Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

honeypot link

Ablação para arritmia cardíaca

Por

L. Brent Mitchell

, MD, Libin Cardiovascular Institute of Alberta, University of Calgary

Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente

A necessidade de tratamento das arritmias depende dos sintomas e da gravidade da arritmia. O tratamento é direcionado às causas. Se necessário, utiliza-se terapia antiarrítmica direta, incluindo antiarrítmicos, cardioversão-desfibrilação, cardiodesfibriladores implantáveis (CDIs), marca-passos (e uma forma especial de estimulação, terapia de ressincronização cardíaca), ablação com cateter,cirurgia ou uma combinação desses procedimentos.

Se a taquiarritmia depender de uma via específica ou de um local ectópico de automaticidade, o local pode ser intencionalmente destruído (por ablação) visando a cura. Há vários tipos de ablação:

  • Ablação por radiofrequência

  • Crioablação

Geralmente realiza-se a ablação usando energia de radiofrequência (RF) elétrica de baixa voltagem e alta frequência (300 a 750 MHz) fornecida por cateter transvenoso. Essa energia aquece e necrosa uma área < 1 cm de diâmetro e de até 1 cm de profundidade.

A crioablação usa o congelamento de tecidos (a -70 °C) para causar destruição tecidual. Outros sistemas de entrega foram desenvolvidos para uso intraoperatório.

Antes que a energia possa ser aplicada, o local ou os locais alvo devem ser identificados por estudo eletrofisiológico.

[A taxa de sucesso é > 90% para as taquicardias supraventriculares por reentrada (via o nó atrioventricular [AV] ou via acessória), taquicardia atrial focal e flutter atrial, e taquicardia ventricular idiopática focal (taquicardia ventricular por reentrada na via de saída do ventrículo direito, ou taquicardia ventricular por reentrada no septo esquerdo ou no ramo do feixe). Como fibrilação atrial (FA) geralmente se origina ou é mantida em um local arritmogênico nas veias pulmonares, essa origem pode ser isolada eletricamente por ablações na junção entre a veia pulmonar e átrio esquerdo ou no átrio esquerdo. De forma alternativa, para os pacientes com fibrilação atrial refratária e frequências ventriculares elevadas, o nó AV pode ser submetido à ablação, após a implantação de marca-passo permanente. Às vezes, a ablação é bem-sucedida em pacientes com cardiopatia isquêmica e TV refratária a fármacos particularmente quando doença cardíaca isquêmica está presente.

A ablação por cateterismo é segura; o risco de morte é mais alto nos procedimentos complexos. A incidência de mortes é < 1/2.000 nos procedimentos de ablação não complexos, mas pode ser de até 1/500 nos procedimentos de isolamento da veia pulmonar para ablação da fibrilação atrial ou da taquicardia ventricular.

As complicações envolvem lesão valvar, estenose ou oclusão da veia pulmonar (se usada para tratamento de fibrilação atrial), acidente vascular encefálico ou outra embolia, perfuração cardíaca, tamponamento (1%) e ablação do nó AV não intencional.

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família
Profissionais também leram

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS ANDROID iOS
PRINCIPAIS