Manual MSD

Please confirm that you are a health care professional

Carregando

Paroníquia crônica

Por

Chris G. Adigun

, MD, Dermatology & Laser Center of Chapel Hill

Última modificação do conteúdo ago 2019
Clique aqui para acessar Educação para o paciente
Recursos do assunto

É a inflamação da dobra ungueal que pode ser recorrente ou persistente, tipicamente nos dedos.

A paroníquia crônica é uma doença inflamatória da pele das pregas ungueais. A paroníquia crônica ocorre quase sempre em pessoas cujas mãos estão constantemente úmidas (p. ex., lavadores de prato, garçom de bar ou empregadas domésticas), principalmente se tiverem eczema nas mãos, diabetes ou tiverem comprometimento imunológico. Candida muitas vezes está presente, mas seu papel na etiologia não está claro; erradicação fúngica nem sempre faz a doença desaparecer. A doença pode ser uma dermatite irritante com colonização fúngica secundária.

A prega ungueal pode ser vermelha e sensível com repetidas crises de inflamação e muitas vezes se torna fibrótica. Diferentemente paroníquia aguda, mas quase nunca há acúmulo de pus. Há frequentemente perda de cutícula e separação visível entre a prega ungueal e a placa ungueal. Essa separação deixa um espaço que permite a entrada de microrganismos e irritantes. A unha pode se tornar distrófica em longo prazo.

O diagnóstico da paroníquia crônica é clínico.

Manifestações da paroníquia crônica

Tratamento

  • Evitar irritantes e exposição excessiva à água

  • Corticoides tópicos ou tacrolimo

  • Às vezes, corticoides e antifúngicos intralesionais

  • Para doença grave ou refratária, cirurgia

Evitar irritantes e exposição excessiva à água ajuda a cutícula a se regenerar e fechar o espaço entre a prega e a placa ungueal. Se houver necessidade de contato com água, usar luvas ou cremes de barreira.

Fármacos tópicos que podem ajudar incluem corticoides e tacrolimo a 0,1% (um inibidor da calcineurina). Injeções intralesionais de corticoides na prega proximal hipertrófica das unhas podem acelerar a melhora. Os tratamentos antifúngicos são acrescentados à terapia somente quando colonização fúngica é uma preocupação.

Os casos graves ou refratários podem exigir cirurgia (1).

Se não há resposta ao tratamento e um único digito é afetado, deve-se considerar carcinoma de células escamosas e fazer biópsia.

Referência sobre o tratamento

Clique aqui para acessar Educação para o paciente
OBS.: Esta é a versão para profissionais. CONSUMIDORES: Clique aqui para a versão para a família

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS