Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Autonegligência em idosos

Por

Daniel B. Kaplan

, PhD, LICSW, Adelphi University School of Social Work;


Barbara J. Berkman

, DSW, PhD, Columbia University School of Social Work

Última revisão/alteração completa mai 2019| Última modificação do conteúdo mai 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

Alguns idosos não se cuidam. Eles não providenciam comida, medicamentos ou outras necessidades para si próprios, e podem ignorar sua higiene pessoal. Este problema é chamado autonegligência.

A autonegligência é mais comum quando o idoso

  • Vive sozinho e isolado

  • Tem uma disfunção que compromete a memória ou o discernimento (comodoença de Alzheimer)

  • Tem várias disfunções crônicas

  • Fazem abuso de substâncias

  • Tem depressão grave

No entanto, alguns idosos não têm problemas médicos específicos. O motivo para essas pessoas se autonegligenciarem não é evidente.

As pessoas podem se autonegligenciar ao não manterem suas roupas limpas, não pagando suas contas, comendo pouco e ficando desnutridas e desidratadas. As pessoas podem não ir ao médico quando elas têm possíveis problemas de saúde de risco de vida. Ou, se vão ao médico, podem recusar o tratamento, não comprar os remédios ou faltar às consultas de acompanhamento. Suas casas podem estar sujas, em mau estado ou infestadas de animais e insetos. Algumas vezes a autonegligência implica a saúde pública — por exemplo, quando o comportamento das pessoas aumenta o risco de incêndios.

Distinguir entre a autonegligência e o direito de autonomia e privacidade pode ser muito difícil para os familiares, amigos e profissionais da área de saúde. Os idosos podem fazer escolhas informadas. Eles podem simplesmente decidir viver de uma forma que os outros acham indesejável. Frequentemente, um assistente social é a melhor pessoa para fazer essa determinação e pode intervir se alertado pelos familiares ou amigos. Se a intervenção for considerada necessária, a ajuda pode estar a apenas um telefonema de distância. Contatar o clínico geral da pessoa é uma boa maneira de começar. Além disso, serviços de proteção ao adulto ou unidades estaduais para o envelhecimento (cujos números estão disponíveis através do Eldercare Locator no 800-677-1116) podem ajudar coordenando avaliações de segurança em casa e ajudando as pessoas idosas a obterem serviços de aconselhamento, sistemas de resposta de emergência, referências para serviços de apoio adicionais e, se necessário, hospitalização.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Continuidade de cuidados
Vídeo
Continuidade de cuidados

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS