumenta aproximadamente 10% se passaram por cesariana, e > 60% se tiveram > 4 cesarianas. Para mulheres sem placenta prévia, ter tido uma cesariana anterior aumenta um pouco o risco (de < 1% para até 4 cesarianas).

Outros fatores de risco incluem:

  • Idade materna > 35 anos

  • Multiparidade (o risco aumenta à medida que a paridade aumenta)

  • Miomas submucosos

  • Cirurgia uterina prévia, incluindo miomectomia

  • Lesões endometriais, como a síndrome de Asherman

Sinais e sintomas

Normalmente, o sangramento vaginal é abundante durante a separação manual da placenta após o parto do feto. Mas o sangramento pode ser mínimo ou ausente, mas pode ocorrer não dequitação da placenta depois de 30 minutos do parto do feto.

Diagnóstico

  • Ultrassonografia para mulheres em risco

A avaliação completa da interface uteroplacentária por ultrassonografia (transvaginal ou transabdominal) justifica-se em mulheres em risco; isso pode ser feito periodicamente, iniciando em 20 a 24 semanas de gestação. Se a ultrassonografia B-modo (escala de cinzas) é inconclusiva, RM ou os estudos com Doppler podem ajudar.

Durante o parto, suspeita-se de placenta acreta se

  • Se não houve dequitação da placenta após 30 minutos do parto do lactente.

  • As tentativas de remoção manual não conseguem criar um plano de separação.

  • A tração placentária provoca hemorragia intensa.

Quando há suspeita de placenta acreta, laparotomia com preparação para grandes volumes de hemorragia é necessária.

Tratamento

  • Cesariana/histerectomia programada

A programação do parto é o melhor. Normalmente, a menos que a mulher se oponha, a histerectomia cesariana é feita na 34ª semana; essa abordagem tende a resultar em melhor equilíbrio entre resultados maternos e fetais.

Se a cesariana/histerectomia é realizada (de preferência por um cirurgião pélvico experiente), uma incisão uterina fúndica, seguida de imediato clampe do cordão, pode ajudar a minimizar a perda de sangue. A placenta é deixada no lugar enquanto a histerectomia é realizada. O balão de oclusão da aorta ou vasos ilíacos internos pode ser feito no pré-operatório, mas requer um angiografista habilidoso e pode causar sérias complicações tromboembólicas.

Raramente (p. ex., quando placenta acreta é focal, uterina ou posterior), os médicos podem tentar salvar o útero, mas apenas se não há hemorragia aguda. Por exemplo, o útero pode ser deixado no lugar, e uma dose alta de metotrexato pode ser administrada para dissolver a placenta; esse procedimento só é feito em determinados centros. Embolização arterial uterina, ligadura arterial e tamponamento com balão também são às vezes usados.

Pontos-chave

  • Nos EUA, a placenta acreta é cada vez mais comum, ocorrendo com mais frequência em mulheres que tiveram placenta prévia após cesariana em uma gestação anterior.

  • Considerar o uso de ultrassonografia periódica para examinar as mulheres com > 35 anos de idade ou que são multíparas (particularmente se placenta prévia se desenvolveu anteriormente ou de elas tiveram cesariana antes), que têm miomas submucosos ou lesões endometriais ou que tiveram cirurgia uterina prévia.

  • Suspeitar de placenta acreta se a placenta não foi liberada 30 minutos após o parto do lactente, se as tentativas de remoção manual não podem criar um plano de separação ou se a tração da placenta causar hemorragia intensa.

  • Se placenta acreta é diagnosticada, fazer histerectomia cesariana na 34ª semana, a menos que a mulher recuse.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como fazer versão cefálica externa
Vídeo
Como fazer versão cefálica externa
Modelos 3D
Visualizar tudo
Parto vaginal
Modelo 3D
Parto vaginal

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS